O mistério das vacinas

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 11 meses 24 dias atrás.

Desde a primeira vez que tomei conhecimento do assunto, sustentei que provavelmente era HOAX. Contudo, a cada dia, o (provável) hoax parece estar mais elaborado.

Primeiro, por causa do Requerimento de Informação que o ministro Miguel Martini apresentou. Ainda não sei se houve alguma resposta do Ministro do Ataúde, mas o ato oficial deu visibilidade ao assunto e fez com que muita gente o reproduzisse (a internet tá cheia de exemplos).

Segundo, porque as pessoas parecem estar realmente preocupadas com o assunto e estão aparentemente seguindo uma política tipo – mutatis mutandisaposta de Pascal: “se for verdade e eu me vacinar vai ser terrível, se for mentira e eu deixar de me vacinar, perco muito pouca coisa”. O vacinômetro do site oficial da campanha, no vermelho, revela isso. Não posso deixar de dar razão a este tipo de raciocínio.

Terceiro, porque existe uma pergunta que eu não consigo responder: afinal, a quem interessa a propagação da mentira? Não consigo pensar em absolutamente ninguém, salvo a existência de algum “cavaleiro do Caos” estilo Coringa, hipótese que acho pouco provável – já que, afinal, são os pró-vida de diversos lugares que advogam a favor do risco de esterilização com a vacina.

Quarto, por causa da enorme quantidade de material de diversos lugares a favor da tese de que é possível, sim, haver alguma coisa errada com as campanhas de vacinação. Basta ver os comentários aqui mesmo, nos posts sobre o assunto. Em particular, um representante da Human Life International diz, num artigo a mim sugerido entre os comentários que recebi, o seguinte:

Confronted with the results of  laboratory tests which detected its presence in three of the four vials of tetanus toxoid examined, the WHO and DOH scoffed  at the evidence coming from “right-to-life and Catholic” sources. Four new vials of the tetanus vaccine were submitted by  DOH to St. Luke’s (Lutheran) Medical Center in Manila — and all four vials tested positive for hCG!
[Confrontados com os resultados dos testes em laboratório que detectaram sua presença [do anti-hCG] em três das quatro ampolas de vacina contra o tétano examinadas, a OMS e o Departamento de Saúde das Filipinas debocharam das evidências que vinham de fontes “pró-vida e católicas”. Quatro novas ampolas da vacina foram enviadas pelo Departamento de Saúde para o Centro Médico St. Luke’s (Luterano) em Manila – e todas as quatro deram positivo no teste para hCG!tradução livre]

Quinto, por causa de algumas informações desconcertantes que tenho recebido por email (de fontes idôneas e, pelo menos, merecedoras de um pouco de crédito – os nomes e lugares estão alterados):

Em 01/08/2008, eu havia encaminhado o e-mail abaixo [sobre vacinas produzidas na Índia a partir de fetos abortados] para FULANA que é chefe da farmácia do Posto de Saúde de TAL LUGAR. (…) No dia 09/08/2008, você encaminhou e-mail sobre a vacina de rubéola e eu encaminhei cópia para FULANA. Eu liguei para FULANA e ela confirmou que as vacinas são da Índia, e confirmou também que são exatamente as vacinas de aborto, pois ela viu na bula que é a vacina RA273.

Sem querer aumentar o alarmismo, mas já o tornando quase insuportável, ouvi ontem de uma médica que trabalha no TAL LUGAR que é isso mesmo e não tem novidade. Anos atrás, por determinação da direção do hospital, todas as mulheres que passavam por exame ginecológico teriam recebido dose dessa mesmíssima vacina indiana.

Intrigada, foi questionar a razão para a medida e ouviu como resposta que tratava-se, realmente, de um programa de controle de natalidade, mas que não era divulgado para não causar polêmica.

Segundo a médica, que é ginecologista, o número de mulheres inférteis ou com problemas para engravidar cresceu consideravelmente após essa medida.

Ainda, disse-me ela, outra orientação do hospital era para que se realizasse laqueaduras nas parturientes, sem que essas soubessem, especialmente nas “nordestinas” que engravidavam que nem coelhos.

