Nota da Região Episcopal Belém

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 10 meses 3 dias atrás.

Acabei de receber, por email (p.s.: através do email oficial da Região Episcopal Belém[email protected]), a seguinte Nota de Dom Pedro Stringhini, referente ao escândalo de ontem em São Paulo. Sua Excelência diz, verbis, que, pelo que pôde se informar, “de fato não ocorreu a divulgação”. Não há que se descartar a possibilidade de ser tudo uma mentira cretina do PT (não seria nada de inesperado). Aqui no BLOG a sra. Sandra Nunes já disse e repetiu que nem ela nem ninguém da família dela viu esta divulgação (ela é da Região Episcopal Belém). Alguém que é de São Paulo, poderia confirmar se realmente viu ocorrer a panfletagem?

* * *

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Informo e esclareço o que segue. No dia 17 de outubro de 2008, às 9:00 h, aconteceu, na Região Episcopal Belém, Arquidiocese de São Paulo, uma reunião, com a participação de cerca de 200 pessoas, dentre as quais 40 padres, sendo 9 padres da Região Episcopal Belém. Dessa reunião, resultou um manifesto de apoio à candidata Marta Suplicy, que disputa a Prefeitura de São Paulo, intitulado “Católicos pela Justiça, em favor dos mais Pobres”.

Dois dias antes, quando eu soube que havia sido marcada uma reunião, para a qual os padres estavam sendo convidados, eu estava reunido com 12 padres. Expressei-lhes minha contrariedade e aconselhei a que os padres da Região não participassem.

Na sexta-feira, enquanto acontecia a reunião (e eu me dirigia a Itaici para a Assembléia das Igrejas do Estado de São Paulo) já começaram a chegar telefonemas e mensagens de católicos e outros protestando contra a presença dos padres e o referido apoio.

Imediatamente, da estrada, telefonei à secretaria da Região, pedindo que avisassem aos 63 párocos da Região que estava proibida a divulgação, nas Igrejas, da referida nota, pelo já tão conhecido motivo de que a participação da Igreja na sociedade existe em vista do bem comum e da justiça, mas não é partidária e, por isso mesmo, jamais se posiciona em favor deste ou daquele candidato/a. Por isso, a Igreja não aprova a participação de padres em apoio a um manifesto de caráter político, partidário, eleitoral. O evangelho, nesse domingo, exortava a “dar a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus” (Mt 22,21).

Assim foi feito e, do que pude me informar, hoje, segunda-feira, de fato não ocorreu a divulgação. E o clima nas 250 comunidades da Região Belém é de grande serenidade (cf. At 9,31). O povo ama sua Igreja, participa de sua missão evangelizadora e reconhece o imenso bem que realiza, em nome de Jesus Cristo, na defesa da vida e na solidariedade aos pobres. Peço perdão aos católicos que se sentiram ofendidos e, em nome das comunidades e seus padres, desejo transmitir paz e serenidade através dos mesmos meios de comunicação, que prontamente se empenham na divulgação de incidentes como o acima relatado. “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” (Jo 8,32).

Em Cristo Jesus, fraternalmente,

Dom Pedro Luiz Stringhini

Bispo Auxiliar de São Paulo

Região Episcopal Belém

São Paulo, 20 de outubro de 2008.

Ano Santo Paulino

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

0 thoughts on “Nota da Região Episcopal Belém

  1. Jorge Ferraz

    Antonio,

    Só dois comentários e uma correção.

    O primeiro deles, é que a lentidão de Roma é já proverbial. Coisa natural, já que a Igreja tem dois mil anos. Lembre-se, p.ex., de que Jansenius nasceu em fins século XVI e, no começo do século XVIII, ainda São Luís de Montfort escrevia contra o jansenismo em seus textos.

    O segundo, é que compete à Igreja julgar. A maneira como tu tratas um sucessor dos Apóstolos é inadequada; sugiro a leitura d’O Diálogo de Santa Catarina, na parte referente aos maus padres.

    A correção, é que mesmo padres hereges celebram missas válidas, embora ilícitas se estiverem proibidos pela autoridade competente de celebrá-las, o que não é o caso.

    Abraços,
    Jorge

  2. sandra nunes

    Antonio, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, foi bajular se ferrou.

