Sancte Thoma de Aquino, ora pro nobis

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 6 meses 21 dias atrás.

trionfosantommaso
[Benozzo Gozzoli (1421-1497), Trionfo di san Tommaso, 1471, Louvre, Parigi.]

Hoje a Igreja celebra Santo Tomás de Aquino, o mais santo dos homens sábios e o mais sábio dos homens santos. Recomendamo-nos à intercessão do Doutor Angélico; que aprendamos dele a colocar todos os dons com os quais a Divina Providência nos agraciou a serviço de Deus e de Sua Santa Igreja.

Além da verdade que não se pode conhecer sem a revelação divina, muitas verdades há que não estão fora do alcance da razão humana, mas foram, não obstante, reveladas por Deus ao homem. Por que? Porque é necessário à salvação do homem que estas verdades sejam conhecidas, e, desde que, por várias razões, nem todos os homens são capazes de descobri-las através da indagação filosófica, Deus revelou-as a todos. Ainda que reveladas a todos, estas verdades são cognoscíveis racionalmente. Toda investigação racional dedicada à investigação daquilo que, muito embora revelado por Deus, é conhecível racionalmente, constitui parte da Teologia, tal como a entende S. Tomás de Aquino.

Um fato basta para prová-lo. A Summa Contra Gentiles é um tratado puramente teológico. Foi às vezes chamada a “Suma filosófica” porque contém de fato grande proporção de especulação puramente racional. Mas o prólogo mostra, de modo claro, que a intenção do autor, ao escrevê-la, foi puramente religiosa. Reconhecemos aí o Dominicano que estamos habituados a ouvir na Summa Theologiae, quando, no capítulo II da Contra Gentiles, S. Tomás faz suas as palavras de S. Hilário: “Estou consciente de que devo a Deus a principal obrigação de minha vida, que minha palavra e minha inteligência possam falar dele.” Além disso, São Tomás diz (C.G. II, 4, 6) que, na Contra Gentiles, ele segue a ordem teológica que procede de Deus para a criatura, e não a ordem filosófica que procede da criatura para Deus. Qual é, na Contra Gentiles, a proporção da especulação destinada às verdades reveladas que são inacessíveis à razão sem o auxílio da Fé? Uma quarta parte do todo. O próprio S. Tomás de Aquino o diz. No Prólogo do Lv. IV. 1, 10, S. Tomás assinala a mudança de atitude, de método e de ordem: “no que precede, as coisas divinas foram objetos de exposição na medida em que a razão natural pode obter conhecimento delas pelas criaturas: imperfeitamente, é claro, e conforme à capacidade de nossa inteligência… Agora resta falar daquilo que foi divinamente revelado para nós como algo que se deve acreditar, pois que excede à razão.” Portanto, na Summa Contra Gentiles, três partes da obra estudam as verdades acessíveis à razão humana; e ainda assim todas as coisas nela são Teologia. Evidentemente, S. Tomás adotou este plano porque desejava mostrar aos pagãos e infiéis, que não acreditavam nas Escrituras, quão longe a razão humana pode ir sozinha a caminho da revelação cristã, mas, proceder assim, é precisamente o que São Tomás de Aquino chama ensinar Teologia. Tudo o que está na Contra Gentiles, inclusive a ordem de exposição, é Teologia. Tudo o que está na Summa Theologiae (e o próprio nome bastaria para o tornar claro), é Teologia. Numa palavra, tudo o que ensinamos nas Escolas como Filosofia de São Tomás de Aquino, foi primeiro ensinado por ele nos tratados teológicos, como parte da verdade teológica.

