O egoísmo e a prática do bem

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 10 meses 7 dias atrás.

Desço para fumar um cigarro. A televisão está ligada. Uma entrada ao vivo de um plantão jornalístico chama-me a atenção (não, não tem nada a ver com os ETs de hoje); trata-se de um caso (até meia hora atrás, pelo menos) ainda em curso de um sujeito de Santo André que está mantendo, desde ontem, duas adolescentes reféns em sua casa. O motivo? Decepção amorosa; uma das meninas (tem quinze anos) é ex-namorada dele (que tem 22 anos).

Vinte e dois anos! Por causa do fim de um relacionamento, trocou as palavras doces dos apaixonados pelas ameaças sob a mira de um revólver. E eu cá, com meus botões, não consigo deixar de pensar que é preciso ter sido uma criança muito mimada – acostumada sempre a ter tudo – para fazer semelhante insensatez. Por causa de uma menina! O jovem Werther pode dizer o que quiser, mas não vai mudar os fatos: há uma clara hierarquia de valores na realidade, e a “paixão” não está no ponto mais alto dela.

Por causa do fim de um namoro! Alguém pode dizer que este sujeito é um “egoísta” que “só pensa em si”; não é de todo falso, mas também não é de todo verdade. Na verdade, se esse sujeito pensasse o suficiente em si, não faria uma besteira dessas. Se ele pensasse o suficiente em si, perceberia que está se prejudicando com esta atitude insana. Se ele pensasse bastante em si, deixaria de fazer a sua vida orbitar em torno desta menina, por mais que ela lhe fosse cara.

Raul Seixas, evidentemente, não é referência em matéria espiritual, mas ele de certa maneira percebeu este paradoxo do Cristianismo (embora não o tenha conseguido resolver completamente) em uma música chamada “Carpinteiro do Universo”. Há uma frase que sintetiza perfeitamente isto sobre o que estamos falando: “o meu egoísmo é tão egoísta que o auge do meu egoísmo é querer ajudar”. Na visão do rockeiro baiano, então, fazer o bem às outras pessoas é a atitude mais coerente para quem pensa demasiado em si mesmo, porque ajudar é bom também para quem ajuda. Platão disse a mesma coisa por outras palavras quando, pela boca de Sócrates (acho que é n’A República), disse que “se o desonesto soubesse a vantagem de ser honesto, ele seria honesto ao menos por desonestidade”. Isso tudo não deixa de ser verdade, embora só aborde um dos lados da questão; mas só este lado já seria suficiente para impedir a tragédia em Santo André.

Qual o problema, então? Acaso as pessoas são pouco egoístas, é isso? Na minha opinião, não. Primeiro, porque ajudar ao próximo não é egoísmo simpliciter (falo sobre isso mais abaixo); segundo, porque existe a – chamemo-la desta vez assim – “desordem no egoísmo”, que é (na minha opinião) o que deveria ser chamado egoísmo propriamente. Porque egoísmo – aqui está o ponto da questão não contemplado por gregos e baianos – não é somente pensar em si, mas pensar em si da maneira errada. Todo mundo está obrigado a pensar em si, e a própria Doutrina Católica o afirma, quando diz que todo mundo está obrigado a cuidar da salvação da própria alma. Mas também é verdade que ninguém pode ser egoísta. As duas afirmações, portanto, seriam contraditórias se o egoísmo fosse simplesmente uma preocupação consigo mesmo. Acontece que não há nenhuma contradição.

O homem deve atribuir a si próprio a importância que ele tem: nem mais, nem menos. Da mesma forma como a humildade não é a “virtude” por meio da qual uma pessoa bonita se olha no espelho e diz que é feia, ou um homem inteligente diz para si próprio que é burro, o egoísmo não é pensar demasiadamente em si, e sim pensar desordenadamente em si. Faz toda a diferença. O rapaz de Santo André, se ele pensasse muito em si, mas pensasse atribuindo os valores corretos às variáveis envolvidas, não ia fazer a loucura que está fazendo. O problema não é o “egoísmo” entendido como auto-preocupação, e sim como desordem na atribuição de valores à realidade.

Esta desordem pode até fazer com que alguém, num caso concreto, busque de maneira egoísta o prazer que se sente ao ajudar às demais pessoas; mas – e aqui a caridade afasta-se da (bem ou mal intencionada) mera filantropia -, se permanece o vício radical [a desordem na apreciação dos bens], cedo ou tarde todo o castelo de aparências irá ruir. Somente pensando em si próprio, e pensando corretamente, é possível seguir caminhando; pois a Cruz sem Cristo é simplesmente masoquismo, e a teoria do “egoísmo egoísta” de Raul Seixas só funcionaria plenamente em um mundo de masoquistas (que, evidentemente, não é o mundo real). Só a Doutrina Católica é capaz de mover o mundo; a Cidade de Deus é construída pelo amor a Deus até o desprezo de si, e não sobre o amor a si até o desprezo de si. Porque, via de regra, o amor a si “sozinho” leva somente ao desprezo de Deus, e não ao desprezo de si. Amar a Deus e ao próximo por amor a Deus (e o “primeiro próximo” de cada um de nós somos nós mesmos), eis a fórmula da caridade, eis o mandamento deixado por Jesus, eis a única força capaz de mudar o mundo.

P.S.: Conclusão do arrazoado: se não estiver radicada em Cristo (ou ao menos no “desejo implícito de Deus” para os casos de Ignorância Invencível), toda filantropia é egoísmo; caso esteja, é caridade, e tertium non datur. Não é verdade, portanto, que o egoísmo gere ou mesmo que possa gerar a caridade; duas realidades mais antagônicas não pode haver.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

0 thoughts on “O egoísmo e a prática do bem

  1. sandra nunes

    Jorge, faz TRÊS ANOS que eles namoram!
    Ele tinha quase 20 e ela DOZE.
    Jurídicamente falando, DOZE ANOS, é CRIANÇA
    Moralmente falando é um ABSURDO.
    Ele deve considera-la como PROPRIEDADE dele.
    Ela “pertence” a ele e não tem o direito de deixar de pertencer.

    é POSSE.

  2. Marcio Antonio Campos

    Jorge,

    “Platão disse a mesma coisa por outras palavras quando, pela boca de Sócrates (acho que é n’A República), disse que ‘se o desonesto soubesse a vantagem de ser honesto, ele seria honesto ao menos por desonestidade’.”

    Quer dizer que Jorge Ben Jor conhece Platão?

    Abraços!

  3. Jorge Ferraz

    Marcio,

    :-)

    Eu juro que não conhecia a música de Jorge Ben!

    Se malandro soubesse como é bom ser honesto
    Seria honesto só por malandragem, caramba

    Sim, é alusão claríssima. Em casa, pego a citação completa de Platão.

    Abraços,
    Jorge

  4. franc1968

    Tempos obscuros esses! É o conceito de posse, tão bem exposto pela Sandra, que leva o sujeito a cometer essas sandices. Em nome de uma imagem distorcida do amor, alguns propagam o ódio!

  5. Pingback: O show da mídia « Deus lo vult!