Sugestão de leitura

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 8 meses 3 dias atrás.

Sugestão enfática de leitura: Abaixo a Ditadura Gay, o Bolsa-Boiola e o KY do Temporão. Comentei aqui, dia desses, sobre os descalabros do Ministério do Ataúde, que aparentemente se preocupa com tudo, menos com a saúde dos brasileiros; graças a Deus, não estou sozinho na minha indignação. Excerto:

De vítimas, os gays estão se transformando em agressores. Se alguém acredita que ser gay não é o normal, que o normal é ser hetero, é logo taxado de homófobo. Tal qual Hitler com sua Gestapo, estão criando uma Patrulha do Pensamento, a Gaystapo.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

0 thoughts on “Sugestão de leitura

  1. Carlos R.

    A sua indignação poderia ser mais condizente com sua postura de mocinho católico de direita, não? Sabe… eu consegui durante muito tempo me manter fora de militância de esquerda, de defesa dos homossexuais e qualquer coisa que sujeitos como você, tão fáceis de identificar e de prever o discurso, odeiam visceralmente. Eu tentei… Mas não dá.

    Se você se indigna com o fato dos gays lutarem pelo mínimo de direito, por sofrerem sim de um preconceito bárbaro, inclusive ensinado em colégios de educação cristã (sou testemunha), então isso diz algo sobre você e não serve de argumentação séria.

    Sou hetero, não milito pela esquerda, e acho que sequer expus opinião sobre esses assuntos que vocês adoram combater como se tivessem qualquer tipo de autoridade – o que não tem, diga-se de passagem -, mas como disse, vocês imploram para que as pessoas sãs, éticas, e que não precisam de papai celeste acabem batalhando contra seus delírios.

    Ah… Corroborando o que o fulano disse acima, não se esqueça que pelo intermédio do padre Bertram, o seu Vaticâncer entoou um Réquiem ao Führer morto.

    Fique com D… os seus.

  2. Adriano

    “Tal qual Hitler com sua Gestapo, estão criando uma PATRULHA DO PENSAMENTO, a Gaystapo.”

    Em apenas 15 minutos essa parte do texto que o Jorge citou e eu destaquei acima foi comprovada, não uma, mas duas vezes!

    Impressionante!

  3. Luciano Perim

    Jorge,

    O Temporão está se superando, o que tem a ver saúde com distribuição de gel lubrificante ? É o fim da picada.

    Paz e Bem e um Feliz Natal para você e sua famílai.

    Luciano

  4. vanderley

    Não faltava mais nada :

    Bolsa-Boiola !!!!

    ” A fonte das informações acima esclarece que a única prioridade do ministro Temporão é a comunidade gay e o programa DST-Aids. Os hospitais, isso é público, estão derretendo por falta de verba. Falta dinheiro para toda a sorte de medicamentos essenciais.

    Neste exato instante, por exemplo, faltam nos hospitais públicos bolsa para coleta de sangue e os hemoderivados fatores VIII e IX da coagulação, essenciais para a sobrevivência dos hemofílicos. O dinheiro está sendo desviado para KY, camisinhas e pênis de borracha”.

    A gayzista de plantão ainda não chegou….

    O sujeito desvia verbas da saúde, de hospitais, de
    remédios, para atender os boiolas.

    Que ridículo !!

    Mas a rede Globo não fala disso não…..

  5. sandra nunes

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Que “jornalista” mais tosco…

    Esse deve ter feito a faculdade para jornaleiro…

  6. Lampedusa

    Li, agora, o texto de Hugo Studart. Duvido que algum homossexual sério e de bom senso tenha algo a criticar nele. Só os “ideólogos” do movimento gay ou os que vêem em tudo o que a Igreja ensina um motu para seu ódio a ela é que podem criticá-lo. Aliás, nesse artigo não se faz nenhuma referência religiosa. Apenas de ordem política e ética (bom… e uma absurda pretensão ao prevalecimento do bom senso…).

    Ah… há outra categoria que podem criticar esse artigo: o daqueles que não o leram, mas já sabem que não concordam!

  7. R. B. Canônico

    É simples.

    Os homossexuais tÊm os mesmo direitos que qualquer outra pessoa.

    A luta deles não é por direitos, mas por privilégios.

    Já é crime discriminar homossexuais, agredi-los, enfim.