Seja portanto isto ponto pacífico: como a Teologia inclui tudo o que se pode conhecer à luz da revelação, inclui o que S. Tomás chamou: “a verdade sobre Deus alcançada pela razão natural”, e que, no entanto, Deus “convenientemente propôs ao homem para crer” (C. G. I, 4, título). Isto não é tudo. Além daquilo que o homem não pode conhecer sem a revelação, e além daquilo que o homem conhece, de modo mais fácil e perfeito se lhe é revelado, há o imenso campo de tudo aquilo que, embora não atualmente revelado, pode ser usado pelos teólogos como meios para estabelecer, de modo racional, a verdade revelada, quando isto é possível, ou, ao menos, para defendê-la contra as objeções dos adversários. Na doutrina de São Tomás de Aquino, tudo o que pode servir ao principal objetivo do teólogo, que é fazer conhecer melhor o sentido da verdade revelada, é, pela mesma razão, Deus que a revelou sob a razão formal da revelação, e, portanto, pode incluir-se na Teologia. S. Tomás de Aquino não fixou limites à extensão possível do campo da especulação teológica. Chama revelabilia, “revelável” todo o material não especificado que, segundo o seu talento, gênio, ou aprendizado pessoal, o teólogo pode pôr a serviço da Teologia.

A Filosofia, incluindo todas as ciências que esta palavra evocava na linguagem de Santo Tomás, pode, portanto, integrar-se na Teologia, sem abdicar de seus métodos próprios ou quebrar a unidade da sabedoria teológica. A serviço da Teologia a Filosofia guarda as suas características, mas serve a um fim mais alto.

Esta noção elevada da Teologia assume sentido total à luz de uma observação feita várias vezes por Santo Tomás de Aquino, à qual ele dá grande relevância, ao passo que nós relegamos como não importante para nossos problemas. “Os objetos que são matérias das diferentes ciências filosóficas podem ser ainda tratados por esta única doutrina sagrada, sob um aspecto, a saber, na medida em que são divinamente reveláveis. Deste modo, a doutrina sagrada traz a marca da ciência divina, que é uma e simples, ainda que se estenda a todas as coisas.” (S. Teol. Ia., q. 1, a. 3, ad 2 um).

Estamos no centro da noção tomista de Teologia, concebida como ciência. Todo o saber humano está, nessa concepção, à disposição do teólogo, que dele se serve em vista do seu fim. Não há limites? Sim, realmente, há limites. Nem todo conhecimento humano é igualmente importante para a interpretação da verdade revelada. Ainda assim, esta restrição se deve antes às limitações do homem do que aos objetos das disciplinas filosóficas ou científicas. Na ciência divina, nada conhecível é sem importância para Deus. Na ciência teológica, nada do que nos pode fazer conhecer melhor a Deus é sem importância. Como diz S. Tomás de Aquino na Contra Gentiles, com energia insuperável: muito embora instrua o homem principalmente sobre Deus, a fé cristão faz também do homem, “através da luz da revelação divina, um conhecedor das criaturas” (per lumen divinae revelationis eum criaturaram cognitorem facit), de tal modo que “nasce, então no homem uma espécie de semelhança com a sabedoria divina” (C. G. II, 2, 5). E, realmente, se a Teologia pudesse conhecer as coisas como Deus as conhece, conheceria todas as coisas sob uma só luz, a luz divina. Não é esse conhecimento acessível ao homem nesta vida, mas, a Teologia, pelo menos, nos dá uma pálida idéia da espécie de conhecimento que é aquela sabedoria, que tudo abrange.

[Étienne Gilson, “O Doutor da Verdade Cristã”]

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

0 thoughts on “Sancte Thoma de Aquino, ora pro nobis

  1. Pingback: Sancte Thoma de Aquino, ora pro nobis : teologia

  2. Julie Maria

    Me lembro com carinho e saudade da Missa que participei na festa deste amado santo no ano de 2007 em Berkeley, CA, no convento de seus irmãos dominicanos!

    Que ele interceda muito por nós, e especialmente pelo teólogos católicos, para que sejam de fato católicos!

    O ícone é lindo! Parabéns pela escolha.

