Da eternidade do Inferno

CONSIDERAÇÃO XXVII

Da eternidade do inferno

Et ibunt hi in supplicium aeternum.
E estes irão para o suplício eterno (Mt 25,46).

PONTO I

Se o inferno não fosse eterno, não seria inferno. A pena que dura pouco, não é grande pena. Se a um doente se rompe um abcesso ou queima uma ferida, não deixará de sentir dor vivíssima; como, porém, esta dor passa em breve não se pode considerá-la como tormento grave. Seria, porém, grande suplício, se a intervenção cirúrgica perdurasse semanas ou meses. Quando a dor é intensa, ainda que seja breve, torna-se insuportável. E não apenas as dores, até os prazeres e as diversões, prolongando-se em demasia, um teatro, um concerto, continuando, sem interrupção, durante muitas horas, causaria tédio insofrível. E se durassem um mês, um ano? Que será, pois, no inferno, onde não é música, nem teatro que sempre se ouve, nem leve dor que se padece, nem ligeira ferida ou superficial queimadura de ferro candente que atormenta, mas o conjunto de todos os males, de todas as dores não em tempo limitado, mas por toda a eternidade? (Ap 20,10).

Esta eternidade é de fé; não é simples opinião, mas sim verdade revelada por Deus em muitos lugares da Sagrada Escritura. “Apartaivos de mim, malditos, para o fogo eterno. — E irão estes ao suplício eterno. — Pagarão a pena de eterna perdição. Todos serão assolados pelo fogo” (Mt 25,41.46; 2Ts 1,8; Mc 9,48). Assim como o sal conserva o alimento, o fogo do inferno não só atormenta os condenados, mas, ao mesmo tempo, tem a propriedade do sal, conservando-lhes a vida. “Ali o fogo consome de tal modo — disse São Bernardo — que conserva sempre”.

Insensato seria aquele que, para desfrutar um dia de divertimentos, quisesse condenar-se a uma prisão de vinte ou trinta anos num calabouço! Se o inferno durasse, não cem anos, mas apenas dois ou três, já seria loucura incompreensível que por um instante de prazer nos condenássemos a esses dois ou três anos de tormento gravíssimo. Mas não se trata de trinta nem de cem, nem de mil, nem de cem mil anos, trata-se de sofrer para sempre penas terríveis, dores sem fim, males incalculáveis sem alívio algum. Portanto, os santos gemiam e tremiam com razão, enquanto subsistia, com a vida neste mundo, o perigo de se condenarem. O bem-aventurado Isaías, posto que passasse os dias no deserto entre jejuns e penitências, exclamava: “Infeliz de mim, que ainda não estou livre das chamas infernais”.

AFETOS E SÚPLICAS

Se me tivésseis lançado no inferno, meu Deus, como tantas vezes mereci, e depois me tirásseis de lá em virtude da vossa grande misericórdia, quanto vos seria agradecido e que vida santa procuraria eu levar!… E agora que, com clemência ainda maior, me tendes preservado da condenação eterna, que direi, Senhor? Tornarei a vos ofender e provocar a vossa ira a fim de que me condeneis àquele cárcere dos réprobos, onde tantos ardem por culpas menores que as minhas? Ah, meu Redentor, é o que fiz na vida passada! Em vez de empregar o tempo que me destes para chorar meus pecados, abusei dele para vos ofender. Agradeço à vossa infinita bondade o ter-me aturado tanto tempo. Se não fosse infinita, como houvera tolerado meus delitos? Agradecido, por me terdes esperado com tanta paciência até agora; agradecido, pela luz com que me iluminais, a fim de que reconheça minha demência e o mal que cometi, ofendendo-vos com meus pecados. Detesto-os, meu Jesus, e de todo o coração me arrependo. Perdoai-me, pela vossa sagrada paixão e morte; assisti-me com vossa graça para que jamais torne a ofender-vos. Devo temer, com razão, que, em caso de cometer novo pecado mortal, me abandonareis. Senhor, ponde diante de meus olhos esse temor justo, sempre que o demônio me provocar a ofender-Vos. Amo-vos, meu Deus, e não quero perder-vos. Ajudai-me com vossa divina graça.

Auxiliai-me também, Virgem Santíssima; fazei que sempre me valha de vós nas minhas tentações, a fim de que nunca mais perca o meu Deus. Ó Maria, vós sois a minha esperança.

