Padre argentino proibido de lecionar

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 11 meses 28 dias atrás.

Saiu em vários lugares na semana passada (p.ex., G1) que o padre Ariel Álvarez Valdés, argentino, foi proibido de lecionar “por não acreditar na existência de Adão e Eva”. A notificação – assinada pelo cardeal Tarcisio Bertone – proíbe ao sacerdote “qualquer atividade acadêmica, como sua docência na Universidad Católica de Santiago del Estero (UCSE) e no Seminário Diocesano de Catequese, (…) [ou ainda] publicar artigos jornalísticos, ou fazer comentários por rádio ou televisão”, embora lhe permita “continuar com a realização de missas”.

Graças a Deus, o sacerdote acatou imediatamente a decisão da Santa Sé, sobre o problema que já vinha há 13 anos. Não se trata somente da questão da existência histórica de Adão e Eva, mas também da aparição do Anjo à Virgem Maria e, em suma, negação da historicidade dos Evangelhos em geral. Caso o padre se retrate, pode voltar às suas atividades acadêmicas.

Bom seria se os admiradores do trabalho do pe. Álvarez seguissem o seu exemplo de obediência. O Fratres in Unum publicou um comentário escandaloso de um sacerdote português, defensor ardoroso do padre argentino e inimigo mortal da Cúria Romana, o qual diz ter escrito “há poucos anos um livro com o título NEM ADÃO E EVA, NEM PECADO ORIGINAL” e chama Nosso Senhor de “Jesus, o de Nazaré, o Excomungado por antonomásia”. Tenha Deus piedade de nós todos, e que Nossa Senhora socorra principalmente às almas mais necessitadas da Misericórdia Divina.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page