Às armas, soldados de Cristo!

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 8 meses 18 dias atrás.

crisma-01-01Já há alguns anos – desde que eu me crismei, em 2002, e tomei consciência da importância capital de servir a Cristo com tudo o que eu tinha e tudo o que eu era – eu trabalho, lá na paróquia, na Pastoral da Crisma, esforçando-me para trazer mais e mais jovens para junto do Crucificado. Temos uma crisma por ano, e uma preparação que dura quase o ano inteiro.crisma-01-02

crisma-03Dos jovens que se inscrevem no início do ano, grande parte deles “fica pelo caminho”. Dos que chegam ao final do ano, uma outra parte é convidada a refazer a preparação no ano seguinte, por não estarem ainda – no nosso entender – preparados para assumir o compromisso da maturidade na Fé. No entanto, dos que efetivamente se crismam – ontem foi a celebração do Sacramento, cujas fotos estão aí -, são tantos os que desaparecem e nós não vemos nunca mais! O que falta aos jovens para que se apaixonem por Cristo Jesus? O que falta a nós, míseros catequistas, para que ajudemos a despertar nos corações dos crismandos sentimentos de verdadeira caridade?

crisma-04crisma-05Sempre que penso nisso, lembro-me do Sermão da Sexagésima que, mutatis mutandis, aplica-se bem à tarefa do catequista. “Sabeis, cristãos, porque não faz fruto a palavra de Deus? Por culpa dos pregadores. Sabeis, pregadores, porque não faz fruto a palavra de Deus? — Por culpa nossa”. E, depois de percorrer todas as circunstâncias que identifica no pregador – “a pessoa que é, a ciência que tem, a matéria que trata, o estilo que segue, a voz com que fala” -, chega o pe. Vieira à conclusão de que nenhuma destas razões, nem todas elas juntas, podem ser a causa principal do pouco fruto que faz a palavra de Deus. Para o ilustre sacerdote, o principal problema é que não se prega[va], então, a palavra de Deus. É um pouco longo, mas merece transcrição:

O selo na fronte - difundi no mundo o bom odor de Cristo!

O selo na fronte - difundi no mundo o bom odor de Cristo!

Mas dir-me-eis: Padre, os pregadores de hoje não pregam do Evangelho, não pregam das Sagradas Escrituras? Pois como não pregam a palavra de Deus? Esse é o mal. Pregam palavras de Deus, mas não pregam a palavra de Deus: Qui habet sermonem meum, loquatur sermonem meum vere, disse Deus por Jeremias. As palavras de Deus, pregadas no sentido em que Deus as disse, são palavras de Deus; mas pregadas no sentido que nós queremos, não são palavras de Deus, antes podem ser palavras do Demónio. Tentou o Demónio a Cristo a que fizesse das pedras pão. Respondeu-lhe o Senhor: Non in solo pane vivit homo, sed in omni verbo, quod procedit de ore dei. Esta sentença era tirada do capítulo VIII do Deuteronómio. Vendo o Demónio que o Senhor se defendia da tentação com a Escritura, leva-o ao Templo, e alegando o lugar do salmo XC, diz-lhe desta maneira: Mille te deorsum; scriptum est enim, quia Angelis suis Deus mandavit de te, ut custodiant te in omnibus viis tuis: «Deita-te daí abaixo, porque prometido está nas Sagradas Escrituras que os anjos te tomarão nos braços, para que te não faças mal.» De sorte que Cristo defendeu-se do Diabo com a Escritura, e o Diabo tentou a Cristo com a Escritura. Todas as Escrituras são palavra de Deus: pois se Cristo toma a Escritura para se defender do Diabo, como toma o Diabo a Escritura para tentar a Cristo? A razão é porque Cristo tomava as palavras da Escritura em seu verdadeiro sentido, e o Diabo tomava as palavras da Escritura em sentido alheio e torcido; e as mesmas palavras, que tomadas em verdadeiro sentido são palavras de Deus, tomadas em sentido alheio, são armas do Diabo. As mesmas palavras que, tomadas no sentido em que Deus as disse, são defesa, tomadas no sentido em que Deus as não disse, são tentação. Eis aqui a tentação com que então quis o Diabo derrubar a Cristo, e com que hoje lhe faz a mesma guerra do pináculo do templo. O pináculo do templo é o púlpito, porque é o lugar mais alto dele. O Diabo tentou a Cristo no deserto, tentou-o no monte, tentou-o no templo: no deserto, tentou-o com a gula; no monte, tentou-o com a ambição; no templo, tentou-o com as Escrituras mal interpretadas, e essa é a tentação de que mais padece hoje a Igreja, e que em muitas partes tem derrubado dela, senão a Cristo, a sua fé.

