João do Morro e cultura média

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 5 meses 23 dias atrás.

Até a sexta-feira passada, nunca tinha ouvido falar neste sujeito. No entanto, as músicas dele literalmente tomaram conta de todo o Carnaval de Olinda e Recife! A música acima é uma das maiores pérolas musicais de toda a discografia recifense moderna. A letra é como segue:

Ela veio querer
meter a mão
na minha cara,
só porque
eu chamei ela de
Amara.

Ela veio querer
meter a mão
na minha cara,
Só porque
eu chamei ela de
Amara.

Comprei um vestido pra ela
e ela não aceitou não
Comprei um trancelim pra ela
e ela não aceitou não
Comprei um sabonete pra ela
e ela não aceitou não

Ela gritou na minha cara
que eu não era o homem do seu coração!

Sabe o que foi que ela fez?
disse somente uma palavra!
Ela pegou o sabonete
jogou na minha cara…

Sabe o que foi que ela fez?
disse somente uma palavra:
Ela pegou o sabonete
esfregou na minha cara…

Ai, Amara,
ai, Amara,
Jogasse o sabonete,
e pegou na minha cara!

Ai, Amara,
ai, Amara,
Jogasse o sabonete,
e pegou na minha cara!

Vinha saindo do beco
quando ouvi uma palavra
era as menina gritando
com medo do chupa-cabra

Vinha saindo do beco
quando ouvi uma palavra
era as menina gritando
com medo…

Mas dali eu saí correndo,
dali eu saí correndo
com meu pobre violão…

e de repente eu caí
e ouvi uma palavra:
era a menina, tava com medo,
com medo do chupa-cabra…

e de repente eu caí
ouvi uma palavra:
era as menina, tava com medo,
chupa-chupa

Chupa-chupa-chupa-cabra
[bééééééééé]
Chupa-chupa-chupa-cabra
[bééééééééé]

Lembro-me de que um amigo de Brasília, após ter escutado isso 200 vezes (sim, tocou MUITO no Carnaval), comentou que não havia entendido esta música: afinal, por que raios a mulher havia batido no cara?! Eu comecei a rir. Acho que ele não havia ainda sido contaminado com o nonsense do cenário musical pernambucano. E, da segunda parte da música (que começa com “vinha saindo do beco”…), ele comentou que era a mesma música, mas não era a mesma história… e que estava até agora tentando saber qual era “a palavra” que Amara disse…

Bom, João do Morro – isso é meio óbvio porque, afinal, caso contrário provavelmente não faria lá tanto sucesso… – não é lá o melhor exemplo de música recomendável. O show dele no Carnaval foi, ao que dizem, apoteótico. Ele – e isso é um ponto positivo – sofreu um processo de uma ONG gayzista por conta de uma suposta homofobia em uma de suas músicas politicamente incorretas. Mas, biografia à parte, o ponto que me interessa aqui é outro: o que raios explica a decadência musical (e, por extensão, cultural) moderna? A futilidade erigida como padrão máximo de arte aceitável e desejável? Eu reconheço que dá para rir (eu mesmo ri à beça) com a música da Amara e com algumas outras também, mas duas coisas me incomodam profundamente (e isso é apanágio de toda a música moderna, ao menos em Recife, e apenas tomo João do Morro como estudo de caso): um, a existência de imoralidades gritantes que não me atrevo a reproduzir aqui mas, no entanto, são cândida e publicamente entoadas como se fossem a coisa mais natural do mundo; e, dois… o monopólio da futilidade e o local de destaque que lhe é dado. É claro que nem tudo precisa ser sério o tempo todo – um pouco de bom humor é sem dúvidas importante -, mas me incomoda a… seriedade que se aplica à falta de seriedade das coisas.

E talvez seja este um dos maiores problemas da “cultura” moderna: ela está preenchida, em sua virtual totalidade, com coisas fúteis! Parece haver um empenho organizado, um esforço conjunto, para que as pessoas fiquem ocupadas com coisas sem nenhuma importância, que aprendam a gostar delas, e que – por ausência de padrão comparativo – passem a considerá-las como parte substancial de suas vidas. Há incontáveis exemplos, da música ao Big Brother, passanto pelas novelas da Globo, etc, etc. Com a cabeça cheia de entulho, como se pode esperar que as pessoas se ocupem de coisas sérias?

