O que eles querem e como eles agem

closeAtenção, este artigo foi publicado 9 anos 22 dias atrás.

Ao contrário do que alardeia a mídia gayzista, o Projeto de Lei 122/2006 – a lei da homofobia – não tem o propósito de resolver o “alto índice de violência contra homossexuais” que a Secretaria de Direitos Humanos diz existir. A violência no Brasil atinge a todos, independente de raça, credo ou orientação sexual.

Na verdade, com relação a esta aberração jurídica, provavelmente há aqueles homossexuais que são (i) indiferentes, porque não dão muita importância ao assunto; (ii) enganados, porque acreditam na cantilena da mídia gayzista; (iii) sádicos, que – como salientou muito bem o Olavo de Carvalho – alegram-se com a desgraça alheia; e (iv) empedernidos, porque o que querem é não ouvir o chamado à conversão que o Evangelho lhes faz continuamente e, assim, continuarem vivendo em [pseudo-]paz.

E este último ponto é particularmente crítico: querem impedir o Evangelho de ser pregado! O problema moral é sem dúvida um grande empecilho ao acolhimento da Fé verdadeira, mas hoje ele atinge patamares inauditos: se, antes, esforçavam-se os pecadores em fazerem-se de surdos, hoje querem – para se pouparem ao trabalho de fingir não ouvir – calar a boca aos missionários. Não contentes em rejeitar o chamado de Cristo, querem os pecadores empedernidos que a ninguém tal chamado seja sequer dirigido.

Cabe refletir: acaso os gays são os únicos interessados nisso… ?

* * *

Diz reportagem da FOLHA:

A Polícia Civil e o Ministério Público do Ceará concluíram que a morte do professor universitário e militante gay Luís Palhano Loiola, 40, em maio, no interior do Estado, não foi motivada por homofobia, como suspeitavam entidades de defesa dos direitos de homossexuais, mas por vingança de um irmão do professor.

A cifra de “crimes homofóbicos” ficaria bem mais modesta se os dados fossem contabilizados com mais rigor. A Igreja define como “mártir” não simplesmente o “cristão que é morto”, mas sim aquele que é morto por ódio à Fé. Para se falar em “homofobia”, um critério análogo deveria ser aplicado. A sutileza escapa, todavia, à mídia comprometida com a agenda gayzista: eles devem viver qual abutres à caça de cadáveres de homossexuais, que possam ser usados para – per fas et per nefas – engordar as suas estatísticas.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

0 thoughts on “O que eles querem e como eles agem

  1. Captare

    “Cabe refletir: acaso os gays são os únicos interessados nisso… ?”

    Ótima pergunta! E tudo aponta para que a resposta seja um sonoro: <>

    Uma notícia publicada hoje pela agência Zenit (http://www.zenit.org/article-19192?l=portuguese), deixa claro que há um AGENDA POLÍTICA <> para calar Deus na vida pública, e relegar a visão religiosa cada vez mais ao âmbito mais íntimo de cada indivíduo! É negar o Título de <> que o Cristo mereceu heroicamente no Calvário!!!

    Infelizmente, não se trata mais de um “teoria da conspiração”, e sim de uma conspiração cínica e aberta, que só os mais iludidos vão se negar a enxergar! É a concretização de tudo o que foi escrito po Sto. Agostinho na “Civitas Dei”.

    Miserere nobis, Domine!

  2. Captare

    PS: As palavras omitidas entre <> são, respectivamente: NÃO, MUNDIAL e REI, assim mesmo em caixa alta., não sei o que hove mas o sistema comeu estas palavras… :P

    DL