Carta aberta – apoio a Dom José

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 5 meses 20 dias atrás.

Sua Excelência Reverendíssima,
Dom José Cardoso Sobrinho,
Arcebispo Metropolitano de Olinda e Recife,

Faço questão de divulgar, e com muito orgulho, a presente carta aberta de apoio a Vossa Excelência Reverendíssima. Faço questão de juntar a minha voz à voz de outros tantos católicos que escreveram em solidariedade a V.E.R. (como a carta escrita por uma católica do Rio de Janeiro e publicada hoje no Veritatis Splendor, que subscrevo integralmente), desejando também eu manifestar publicamente o meu mais sincero apoio a Vossa Excelência, Dom José, que é vítima injustiçada de terrível perseguição realizada pela mídia, pelo único fato de ter sido Vossa Excelência fiel ao mandato que recebeu de pastorear as ovelhas do Senhor.

Multiplicam-se acusações infundadas. Fala-se que V.E.R. excomungou a criança, que não teve pena da menina estuprada, que desejava a sua morte, que era indiferente ao sofrimento da família, que estava acobertando o estuprador, etc, etc, etc. Tudo falso; a única coisa que fez Vossa Excelência Reverendíssima – e fez muito bem – foi levantar a voz em defesa das duas crianças, dos dois irmãos gêmeos, que foram covardemente assassinados por culpa de um crime que não cometeram. A única coisa que Vossa Excelência fez foi chamar a atenção para a gravidade deste crime horrendo – que clama aos Céus vingança! -, quando ninguém lhe prestava atenção. A única coisa feita por Vossa Excelência foi comunicar a todo mundo que a pena prevista pelo Direito Canônico – que, aliás, independe completamente da vontade de Dom José ou de qualquer outro bispo – para os que cometem o crime bárbaro do aborto é a excomunhão. O inferno, por causa disso, urra de raiva.

Nós, no entanto, só podemos agradecer. Obrigado, Dom José, pelo Arcebispo fiel que V.E.R. é, como poucos existem hoje em dia. Obrigado, Dom José, por V.E.R. ter se pronunciado claramente contra o crime horrendo que foi praticado no solo de Recife, sob o olhar complacente da mídia, contando até mesmo com o apoio e incentivo de criminosos contra os quais a voz de Vossa Excelência foi a única a ser levantada. Obrigado, Dom José, pela radical fidelidade à Igreja de Nosso Senhor, expressa – uma vez mais – no desapego de si próprio e na aceitação voluntária da perseguição, tudo isso para não se calar diante de uma flagrante injustiça. Obrigado, Dom José, porque nós nos sentimos seguros sob o báculo de V.E.R., com a certeza de que temos a nos guiar um pastor fiel, verdadeiramente compromissado com a Igreja de Cristo e com um santo zelo pelas coisas divinas. Obrigado, Dom José; enquanto o inferno ruge, os Céus estão em festa com a atitude heróica de V.E.R., que não pode, do povo católico fiel, receber senão apoio e admiração.

Obrigado, Dom José Cardoso; Vossa Excelência conta com a nossa mais completa solidariedade, e estamos sinceramente dispostos a sofrer o que quer que seja necessário para a defesa de V.E.R., só pela – imerecida! – honra de sermos contados entre aqueles que padecem sofrimentos pela radical e intransigente defesa dos ensinamentos de Nosso Senhor. Alegramo-nos com Vossa Excelência pelas tribulações atravessadas por V.E.R.; exultamos, porque sabemos que a justa recompensa de Vossa Excelência será grande nos Céus. O Justo Juiz tudo vê; e Sua Mãe Santíssima, Maria, Mãe da Igreja, saberá recompensar àqueles que são servos fiéis do Seu Divino Filho.

Com a minha mais sincera admiração,
subscrevo-me, em Cristo,
Jorge Ferraz
Católico, Arquidiocese de Olinda e Recife

P.S.: também subscrevem estas linhas:

João de Barros – Belo Horizonte/MG
Claudemir Pacheco – Recife/PE
Leonardo Silvestre – São João Del Rei/MG
Rodrigo Pedroso – São Paulo/SP

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

105 thoughts on “Carta aberta – apoio a Dom José

  1. Demerval Jr.

    Ah, já entendi:

    Esse Rafael é aquele fiel assíduo que frequenta a igreja de Veja Isto-É do Último-Segundo…

    Uh! Coitado!… Mais um pro rol dos (des)informados…

  2. Margarida Félix

    AI DE MIM, SE EU ME CALAR…

    Seja o teu SIM, SIM, seja o teu NÃO, NÃO.

