Missa Solene de Páscoa – MS

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 4 meses 18 dias atrás.

Divulgando conforme recebi por email, para quem é de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul.

noname

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

14 thoughts on “Missa Solene de Páscoa – MS

  1. Sandro de Pontes

    Prezado Jorge, salve Maria.

    Mas o Summorum Pontificum não proibe missas tridentinas na páscoa?
    Um abraço,
    Sandro

  2. Jorge Ferraz

    Sandro,

    Bom, proíbe “no Sagrado Tríduo”, não? O Domingo faz parte do Tríduo? Achei que fosse a Quinta, a Sexta e o Sábado…

    De qualquer maneira, as sociedades que têm o rito tridentino como próprio [como a FSSP, a Administração, etc], salvo grave engano, sempre puderam celebrar a missa tridentina inclusive no tríduo. Talvez o padre seja ligado a uma delas.

    Abraços,
    Jorge

  3. Cleber Lourenço

    Ah! Que santa inveja de quem mora em MS. Que beleza de cartaz informativo.

    Aqui em Brasilia, terra de ninguém, se fizermos um desses o nosso queridissimo D. João Bráz “excomunga-nos a todos”.

    Deus seja louvado e sua Mãe Maria Santissima!

  4. Pedro Henrique

    Que beleza hein! Parabéns aos que lutaram por esta conquista. Viva Cristo Rei!

  5. mlb

    O Motu Proprio proibe Missas na Forma Extraordinária “sem povo” ou “privadas” no sagrado Tríduo, proibição que na prática existe também para as Missas na Forma Ordinária!

    Art. 2. Em Missas celebradas sem o povo, qualquer sacerdote de Rito Latino, seja secular ou religioso, pode usar o Missal Romano publicado pelo Beato João XXIII em 1962 ou o Missal Romano promulgado pelo Sumo Pontífice Paulo VI em 1970, qualquer dia exceto no Sagrado Tríduo. Para a celebração segundo um ou outro Missal, um sacerdote não requer de nenhuma permissão, nem da Sé Apostólica nem de seu Ordinário.

  6. Sandro de Pontes

    Prezado Jorge, slave Maria.

    A Igreja conciliar inclui o domingo de Páscoa no trídulo. Veja este trecho que colo e que está em um artigo no ACI Digital:

    “(…) O tríduo pascal se considerava como três dias de preparação para a festa de Páscoa; compreendia a quinta-feira, a sexta-feira e o sábado da Semana Santa. Era um tríduo da paixão.

    No novo calendário e nas normas litúrgicas para a Semana Santa, o enfoque é diferente. O tríduo se apresenta não como um tempo de preparação, mas sim como uma só coisa com a Páscoa. É um tríduo da paixão e ressurreição, que abrange a totalidade do mistério pascal. Assim se expressa no calendário:

    Cristo redimiu ao gênero humano e deu perfeita glória a Deus principalmente através de seu mistério pascal: morrendo destruiu a morte e ressuscitando restaurou a vida. O tríduo pascal da paixão e ressurreição de Cristo é, portanto, a culminação de todo o ano litúrgico.

    Logo estabelece a duração exata do tríduo:

    O tríduo começa com a missa vespertina da Ceia do Senhor, alcança seu cume na Vigília Pascal e se fecha com as vésperas do Domingo de Páscoa”.

    http://www.acidigital.com/fiestas/pascoa/triduo.htm

    No link que lhe indico, tem outras importantes informações sobre isso.
    Um abraço,
    Sandro

  7. presentepravoce

    Caro Cleber

    Ouço mais crítica ao Bispo de Brasília por parte dos tridentinos do que realmente um esforço de obediência para se alcançar este fim.

    Por outro lado, em Campo Grande há mais Tridentinos do que em Brasília.