    Aqui é pão, pão queijo queijo.

  3. sandra nunes

    GENTE, tem uma coisa chamada LIVRE ARBÍTRIO, que nos foi dado por Deus!

    Depois, cada um presta conta com o PAI CELESTIAL

    GLÓRIA A DEUS NAS ALTURAS E PAZ NA TERRA AOS HOMENS DE BOA VONTADE.

  4. Antonio

    Caro Jorge,

    Faltou, de fato, maior precisão de minhas palavras. Explicando melhor, padres hereges só rezam missas válidas se elas não tiverem vício de forma, matéria nem “intenção”. A respeito desta última, só Deus sabe ao certo. Mas não é improcedente inferir uma mais alta (as vezes muito mais alta) probabilidade de padres que se distanciam de tantos artigos de moral e de fé incorrerem na falta de intenção em, por exemplo, consagrar a hóstia. Ora, se um padre que defende o aborto em corolário a acreditar que supostos direitos da mulher valeriam mais que a vida do nascituro, o que pensar a respeito de sua adesão à fé na transubstanciação, que é insensível aos nossos sentidos? Daí porque disse “podem”, e não “devem”, estar sendo celebradas missas inválidas.

    Quanto à minha crítica dura, reconheço, ao bispo, vc mesmo relembrou recentemente seus leitores de algumas evidências de que a situação de alguns padres da diocese não é mero descontrole ou desconhecimento do ordinário. Não podemos colocar panos quentes quando está em questão a vida de tantas almas nascidas ou a nascer. Quem julga e impõe de fato uma pena é a Igreja. Mas diante de tamanha impiedade pública, temos sim o dever de alertar, também publicamente, nossos pares, e censurar a autoridade ao nível de seu erro. Ainda mais, o que dizer de alguém que incorre em delitos de ação e omissão cuja conseqüência é a automática excomunhão?

    A origem ideológica e doutrinária da qual advém a defesa do aborto já vai fazer mais de cem anos, quase tão velha quanto sua censura. E os ideais iluministas dos quais advém o argumento liberal em favor da irrestrita autonomia da mulher para matar o nascituro, 220 anos. Vc espera mais o que para que a hierarquia tome medidas mais duras a respeito desses erros e heresias? A crítica ao jansenismo por parte de um santo pode ter durado tanto tempo, mas isso não é parâmetro absoluto para cruzarmos sempre os braços diante de um erro claro como esse ou aquele. Fosse assim o entedimento mais correto, a Igreja teria ao longo de sua história aguardado pacientemente, sem militância nenhuma, a queima apocalíptica do joio. Essa transigência irrestrita é de fundo modernista.

    Sobre a forma de me expressar, guardarei e praticarei com bastante consideração seu conselho de leitura. E pedirei perdão a Deus se, segundo um grau de informação maior que Ele venha dar-me a graça de ter, compreender que teria mesmo eu transgredido na forma.

    Abraço,

    Antonio

  5. Jorge Ferraz

    Caríssimo Antonio,

    Não discordo in totum das tuas intervenções. No entanto, as coisas não são tão simples como tu colocas.

    Em primeiro lugar, sobre a validade das missas, há que se precisar a existência do que a Igreja chama de intenção virtual, suficiente para a validade de qualquer sacramento. Não há nexo causal evidente entre “defender o aborto” e “celebrar missa com intenção expressa de não consagrar”. Ainda que o padre não creia na Eucaristia, isso de per si não é suficiente para caracterizar a inexistência de intenção (ao menos virtual) de fazer o que faz a Igreja (lembre-se de Lanciano). Ottaviani levantou este problema na sua famosa intervenção, mas não o resolveu. Em todo caso, sim, a tua última colocação – enfatizando a possibilidade, e não o fato consumado, da celebração de missas inválidas, distinção à qual não atentei no primeiro comentário, pelo que peço perdão – é verdadeira.

