Mais ignorância midiática

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 6 meses 14 dias atrás.

Acabei de ver esta reportagem do Estado de São Paulo: Lefebvriano diz que Concílio Vaticano II foi uma heresia. Subtítulo: Abrahamowicz, um dos quatro bispos aos quais o papa retirou a excomunhão, disse que Concílio ‘foi uma droga’.

O pe. Floriano Abrahamowicz, de quem eu nunca tinha ouvido falar até então, não é um dos quatro bispos cuja excomunhão foi retirada pelo Papa!! Aliás, nem poderia ser, porque ele é – como a própria reportagem diz – padre e não bispo!! É frustrante constatar a manifesta ignorância que a mídia demonstra no que toca às coisas da Igreja. O Marcio Antonio também denunciou imediatamente a gafe.

Quanto ao conteúdo da notícia, é patente que há “tradicionalistas” empenhados em boicotar a regularização da FSSPX. Rezemos pela unidade da Igreja.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

5 thoughts on “Mais ignorância midiática

  1. João12.

    Enfim, a media aproveita-se, quanto mais polémico melhor, tal qual as alcoviteiras da freguesia.

    E, claro, os inimigos da Santa Igreja aproveitram-se logo para denegrir e manchar a pureza da esposa de Cristo.

    Tenham dó e sejam profissionais! É o desespero dos inimigos de Deus, que vêm a Sua Igreja a lutar, com algumas visiveis vitórias, contra o que eles tanto desejam implantar no mundo: a confusão, a metira e o relativismo.

    Mãe de Deus, rogai por nós.

    E esta, Jorge? Exigência, no mínimo curiosa.

    http://fratresinunum.wordpress.com/2009/02/06/com-as-duas-e-que-nao-da/

  2. Pingback: Mais ignorância midiática | ShaBlogs Português

  3. Felipe Coelho

    Muito prezado Jorge, Ave Maria Puríssima!

    Fazendo vistas grossas às aspas que você lamentavelmente resolveu pôr no tradicionalismo dos que discordam de suas aspirações unionistas, noto a você que a gafe do “jornalismo” (esse, sim, merecedor de muitas e muitas aspas!) tem provavelmente a seguinte explicação (que não desculpa, claro, apenas atenua um pouco):

    Em italiano, o prefixo “Pe.” é “Don”. Daí a traduzir como “Dom” e julgar que o padre em questão é Bispo, é só um passo. Se até aqui no Brasil, já houve quem confundisse o “Dom” que se usa antes do nome de monges beneditinos, por exemplo, com o caráter episcopal…

    Outro erro afim e bem engraçado desses “jornalistas” é traduzir “Abbé” (“Pe.” em francês) como “Abade” ou “Abbot” (nas traduções em inglês), criando assim novas comunidades religiosas e erigindo superiores a cada sacerdote francês que encontram no caminho. :D

    Um abraço,
    Em JMJ,
    Felipe Coelho

  4. Jorge Ferraz

    Caríssimo Felipe,

    Pax!

    Não escondo o meu descontentamento com aqueles que se arrogam o direito de constituir uma igreja paralela. Se as minhas “inspirações unionistas” forem o ardente desejo de que todos os católicos combatam pela Igreja cum Petro et sub Petro, é de peito aberto que as assumo, e não o lamento.

    Quanto à origem do bispo Abrahamowicz, tens toda razão; provavelmente foi mesmo essa a gênese da “sagração episcopal” da EFE. Tal “jornalismo” é de uma irresponsabilidade sem tamanhos.

    Abraços, em Cristo,
    Jorge Ferraz

  5. Pingback: Inimigos imaginários « Deus lo vult!