Revés das CDDs em Salvador

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 9 meses 17 dias atrás.

As abortistas pelo direito de matar – conhecida associação de senhoras que se dizem católicas e que, no entanto, são militantes a favor do aborto – estavam com um “encontro” agendado para este final de semana (dias 07, 08 e 09 de novembro) numa casa de religiosas em Salvador. O absurdo foi denunciado prontamente pelo pe. Adilton Lopes, da Arquidiocese da cidade.

Após alguns emails de protesto, a Superiora Geral da congregação religiosa responsável pela casa onde o evento iria ocorrer, Ir. Gilvania dos Santos, escreveu-nos dizendo que, tão logo soube quem eram as responsáveis pelo aluguel do espaço, cancelou o evento. São palavras do email da irmã (que vai em anexo):

Quando [as Católicas pelo Direito de Decidir] vieram falavam que se tratava de um grupo que  iam trabalhar com mulheres que foram violentadas e se denominaram cristãs.

Ou seja: estas canalhas não têm nem mesmo coragem de se apresentarem como o que realmente são, pois sabem que a pele de ovelha não engana a mais ninguém. Fica, assim, o registro da baixeza das abortistas, que tudo fazem para atacar por dentro a Igreja Católica. Graças a Deus que temos sacerdotes e religiosos santos, que não dão espaço para que os inimigos da vida humana façam a sua criminosa apologia do assassinato de crianças inocentes.

Nossos mais alegres cumprimentos à Ir. Gilvania dos Santos, pela firmeza e prontidão com as quais agiu para impedir o escândalo; que a Virgem Imaculada possa abençoar-lhe e a toda a sua congregação.

* * *

[Email do Instituto das Medianeiras da Paz]

Salvador, 06 de novembro de 2008.

Queridos Irmãos e Irmãs em  Cristo Jesus.

Graça e Paz em Jesus, o Mediador do Pai!

Hoje pela manhã precisamente a poucos minutos atrás ficamos sabendo do tipo do grupo que irão fazer encontro no Centro de Formação Jesus Mediador.

Por isso, somos convictas das raízes profundas da nossa Consagração e compromisso com os “eleitos de Deus” e enraizadas em Cristo Mediador que cortamos tal acontecimento contrário aos nossos princípios fundacionais e  cristãos.  Imediatamente, entramos em contato com a pessoa que solicitou o serviço e cancelamos dizendo o porquê não aceitamos este tipo de grupo. Quando vieram falavam que se tratava de um grupo que  iam trabalhar com mulheres que foram violentadas e se denominaram cristãs.

Somos uma congregação pobre, contudo os valores Evangélicos são os embasamento que temos para discernir criteriosamente e estarmos radicalmente a serviço da Vida. Toda a nossa missão nas várias localidades onde estamos expressamos com testemunho vivo da nossa presença e amor a Jesus Cristo  no Carisma de mediar, construindo a paz, através do ser humano desde a sua concepção. Lamento ter acontecido isso,  por falta de ter conhecimento do perfil desde grupo de Mulheres. Posso garantir que razão foi é a nossa razão.

Quero expressar a cada um e a cada uma  o nosso perdão pela repercussão dessa situação e asseguro que não irá acontecer o evento na nossa instalação física. Já solicitamos a retirada do nosso nome na programação deste fato diabólico. E que fomos enganadas por estas pessoas.

Que Deus nos ajude e nos conduza a favor da vida em plenitude.
Um abraço de paz pra você!

Ir. Gilvania dos Santos
Sup. Geral

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

0 thoughts on “Revés das CDDs em Salvador

  1. André Víctor

    “Somos uma congregação pobre, contudo os valores Evangélicos são os embasamentos que temos para discernir criteriosamente e estarmos radicalmente a serviço da Vida.”

    “Já solicitamos a retirada do nosso nome na programação deste fato diabólico.”

    Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo e sua e nossa Mãe Maria Santíssima.

    André Víctor

  2. Pingback: Diabólicas pelo Direito de Matar « PALAVRAS APENAS…

  3. Eduardo Araújo

    Louvado, mesmo, com todas as letras!

    É muito estimulante ler notícias desse teor, Jorge.

