Mais curtas diversos

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 4 meses 18 dias atrás.

Mais coisas para comentar do que eu tenho tempo para fazê-lo…

– Apenas para fins de registro, o Frei Betto – para variar – escreveu mais uma vez contra a Igreja. Vejam que palavras dignas de um religioso: “Comparo a atitude do arcebispo de Olinda e Recife com a de Jesus diante da mulher adúltera… Que diferença! Jesus foi capaz de compreender, perdoar, acolher. Os médicos agiram corretamente, para salvar a vida da menina e evitar o risco de três mortes”. A ubiqüidade na repetição da besteira faz-nos pensar que é orquestrado; os ataques que chegam de todos os lados – de todos os inimigos da Igreja – evidenciam que estamos do lado certo do campo de batalha. Não podemos desanimar!

– É um pouco antiga – novembro de 2008 – mas um amigo trouxe à baila, numa lista de emails da qual participo, esta matéria sobre Oxum na Santa Missa. Aproveito para trazer aqui porque é um excelente exemplo daquilo sobre o que eu falava ontem, sobre a colocação de lixo no lugar das coisas sagradas: esta obsessão em profanar tudo o que é católico parece uma sanha satânica. Mente – sim, mente descaradamente – o padre Toninho quando diz que “as missas inculturadas e, especialmente, a missa afro, são expressões legítimas de elementos das culturas africanas na celebração da Eucaristia”. Aqui tem fotos de uma missa afro. Aqui e aqui tem vídeos de missas afro. E qualquer pessoa que tenha um mínimo de senso católico percebe que há alguma coisa errada aí; percebe que essas coisas são no mínimo inadmissíveis e, no máximo, blasfemas e sacrílegas.

– Um movimento gay de Pernambuco – os “Leões do Norte” – avisaram que iriam malhar um boneco de Dom José Cardoso nas ruas do centro da cidade na sexta-feira. Fizeram-no, e a matéria com algumas fotos foi publicada no blog do Jamildo. O presidente da ONG afirmou que “Dom José representa perigo para a sociedade. Foi imprudente porque colocou a vida de uma menina de 9 anos em risco. Para ele, o estupro não tem importância”. Interessante, né? Dona Terezinha percebeu

Alguns judeus são contra acordos diplomáticos com a Santa Sé. “A seis semanas da visita do Papa Bento XVI à Terra Santa, religiosos judeus fundamentalistas fazem pressão para que o governo israelense não faça concessões diplomáticas à Santa Sé sobre a questão dos impostos sobre os bens da Igreja”. Ah, esses nossos irmãos mais velhos…

– Também é um pouco antiga [25 de março], mas eu só vi agora. Depois das audiências públicas sobre células-tronco embrionárias e anencéfalos, parece que a moda pegou: a CSSF vai realizar uma audiência pública sobre a eutanásia. No entanto, desta vez quem a propôs foi o deputado Dr. Talmir (PV-SP), autor de um projeto de lei que torna a eutanásia crime hediondo. A data da audiência ainda não foi marcada.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

10 thoughts on “Mais curtas diversos

  1. Joe

    Jorge, que tal você pedir a Roma excomunhão de Beto, já que você tem tanto nojo dele???

    PS: “Leões do Norte”?? Esses torcedores do Sport são bem machos,pelo visto….

  2. Lucas

    Ele não escreveu contra a igreja e sim contra uma postura da mesma.

  3. Marcelo

    Jorge,

    O Estado de S.Paulo publicou no domingo (5/04) uma página inteira sobre o aborto “legal” no Brasil, apontando a insuficiência de hospitais que o pratiquem. A matéria ouviu ongs aborteiras e até um membro dos Juízes pela Democracia. Este teve o desplante de dizer que se gasta mais em repressão ao aborto do que para fazê-los. Acredito que também se gaste mais na repressão ao homicídio do na sua execução, mas isso o juizeco não avaliou. Com base nessas estultices, agora eles querem liberar o aborto em geral, para qualquer caso. Como se isso fosse uma questão de liberdades individuais e democracia. Frei Betto é só uma pequena engrenagem nessa máquina de moer carne humana.
    Sds.,
    de Marcelo.

  4. Alexandre Magno

    Jorge Ferraz: “Mente – sim, mente descaradamente – o padre Toninho quando diz que ‘as missas inculturadas e, especialmente, a missa afro, são expressões legítimas de elementos das culturas africanas na celebração da Eucaristia’.”

    Não sei…

    Jorge Ferraz: “Aqui [link] tem fotos de uma missa afro. Aqui [link] e aqui [link] tem vídeos de missas afro. E qualquer pessoa que tenha um mínimo de senso católico percebe que há alguma coisa errada aí; percebe que essas coisas são no mínimo inadmissíveis e, no máximo, blasfemas e sacrílegas.”

