Entrega de prêmio – Human Life Internacional

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 4 meses 6 dias atrás.

[Tenho a imensa alegria de divulgar a cerimônia de entrega do prêmio Cardeal Von Galen a Dom José Cardoso Sobrinho. Infelizmente só agora soube do evento, que terá lugar na próxima quinta-feira, 16 de abril, no auditório do Colégio Damas, em Recife. É uma excelente oportunidade de prestigiar Sua Excelência pela sua corajosa atitude em defesa da vida. Quem puder comparecer, será muitíssimo bem vindo.]

Human Life International

premia a Arcebispo de Olinda e Recife

por defesa da vida

Human Life International é uma organização internacional cuja missão é a construção de uma cultura que evidencie e defenda a vida em contraponto àquela de morte que se instalou em todo o mundo.

“A Human Life International tem a honra de conceder a Dom José Cardoso Sobrinho, Arcebispo de Olinda e Recife, o Prêmio Cardeal Von Galen em reconhecimento por sua atitude heróica no cumprimento do ministério episcopal, na defesa da vida humana, ao enfrentar o desagrado de tantos que promovem a cultura da morte”.

Agindo em nome das associações católicas pró-vida em mais de 80 países do mundo, a Human Life International concede o Prêmio Cardeal Von Galen a personalidades – especialmente Prelados – que se destacam na defesa da sacralidade da vida conforme a Lei de Deus proclamada pela Igreja Católica.

O Prêmio leva o nome do Bem-Aventurado Clemens August Von Galen (1878-1946), bispo de Münster (Alemanha) durante a era nazista, o qual, levantou sua voz em defesa dos pobres e dos doentes, protestando contra a eutanásia, a perseguição dos judeus e a expulsão dos religiosos. Por causa de sua coragem, ficou conhecido como o “Leão de Münster”. O lema que escolheu quando foi eleito bispo foi “Nem elogios nem ameaças (me distanciarão de Deus).

O Prêmio já foi concedido a outros prelados que se destacaram em iniciativas em defesa da vida e da moral católica, como o Cardeal Lopez Trujillo, o Cardeal Tumi de Benin, Dom Antonio Arregui, arcebispo de Guayaquil e presidente da Conferência Episcopal Equatoriana, e muitos outros em vários países.

O cardeal Von Galen demonstrou coragem ao enfrentar os nazistas, desvelando a verdade sobre a ideologia do nazismo, defendendo a liberdade da Igreja e das associações católicas, bem como a educação religiosa. Acusou abertamente o nazismo de discriminação contra os cristãos, os quais eram encarcerados e assassinados. Condenou outros abusos do governo totalitário, lutou pelo direito à vida e denunciou de modo veemente o massacre das pessoas deficientes físicas e mentais consideradas “inúteis”.

Dom José Cardoso Sobrinho se destacou pelo empenho com que lutou pelos gêmeos nascituros daquela pobre menina grávida de apenas 9 anos de idade, em face de tanto negativismo, sobretudo em vários setores da mídia

O Mons. Ignacio Barreiro-Carámbula, JD, STD, chefe do bureau da Human Life International em Roma, virá ao Recife em nome do Rev. Padre Thomas Euteneuer, Presidente do Human Life International e entregará pessoalmente a Dom José o Prêmio Cardeal Von Galen.

A solenidade para outorga do Prêmio será no dia 16 de abril de 2009, às 20 horas, no auditório do Colégio Damas, à Av. Rui Barbosa, 1426, no bairro dos Aflitos, no Recife.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

24 thoughts on “Entrega de prêmio – Human Life Internacional

  1. Blog Mallmal

    Pô, Jorge. Comemorar que uma associação católica anti-aborto deu um prêmio pro Cardosão é sacanagem! :)

    Isso me lembra festa da atlética da faculdade, em que os diretores ficavam entregando prêmios uns pros outros!

  2. Renato Lima

    Viva Dom José Cardoso Sobrinho!

    Mallmal, hoje você vê cada jornalista hipócrita ganhando prêmios mesquinhos, sendo colocados na mídia como pessoas honradas; por mais que esses jornalistas demonstrem que seguem nitidamente a ideologia assassina esquerdista: Que é impossível você não reconhecer a digníssima atitude cristã de Dom José Cardoso Sobrinho.

  3. Carlos Eduardo

    Excelente notícia, que já repassei para os amigos. Quero aproveitar a oportunidade para parabenizá-lo pelo blog.

