Tempo e Eternidade

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 6 meses 17 dias atrás.

Publico o texto-base de uma palestra minha. Perdão pelo caráter de esboço, todavia, talvez seja de proveito a alguém. Segue:

Tempo e Eternidade

45 minutos.


Imagine um banco que credita na sua conta 86.400 reais toda manhã.  O único problema é que não é acumulativo. Toda noite, o banco zera tudo o que você não usou durante o dia. Então, o que você faz? Saca cada centavinho. Todos nós temos um banco como este: o tempo. Toda manhã, o tempo credita 86.400 segundos. Toda noite, zera, como se perdido, tudo o que você não investiu com um bom propósito. Não se acumula. Não permite empréstimo. Todo dia, 86.400 segundos e toda noite, zera.

Com a distância, dá-se outra coisa: é um obstáculo ao qual vivemos vencendo. Dos próprios pés, ao cavalo, ao carro, ao avião… Mas o tempo permanece inconquistável. Não pode ser expandido, acumulado, comprado, hipotecado, adiantado ou adiado. É uma coisa completamente fora do nosso controle. Nunca voltará e talvez muito em breve deixará de vir.

A contagem da nossa vida dá-se de forma interessante. Comemoramos o aniversário pelo tempo que passamos, mas a realidade da morte se faz tão presente, que podemos pensar na vida como um grande relógio, em que o tempo corre e nós não sabemos quando ele vai parar.

Deus colocou no coração de cada homem um desejo de infinito. Ora, tudo que existe, existe com um propósito. Deus não poderia criar um desejo despropositado, porque, quando criou o mundo, viu que tudo era bom. O homem caído tende a perverter este desejo de infinito: é por isso que vemos declarações como “o homem se torna imortal pela história” ou, quando falece um ente querido, que ele “está vivo em nossa memória”. Isto tudo tem sementes de verdade. Mas Deus quando fez o homem, logo disse que tudo era muito bom. O homem quando criado, não morria. E o homem caído, deseja não morrer.

Exemplos de perversão do desejo de infinito são inúmeros. Querer fazer uma obra tão grandiosa – seja ela filosófica, literária, arquitetônica – que permaneça para sempre e de certa forma o torne imortal é a manifestação mais comum. É certo que o filho, de certo modo, continua o pai, mas pergunte-lhe se o pai falecido não lhe faz falta! É claro que faz! Porque a memória de uma pessoa é distinta da própria pessoa. Uma foto contém a pessoa mas não É a pessoa. Ninguém mata as saudades de um amigo distante por webcam ou por MSN.

Eclesiastes, capítulo 3

O QUE DEUS FEZ SUBSISTIRÁ SEMPRE! Ortega y Gasset, em sua Rebelião das Massas, fala de um homem-massa que surgiu no mundo na modernidade. O homem-massa não aceita ordens, porque não aceita superiores. O homem-massa não se quer melhorar, mas reduzir o mundo inteiro a sua mediocridade. Mas o cristão é um nobre e a nobreza obriga! Noblesse oblige! O cristão não se contenta com a sua mediocridade, porque olha o alto. Aspira às coisas do alto, onde está Cristo, não às coisas do mundo.

Ao homem sem Cristo, a vantagem que têm sobre os brutos não é nada. Posto que nenhuma obra humana é meritória, por si só, do céu. O céu, a salvação, Deus no-la dá gratuitamente. Deus, salvando, nos salva gratuitamente.

A Missa de Requiem de Mozart, famosíssima, tem um movimento – para mim, o mais belo –, uma parte do “Dies Irae” a que foi dado nome de “Rex tremendae”, do verso “Rex tremendae majestatis, qui salvandos salvas gratis. Salva me, fons pietatis”. Dá a diferença da majestade divina e da nossa posição em relação a Deus pelo tom usado no verso: quando se fala da majestade de Deus, o coro vem vigoroso, quando se pede perdão, uma voz suplicante.

A relação do Tempo e Eternidade é sempre a relação do pecador com o Rei de majestade tremenda. Se o temor de Deus é fonte de sabedoria, o temor do tempo é a chave da Eternidade. O cristão deve, como S. Josemaría costumava dizer, fazer o ordinário extraordinariamente. Aproveitar o tempo é uma questão de justiça. O “banco” do tempo, o Senhor, dá o tempo, que é um dom. O dom do tempo não pode ser multiplicado em absoluto, mas é multiplicado quando preenchido de maneira justa.

Para cada coisa há um momento debaixo dos céus. Convém ao homem ajustar o seu tempo ao tempo de Deus, louvando-o com o seu tempo, não só em oração – o que é, de fato, fundamental – mas fazendo todas as coisas do melhor jeito possível. Plantar, colher, matar, curar, destruir, construir, chorar, rir, gemer, bailar, atirar pedras, recolher pedras, abraçar, se separar, buscar, perder, guardar, jogar fora, rasgar, costurar, calar, falar, amar, odiar, guerrear, pacificar. O ordinário, extraordinariamente.