    Em segundo lugar, sob as sanções penais do Direito Canônico, não é verdadeiro simpliciter que “a diocese da região do Belém está, de fato, sede vacante” como tu disseste. É um juízo que não compete aos fiéis católicos (já imaginou o caos se os católicos “decidissem” quem incorreu na excomunhão latae sententiae e quem não incorreu?) e, por piores que sejam os pastores, continuam sendo pastores enquanto a autoridade competente (no caso, Roma) não os destituir. Isso de maneira alguma significa “obediência cega” nem “apoio irrestrito” aos erros que porventura os pastores possam cometer; trata-se tão-somente da sadia e necessária distinção entre quem governa e quem é governado na Igreja. Não impede a denúncia dos erros, mas exige que tal denúncia seja feita nos moldes corretos. Não é de maneira alguma “transigência irrestrita”, até porque – repito – os erros devem ser denunciados. Mas cada um na posição que a Divina Providência lhe assinalou na História: a hierarquia aplicando os atos de governo, os leigos repetindo a perene Doutrina da Igreja.

    Em terceiro lugar, no que se refere especificamente às penas da Igreja sobre o aborto, a excomunhão latae sententiae do cân. 1398 só fulmina quem provoca (ou colabora para que ocorra) um aborto concreto, “seguindo-se o efeito”, de modo que a mera “apologia do aborto”, embora sem dúvidas seja um pecado gravíssimo e escandaloso, salvo juízo mais abalizado, não tem excomunhão automática associada. Outrossim, não me consta que Dom Stringhini faça ou tenha feito defesa do aborto; tu sabes de alguma coisa neste sentido?

    Abraços, em Cristo,
    Jorge Ferraz

  6. sandra nunes

    Por que vocês não tomam atitude de HOMEM e perguntam para o PRÓPRIO D. PEDRO LUIZ.
    Dom Pedro Luiz Stringhini
    Bispo Auxiliar da Arquidiocese de São Paulo
    [email protected]
    [email protected]

    Esqueci, tem gente que só sabe falar pelas costas dos outros.

    Especular, lançar dúvidas, caluniar, injuriar, difamar e mentir pelas costas é fácil, para qualquer pessoa sem caráter.

    Encarar seu “desafeto” e perguntar “cara a cara” tem que ter hombridade e caráter

    É bem capaz que amanhã aparece “alguém” aqui para dar um “testemunho”.

    Enfrentem D. Pedro Luiz e perguntem a ele por que ele trabalha pelo social, pelo povo de Deus, por que está comprometido com os pobres? Se ele se considera Católico em razão de tais atitudes. Sua posição quanto às uniões homoafetivas, aborto etc.. Enfim e tudo que se especula aqui!

    Assim, sim, vou respeitar TODOS, enquanto vocês fazem maledicências, contra alguns Bispos da CNBB.

    Vamos lá lanço o desafio, quem tem coragem de chegar no D. Pedro Luiz e “peitar” o Homem.

    Quem tiver coragem, faça c/c para todos assim saberemos que não se trata apenas de “causar” no BLOG.

    Eu me comprometo, se for necessário, falar com meu Pároco para pedir especial atenção de D. Pedro Luiz para o email de vocês.

    Se ninguém concordar então parem de insinuações contra alguém que não está na conversa e não pode se defender.

    Mostrem um pouco de dignidade e respeito pelo BISPO

  7. vanderley

    Grande ignorante( Sandra)

    Mais uma vez você errou, olhe no site da Wikepedia sobre

    o metrô.

    A distância está dentro do que eu escrevi (3/5km).

    Sé – Pedro II = 737 m
    Pedro II – Brás = 1.000 m
    Brás – Bresser = 882 m
    Bresser – Belém = 1.837m

    Total = 4.456 m (e não é em linha reta)

    Além de fanática, mentirosa, agora, também não
    inteligente.

    A mentirosa falou 20 km – DESMENTIDA !!!!!

    Não cabe a nós, leigos, “peitar” Bispos.

    No caso dele existe instâncias superiores.

    Cabe sim denunciar, os erros e equívocos.

    Quem deveria vir a público e esclarecer melhor os
    seus posicionamentos é o Bispo.

    Quem adota uma posição dúbia é ele.

    Não só neste caso, como nos anteriores ( DVD da Campainha da Fraternidade, Pastoral da Mulher, Grito
    dos “excluidos” (ou melhor, passeata comunista) com
    as/os Abortistas a tiracolo, etc.

