Golpe à vista

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 10 meses 6 dias atrás.

Eu não vi muita repercussão sobre o assunto; no entanto, é da mais alta importância. A FOLHA noticiou, terça-feira passada, que “[a] assessoria da liderança do governo federal na Câmara pediu o levantamento de informações sobre a possibilidade jurídica de convocação de uma Assembléia Nacional Constituinte exclusiva e uma nova revisão constitucional”. O assunto não é novidade; já faz quase um ano que o Marco Garcia falava em “disposição do PT de propor uma Constituinte para mudar a Carta Magna brasileira”.

Dá para retroceder ainda mais no tempo; pois, em agosto de 2006, já se falava sobre o assunto:

A convocação de uma Assembléia Constituinte exclusiva para fazer uma reforma política no Brasil seria “inconstitucional”, “um golpe” e “inviável”. É o que dizem especialistas, entre advogados e juristas, ouvidos por Última Instância sobre o assunto. A idéia fez parte de encontro nesta quarta-feira (2/8 [de 2006]) entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e uma comissão de juristas e ex-presidentes da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).

Agora, que o último mandato do sr. Presidente está já na segunda metade, o monstro petista começa a mostrar as garras. Estejamos atentos. Para pensar: “será que o nacional-socialismo [nazista] ressuscitou bem junto a nós através de uma versão tropicalista, adulterada, falsificada, longe anos-luz da envergadura carismática e maligna de Hitler, mas igualmente nociva”?

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

0 thoughts on “Golpe à vista

  1. Gustavo

    Cara Sandra,

    Eu me oponho a todo tipo de ditadura, os únicos tipos de governos legítimos que um católico pode aceitar são a monarquia, a aristocracia e a democracia. Creio que os colegas aqui no blog só falam da ditadura militar que ocorreu no Brasil como um mal menor em relação a uma ditadura comunista que é por princípio absolutamente contra as Leis de Deus e Sua Santa Igreja. Agora partido por partido creio que quase todos em algum momento apoiaram uma ditadura, o PT por exemplo apoiou a ditadura cubana muito mais severa e ímpia que a tupiniquim, mandando muito de seus para treinamento de guerrilha lá. Só se pode acusar o DEM e achar que está tudo certo com o PT, no tópico ditadura, caso se acredite em algum tipo de fascismo no qual é mais grave matar brasileiros, mesmo que em menor número, que cubanos por exemplo, o que espero não seja o caso da senhora.

    Quanto à divisão esquerda/direita não existe patacoada maior, pois em termos morais eu, por exemplo, seria de direita, assim como no que tange a economia, mas em certos tópicos de relações sociais poderia ser considerado de esquerda. Se você vir o programa do PT e o programa do Partido Nacional Socialista Alemão dos Trabalhadores (Partido Nazista, de Hitler) as únicas diferenças que vai encontrar é no que tange questão étnica maquiavélica do povo alemão x povo judeu, pode procurar tem até no wikipedia.