A tapa na face - maturidade cristã!

A tapa na face - maturidade cristã!

Dizei-me, pregadores (aqueles com quem eu falo indignos verdadeiramente de tão sagrado nome), dizei-me: esses assuntos inúteis que tantas vezes levantais, essas empresas ao vosso parecer agudas que prosseguis, achaste-las alguma vez nos Profetas do Testamento Velho, ou nos Apóstolos e Evangelistas do Testamento Novo, ou no autor de ambos os Testamentos, Cristo? É certo que não, porque desde a primeira palavra do Génesis até à última do Apocalipse, não há tal coisa em todas as Escrituras. Pois se nas Escrituras não há o que dizeis e o que pregais, como cuidais que pregais a palavra de Deus? Mais: nesses lugares, nesses textos que alegais para prova do que dizeis, é esse o sentido em que Deus os disse? É esse o sentido em que os entendem os padres da Igreja? É esse o sentido da mesma gramática das palavras? Não, por certo; porque muitas vezes as tomais pelo que toam e não pelo que significam, e talvez nem pelo que toam. Pois se não é esse o sentido das palavras de Deus, segue-se que não são palavras de Deus. E se não são palavras de Deus, que nos queixamos que não façam fruto as pregações? Basta que havemos de trazer as palavras de Deus a que digam o que nós queremos, e não havemos de querer dizer o que elas dizem?! E então ver cabecear o auditório a estas coisas, quando devíamos de dar com a cabeça pelas paredes de as ouvir! Verdadeiramente não sei de que mais me espante, se dos nossos conceitos, se dos vossos aplausos? Oh, que bem levantou o pregador! Assim é; mas que levantou? Um falso testemunho ao texto, outro falso testemunho ao santo, outro ao entendimento e ao sentido de ambos. Então que se converta o mundo com falsos testemunhos da palavra de Deus? Se a alguém parecer demasiada a censura, ouça-me.

O Santissimo Sacrificio da Missa - para que os recém-crismados possam perseverar no caminho estreito que conduz ao Céu.

O Santíssimo Sacrifício da Missa - para que os recém-crismados possam perseverar no caminho estreito que conduz ao Céu.

Estava Cristo acusado diante de Caifás, e diz o Evangelista S. Mateus que por fim vieram duas testemunhas falsas: Novissime venerunt duo falsi testes. Estas testemunhas referiram que ouviram dizer a Cristo que, se os Judeus destruíssem o templo, ele o tornaria a reedificar em três dias. Se lermos o Evangelista S. João, acharemos que Cristo verdadeiramente tinha dito as palavras referidas. Pois se Cristo tinha dito que havia de reedificar o templo dentro em três dias, e isto mesmo é o que referiram as testemunhas, como lhes chama o Evangelista testemunhas falsas: Duo falsi testes? O mesmo S. João deu a razão: Loquebatur de templo corporis sui. Quando Cristo disse que em três dias reedificaria o templo, falava o Senhor do templo místico de seu corpo, o qual os Judeus destruíram pela morte e o Senhor o reedificou pela ressurreição; e como Cristo falava do templo místico e as testemunhas o referiram ao templo material de Jerusalém, ainda que as palavras eram verdadeiras, as testemunhas eram falsas. Eram falsas, porque Cristo as dissera em um sentido, e eles as referiram em outro; e referir as palavras de Deus em diferente sentido do que foram ditas, é levantar falso testemunho a Deus, é levantar falso testemunho às Escrituras. Ah, Senhor, quantos falsos testemunhos vos levantam! Quantas vezes ouço dizer que dizeis o que nunca dissestes! Quantas vezes ouço dizer que são palavras vossas, o que são imaginações minhas, que me não quero excluir deste número! Que muito logo que as nossas imaginações, e as nossas vaidades, e as nossas fábulas não tenham a eficácia de palavra de Deus!

