Estados Unidos e objeção de consciência

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 7 meses 17 dias atrás.

Apenas comentando: segundo o Noticias Globales, foram apresentadas pelo governo norte-americano as novas leis que regulamentam o direito à objeção de consciência por parte de profissionais da saúde. Elas salvaguardam inclusive – e principalmente – o direito dos médicos de se recusarem a realizar procedimentos abortivos, mesmo que o assassinato de crianças seja legalizado.

Entrará em vigor dois dias antes do presidente abortista assumir o cargo. Considerando que o primeiro ato do sr. Obama será – pelo que se diz – assinar o Freedom Of Choice Act, e considerando que está nos seus planos inclusive violar a consciência dos profissionais de saúde no que se refere à prática nefasta do aborto, vamos ver no que isso vai dar. Deus salve os Estados Unidos.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

0 thoughts on “Estados Unidos e objeção de consciência

  1. sandra nunes

    Eu achava que JÁ era um direito de todos os médicos, se recusarem a atender procedimentos que vão contra seu foro íntimo, cujo paciente não corre risco de morte.

  2. Marcio Antonio

    Jorge, eu já tinha visto algo sobre isso em um blog do USA Today, mas motivado pelo seu post resolvi colocar algumas reflexões no Tubo de Ensaio também. Abraço!

  3. sandra nunes

    Jorge,

    falei com meu primo que é obstetra e realmente aqui no Brasil, se uma paciente vir com uma ordem judicial para realização de aborto, ele por razões de foro íntimo, pode não aceitar a realizar o procedimento e passa-lo para outro colega.

  4. sandra nunes

    Jorge

    “Freedom Of Choice Act” se é liberdade de escolha, os médico devem ter liberdade de escolher se querem ou não realizar o aborto!

    Tem que ser uma via de mão dupla, senão não tem sentido, “freedom”

  5. sandra nunes

    Jorge Ferraz

    Estou falando da lei.

    Ela não pode ser benéfica só para um dos lados!

    O nome do Ato legal a ser assinado não é liberdade de escolha?