  8. Antonio

    Caro Jorge,

    É verdade que o cânon citado por vc só diz respeito aos casos concretos de aborto em que o ato de provocação ou colaboração tenha nexo com o efeito (aborto) intentado e consumado. Ainda assim o cânon não explicita quão direta ou indireta teria de ser a colaboração para que fosse considerada causadora do mal. Ainda bem, porque haverá sempre a possibilidade de um mentor/causador se esconder atrás de um conselho ou ensinamento, e estar distante física ou temporalmente do ato a ponto de de ser difícil ou impossível a aferição da causalidade. Não opera o erro, mas o semeia com ardil tão grande ou maior do que aquele que executa. É por isso que a Igreja tem por tradição a intolerância a maus pastores que, ao invés de corrigir, ensinam o erro, inaugurando o mal em almas sãs e reforçando o erro naquelas onde este é contumaz. No presente caso, a carta-panfleto quer fazer passar o programa socialista de Marta e seu vice como compatíveis com a doutrina da Igreja, o que é heresia.

    Não nos deixa enganar uma lei mais abrangente que prevê excomunhão para todos aqueles que praticam ou exortam a agenda socialista e comunista defendida pelo PT e seus padres e bispos apócrifos:

    http://www.montfort.org.br/index.php?secao=documentos&subsecao=decretos&artigo=anticomunismo&lang=bra

    Quanto à denúncia, salvo melhor juizo, penso que um pré-requisito indispensável é a legitimidade do autor. Não me cabe fazer uma denúncia formal sobre um assunto que não me afeta diretamente, nem sou eu representante legal daqueles afetados. Quem tem plena legitimidade para fazê-lo é a própria Sandra. Mas, mesmo lhe trazendo os argumentos, ela nos empurra a primeira responsabilidade pelo zelo de sua própria alma e de seus familiares ao dizer que deveríamos “peitar” D. Pedro. Que leve ela esses argumentos ao conhecimento de seu bispo e peça esclarecimentos. Caso não os sejam suficientes, peça esclarecimento adicional a Roma.

    Abraços,

    Antonio

  9. Jorge Ferraz

    Sandra,

    Espero que suas acusações de calúnia, injúria e difamação não sejam para mim. Fui O PRIMEIRO a publicar a nota de D. Stringhini, reconhecendo a sua importância.

    Abraços,
    Jorge

  10. franc1968

    Começo a achar que dona Sandra vem a este blog com a melhor das más intenções. No comentário 32, ela confundiu gentileza e educação com bajulação… Creio que ela não sabe LER!!!

  11. sandra nunes

    o pobre rapaz quis concordar e levou uma dura, por não estar completamente doutrinado.

  12. sandra nunes

    JORGE, fale com ELE do seu desagrado de como é conduzida a Região Belém.

    Não fique com fofoquinhas, enfrenta o HOMEM.

    Vanderlei, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, você conhece tanto São Paulo, que foi procurar na wikipédia? E eu que sou mentirosa…

    Venha dar uma volta de metro, ou melhor vá andar seus 5km kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  13. sandra nunes

    A PARTIR DO MOMENTO, QUE VOCÊS, NÃO SÃO HOMENS DE DIZER NA CARA, SÓ PELAS COSTA, EU CORROBOREI TUDO QUE DISSE AQUI.

    QUERIA VER, UM DE VOCÊS, FALANDO COM DOM PEDRO LUIZ, IRIA TOMAR UMA AULA, DE CÁTEDRA, DO QUE É SER CATÓLICO.

    AQUI, É TUDO DISCURSO, PALAVRAS DE ORDEM.

    MAS O COVARDES, JAMAIS ENFRENTAM PELA FRENTE

    A HOMBRIDADE, AQUI, PASSA AO LARGO.