Às vezes, fico desanimado, porque tenho a quase irresistível impressão de que é simplesmente impossível conversar com algumas pessoas sobre as coisas que realmente são importantes. É necessário um dedicado trabalho de… alargamento intelectual, para que coisas como, digamos, metafísica possa ser acomodada em mentes que foram acostumadas, desde a mais tenra infância, à futilidade. E este trabalho não pode ser feito unilateralmente. Não adianta discutir com quem não quer discutir e, muitas vezes, as pessoas simplesmente não são capazes de discutir sem um grande esforço para sair da pocilga e ousar elevar os olhos para o mundo… e muitos, muitos, muitos não estão dispostos a empreender este necessário esforço…

O que é possível fazer? Na minha opinião, oferecer resistência, e oferecer educação, não da maneira mágica e demagógica como falam os nossos políticos, mas educação cristã verdadeira, desde a mais tenra infância, às pessoas mais próximas de nós, em respeito à subsidiariedade, e com um verdadeiro esforço para preservarmos os educandos do ambiente deseducativo no qual eles estão inseridos. Não consigo vislumbrar uma possibilidade mágica de conversão da geração que hoje está aí; é somente nas gerações futuras que está a nossa esperança. E, aliás, urge trabalharmos, apressando a vinda destas, pois não sei ainda quantas gerações como as nossas o mundo é capaz de suportar.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

9 thoughts on “João do Morro e cultura média

  1. Mike

    Just passing by.Btw, your website have great content!

    _________________________________
    [PROPAGANDA RETIRADA]

  2. Jorge Ferraz

    Caríssimos,

    Algumas hermenêuticas que foram propostas para a música:

    1) Amara estava de TPM.

    2) Amara é louca.

    3) O eu-lírico da música chamou a mulher de amarga, utilizando-se ironicamente do nome dela com a conotação etimológica original.

    4) O eu-lírico chamou a mulher de mal-amanhada e fedorenta (já que lhe deu vestidos, colares e sabonetes), o que a deixou justamente indignada e provocou a sua reação violenta.

    5) Amara é um chupa-cabra.

    6) O eu-lírico é um chupa-cabra.

    Abraços,
    Jorge

  3. Paulo Oliveira

    Caro Jorge,

    Sim, há muitas mentes revolucionárias profundamente interessadas que as pessoas percam o tempo de suas vidas com futilidades. Quanto mais superficiais os seres humanos forem, mais fácil se tornará dominá-los. Vejo limpidamente o método da subversão soviética em casos como esse que comentou (http://www.youtube.com/watch?v=cj0Id3BLFco&feature=PlayList&p=66245842658CE1AF&index=0&playnext=1), grande vitória da revolução cultural marxista. Busquemos uma verdadeira auto-educação.

    E não nos esqueçamos que a nossa oração e sacrifício são indispensáveis para mudar ou, ao menos, atenuar a profunda crise moral mundial.

  4. Adriana

    Meu caro,

    Outra característica dessa cultura da futilidade é o culto ao prazer por si mesmo. Digo isso porque essa não é a única música sem sentido que faz sucesso. Diversos axés, bregas e funks podem ser assim descritos como nosense. Mas o ritmo empolga e as pessoas se divertem, e é isso que importa(?). Me preocupo com a dimensão que isso toma. A música é sem dúvida uma forma de expressão cultural, mas quando se resume a ritmos dançantes com letras vazias a simples diversão pode se tornar uma deseducação e mesmo um escapismo para fugir das coisas sérias da vida. Urge reeducarmo-nos!

    Abraços

  5. Everth Queiroz Oliveira

    Infelizmente, Jorge, as músicas que tocaram nesse carnaval só foram essas palhaçadas. Não sei aí no Nordeste, mas aqui em Minas, tive a infelicidade de ouvir, dentro de minha própria escola (o que é absurdo) uma música com uma letra promíscua: “Não tô entendendo nada (…) só tem mulher tarada”.

    E tomamos a sua última frase nesse post como uma profecia e um convite à conversão em nossa sociedade:

    “não sei ainda quantas gerações como as nossas o mundo é capaz de suportar” (só Deus sabe…)

    Vamos orar por esse mundo.

    Graça e paz.

  6. Julie Maria

    As músicas que eu, infelizmente, tive que escutar ao andar nas ruas (seja na época do carnaval ou não) deixaram de ser músicas há mmmuuuiiitttoo tempo. Pornográficas, baixas, vulgares, nojentas. Não tem nome que baste para descrever esta anti-cultura que virou o forró, funk, etc.

    É o dom da sexualidade sendo pisoteado pela massa que não pensa e quer escravos para comprar seus cds.

    Como se não bastasse até na Missa temos que escutar letras heréticas.

    PAx irmão,

    JM

  7. Adriana

    Caríssimo,

    Só para resgistrar mais uma vertente hermenêutica para a música supra: o eu-lírico pode ter chamado, sem perceber, a sua companheira pelo nome da amante, e não entendeu porque ela ficou com raiva a ponto de jogar-lhe o sabonete na cara!!!
    Rsrsrsrs A brilhante idéia, porém, não surgiu de minhas reflexões, mas se deve a nosso amigo Alexander!

    Como disse anteriormente, só para registrar!

    Abraços

  8. André Henrique

    Essas duas músicas são de um compositor chamado Pinga do Brega ( falecido), sempre cantou esses bregas nas chamadas gafieiras, mas não foi muito longe com a música. Pinga como ele era chamado morreu cantando suas músicas no bares, arraiais e festas locais no Bairro da Bomba do Hemetério, Recife-PE. As músicas estão sendo interpretada por João do Morro grande poeta (diferente) do pagode resenha de roda de pernambuco.