    Jorge, seja mais específico. Nas fotos e nos vídeos referenciados através dos três links indicados por você eu vi “muita coisa diferente”, sim, mas “eu não vi” algo errado. Seja mais específico, para que eu possa ver, se realmente existir.

    A qualidade do áudio dos vídeos está muito ruim, e talvez por isso também eu não tenha percebido algo condenável.

    O que seria “um mínimo de censo católico”?

    Eu admito que tenho pouquíssimo conhecimento de liturgia. Também não sei como seriam “expressões legítimas de elementos das culturas africanas na celebração da Eucaristia”. Elas existem?

    Para começarmos a investigar o assunto, uma dica é procurar no Google: “site:vatican.va inculturação”. Essa pesquisa retorna principalmente vários discursos do Papa João Paulo II, mas também alguns outros documentos, e discursos de cardeais etc. Tudo hospedado no site vatican.va.

    Penso que seria melhor que seus leitores tivessem informações mais específicas, em um post dedicado ao assunto. Pois abordar esse tema da Missa Afro em “Mais curtas diversos”, ao meu ver, por enquanto serve apenas para alimentar pré-conceitos descabidos. Com posts como este, tanto aqueles que pensam estar de acordo com você alimentam seus pré-conceitos descabidos, como aqueles que pensam estar em desacordo com você alimentam seus pré-conceitos descabidos.

  5. vanderley

    Atabaque, berimbau, capoeira, etc,etc.

    Por aqui tem Missa italiana, mas é celebrada em italiano.

    Não consta que levem spaghetti, pizza, nem o padre

    fica dançando a “tarantela”.

    Isso aí é a Sindrome do Pe. Pinto atacando.

    Será que não tem vacina para essas “coisas” ?

  6. Jorge Ferraz

    Prezado Alexandre Magno,

    Talvez o senhor tenha razão e um assunto de tamanha importância não deva ser tratado en passant como o fiz aqui. No entanto, não tenho tempo, agora, de escrever um texto sobre o respeito devido à Liturgia e a proibição de que se introduzam nela novidades desautorizadas. Deixo-os apenas dois artigos

    1. Um comentário feito aqui mesmo recentemente, que reproduz um artigo sobre “mitos litúrgicos”:

    http://januacoeli.wordpress.com/2009/04/04/lixo-no-lugar-das-coisas-sagradas/#comment-8639

    2. João Paulo II aos bispos do Brasil:

    http://www.vatican.va/holy_father/john_paul_ii/speeches/1995/september/documents/hf_jp-ii_spe_19950929_brasile-ad-limina_po.html

    De onde destaco:

    Salta, porém, à vista de que se estaria distanciando da finalidade específica da evangelização, acentuar um destes elementos formadores da cultura brasileira, isolá-lo deste processo interativo tão enriquecedor, de modo quase a se tornar necessária a criação de uma nova liturgia própria para as pessoas de raça negra. Mais ainda, quando se pretende dar a um tal rito litúrgico uma apresentação externa e uma estruturação – tanto nas vestes, como na linguagem, no canto, nas cerimônias e objetos litúrgicos – que acabam por assumir elementos provindos dos assim chamados cultos afro-brasileiros, sem a rigorosa aplicação de um discernimento sério e profundo acerca da sua compatibilidade com a Verdade revelada por Jesus Cristo. Assim, por exemplo, é preciso manter uma adequada e prudente vigilância em certos ritos que inspiram a aproximação do augusto Mistério Trinitário ao panteão dos espíritos e divindades dos cultos africanos, chegando-se mesmo, em certos casos, a modificar as fórmulas sacramentais em sua referência trinitária; mais ainda, deve-se assinalar, corrigindo oportunamente, a introdução no rito sacramental católico – a Santa Missa, mas também em outros sacramentos – de ritos, cantos e objetos pertencentes explicitamente ao universo dos cultos afro-brasileiros. Faz-se necessária e urgente uma corajosa vigilância dos Bispos, para a solerte e imediata correção de tais excessos, sempre que eles se manifestem.

    Abraços,
    Jorge

  7. Pedro Henrique

    Jorge, sabe dizer se é possível mover um processo no Tribunal Eclesiástico contra o Frei Betto? E quais seriam as vias?

  8. Francisco Castro

    Frei Beto publica seus ataques ao papa, criticas a bispo e a ordem dele e nem o Vaticano fazem nada. Onde esta Congregação pra doutrina da fé que impos silencio ao Leonardo Boff agora? Bem, se eles deixam ele livre pra fazer tudo isso, nós pobres leigos não podemos fazer nada mesmo e se fromos reclamar ao bispo é bem capza dele nos expulsar….então entreguemos o Betto a Deus e deixemos que o mesmo receba dele o louvor ou a punição que merece. Claro que isso não impede de nos colocarmos contra seus artigos…mas o homem vai continaur escrevendo, pregando, e sendo admirado por muitos assim mesmo.