    Ninguém pode servir a dois senhores.

    À força de tacape quer-se reduzir a humanidade a súditos do fascismo da mentira.

    Uma mentira perversamente religiosa que postula um deus psicotrópico, sedativo, acalentador de covardias, imediatismos, orgulhos e submissões aos impulsos.

    Que postula ainda que as vontades caprichosas de cada um são regra absoluta gerando o direito até de matar inocentes inertes e indefesos, desde que não molestem nossas sensibilidades com gritos de pavor e sangue viscoso.

    Dogmatiza ainda ela que a soma dos desejos de autoproclamadas maiorias tem poderes sobrenaturais, transformando o MAL em BEM e que as mães que antecipem não poder alfabetizar filhos devem despedaçá-los, ou envenená-los fria e cruelmente.

    Seus tribunais são peculiares e se constituem com os nomes de programas de televisão, manchetes de jornais e mídia em geral.

    Existem pessoas batizadas que se dizem filhas adotivas de Deus, porém, muitas vezes, como lamentou Jesus Cristo, são menos argutos e mais lerdas que os filhos das trevas.

    Até quando esta submissão ignóbil perdurará?

    “E por serdes morno, e não frio ou quente, começarei agora a vomitar-te de minha boca.”

    Sejamos solidários ao Arcebispo Dom José Cardozo Sobrinho, que quer ser católico e comecemos uma presença de Cristo no mundo.

    CATÓLICOS PELO DIREITO DE SER CATÓLICO

  3. João

    Um homem surgiu no horizonte sombriu, trazendo uma mensagem cheia de esperança, de amor e bondade, e o que a humanidade fez com isso? Transformou tudo em papel, verbosidade, negócio e poder!
    Será que Jesus quis que tudo isso fosse feito em seu nome?
    Dois mil anos transcorreram desde que o audacioso Jesus tentou, pela primeira vez na história da humanidade, libertar os homens do julgo oficial das igrejas, caracterizado por burocracia, leis e figuras eminentes, por inflexibilidade, conflito em matéria de exegese, por hierarquia e sua reinvidicação de autoridade absoluta, pelo culto, idolatria e sectarismo.
    Jesus queria uma comunicação direta entre Deus e a humanidade e nunca tencionou patrocinar ambiciosas carreiras eclesiásticas.
    Hoje já não ouvimos diretamente a voz de Jesus em sua forma natural. Ela é mediada por especialistas privilegiados e pela arbitrariedade de um corpo profissional.
    Jesus foi gerenciado, mercadejado, codificado e virou livro. Onde a fé viva e verdadeira foi substituida por crenças mesquinhas e intolerantes, baseadas num racionalismo clerical.
    Os mandamentos de Jesus, de tolerância e amor ao próximo, desapareceram, assomando, em seu lugar, o dogmatismo e o fanatismo.

  4. Rodrigo Ruiz

    Caro Jorge, é um espetáculo assaz cômico esse desfilar de cabeças vazias, protestantes desorientados, donas de casa desocupadas, católicos “pelo direito de abjurar da fé” que tem postado seus pitacos aqui no Blog. Gente de tal naipe, serve para quê? Para colocar no poder outros obtusos que defendem as mesmas patifarias que eles.

  5. Pingback: Global Voices Online » Brazil: On the Vatican’s condemnation of raped-child’s abortion

  6. Pingback: Global Voices em Português » Brasil: Sobre a condenação do Vaticano no caso de aborto da menina estuprada

  7. Sanderson Paixão

    Pipoco nas telha, vcs são contra também??

    Fica esperto, seu boca-aberta.

  8. Pingback: Global Voices in Italiano » Brasile: Reazioni alla condanna vaticana dell’aborto di una bambina stuprata

  9. Pingback: Brazil - On the Vatican’s condemnation of raped-child’s abortion « Equal Parenting @ Ration Shed

  10. Pingback: Global Voices in het Nederlands » Brazilië: Vaticaan veroordeelt abortus verkracht meisje

  11. Rodrigo

    Pergunta:

    A bíblia tem de ser interpretada, ou seguida á risca?

  12. Rodrigo

    Hummm. Ta explicado a inquisição, e o assassinato de mulheres grávidas.

    Obrigado!