Aborto 2009

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 7 meses 18 dias atrás.

Primeiro, uma retrospectiva; recebi este fim de semana o áudio da fala do Deputado Chico Alencar (PSOL – RJ) em julho último, na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, por ocasião da Audiência Pública sobre a descriminalização do aborto. Transcrevo a seguir a fala de Sua Excelência, que defende o aborto de uma maneira estupidamente canalha, lançando mão inclusive de calúnias e mentiras estúpidas contra a Igreja Católica (que ele diz seguir). Parece que este sujeito freqüenta missas e os corredores da CNBB; urge, portanto, apontar o lobo, para que os católicos verdadeiros possam se precaver. Abaixo, o texto do deputado e, entre colchetes em azul, os meus comentários.

Essa questão [da descriminalização do aborto] apaixona, mas ao mesmo tempo só avançará se conseguirmos estabelecer um patamar de maior racionalidade e bom senso [ambos faltam miseravelmente no discurdo do dep. Chico Alencar, como será visto]. Em primeiro lugar, é preciso a gente fazer um esforço para ter uma visão histórica – e eu falo isso especialmente para os nossos magistrados aqui da mesa. Eles sabem bem que ordem jurídica nenhuma é pétrea, imutável, desconectada do processo histórico-cultural, não é? O que é um valor jurídico, um dogma, uma cláusula pétrea hoje, pode não ser em um outro momento e depende do processo histórico-social [puro relativismo criminoso; Sua Excelência está dizendo que a defesa da vida “depende do processo histórico-social”. Hitler não poderia ficar mais satisfeito com um discurso].

Segundo lugar (que é o meu lugar também, hein?): a formulação teológica de inúmeras religiões também não é perene [gostaria muitíssimo de saber quem Chico Alencar pensa que é para falar de formulações teológicas! Ademais, como já estamos cansados de repetir, a condenação do assassinato de inocentes não é uma questão religiosa, e insistir neste ponto é somente um estratagema cretino para se mudar o foco do debate]. Vocês sabiam que a Igreja Católica, a minha Igreja Católica, já definiu excomunhão para fumantes [meia-verdade que é uma mentira completa: houve um Papa que excomungou as pessoas que fumassem dentro das igrejas – já que isso é uma completa falta de respeito -, o que é muitíssimo diferente de se “excomungar os fumantes” simplesmente]? Já determinou em bulas papais que índio não tinha alma [mentira cretina; nunca nenhuma bula papal disse um despautério desses], depois reverteu e tratou de capturar as almas muitas vezes dando os Dez Mandamentos e tomando as terras [é… vai ver, os jesuítas que vieram ao Brasil e eram assassinados pelos bandeirantes que queriam escravizar os índios estavam tomando as terras deles… quanta estupidez!]? Que o negro podia ser escravizado [outra meia-verdade que se transforma numa mentira completa: a questão da tolerância à escravidão – diga-se de passagem, sem nenhuma referência à raça – é muito mais complexa do que um simples “negro pode ser escravizado”; isto, desse jeito, a Igreja nunca disse. Sugestão de leitura: “a ação da Igreja no tema da Escravidão”]? A Igreja abençoou isso, e fez mea culpa, felizmente, então mesmo a ordem teológica, aqueles que assumem como um dogma absoluto tão esquecendo do Deus que faz novas todas as coisas. O Deus do Novo Testamento, aliás, é muito revolucionário [talvez o deus do sr. Alencar aprove o assassinato de inocentes; não o Deus dos cristãos. Aliás, este deus-impostor que o sr. Alencar tenta colocar no lugar do Deus Verdadeiro, e que seria “revolucionário” ao ponto de abençoar o aborto, talvez seja um velho conhecido nosso: aquele que é “homicida desde o princípio”].

O elemento da sociologia, a dinâmica da sociedade, ela tem um projeto, ela tem um processo melhor dizendo, muito mais célere do que o seu arcabouço jurídico. Lei, por definição – e eu sou um legislador, menor, mas sou, né? – é conservadora. Lá no nosso Rio de Janeiro, querida Nilcéa, as pessoas já se separavam há muito tempo, sendo alvo inclusive de discriminação social, quando o velho Nelson Carneiro brandia, se elegia aliás sucessivamente (desconfio até que ele não queria que nunca se aprovasse isso, porque ia perder uma bandeira), a lei do divórcio [o que isso tem a ver? Por acaso aquilo que as pessoas fazem deve receber bênção estatal, é este o argumento de Sua Excelência? Aqui em Recife, os bandidos já assaltam há muito tempo, sendo inclusive alvos de discriminação social e correndo risco de morte. Vamos legalizar os assaltos, então! Que idiotice!]. Então vamos ser um pouquinho mais progressistas e sensiveis.

