Duas sobre o aborto

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 9 meses 25 dias atrás.

Notícia que não sai nos jornais: morreu um bebê de sete meses, em Brasília, vítima de aborto. Por que desta vez saiu na mídia? Saiu – com outra ênfase – porque morreu também a mãe que intentou (e conseguiu) matar o filho que carregava no ventre.

O aborto é letal em 100% dos casos, e isso a mídia não mostra. Quando não morre a mãe, morre o filho (salvo algum caso miraculoso de sobrevivência à tentativa de aborto) e, portanto, sempre se perde ao menos uma vida. Seria, por conseguinte, da mais alta importância que esta prática nefanda fosse completamente proscrita da sociedade atual dita civilizada. Mas as pessoas só se importam com que vêem. Para o que vira lixo hospitalar, ninguém liga. Basta, no entanto, morrer uma mãe, que as autoridades feministas, num cinismo absurdo, vêm a público protestar contra a ilegalidade do aborto que, realizado em condições precárias, terminou por provocar esta morte. No entanto, e a morte dos bebês? Por que esta compaixão seletiva?

Que a Maria, Refúgio dos Pecadores, interceda por esta mulher, cujo nome não foi publicado; e que Nossa Senhora Protetora dos Nascituros livre as nossas crianças da sanha assassina das suas mães.

* * *

Dom Gil Antônio Moreira é bispo de Jundiaí, em São Paulo. Conta-nos, em coluna do Jornal de Jundiaí, a história do milagre que resultou na canonização de Santa Gianna Beretta Molla; recomendo a leitura, para quem ainda não o conheça.

É interessante recordar que a Dra. Giana Beretta Mola, motivada pelo seu irmão sacerdote, missionário no Brasil, tinha grande desejo de vir também ela para nosso País e exercer a medicina em favor dos mais necessitados. Para isso se preparou e estudou português por sete anos. O que não pode realizar em vida, o bondoso Pai do céu lhe está permitindo fazer após sua entrada na eternidade.

Santa Gianna Beretta Molla,
rogai por nós!

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

0 thoughts on “Duas sobre o aborto