Aterrorizado, indaguei por que ela continuava trabalhando por lá e por que não denunciava tudo isso. Respondeu-me, como era esperado, que precisava “ganhar a vida” e que se um dia fosse obrigada a falar oficialmente sobre isso, negaria tudo. E termina tentando fazer piada: – Acordo toda manhã e vou trabalhar no TAL LUGAR.

Sexto, porque eu não posso deixar de concordar que existe uma tremenda desproporcionalidade na campanha – Por causa de somente 17 casos de rubéola em bebês em gestação por ano, o Ministério da Saúde quer a vacinação de 70 milhões de brasileiros, mesmo em quem já teve a doença e em que já foi vacinado (Min. Martini, RI 3321/2008) – que é-me completamente inexplicável.

Sétimo, porque tem gente séria e bem conhecida – como o Heitor de Paola e a Graça Salgueiro – estudando mais a fundo o assunto e apresentando, como resultado preliminar, que há indícios de que as vacinas têm, sim, um objetivo esterilizante e de controle populacional.

Em suma… os fatos de que eu tenho conhecimento, até o momento, são estes. É forçoso reconhecer que, ao lado dos argumentos contra a tese, há fortes indícios de que alguma coisa não está muito bem explicada. Enquanto isto, é bem provável que o vacinômetro continue no vermelho…

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

8 thoughts on “O mistério das vacinas

  1. Pingback: Vacina esterilizante: o dilema continua « PALAVRAS APENAS…

  2. Rafaela

    Jorge,

    Muito bom o seu blog! Faço parte da lista de tradição católica e apesar de não participar muito, a lista tem sido fonte de grande aprendizado para mim!

    Em relação a essa vacina a única coisa que eu posso fazer agora é rezar e pedir a Deus que isso não seja verdade. Eu fui vacinada nessa campanha e a hipotese de ter agentes esterelizantes na composição da vacina é algo horripilante. Imaginar que o governo tenha interferido em uma questão tão intima, violando o direito de milhões de brasileiros é algo tão absurdo que eu ainda quero acreditar que nada disso se confirme!

    Oremos porque as coisas ficam pior a cada dia!

    A paz de Cristo e o amor de Maria estejam sempre com você!

    Sua irmã em Cristo
    Rafaela

  3. Jorge Ferraz

    Rafaela,

    Eu também conheço pessoas que já tomaram a vacina. Aliás, com uma cobertura de – segundo o “vacinômetro” – mais de 50%, acho que todo mundo conhece alguém que já foi =(

    O assunto permanece obscuro, mas continuemos esperando, e rezando. O comunicado da OPAS [comentário logo acima, do Lucas] diz que as vacinas “passaram por uma avaliação rigorosa da Organização Mundial de Saúde para garantir sua qualidade”, o que de modo algum é reconfortante, porque a OMS é a própria acusada de estar por trás da campanha.

    Imagino que o Requerimento de Informação do dep. Martini foi o passo mais importante que foi dado neste assunto. Vamos ver no que vai dar.

    Abraços, em Cristo,
    Jorge Ferraz

  4. Pingback: Dom Aloísio questiona campanha de vacinação « Deus lo vult!

  5. Igor Ramon

    Graças a Deus fui informado do risco antes de tomar a ‘bendita’ vacina. Espero q isso seja esalrecido logo.

  6. José

    Pessoal eu não posso acreditar no que está acontecendo, minha irmã tem 27 anos, trabalhava e fazia faculdade de contabilidade, tomou vacina contra gripe no ano passado, e não sei exatamente se foi por conta da vacina, mas após alguns dias no máximo uma semana, ela foi acometida da síndrome de guillain barre. Ela ficou paralizada, não mexia sequer os dedos dospés, ficou totalmente dependente pra tudo. Parou com o trabalho e a faculdade. Tenho vídeos dela no hospital. E desde dezembro de 2008 estamos lutando contra esta doença. Será que foi por conta da vacina? como eu poderia obter maiores informações a respeito? Para entrar em contato comigo envie um email para: [email protected]