Quando vocês relataram com detalhes aí e sei há um certo constrangimento em abordar esta questão, nós abrimos esta sessão hoje falando de crimes reais, terríveis [e por acaso o aborto não é um crime real e terrível?], perpetrados por oficiais e soldados do exército brasileiro contra três jovens mal-nascidos, sim, mas felizmente nascidos e criados, lá, pobres, negros, e… aí de repente a gente entra neste assunto (bem-vinda é esta audiencia publica), e começa a falar de algo que… primeiro acho que, poxa, mas estes processos são kafkianos, você tem que entrar na intimidade da pessoa, que não é obrigada a falar nada, é muito constrangedor para os próprios magistrados; depois eu vi não é kafkiano não, é um pouco mais, é meio medieval isto. Agora, tá bom, a lei incrimina, agora, a lei, ela vai pegando uma certa caducidade em relação à vida real [pelo fluxo deste período, acho que é o deputado Chico Alencar quem está caducando].

Há uma enorme hipocrisia social; então dizia um homorista lá do Rio que “ou restaure-se a moralidade ou locupletemo-nos todos”. Então, qual é a alternativa? Vamos sair por aí dedicando a nossa polícia [a questão é que a polícia existe para fazer o seu trabalho; não é porque há trabalho demais que nós podemos simplesmente rasgar o Código Penal e desonerar os policiais de fazerem aquilo que precisa ser feito. A força policial deve ser adequada à Justiça, e não a Justiça ao contingente policial disponível!], nesse país da insegurança, da violência, dos crimes contra o patrimônio, né? Tá cheio de delegado de polícia aí reivindicando status universitario… sinceramente! Se eles resolvessem trabalhar no seu ofício, talvez alguns de nós fôssemos presos né [!!!! Sem comentários!], porque tem o crime do colarinho branco, tem o crime do banditismo, da injustiça social, e a gente não pode ter, sinceramente, eu não consigo entender este tipo de apenamento, de processo, como algo prioritario [e eu não consigo entender a insistência do deputado Chico Alencar em defender o assassinato de pessoas inocentes].

“Ah, mas é porque a lei determina”… as leis ficam caducas antes de deixarem de existir, é verdade; hoje há uma maioria e não há massa crítica na sociedade pra descriminalizar a interrupção da gravidez [posso ter escutado errado isso aqui… acredito que o deputado esteja dizendo que – como é universalmente conhecido – a maioria da sociedade é contra a descriminalização do assassinato de bebês. Então, o que raios um representante do povo está fazendo, defendendo exatamente o contrário do que deseja o povo que ele, supostamente, representa?]. Ganhou aqui na Comissão, sem dúvida, agora… isso não significa que a questão tá resolvida, muito pelo contrário.

Por fim, olha, sinceramente, eu entro nessas questões com uma tremenda humildade, sabe por quê? Primeiro, a mesa tá muito equilibrada sim, porque está justa, a questão é essencialmente da mulher [não, não é. Assassinato é assassinato; é necessário que alguém se levante para defender os direitos daqueles que não podem falar. O fato das mulheres serem as únicas que abortam não faz com que o assunto deva ser resolvido somente entre mulheres! Suponhamos, por absurdo, que houvesse um projeto de lei para descriminalizar o estupro, e alguém argumentasse que isto é uma questão essencialmente masculina – já que são apenas os homens que são estupradores – e, portanto, os homens é que deveriam decidir. Isso seria justo? “Ah, claro que não, as mulheres estão envolvidas, porque elas é que são estupradas” – alguém poderia dizer. Concordo plenamente: e, argumentando ad hominem, no aborto, os homens estão envolvidos porque, em mais ou menos metade dos casos, são homens que são assassinados no ventre por suas mães – na outra metade, são mulheres que, curiosamente, não têm os mesmos direitos que querem conferir às suas mães. Ninguém pergunta se a criança “topa” ser assassinada], nós homens devíamos ter vergonha na cara pra… de tacar pedra nesta questão, porque nós não sabemos direito [aplausos e vaias], nós podemos opinar e participar do debate, como aliás eu tô fazendo e os que vaiaram também, agora dizer que a gente tem toda a verdade, colocar isso como centro de nossa participação social, política, humana, divina, transcendental, imanente, é um pouco de exagero [sabe Deus o que o deputado quis dizer com isso].