    Paz

  8. Pingback: Convite Para missa Solene de Páscoa. « O Espírito Repousará Sobre Ti…

  9. Dionisio Lisbôa

    Sou mais um que está com santa inveja…

    Meu Deus, ajudai a tão sofrida Igreja que está em Salvador/BA, enviando-nos um bispo digno!

  10. Jorge Ferraz

    Sandro,

    O artigo não-assinado que tu indicas não é conclusivo. Quem disse que o Tríduo Pascal “começa com a missa vespertina da Ceia do Senhor, alcança seu cume na Vigília Pascal e se fecha com as vésperas do Domingo de Páscoa”?

    No calendário das celebrações do Papa Bento XVI para abril de 2009, o “início do Tríduo Pascal” é na quinta-feira. Como “tríduo”, salvo grave engano, significa exatamente “três dias”, é quinta, sexta e sábado, não fazendo, portanto, o domingo de Páscoa parte do Tríduo Pascal.

    Outrossim, pode ser que o motu proprio se refira exatamente àquilo que o mlb disse acima.

    Abraços,
    Jorge

  11. Ilda Freitas de Araújo

    O tríduo começa com a missa vespertina da Ceia do Senhor, alcança seu cume na Vigília Pascal e se fecha com as vésperas do Domingo de Páscoa”.

    Sim, contudo,vésperas, não missa vespertina. Ofício de Vésperas.

    Geralmente, vésperas, em mosteiros ou seminários são celebradas à tardinha, por volta das 17h ou 17;30h. Padres residentes em paróquias por razões pastorais podem rezar, por exemplo, vésperas, mais cedo ou mais tarde. Não há um horário pré-estabelecido para o canto ou reza de vésperas fora de mosteiros ou conventos; Normalmente reza-se ou canta-se à tarde, bem depois das horas menores. O padre pode rezar seu ofício às 16h culminando o Tríduo Pascal e da Ressurreição do Senhor e cantar Santa Missa Pascal de guardião em seguida, no rito Tridentino sem problema algum, ainda mais por tratar-se da Missa (dominical) “Dominica ressurectionis”.

  12. Ilda Freitas de Araújo

    No calendário das celebrações do Papa Bento XVI para abril de 2009, o “início do Tríduo Pascal” é na quinta-feira. Como “tríduo”, salvo grave engano, significa exatamente “três dias”, é quinta, sexta e sábado, não fazendo, portanto, o domingo de Páscoa parte do Tríduo Pascal.

    Essa afirmação é clara. Tríduo são três dias, o domingo de Páscoa é o ponto culminante donde celebra-se a Ressurreição de Nosso Senhor. Chama-se Domingo da Páscoa, ou dominica ressurrectionis, logo o senhor Jorge tem toda razão. Naturalmente o padre pode cantar a missa de guardião no Rito Tridentino no Domingo da Páscoa.

    O Motu pr´prio refere-se à Quinta, Sexta e Sábado Santo, no que diz respeito á proibição para aqueles que não fazem parte dos grupos eclesiais privilegiados, que tem apenas o rito tridentino em uso. Embora que até entre eles, como por exemplo, na Admnistração Apostólica é comum ver padres seus celebrando no rito novo. Padre Hélio Rosa e o reverendíssimo padre Claudiomar, por exemplo.

  13. Ilda Freitas de Araújo

    #

    presentepravoce says:

    April 9th, 2009 at 2:38 pm

    Caro Cleber

    Ouço mais crítica ao Bispo de Brasília por parte dos tridentinos do que realmente um esforço de obediência para se alcançar este fim.

    Por outro lado, em Campo Grande há mais Tridentinos do que em Brasília.

    Paz

    O motu pr´prio é claro em afirmar que nenhum Bispo pode fazer resistencia às disposições do Motu. Em Brasília há padres que sabem celebrar dignamente Missa Tridentina.

    Agora, “tridentinos”, não sabia que existia tal grupo.
    São apenas católicos ligados ao molde antigo de celebrar, etc.