    PAX

    JM

  3. André Víctor

    Ó Deus, que tornastes Santo Tomás de Aquino um modelo

    admirável, pela procura da santidade e amor à ciência

    sagrada, dai-nos compreender seus ensinamentos e seguir

    seus exemplos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,

    na unidade do Espírito Santo. Amém.
    (Ofício Divino, Liturgia das Horas segundo o Rito Romano)

    Abraços a todos os tomistas e que Deus possa ‘proliverar’ cada vez mais exemplos de amor a Verdade e defesa da Santa Igreja Católica Apostólica Romana.

    André Víctor

  4. Felipe Coelho

    Muito prezado Jorge, Ave Maria Puríssima!

    “Tudo o que está na Contra Gentiles, inclusive a ordem de exposição, é Teologia. Tudo o que está na Summa Theologiae (e o próprio nome bastaria para o tornar claro), é Teologia. Numa palavra, tudo o que ensinamos nas Escolas como Filosofia de São Tomás de Aquino, foi primeiro ensinado por ele nos tratados teológicos, como parte da verdade teológica.” (GILSON)

    Você não vê que essa contraposição entre Filosofia e Teologia, feita por Gilson, é absurda? A Teologia Natural é parte da Filosofia!

    Como ele contrapõe nessa citação Teologie e Filosofia, infere-se que ele está falando da Teologia sobrenatural ao dizer “Teologia”. Ou seja, é um fideísta.

    Aliás, o fato de alguém não seguir a “ordo inventionis”, a ordem da descoberta, mas expor a Filosofia partindo da ordem contrária, que já começa dos princípios e das conclusões, não significa de maneira nenhuma um abandono do ponto de vista filosófico, isso é um sofisma malfeito!

    Um adendo: quando Gilson afirma que Santo Tomás “transfigurou” (se não me falha a memória, foi esse o termo) a Metafísica filosófica com a Teologia, o pe. Garrigou disse a Gilson que esse modo de falar era perigosíssimo, pois era como se a Metafísica de Sto Tomás não fosse a mesma, em sua essência, da de Aristóteles. Isso implicava num fideísmo, num não-reconhecimento dos direitos da razão natural.

    Ora, quando o pe. De Lubac negou, por causa do evolucionismo teilhardiano, a doutrina tomista (e tomasiana…) das duas ordens, a natural e a sobrenatural, a da Filosofia e a da Teologia, Gilson deu-lhe os parabéns!

    Enfim, cuidado com esse modernista Étienne Gilson!

    Um abraço,
    Em JMJ,
    Felipe Coelho

  5. Jorge Ferraz

    Muito prezado Felipe, Salve Maria!

    Sinceramente, não percebi Gilson trocando “Teologia” por “Teologia Revelada” sempre, nem negando que a Teologia Natural seja parte da Filosofia. Ao contrário, não neste escrito, mas no outro livro – o que citei aqui outro dia, chamado “o Filósofo e a Teologia” – ele diz expressamente que a metafísica é decorrente da filosofia. Parece-me muito pouco com um fideísta. Aliás, tu és o primeiro a me alertar contra o “modernismo” de Gilson (tanto que o texto cá citado foi inclusive retirado da Permanencia), tendo eu sempre recebido boas indicações dele.

    Não sou filósofo nem estudo filosofia a fundo e, portanto, posso estar deixando escapar alguma coisa importante; mas também não vejo por que a metafísica de Santo Tomás precisaria ser rigorosamente a mesma que a de Aristóteles, sob pena da Razão Natural ser lesada em seus direitos. A metafísica tomista pode ser (como Gilson parece-me defender que é) distinta da aristotélica e permanecer sendo teologia natural, conquanto não se utilizar de premissas só acessíveis ao homem pela Revelação.

    Quanto à negação da ordem natural e da sobrenatural, aí, sim, parece-me um grosseiro absurdo.

    Obrigado pelas ponderações. Abraços,
    em Cristo,

    Jorge Ferraz