    Quanto à baixeza das abortistas (redundância nossa), nenhuma surpresa, não é? Usam a tática gramsciana de imprimir a “revolução” silenciosamente, sem os percalços que a modalidade de confrontamento direto traz.

  4. vanderley

    Belo exemplo das irmãs!

    Pena que existam na Igreja , pessoas que são complacentes

    com as abortistas.

    A própria CNBB deveria esclarecer aos católicos em relação a estes grupos e tomar atitudes mais firmes em relação a estas degeneradas.

  5. Julie Maria

    É simplesmente ridículo a liberdade que elas tomam de usar o nome tão valioso como “católicas” e parece que… nós, os católicos assistimos isso sem fazer nada. Me sinto passiva, mas… o que eu poderia fazer além de um post? Alguma ideia?

    Realmente nós temos que mudar e escrever o que elas são, como fez o Fabrício: “diabólicas pelo direito de matar”, pois esta é a verdade.

    JM

  6. Adriano

    Deo gratias!

    Estas abortistas já deveriam estar fora da Igreja a muito tempo.

  7. Moisés

    Enquanto isto…

    O governo não perde nenhuma chance de promover o abortismo. Agora foi usada a prova do Enade (que substitui o velho Provão) aplicada aos alunos de História de todo o país neste domingo.

    Vejam a questão de número 4 da prova:

    CIDADÃS DE SEGUNDA CLASSE?

    As melhores leis a favor das mulheres de cada país-membro da União Européia estão sendo reunidas por especialistas. O objetivo é compor uma legislação continental capaz de contemplar temas que vão da contracepção à eqüidade salarial, da prostituição à aposentadoria. Contudo, uma legislação que assegure a inclusão das cidadãs deve contemplar outros temas, além dos citados.

    São dois os temas mais específicos para essa legislação:
    (A) aborto e violência doméstica
    (B) cotas raciais e assédio moral
    (C) educação moral e trabalho
    (D) estupro e imigração clandestina
    (E) liberdade de expressão e divórcio
    ——————————————–

    A resposta correta, segundo o governo, é, obviamente, a letra (A).

    Ou seja, o governo espera que os alunos considerem que “uma legislação que assegure a inclusão social das cidadãs deve contemplar, entre outros temas, além dos citados”, “aborto e violência doméstica”.

    Veja a prova aqui: http://www.inep.gov.br/download/Enade2008_RNP/HISTORIA.pdf
    O gabarito das respostas, aqui: http://www.inep.gov.br/download/Enade2008_RNP/GABARITO_HISTORIA.pdf

  8. Fernando

    Sugestão para o pe. Adilton Lopes:

    Humildemente, peça perdão às irmãs medianeiras da paz por ter incentivado a comunidade paroquial a mandar e-mails ou a telefonar para elas, repudiando o agendamento do evento sinistro, maquinado pelas infelizes mulheres cdds, sem antes se inteirar junto às irmãs sobre qual proposta as referidas mulheres apresentaram para agendar o encontro. Na oportunidade, o senhor seria informado de que as referidas mulheres enganaram as irmãs quando propuseram fazer um encontro onde iam trabalhar com mulheres que foram violentadas e se denominaram cristãs. Nessa ocasião, o pe. Adilton Lopes esclareceria às irmãs quais os reais propósitos do mal-intencionado grupo de mulheres, e, com toda a certeza, a irmã Gilvania adotaria a decisão de sustar a realização do evento, como o fez, porém, sem os traumos e transtornos desnecessários sofridos por ela e pelas demais irmãs da Instituição que dirige, com reflexos e impactos indesejáveis nas comunidades regionais, nacionais e internacionais.
    As Irmãs Medianeiras da Paz celebram este ano 40 anos de sua fundação, todos dedicados à missão de: Testemunhar e anunciar Jesus, fonte da verdadeira paz, servindo aos pobres, “os eleitos de Deus”.
    Aqui em Recife, damos testemunho da atuação cristã das irmãs que, sem medir esforços, acolhem mais de 180 crianças carentes no Patronato Nossa Senhora da Conceição, na comunidade pobre do bode, no Pina, e desenvolvem serviços de catequese e pastorais em benefício dos freqüentadores da Capela do Menino Jesus em Boa Viagem.
    O teor do convite que chegou às mãos do padre não era do conhecimento das irmãs. Ele só foi elaborado após o agendamento do encontro. Claro que as irmãs não teriam agendado o referido encontro em sua casa de retiro, se o tivessem conhecido previamente.
    Nós, católicos, membros da igreja de Cristo, favoráveis à vida desde a sua concepção, deveríamos denunciar, por todos os meios ao nosso alcance, o que fazem e quais os propósitos de organizações como a dessas mulheres cdds, evitando e prevenindo a marcação de eventos em instituições sérias de nossa igreja.
    À irmã Gilvania e às demais irmãs medianeiras da Paz, lembramos o que disse Jesus no sermão das bem-aventuranças: “Bem-aventurados sois, quando vos injuriarem e vos perseguirem e, mentido, disserem todo o mal contra vós por causa de mim. Alegrai-vos e regozijai-vos, porque será grande a vossa recompensa nos céus, pois foi assim que perseguiram os profetas que vieram antes de vós” (Mt. 5,11-12).

