Tempus Volat

closeAtenção, este artigo foi publicado 9 anos 2 meses 24 dias atrás.

“Sempre faço mil coisas ao mesmo tempo”, como diz a canção do Renato Russo. E isso pode ser visto como uma grande oportunidade ou como um grande desafio; ou ainda, as mais das vezes, como as duas coisas ao mesmo tempo.

Uma grande oportunidade, sem dúvidas! Porque só nos foi dada uma vida e, neste pouco tempo que temos – afinal, tempus volat -, são tantas as coisas a serem feitas que, por mais que as façamos, sempre vai restar muita coisa por fazer. E um grande desafio, porque tempus volat e, se nos dispersarmos com futilidades, correremos o risco de repetir, ao fim da vida, como aquele sonetista (Laurindo Rabelo? Frei Antônio das Chagas? Sempre achei que fosse deste último mas, agora, após googlar, fiquei em dúvidas):

Para ter a minha conta feita a tempo,
O tempo me foi dado e não fiz conta…
Não quis, sobrando tempo, fazer conta,
Hoje quero acertar conta e não há tempo!

A sede do Infinito que existe no coração do homem, a sede de Deus, para o qual o homem foi criado e sem o qual vive inquieto o seu coração: eis o que se encontra por trás da natural inclinação para fazer mil coisas, da natural insatisfação do homem, sempre descontente, sempre buscando mais. E tempus volat – o homem nunca irá alcançar a sua satisfação. Porque, quando achar que está quase lá, descobrirá um outro caminho a ser explorado em sua frente, e, após esse, outro e mais outro – “E quando acho que estou quase chegando / tenho que dobrar mais uma esquina…”, como canta uma outra canção do Renato Russo

… Nunca… ? Nunca é muito forte. Haverá um tempo – esta é a Esperança Cristã – no qual toda lágrima será enxugada, e o homem desfrutará daquilo que o seu coração – que já nesta vida anseia pelo infinito – sequer imaginou, e então Cristo será tudo em todos, e o homem verá a face de Deus, e terá se encontrado, finalmente. E descobrirá para quê foi criado. E entenderá tudo. Bem-aventurados os que se encontrarem com as brancas vestes nupciais, neste dia! Porque haverá também outros que entenderão tudo, mas a Jerusalém Celeste, cujas portas nunca se fecham, aparecer-lhes-á para sempre cerrada e inacessível, porque eles não se preocuparam em lavar as suas vestes no Sangue do Cordeiro [o tempo lhes foi dado, e não fizeram conta…], e então haverá choro e ranger de dentes.

Livre-nos Deus de tão desgraçado infortúnio! E que a nossa sede de infinito, ainda que nos leve a fazer mil coisas, sirva como evidência de que existe Algo maior a Quem devemos aspirar; e não nos faça, ao contrário, desperdiçar o tempo que nos é dado – e que volat – entre mil futilidades, até chegarmos de mãos vazias e vestes imundas diante d’Aquele que é Santo, e então seja tarde demais.

Nossa Senhora, Refugium Peccatorum, rogai por nós!

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page