Vamos aprender com a mulher, porque eu, eu, eu não vou falar de… eu, eu tenho uma herança patriarcal machista violenta e entendo que quem tem uma profissão de fé religiosa e compreende que a vida existe desde a fecundação – curiosamente ao contrário de S. Tomás de Aquino [do jeito que foi dito não é nem meia-verdade, é mentira escancarada mesmo! O Aquinate nunca disse que não havia vida desde a concepção, e sim que havia uma “seqüência” de almas no processo de geração: nutritiva, sensitiva e racional (cf. Summa, Prima Pars, q. 118, a.2). Isso era a ciência da época, baseada fortemente em Aristóteles. A despeito disso, Santo Tomás sempre condenou quer o aborto (cf. Summa, Secunda Secundae Partis, q. 64, a.8, resposta à objeção 2), quer até mesmo a contracepção (cf. Summa, Secunda Secundae Partis, q. 154, a.11)], leiam um pouquinho que ajuda, viu, pra gente não ficar falando besteira também [Sua Excelência deveria começar seguindo os próprios conselhos!], não é algo desde o início dos tempos, ou entao vamos pegar (como até alguns governantes inclusive do nosso estado) aquela idéia do criacionismo, de Adão e Eva, não como uma metáfora belíssima da vida, mas como algo mesmo que aconteceu, e esquecer todos os avanços da compreensão do homem e da ciência [sinceramente, comparar criacionismo com aborto é o cúmulo do mau-caratismo…].

O cristão, aquele que por razões filosóficas entende que há vida desde a concepção, ele deve batalhar inclusive com a sua companheira pra preservar aquilo. Agora, e as instituições religiosas, sabe o que têm que fazer também, para ser coerente e não viver na hipocrisia social? Creche, orientação sexual, planejamento familiar, e não fazer só a prédica: a fé sem obras é vã [falou o teólogo – aquele que se julga no direito de dizer à Igreja o que Ela deve fazer! Não se preocupe, sr. Alencar: a Igreja sabe muito bem como guardar – integralmente – o Evangelho de Jesus Cristo].

Por fim: só a mulher sabe o trauma que é interromper uma gravidez, ao que me parece, e só ela sabe o trauma que é carregar uma gravidez indesejada, então nós homens temos que ter humildade e entender o nosso lugar nessa discussão. Por fim, olha, há desafios comuns. Não vou brigar com os meus amigos que são maioria no plenário, na Casa, né, aliás o presidente do partido do Bassuma foi acusado de um crime grave na campanha do Collor… a hipocrisia e a canalhice funcionou inclusive com um falso moralismo, lembram? Que foi uma pessoa, uma ex-namorada do Lula pra televisão, às vésperas da eleição, pra dizer que ele a tinha induzido a um crime hediondo, poxa vida, eu não ficaria num partido com um presidente assim. A minha presidente do partido, aliás, tem uma posicao muito diferente da nossa, então… Por fim, olha, desafio para nós: mais informação na sociedade, planejamento familiar, entender esta questão como de saúde pública e de justiça social, e nã uma questão penal. É isso [é isso: mentiras, calúnias, comparações absolutamente descabidas, apologia descarada e hipócrita do assassinato de crianças – uma vez que este fulano se diz católico -, arrogância, soberba. Lastimável espetáculo].

Segundo: Ministra do Lula diz que “debate” sobre o aborto marcará 2009. Ou seja, os abortistas virão com tudo este ano, esforçando-se para, por quaisquer meios escusos – aliás, expediente do qual o discurso do dep. Chico Alencar é um precioso exemplo – impôr a sua ideologia assassina ao povo brasileiro.