    Cordial e fraternalmente,

    Fernando e Edilene.

  9. Jorge Ferraz

    Fernando,

    Temo que o pe. Adilton não vá receber a sua mensagem aqui postada; por isso, sugiro que o senhor escreva-lhe particularmente.

    No entanto, acredito que o padre já tenha entrado em contato com as irmãs, agradecendo-lhes pela heróica atitude tomada e pedindo-lhes desculpas por lhes ter associado às CDDs. Muitas pessoas já fizeram isso.

    Abraços,
    Jorge

  10. Fernando

    Jorge Ferraz,

    A seguir, para divulgação, carta-retratação do Pe. Adilton:

    Salvador, 15 de novembro de 2008

    Memória de s. Alberto Magno

    Às Instituições, Organismos, Congregações, Institutos, Pastorais e Movimentos, e pessoas de boa vontade

    Prezados Senhores,

    Diante do episódio do dia 5 de novembro, sobre o encontro organizado pela CDD – Católicas pelo Direito de Decidir, que pretendia realizar um encontro nos dias 7 a 9 de novembro de 2008, na Casa de Retiro das Irmãs Medianeiras da Paz, em Salvador, e considerando as repercussões, convém, para o bem da verdade e da paz, esclarecer:

    A referida instituição, não obstante seu nome, não comunga do pensamento e do Magistério da Igreja Católica acerca da verdade sobre a vida humana e seu valor divino;

    As Irmãs responsáveis pela Casa não tinham conhecimento da ideologia propagada por aquela instituição, e por isso, desconheciam tratar-se de assunto incompatível com a Fé e a moral católicas, que nos seus 40 anos de vida e serviço à Igreja, sempre viveram e defenderam com ardor e zelo apostólicos, merecendo de toda a Arquidiocese o reconhecimento e a gratidão;

    As prezadas Irmãs tomando conhecimento da natureza daquela instituição, movidas pela coragem evangélica e pelo senso de pertença à Igreja, cancelarem o pretendido encontro.

    Diante de Deus, de Sua Igreja e de todas as pessoas de boa vontade, afirmo que as Irmãs sempre trabalharam com empenho heróico em defesa da vida, da justiça e da Paz, com fidelidade ao Magistério Eclesiástico e em plena comunhão com as orientações pastorais de nossa Arquidiocese.

    Desejo ardentemente que toda e qualquer dúvida encontre nesta nota o esclarecimento necessário para cessar querelas e superar divisões.

    Em Cristo e Maria, Mãe da Vida,

    Pe. Adilton Pinto Lopes

    Conselheiro Arquidiocesano da Comissão de Defesa e Promoção da Vida

  11. Jorge Ferraz

    Caríssimo Fernando,

    Pax!

    Obrigado pelo seu email; louvado seja Deus, que fez com que o plano das satanistas transvestidas de católicas fosse por água abaixo.

    Parabéns ao pe. Adilton e às irmãs Medianeiras da Paz.

    Continuemos no combate! Abraços, em XC,

    Jorge Ferraz

  12. Pingback: Resposta - Jubileu Sul « Deus lo vult!