  14. franc1968

    Sandra,
    Já que a senhora decidiu baixar o nível das discussões de uma vez e, pelo excesso de comentários, tentar confundir e esconder-se da verdade, eis o que seus comentários me revelam. Talvez minha opinião não lhe importe, afinal, como alguém contaminado pelo esquerdismo doentio, a senhora se mostra afastada da lógica e do bom senso.
    Percebo que a senhora se esquiva das perguntas. E tem uma profunda falta de respeito pela opinião alheia. O esquerdista, por mais que tente posar de democrata, na verdade, não aceita que a sua opinião seja contrariada, pois acredita, como fundamentalista fanático que é , ser a sua visão de mundo a única correta.
    Dona Sandra, aqui há pessoas que pensam diferente da senhora e têm as suas razões. Este é um blog católico e, como tal, expressa o pensamento católico. Não basta, a senhora deve saber, freqüentar um templo católico para ser automaticamente católico. Repito: entre os Doze, havia um traidor. Quantos há entre milhões? Milhares e milhares.
    A senhora se diz católica, mas não é. A senhora vive um simulacro de catolicismo urdido por mãos que se unem para louvar Marx e não Jesus. Pois todo marxista, como criança birrenta, acha que tem sempre razão…
    Continue com os seus comentários. Eles são para mim objeto de estudo. Refletem uma visão de mundo relativista e falsa. Em outras palavras, apesar de perigosa, dona Sandra, a senhora é uma comédia… Ou melhor, uma farsa… (teatral, que fique bem claro para a sua inteligência abaixo da média… ou seria sem caráter?)

  15. Léo

    Engraçado ela dizer que fala-se pelas costas. Este blog não é público? Ah, acho que precisa de senha para acessá-lo, não? Aiai … Mais uma incoerência / contradição, tal como ser socialista e católico, ou ser católico e dar camisinhas para os filhos, ou ser católico e votar no PT e afins, ou … ou … ou …

    Abraços e fiquem com Deus,

    Léo

  16. vanderley

    “você conhece tanto São Paulo, que foi procurar na wikipédia? E eu que sou mentirosa…”

    É só para quem não é de São Paulo conferir, entendeu ?

    Duvido !!

    Tanto eu como você sabemos que você mente !!

    Eu constantemente vou a São Paulo, e uso o metrô !!

    Só para ver como você não tem razão, veja o blog

    anticristão do “marido” dela:

    http://blogdofavre.ig.com.br/tag/igreja-catolica/

  17. vanderley

    “você conhece tanto São Paulo, que foi procurar na wikipédia? E eu que sou mentirosa…”

    É só para quem não é de São Paulo conferir, entendeu ?

    Duvido !!

    Tanto eu como você sabemos que você mente !!

    Eu constantemente vou a São Paulo, e uso o metrô !!

    Só para ver como você não tem razão, veja o blog

    anticristão do “marido” dela:

    blogdofavre.ig.com.br/tag/igreja-catolica/

  18. Pingback: Comentários curtos « Deus lo vult!

  19. sandra nunes

    vanderley

    Numa de suas inúmeras visitas a São Paulo, talvez tenha notado, que além dos 3,5 km (sic) entre o Brás e a Sé tenha somente uma linda campina verdejante, uma cena bucólica.
    É uma relva verde e plana de fazer inveja à Planice Central. (São Paulo, não é um planalto…)

    O vento, sussurrante, levou o manifesto do Brás até a Sé, nos seus 3.5ks (sic)

    Isso seria impossível somente se o relevo da cidade fosse um planalto; a distancia fosse maior; e no caminho existissem prédios altos, viadutos, pontes, linhas de trem e de metro, a radial leste com milhões de carros, milhares de motos e ônibus, diariamente.

    Realmente, você conhece MUITO, pois vem sempre pra cá e não sou freqüentadora do Centro Pastoral tampouco sou nascida e criada na Região Belém.

    tem cada uma…fala sério

  20. vanderley

    “Total = 4.456 m (e não é em linha reta)”

    Grande ign…..

    É a linha do metrô !!!

    Isto era apenas uma explicação, porém, você usa para mudar de assunto.

    Olhe o “blog” do “marido” da abortista !!

  21. sandra nunes

    Caramba tem CERTEZA QUE CONHECE São Paulo! ( não vale consultar a wikipedia )

    De onde você vem?

    Você sabe o que é transito?

    Onde fica a radial leste?

    Sabe como é o transito nela?

    Sabe o volume de pessoas, nas estações do metro e trem?

    Sabe que tem prédios, pontes e viadutos?

    ” que burro, dá zero pra ele”