Querer legislar sobre o corpo da mulher é uma coisa da Idade Média. Essas políticas da área do direito sexual e reprodutivo enfrentam muitas dificuldades. Ano que vem [2009] vamos entrar com muita força lá no Ministério da Saúde na ampliação dos serviços de atendimento às mulheres vítimas de violência sexual e nos serviços para a realização do abortamento legal. Muitas das mulheres que recorreram aquela clínica em Mato Grosso do Sul teriam direito a fazer o abortamento legal, mas não havia nenhuma instância de saúde apta para isso. O julgamento sobre o aborto de anencéfalos pelo STF no ano que vem [2009] fará história nesse país.

Urge levantarmo-nos, e estarmos alerta, porque os inimigos estão à espreita. Satanás não dorme, e os seus sequazes estão empenhados em implantar o assassínio de inocentes e manchar com o sangue de crianças esta Terra de Santa Cruz. Rezemos, vigiemos, combatamos! E que a Virgem Imaculada, Nossa Senhora da Conceição Aparecida, livre o Brasil da maldição do aborto.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

11 thoughts on “Aborto 2009

  1. Everth

    [i]”A aceitação do aborto na mentalidade, nos costumes e na própria lei, é sinal eloqüente de uma perigosíssima crise do sentido moral que se torna cada vez mais incapaz de distinguir o bem do mal, mesmo quando está em jogo o direito fundamental à vida. Diante de tão grave situação, impõe-se mais que nunca a coragem de olhar frontalmente a verdade e chamar as coisas pelo seu nome, sem ceder a compromissos com o que nos é mais cômodo, nem à tentação de auto-engano. A propósito disto, ressoa categórica a censura do Profeta: “Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem, mal, que têm as trevas por luz e a luz por trevas” (Is 5, 20).”[/i]

    Palavras do Santo Padre Papa João Paulo II sobre o aborto, na encíclica Evangelium Vitae.

    Não vamos deixar que o aborto seja aprovado… Vamos fazer uma revolução no Brasil, mas o aborto não será permitido no maior país católico do mundo.

    Deus provê, Deus proverá, Sua misericórdia não faltará.

    Vamos agir!

  2. Pingback: PT, através de ministra, declara 2009 como o ano do aborto | Jornada Cristã

  3. Pingback: A luta pela vida está longe do fim « Filha Pródiga

  4. sandra nunes

    A Record passou, ontem, uma reportagem orientando o pai de uma criança de 12 anos, que foi estuprada por um pedófilo e ficou grávida dele, o que se deve fazer nesse caso para ter direito ao aborto legal.

  5. Pingback: Aborto 2009 : pontocruz

  6. juliete

    Se não fosse trágico, seria cômico. No texto do deputado que foi transcrito, será que ele não estava bêbado, ou era samba do criolo doido mesmo? Que lamentável que esse representante tenha tanta dificuldade em perceber a primazia do direito à vida.

  7. Pingback: Itaquera » CRF Obama condena aborto

  8. Milton

    Prezados,
    tenho mantido um dialogo com nosso nobre amigo, Chico Alencar, se ora diz ser o aborto um crime outra uma solução sem saber nem mesmo sobre as questões biologicas que estão em pauta neste assunto, segue reprodução de e-mail por ele enviado.

    “Caro Milton:
    Fiquei feliz com seu retorno. Vamos dialogar sim sobre esta e outras questões. É que agora, nesta 5ª, estou na correria. Ñ me recordo de ter mencionado o tema aborto no programa do Lobão – este sobre Ficha Limpa, de há 2 semanas? -, mas se v. ouviu, ñ tenho pq. duvidar. Reitero que por convicções religiosas, como as nossas, e filosóficas a objeção de consciência dever ser respeitada. Qto. ao aspecto biológico, preciso me informar melhor. O que ñ me parece caminho de solução é prisão e cadeia p/ quem interrompe uma gravidez inicial e não teve, até das igrejas, amparo para vivenciar uma maternidade minimamente saudável. Vou lhe enviar, proximamente, um arrazoado – sempre modificável, já que o tema é polêmico demais – sobre a questão, que até teólogos me ajudaram a elaborar.
    Paz e Bem!
    O abraço do
    Chico A.”

  9. Milton

    Abaixo lista dos deputados Federais que votaram a favor do Aborto, incluindo nosso nobre deputado.

