“O que a imprensa não mostra” – Israel e Hamas

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 6 meses 23 dias atrás.

Recebi por email esta mensagem (sobre a guerra de Israel), no formato de apresentação de Power Point, e estou reproduzindo aqui como galeria de imagens para melhor visualização. Infelizmente, não constam no anexo original os créditos; não sei, portanto, a autoria dos slides, que aqui reproduzo integralmente como recebi. Se alguém o souber, eu agradeceria imensamente a informação. Publico porque, a despeito de desconhecer a fonte, as informações passadas são verossímeis e discursos análogos são encontrados em outros veículos de comunicação que fogem um pouco à hegemonia esquerdista, o que confere credibilidade à mensagem recebida. Rezemos pelo Oriente Médio.

P.S.: Conforme me foi pedido, o arquivo .ppt original que recebi por email está aqui.

P.S. 2: Já teci antes comentários sobre o conflito na Faixa de Gaza aqui; antes que me acusem de canonizar os judeus, enfatizo que o que escrevi anteriormente permanece sendo a maneira como vejo o problema.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page
Tagged on: , , ,

11 thoughts on ““O que a imprensa não mostra” – Israel e Hamas

  1. Pingback: “O que a imprensa não mostra” - Israel e Hamas | ShaBlogs Português

  2. Alfredo Braga

    Sr. Jorge Ferraz,
    Ao mostrar tão candidamente essa parcialíssima apresentação de Power Point, parece que você reza mais pela bestialidade judeo-israelita em suas ações de extermínio de um povo, do que propriamente pela paz no Médio Oriente.
    Há fotografias horrendas das ações judias contra o povo palestino, e também contra os libaneses, que todos nós preferíamos que não existissem; mas, infelizmente, elas existem e são vergonhosamente escamoteadas enquanto você divulga, credulamente, fotografias obviamente deslocadas de contexto. Se lhe interessa saber da triste verdade desse novo holocausto, veja neste site (http://www.elfarra.org/gallery/gaza.htm) algumas imagens que o autor dessa apresentação de Power Point, ladinamente preferiu esquecer e apresentar.
    Cordialmente,
    Alfredo Braga

  3. Jorge Ferraz

    Prezado sr. Alfredo,

    A apresentação, de fato, não é “imparcial”; ela se propõe exatamente a mostrar o outro lado da moeda, que é sistematicamente ignorado pela mídia hegemonicamente esquerdista e anti-Israel.

    Aliás, o site que tu indicaste tampouco é imparcial; a diferença é que as “crianças e civis mortos covardemente pelos israelitas na Faixa de Gaza” já são parte quotidiana dos nossos noticiários e, portanto, não constituem novidade. O que não é mostrado – e é exatamente este o título da apresentação – é o porquê deste “massacre”: porque o Hamas utiliza os seus civis como escudos humanos.

    Por fim, eu dispenso os juízos do senhor sobre os objetivos das minhas orações. Pode deixar que, para tratar desse assunto, eu próprio sou a pessoa mais indicada.

    Abraços,
    Jorge

  4. Alfredo Braga

    Caro Sr. Jorge Ferraz,

    É livre o seu arbítrio, e é seu o seu blog; acredite no que quiser e reze como achar melhor.

    Cordialmente,
    Alfredo Braga

  5. Rodrigo R. Pedroso

    É facil acusar os terroristas maometanos, mas não se deve esquecer que o Estado de Israel também foi fundado na base do terrorismo, vitimando pessoas inocentes. Quem se lembra, hoje, da explosão criminosa do Hotel King David, vitimando quase uma centena de pessoas, dentre as quais inumeros turistas em peregrinação à Terra Santa? Pois bem, o autor desse cruel atentado depois se tornou por duas vezes chefe do governo israelense: Menachem Begin. Quem se lembra das aldeias palestinas massacradas num esforço de limpeza etnica, em 1947, como o celebre caso de Deir Iassim?

    Se hoje com razão são execrados os métodos do Hamas e do Jihad Islamica, os crimes cometidos pelo Irgun, pelo Haganah e pelo Stern foram varridos para debaixo do tapete, depois que esses grupos terroristas constituíram o exercito regular de um estado independente, as Forças de Defesa de Israel. Nada impede politicamente que o Hamas, cedo ou tarde, venha a adquirir a mesma respeitabilidade, já obtida pelo terrorismo sionista. Entre o terrorismo judaico e o terrorismo maometano, dou um pelo outro e não quero troco.

    Não dá para formular opinião segura sobre o conflito arabe-israelense sem se ter lido a fundamental obra do eruditissimo bispo catolico d. João Evangelista Martins Terra, profundo conhecedor do hebraico, e talvez o maior estudioso da Sagrada Escritura no Brasil, que viveu por anos na Terra Santa, como missionario e arqueologo, sendo por isso testemunha ocular dos fatos. O livro se chama A Questão da Palestina e foi publicado pela editora Loyola.

    Eu penso que, em vez de procurarmos tomar partido entre judeus e maometanos, israelenses e arabes, coisa que não nos convém nem interessa na qualidade de catolicos e brasileiros, deveriamos elevarmo-nos a um plano acima dessas discussões e situarmos o fato dentro de seu contexto biblico e teologico.

    Desde que os judeus rejeitaram Nosso Senhor eles nunca mais tiveram paz e assim será até o momento em que eles aceitarem Jesus como Salvador e Messias na verdadeira Igreja por Ele fundada. Toda a história do povo judeu, desde a rejeição do Cristo, está resumida em Deuteronomio 28,15-68, resumo feito pelo proprio Moisés.

    O grande Bossuet, bispo que ilustrou a França e magnifico orador sacro, em seu tempo já o havia dito: “O delito mais grave dos judeus não é o de haver feito morrer o Salvador. O Senhor, depois da morte de seu Filho, deixou-os quarenta anos sem os punir, (…) sinal que tinha a intenção de os perdoar (…). Há um outro delito mais insuportavel do que o assassinato do proprio Filho de Deus: é o endurecimento do coração, a impaciencia (…). Deus guarda os judeus para continuar a mostrar o exemplo de sua vingança”

  6. Renato Lima

    Eu sei que isso não tem nada a ver com o assunto…, mas eu quero deixar o meu alerta!

    Amanha às 11:30 na CNT do Rio deJaneiro, irá ao ar um programêco de um falso profeta chamado: Édino Fonseca.

    Este sr. que pensa ser um apostólo de Jesus Cristo, falará sobre o suposto ”acordo” entre o Vaticano e o governo Lulla.

    Ele diz que convidou alguns representantes de outras ”religiões” para discutirem o famoso ”Estado Laico”; que a Constituição Brasileira é laica e blá,blá,blá,…

    Vejam o programa para verem o desespero desta gente!

  7. juliete

    Só uma questão: quem bombardeia uma cidade, a mais densamente habitada, cuja metade é de crianças, está realmente preocupado se vai atingir algum inocente?

  8. Pingback: Time de Cristo

  9. Renato Lima

    Time de Cristo (??!!), essa entrevista com o “convertido” do Hamas é a tipica entrevista de lavagem cerebral protestante.

    Na mesma entrevista esse “convertido” acreedita na mentira (geralmente propagada pelos protestantes) que as Cruzadas foram atos de intolerância!

    Vá entender quanta sandice, não é!