crisma-02-01crisma-02-02Sim, hoje – como à época do pe. Vieira – faltam pregadores que preguem realmente a palavra de Deus, e faltam também catequistas fiéis à missão que têm de ensinar a Doutrina da Igreja – é por isso que nós não sabemos onde vai parar a multidão de católicos que saem dos batizados, da Primeira Eucaristia e da Crisma. Sejamos fiéis. Não engrossemos as estatísticas dos que levantam falso testemunho a Deus. E que os recém-crismados possam ser verdadeiros soldados de Cristo, dispostos a consumirem as suas vidas no serviço à Igreja de Deus; é o mais sincero desejo que nós, catequistas, nutrimos, e é o melhor pagamento pelo trabalho realizado que nós poderíamos receber.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

0 thoughts on “Às armas, soldados de Cristo!

  1. vanderley

    Dadas as condições vigentes, hoje, aumentaria o tempo

    de preparo.

    Isto vale também para os outros sacramentos.
    (Matrimônio e Eucaristia).

    Agora, precisa ser verificado o que é ensinado,

    que tipo de catequese, o preparo do catequista,

    quantas horas são dispendidas nestes cursos,etc.

    O problema parece-me estar tanto no aluno como

    no professor.

  2. R. B. Canônico

    Jorge, só se apaixona por alguém quem trata essa pessoa.

    Um rapaz só apaixona-se por uma moça no convívio, na conversa, acompanhando-a.

    Com Deus, não é diferente.

    Mas, como tratar a Deus?

    Frequentando os sacramentos, especialmente a missa. Se possivel, diariamente. Afinal, um homem que ama uma mulher convive com ela diariamente no Matrimonio. Por que não convivermos diariamente com Nosso Senhor?

    Frequencia a confissao, senao ficamos tíbios.

    E, claro, oração diária. No mímino 15 minutos (é o minimo indicado por Sta Teresa.

    E, lembro a grave responsabilidade: o Apostolado é suérabundancia da vida interior. Só passa calor quem está fervendo!

    Abraços!

  3. Joachim Di Fiore

    Jorge,

    Parabéns pelo seu belíssimo trabalho na “vinha do Senhor”!

    Aparentemente foram muitos os crismados. Não consegui contá-los nas fotos.

    Parabéns novamente!

  4. Jorge Ferraz

    Di Fiore,

    Crismaram-se entre setenta e oitenta novos soldados de Cristo no sábado último. Mesmo levando em conta que muitos “ficam pelo caminho” (temos quase sempre mais de uma centena no início do ano), é um número considerável. Que eles possam fazer de suas vidas um sacrifício agradável a Deus!

    Abraços,
    Jorge

  5. Sergio

    Jorge,

    PAX!

    Parabéns pelo seu apostolado com a crisma! É bom saber que não tens somente um apostolado virtual, mas estás engajado na Paróquia, lutando para que mais soldados de Cristo estejam preparados para enfrentar o mundo.

    Um grande abraço.

    Sergio

  6. Sergio

    Jorge,

    Pax!

    Vc poderia dizer qual é a base que vcs usam para preparar os alunos para o Sacramento do Crisma?

    Um abraço

  7. Jorge Ferraz

    Sérgio,

    Pax!

    Bom, nós temos uma “tradição” de palestras próprias, começando com a existência de Deus, passando por temas como “pecado e salvação”, “sacrifício de Cristo”, indo para Trindade, Mandamentos e Sacramentos, e falando sobre Maria e sobre temas modernos ao longo da preparação.

    Na verdade, estamos tentando sistematizar melhor o ensino. O que eu pretendo um dia conseguir (e sugeriria para todo curso de Crisma) é seguir as “linhas mestras” delineadas pela divisão do Catecismo em suas grandes partes: o Credo, os Sacramentos, os Mandamentos e a Oração. Um bom subsídio é aquele “Segundo Catecismo da Doutrina Cristã”, mas precisa ser enriquecido com materiais suplementares.

