Escândalo em São Paulo

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 10 meses 6 dias atrás.

Paciência tem limites…

O ensino da Igreja sobre o aborto é claro e cristalino: não é permitido o assassinato de inocentes sob nenhuma hipótese. Também as orientações da Igreja sobre a participação dos leigos na política é extremamente clara:

João Paulo II, na linha do perene ensinamento da Igreja, afirmou repetidas vezes que quantos se encontram directamente empenhados nas esferas da representação legislativa têm a “clara obrigação de se opor” a qualquer lei que represente um atentado à vida humana. Para eles, como para todo o católico, vale a impossibilidade de participar em campanhas de opinião em favor de semelhantes leis, não sendo a ninguém consentido apoiá-las com o próprio voto.
[Congregação para a Doutrina da Fé, NOTA DOUTRINAL sobre algumas questões relativas à participação e comportamento dos católicos na vida política, novembro de 2002. Grifos meus]

Resumindo: já que nenhum católico pode apoiar uma lei abortista, e já que as leis abortistas são de ordinário propostas e defendidas por políticos abortistas, segue-se que o católico não pode votar em um político abortista. Mais claro do que isso, é impossível.

No entanto, fiquei sabendo que, em São Paulo, PT e padres preparam manifesto contra rejeição à Marta Suplicy. Marta Suplicy já defendeu o aborto e o casamento gay. Não me consta que ela tenha mudado de opinião. A Igreja não pode apoiar diretamente candidato algum (embora deva denunciar os candidatos nos quais os católicos não podem votar), muito menos uma candidata gayzista e abortista! No entanto, a matéria fala que os padres responsáveis pela vergonhosa carta – que vai ser distribuída nas missas – estão preocupados com “os preconceitos (!!!) de católicos que torcem o nariz para Marta por causa da defesa feita por ela do direito ao aborto e da união civil entre homossexuais”.

Alto lá! Preconceito, não. Convicções morais da mais alta importância, coerência entre a Fé que se professa e a participação que se tem na sociedade! Se os lobos de batinas (ou não…), sepulcros caiados que são, traidores da Fé, de Deus e da Igreja querem se furtar à defesa dos direitos mais elementares do ser humano, ao menos que não escandalizem o povo de Deus a eles confiado com esta desavergonhada e promíscua proposta de que se dêem as mãos ao inimigo. Vergonha que uma iniciativa deplorável como esta possa partir de sacerdotes do Deus Altíssimo, pessoas que deveriam ensinar aos homens a Sã Doutrina da Salvação, e não fazer alianças políticas com inimigos declarados da Igreja!

A notícia diz que a idéia partiu da Região Episcopal de Belém. O bispo, Dom Pedro Luiz Stringhini, já tem lamentáveis precedentes, a começar pela absurda declaração – dada ao Estado de São Paulo – quando do injustificável episódio das Abortistas pelo Direito de Matar que introduziram um escandaloso vídeo que defendia o aborto num DVD da Campanha da Fraternidade que defendia a vida; à época, Sua Excelência disse, como se fosse a coisa mais natural do mundo, ser “provável que haja mais manifestações desse tipo, de pessoas ligadas a nós, como já ocorreu numa palestra do Núcleo Fé e Cultura, da PUC de São Paulo”. Também consta na ficha suja do sucessor dos Apóstolos o ridículo apoio dado ao “Grito dos Excluídos” (em uma carta que se inicia com “companheiros e companheiras” e que pretende – seja lá o que isso signifique – promover o “respeito nas relações de gênero, raça e etnia”).

A coisa, portanto, já está muito feia, mas parece não haver limites para os descalabros de parte do clero paulista. Peço a todos os que puderem que entrem em contato – RESPEITOSAMENTE – com Sua Excelência Reverendíssima, Dom Pedro Luiz Stringhini, questionando-o sobre esta situação escandalosa. Os contatos estão abaixo:

====================

Região Episcopal Belém

Fone: (11) 6693-0287
Fax: (11) 6693-5620
[email protected]
[email protected]
[email protected]

====================

Que Nossa Senhora da Conceição Aparecida proteja o Brasil, e o Beato José de Anchieta interceda pela cidade que ele fundou.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

0 thoughts on “Escândalo em São Paulo

  1. Pingback: Está consumado « Deus lo vult!

  2. Andrea

    Acho o seguinte. A Igreja tem os princípios dela e devem ser respeitados e seguidos pelos católicos sim. Ninguém é obrigado a ser católico. Se não concorda com a Igreja, que saia. Só que esses padres progressistas não saem nem a pau juvenal porque a mamata deve ser boa. Portanto compete à Igreja saí-los, capiche?