Conversão de Gramsci

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 8 meses 26 dias atrás.

Esta manhã, o [arce]bispo Luigi De Magistris, emérito da Penitenciária Apostólica [literalmente, pró-penitenciário maior emérito], em uma intervenção feita durante a apresentação do primeiro catálogo internacional dos santos, revelou os pormenores das últimas horas de vida do ideólogo do PCI [Partido Comunista Italiano] Antonio Gramsci: “O meu conterrâneo Gramsci tinha no seu quarto uma imagem de Santa Teresinha do Menino Jesus. Durante sua última doença, as irmãs da clínica onde ele convalescia levavam aos doentes a imagem do Menino Jesus para que a beijassem. Não a tinham levado a Gramsci. Ele disse: ‘por que não me trouxeram [a imagem]?’ Trouxeram-lhe então a imagem do Menino Jesus e Gramsci a beijou. Gramsci morreu com os Sacramentos, retornando à Fé de sua infância. A misericórdia de Deus nos ‘persegue’ santamente. O Senhor não Se conforma em nos perder”.
[do blog de Andrea Tornielli]

Instituto del Buen Pastor - Latinoamérica

Mons. De Magistris. Foto: Instituto del Buen Pastor - Latinoamérica

Tive a grata oportunidade de conhecer o Monsenhor De Magistris quando estive em Roma no início do ano; andando de batina e de chapéu saturno, rezando naquela igreja (não me recordo o nome!) que fica na entrada da parte administrativa do Vaticano (onde fica o L’Osservatore Romano e onde os guardas suíços não deixam você entrar), ou recebendo-nos amavelmente no seu apartamento. Atencioso e sorridente, a despeito da idade avançada; tenho boas lembranças dele. João Paulo II escreveu-lhe cartas; ele já ordenou Legionários de Cristo e também Sacerdotes do IBP.

A notícia da conversão de Antonio Gramsci é excelente! Deus ama o pecador e espera o retorno do filho pródigo, a despeito de todo o mal que ele possa ter feito em sua vida. O Pai permanece de braços abertos, até o último momento; nas inspiradas palavras do Monsenhor, é uma santa perseguição da Misericórdia d’Aquele que não Se conforma em nos perder.

A imprensa “desmentiu” a conversão de Gramsci. Não considero a história inverossímil; ademais, julgo que o testemunho das freiras que o assistiram nos últimos dias e de um monsenhor de quem só possuo excelentes referências é digno de mais crédito do que as reclamações dos comunistas italianos. Que a Virgem Santíssima seja em seu favor, e o pensador italiano possa descansar em paz.

Vale a pena ver o que disse o Yashá Gallazzi em seu blog:

Não deixa de ser irônico que um fervoroso seguidor da “Igreja do Marxismo dos últimos dias” tenha sentido, no final da vida, a necessida[de] básica do ser humano pelo perdão e pela misericórdia.

[…]

Essa é a grandeza da fé cristã – que, sim, uniu o mundo ocidental: abraçar fraternalmente até aqueles que se dedicaram a acabar com ela. O amor, sabe-se, vence qualquer tipo de ideologia homicida.

Vejam ainda:

Gramsci e o catolicismo – “Erguei-Vos, Senhor”
A conversão de um pecador – “Igreja Una”

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

6 thoughts on “Conversão de Gramsci

  1. João C.

    Deo gratias!

    Uma excelente notícia. Deus não quer que ninguém se perca, nem o pecador mais inveterado…

    Só temos de louvar Nosso Senhor que, nestes acontecimentos, nos mostra a Sua infinita misericórdia.

    Ad maiorem Dei gloriam

  2. Pingback: marxismo » Blog Archive » Conversão de Gramsci

  3. Pingback: Os últimos dias de Voltaire - por Rodrigo Pedroso « Deus lo vult!

  4. Pingback: Manchas e Marcas | melhorcomvirtudes