    Abraços, em Cristo,
    Jorge Ferraz

  8. Léo

    Jorge,

    O “A Fé Explicada” não seria um bom roteiro para um curso de preparação para o Crisma?

    Abraços e fiquem com Deus,

    Léo

  9. sandra nunes

    Se eu te falar que faço parte da Pastoral da Confirmação, você jura que não tem um enfarte?

  10. Léo

    Jorge,

    Se não me engano, a Ana Maria usa o “A Fé Explicada” para preparação para Crisma. Me parece ser um ótimo roteiro :-)

    Veja:


    “Dividido em três capítulos principais – O Credo, Os Mandamentos, Os Sacramentos e a oração –, o livro mostra os pontos essenciais da fé cristã de um modo extremamente didático, amável e claro, o que facilita não só a compreensão do leitor mas também o trabalho de quem depois precisa transmitir o seu conteúdo aos outros, seja numa aula de catequese, seja ao conversar com os amigos.”
    (grifo meu)

    http://www.quadrante.com.br/Pages/loja_detalhes.asp?id=12&categoria=Doutrina&pg=buscalivro&campo=f%E9%20explicada&pagina=1

    Acho que bate com seu objetivo: “… as “linhas mestras” delineadas pela divisão do Catecismo em suas grandes partes: o Credo, os Sacramentos, os Mandamentos e a Oração.”. E a didática dele é muito interessante.

    Converse com a Ana, ela saberá te explicar melhor e apresentar alguns resultados :-)

    Abraços e fiquem com Deus,

    Léo

  11. Eduardo Araújo

    Léo, li uma boa parte do A Fé Explicada (Leo Treze), porém já o suficiente para responder afirmativamente à sua pergunta: sem dúvida, esse livro poderia fazer parte da bibliografia de um curso preparatório para o Crisma.

    De um modo geral, é um excelente guia para os católicos, especialmente nestes dias em que tentam por todos os lados distorcer os ensinamentos genuínos de nossa Igreja.

  12. cainanan

    Aqui em Santos a gente vive um curso bíblico, que busca, antes de dar a catequese, proporcionar aos que participam um encontro pessoal com Cristo.

    Acho que a gente tenta conquistar apenas com ensinamentos, mas a pessoa só vai se entregar de verdade no serviço ao Evangelho quando tiver uma experiência pessoal com o Ressucitado, um encontro com Cristo, e a partir daí estabelecer uma relação íntima com Ele. A partir daí sim, toda a catequese vai produzir fruto, vai dar ainda mais sede à pessoa que quer servir.

    Abração!

  13. André Víctor

    Caro Jorge…

    Também recomendo o livro “A Fé Explicada”. Muito bom mesmo. Mas gostaria também de recomendar outro, do mesmo autor, que é “A Sabedoria do Cristão”. Este é bastante oportuno nos nossos dias onde muitos se dizem ‘cristãos’ e os que realmente o são, poucos conseguem ‘dar razão a sua fé’. Lembrei-me muito de nossa querida Sandra.

    Sra. Sandra Nunes?! Com todo o respeito e carinho, gostaria muito que pudesse ler estas duas obras supracitadas, mas com certeza, o ultima (A Sabedoria do Cristão), por razões que aqui muitos já perceberam. Seria sim de muito apropriado para a Senhora. Se quiser posso até lhe ofertar como presente. É só querer, tudo bem?

    Abraços e fiquem e paz e com Deus.

    Até mais ‘ver’.

    André Víctor

  14. Demerval Jr.

    cainanan,

    No meu entender, eis a chave para a permanência no front de valorosos soldados de Cristo:

    1o. – Querigma
    2o. – Catequese.

    Por aqui, desde 1993, tenho visto muito (mas muito mesmo!) fruto dentro desse esquema que é bíblico e é tradicional e é embasado pelo Magistério.

    Ao serem indagados se poderia vir coisa boa da Galiléia, os neo-discípulos responderam simplesmente: “Vem e vê”! Não haverá discurso que chegue para os que não tiverem a profunda alegria de poderem dizer como os de Emaús: “Vimos o Senhor!”

    E é dessa experiência que nasce o verdadeiro e profundo desejo de saber mais sobre o Cristo e Seus ensinamentos. Eis os fundamentos da salutar Catequese!