[Santo Afonso de Ligório, “Preparação para a morte”, pp. 84-85. Baixe a íntegra em .pdf aqui]

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

6 thoughts on “Da eternidade do Inferno

  1. Michele Madalena Silva de Oliveira

    E pensar que hoje mal se ouve falar do inferno nas homilias! Em 1917, Nossa Senhora já mostrou o enorme número de almas que se perde. E não sei qual foi a aparição de Nossa Senhora, em que ela disse que o número de almas que vai para o inferno é o número de folhas que caem das árvores no inverno. Ou seja, a maioria.
    Infelizmente um parente meu, que já aos 13, 14 anos tinha virado travesti, se prostituindo, cada vez mais agrssivo com a família e os demais. foi assassinado no carnaval, por “clientes”. Não só ele, como mais 3 travestis que o acomponhava. É quase certo que tenha sido esse o destino dele. Sempre colocava-o nas intenções do meu terço, e mesmo ele tendo ido pro inferno, acredito que minhas orações foram ouvidas. Ele morreu com 16 anos, e se tivesse vivido mais, sofreria muito pior a pena eterna, já que a chance de conversão era quase nula.
    Que os sacerdotes e a família falem bastante desse assunto, pois é melhor saber muito sobre o inferno em vida do que vivê-lo após a morte.
    Salve Maria.

  2. cicero sampaio

    em 1 timóteo 2.5 está escrito :”Porque há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens,jesus cristo,homem.”só jesus pode interceder pela humanidade,só ele pode reconciliar o homem pecador com Deus e mais ninguém;quem morreu para nos dá o direito de salvação foi ele.maria está salva e aguarda pela ressurreição para à vida eterna,jesus vive.

  3. cicero sampaio

    com todo meu respeito a maria que foi agraciada por Deus para ser a mãe de jesus,mais a bíblia nos orienta á adorar jesus,pedi perdão a jesus,interceder por nossos pecados só jesus,ter esperança só em jesus;se maria pudesse houvi todas essas petições que a humanidade faz a ela ,ela ficaria extremamente triste,porque ela sabe que todo poder nos céus e a terra foi dado a ele e mais ninguém só ele é digno de toda honra e glória,leiam a palavra de Deus para não serem enganados amem.

  4. henry

    Tudo bem entendido , obrigado a quem postou isso , explicando o dito sobre o não dito atribuído ao papa ;ou seja esta “heresia” pois o papa não falou msm sobre o inferno não ser eterno , porém já investiguei muito e li sobre a não unanimidade : – santos católicos tbm podem ter visões distintas a saber – outra teoria ( teoria= visão etimologicamente do grego); alguns disseram que não é eterno outros já afirmam que é eterno . Sei que a teoria da apocatástase de padre origenes de Alexandria foi considerada heresia e até condenada pelo concilio antigo . O que quero saber é como o douto e grande teólogo ratzinger pode falar no site :- bíblia católica News, em um artigo ali; em tom tão elogioso a favor deste mártir da fé ( origenes ) sobre ele ter uma tão perspicaz capacidade de interpretação em varias dimensões ao ler e fazer exegese e hermenêutica bíblicas. Não sou fake , sou católico , tenho minha mãe que foi noviça , hoje viúva honesta e casta e tive tbm 2 tios padres , embora estes deixaram a ordem e casaram . Obrigado á tds , só o que sei é que o inferno existe pois é de fé , e o que tenho é o temor de Deus que expulsa o pecado . se alguém puder me ajudar agradeço , não estou aqui para fazer intrigas teologais , se alguém tem uma resposta sensata me ajude com cautela pois este tema é mt caro para mim , se não puder mantenha-se em reserva.

  5. Jorge Ferraz (admin)

    Henry,

    Desconheço essa “não unanimidade” a respeito do tema.

    Orígenes teve várias teses condenadas posteriormente. Mas é Orígenes sozinho contra a totalidade dos Padres da Igreja.

    Do fato de Orígenes haver tido algumas de suas teses posteriormente condenadas não segue que não fosse um bom católico; formalmente ele não desobedeceu à Igreja, que à época ainda não se manifestara sobre os seus “vários mundos”. De todo modo, é uma personalidade importante para a história da Igreja.

    Acho que nenhuma seita origenesiana sobreviveu substancialmente ao Concílio de Constantinopla.

    Abraços,
    Jorge

  6. Henry José

    Sr. Jorge ferraz , a paz de cristo , não é nem questão de concordar ou descordar de você sobre a tua afirmação da unanimidade , pois senão eu já estaria discorrendo uma teologia profunda por mero achismo. o fato é que desconheces ainda pois não foi só origenes quem pensou assim , no comentário acima eu citei não o singular mas o plural ; houve outros pensadores católicos . Se não concorda comigo , sem problemas , já que existem mistérios que nem a igreja católica ainda resolve , este é um exemplo. Além do mais são justino mártir também deu outra possibilidade para algumas almas que estão no inferno ;ou seja a de Deus aniquila-las definitivamente em dado momento .