    Nomes dos deputados federais do Brasil a favor do aborto até o nono mês de gestação. Esses deputados federais assinaram um recurso para que o Plenário da Câmara dos Deputados delibere sobre o PL 1.135/91, após terem perdido na comissão na Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara.

    Esses deputados abortistas estão nesta lista que você confere agora por estado e partido:

    ACRE (01)
    Nilson Mourão – PT/AC
    AMAPÁ (03)
    Dalva Figueiredo – PT/AP
    Evandro Milhomen – PCdoB/AP
    Janete Capiberibe – PSB/AP
    AMAZÔNIA (01)
    Vanessa Grazziotin – PCdoB/AM
    BAHIA (06)
    Nelson Pellegrino – PT/BA
    Zezéu Ribeiro – PT/BA
    Daniel Almeida – PCdoB/BA
    Alice Portugal – PCdoB/BA
    Roberto Britto – PP/BA
    Severiano Alves – PDT/BA
    CEARÁ (04)
    José Guimarães – PT/CE
    Eudes Xavier – PT/CE
    Chico Lopes – PCdoB/CE
    Flávio Bezerra – PMDB/CE
    DISTRITO FEDERAL (01)
    Magela – PT/DF
    ESPÍRITO SANTO (01)
    Iriny Lopes – PT/ES
    GOIÁS (01)
    Rubens Otoni – PT/GO
    MARANHÃO (02)
    Domingos Dutra – PT/MA
    Sarney Filho – PV/MA

    MINAS GERAIS (03)
    Virgílio Guimarães – PT/MG
    Jô Moraes – PCdoB/MG
    Edmar Moreira – DEM/MG
    MATO GROSSO (01)
    Carlos Abicalil – PT/MT
    MATO GROSSO DO SUL (01)
    Antônio Carlos Biffi – PT/MS
    PARÁ (04)
    Paulo Rocha – PT/PA
    Beto Faro – PT/PA
    Zé Geraldo – PT/PA
    Asdrubal Bentes – PMDB/PA
    PARANÁ (02)
    Angelo Vanhoni – PT/PR
    Max Rosenmann – PMDB/PR
    PERNANBUCO (07)
    Pedro Eugênio – PT/PE
    Fernando Ferro – PT/PE
    Maurício Rands – PT/PE
    Raul Jungmann – PPS/PE
    Silvio Costa – PMN/PE
    Ana Arraes – PSB/PE
    Inocêncio Oliveira – PR/PE
    RIO DE JANEIRO (05)
    Jorge Bittar – PT/RJ
    Carlos Santana – PT/RJ
    Edmilson Valentim – PCdoB/RJ
    Chico Alencar – PSOL/RJ <<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<<
    Brizola Neto – PDT/RJ
    RIO GRANDE DO NORTE (01)
    Sandra Rosado – PSB/RN
    RIO GRANDE DO SUL (04)
    Marco Maia – PT/RS
    Luciana Genro – PSOL/RS
    Pompeo de Mattos – PDT/RS
    Darcísio Perondi – PMDB/RS
    RONDÔNIA (01)
    Eduardo Valverde – PT/RO
    RORAIMA (01)
    Francisco Rodrigues – DEM/RR
    SÃO PAULO (13)
    José Genoíno – PT/SP
    Paulo Teixeira – PT/SP
    Jilmar Tatto – PT/SP
    Vicentinho – PT/SP
    Cândido Vaccarezza – PT/SP
    Devanir Ribeiro – PT/SP
    José Mentor – PT/SP
    Cláudio Magrão – PPS/SP
    Arnaldo Jardim – PPS/SP
    Ivan Valente – PSOL/SP
    Regis de Oliveira – PSC/SP (12)
    Paulo Pereira da Silva – PDT/SP
    Dr. Ubiali – PSB/SP
    AO TODO 63 DEPUTADOS ASSIM DIVIDIDOS POR PARTIDO
    1. PT 31 Deputados (49,20 %)
    2. PC do B 07 Deputados (11,11 %)
    3. PSB 04 Deputados (6,33 %)
    4. PDT 04 ” “
    5. PMDB 04 ” “
    6. PSOL 03 ” (4,76 %)
    7. PPS 03 ” “
    8. DEM 02 ” (3,17 %)
    9. PMN 01 ” (1,58 %)
    10. PR 01 ” “
    11. PV 01 ” “
    12. PSC 01 ” “
    13. PP 01 ” “