O pecador que vive no tempo, contemplando o Senhor, contemplando a Eternidade, deve querer mudar. Deve querer merecer a vida eterna. Mas ninguém a merece por si.

Mas “Deus amou tanto o mundo, que entregou o seu Filho único, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. Antes de Cristo, o Santo dos Santos era velado. Agora o próprio Deus, o Verbo Encarnado, desvela-se e se nos apresenta a nós como “caminho verdade e vida”

Vida! Que vida? A vida em plenitude. Que consiste em viver no tempo em união com Deus, de modo a estar unido com Ele, no céu. A vida em Cristo é luta constante. E necessitamos de um olhar atemorizado a Deus, à Eternidade para termos o próprio sentido da nossa vida terrena.

Se não vivemos para a Eternidade, então a vida é vazia. Isto é, se não vivemos em Cristo, com Cristo e por Cristo, nunca teremos a vida em plenitude. Deus nos amou e nos amou até o fim. Também nós devemos renovar o nosso amor a Deus em todos os momentos, glorificando-o no uso do tempo, tendo em vista a Eternidade, até o fim, porque ao cristão é dada a obrigação de ser outro Cristo.

Qual deve ser a nossa postura, então, diante da Eternidade? Dizem os biólogos que o olhar humano vê as coisas por dois corpúsculos, um detectando luz e outro, cor. Podemos dizer que o olhar cristão tem três, a detectar temor, admiração e súplica. Temor do próprio Deus, da sua imensa majestade, da danação eterna – a qual merecemos nós, se Deus usar de justiça — , admiração, pelo que vemos – a criação reflete Deus como um espelho difuso e as obras meritórias dos homens o refletem ainda mais, porque somos feitos à sua imagem, e pelo que vamos ver; se vemos agora como que por um espelho difuso, então veremos face a face e súplica, para que Deus nos julgue por Sua misericórdia e não pelo que merecemos.

Em tudo, devemos ver a grandeza de Deus, que nos deve fazer perceber quão pequeno é o tempo e quão dilatada é a eternidade, o temor da justiça divina, que nos deve fazer odiar o pecado, por nos fazer merecer o inferno e não o convívio de Deus e dos santos e suplicante, ao mesmo tempo de agradecimento e suplicante de fato.

Se são esses os componentes do olhar cristão, o olho é janela da alma. É pelo temor, pela admiração e pela súplica, que a Eternidade – e consequentemente o próprio Deus – deve entrar em nossa alma e transformá-la: uma “alma-massa” em uma alma nobre! Uma alma que se obrigue a ser melhor! A dar mais por Deus e pelas almas! A fazer tudo como se tudo dependesse de si e rezar como se tudo dependesse de Deus! A fazer o ordinário extraordinariamente, a contemplar a eternidade – triplamente – nas obras de Deus e dos homens: sabendo admirar o que nos aproxima dela e a odiar o que nos afasta.

“A esperança teologal e a  certeza de que esta curta vida culmina na felicidade eterna são para o cristão precisamente uma fonte de consolo e fortaleza”[1]. A vida do homem no mundo é uma luta constante. Mas ao enxergar o mundo pelas lentes da eternidade, quando se vive em Cristo, quão suave são as tribulações mundanas! Quão grande é o que é de Deus, quão breve o tempo e quão dilatada é a eternidade!

“Se estivermos em relação com Aquele que não morre, que é a própria Vida e o próprio Amor, então estamos na vida. Então vivemos.” [2]

[1] Pe. Marcial Maciel, LC: “Tempo e eternidade”

[2] S. S. Bento XVI: “Spe Salvi”
Edito, acrescentando o “Rex tremendae majestatis”, regido por J. E. Gardiner:

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

0 thoughts on “Tempo e Eternidade

  1. Danielle Aran

    Nunca tinha notado que outra pessoa, além do Jorge, escrevia aqui.

    Enfim…Gostei bastante do texto.
    Especialmente no tempo que tenho vivido,próximo de ir para o carmelo; um pavor toma conta de mim.

    Esse texto ajuda-me, pois serve de incentivo, a realmente desejar as coisas do alto. Em saber que a vida passa e que tenho apenas uma única chance de servir a Deus.

    Abraços!

  2. Julie Maria

    O livro do Padre Maciel mexeu muito comigo quando o li em 2001… volta e meio cito ele, mas vou ler com calma este artigo pois mais que nunca preciso meditar sobre este tesouro que recebemos: o tempo!

    Obrigada Erickson!

    PAX

    JM

  3. Pingback: Tempo e Eternidade | ShaBlogs Português