  4. Marcelo

    Podiam convidar Mons. Fisichella para entregar o prêmio a D. José.
    Sds.,
    de Marcelo.

  5. Demerval Jr.

    Pois é, Jorge, meu irmão…

    Se só falam mal dos nossos “valerosos lucidenos“, falemos bem nós mesmos, mesmo que entre nós somente!…
    (Hb 3,13)

    Felice Pasquale!

  6. Assunção Medeiros

    Malmall,

    Sua orelha não ficou vermelha na sexta de tarde?:)

    Eu estava no Mosteiro de São Bento, no Rio, durante a Liturgia da Paixão, rezando insistentemente pela sua alma. Você é um interlocutor valoroso, seria um cristão brilhante! Espero que sua Páscoa comece o quanto antes. Enquanto isso, espero que o coelhinho tenha sido generoso com o chocolate!

    Sim sim, celebramos nós mesmos o valor dos nossos.

    Grande e fraternal abraço

    Sue

  7. André Víctor

    Gostei da idéia!! Chamem o Mons. Fisichella para entregar o prêmio!!

    Viva Dom José Cardoso Sobrinho!!!! [3]

    André Víctor

  8. Blog Mallmal

    Assunção, por acaso estudei no colégio ao lado de onde você estava. Da primeira série do primeiro grau ao terceiro ano do segundo!
    Conheço bem todos as clausuras, canhões e passagens secretas do mosteiro.

    Renato, o máximo que você vai conseguir de mim é que o bispo Cardoso foi coerente com a fé que professa. ;)

  9. Renato Lima

    Bom sr. Mallmal, e como a Santa Igreja Católica hoje precisa de bispos que seja ”coerente” com a fé que professa como Dom José Cardoso.

    E a única coisa que eu quero de você – já que você acredita muito nesta mídia distorcedora de informação e opinião -, é a sua conversão.

  10. Carlos

    Cara Assunção,

    Belíssima obra de misericórdia é rezar pela conversão dos inimigos. Parabéns!
    Mas me permita dizer que a sua caridade desta vez transbordou. Pois olha o que a senhora disse para o Malmal:

    “Você é um interlocutor valoroso, seria um cristão brilhante!”

    O Malmal não é um interlocutor valoroso coisa nenhuma. A única coisa que ele tem de grande é a má-fé. Afinal, quando é que um interlocutor valoroso falaria uma coisa como esta:

    “Pô, Jorge. Comemorar que uma associação católica anti-aborto deu um prêmio pro Cardosão é sacanagem! :)”

    Olha o nível de argumentação desse rapaz!

    Será que ele esperava que uma associação abortista, como as “‘católicas’ pelo direito de matar” dessem um prêmio a D. José?

    Precisamos rezar mais, minha cara Assunção, muito mais…

    Carlos.

  11. Pingback: Prêmio Von Galen para Dom José Cardoso Sobrinho. « O Espírito Repousará Sobre Ti…

  12. Blog Mallmal

    Renato, a conversão eu vou ficar devendo. :) Mas qual o motivo para tão pouca preocupação com a doutrina? Em minha opinião, bispado é estrelato em uma boa parte dos casos, um meio e não um fim. O quê você acha?

    Carlos, por que motivo você tem tanta “raivinha” de mim? :) O autor do post, o Jorge, entendeu que era apenas uma gozação o comentário. Uma piada saudável. Seja menos beneditino e mais franciscano…

  13. Claudio Oliva de Lyra

    Entrei aqui para dar um abraço e para repassar esta mesma notícia, que acabei de ler no site da Graça Salgueiro. Conheci o seu site há poucas semanas e desde então tenho entrado sempre aqui para aprender, me atualizar e receber um pouco de incentivo cristão.
    No Rio, onde nasci e cresci em zona urbana, catolicismo e cristianismo são coisas light, periféricas, decorativas, a que pessoas modernas não dispensam mais do que um olhar de relance e não dão séria consideração.
    Embora educado a vida inteira em colégios católicos (o que pelo lado da educação secular é uma sorte) a vida espiritual sempre ficou à deriva, sem fundamentos sólidos.
    Estive no Brasil recentemente para batizar o meu filho e a missa foi linda (Deus perdoe a minha falta na generalização anterior: há sim padres dedicados, sinceros e fervorosos, e paroquianos de grande valor).
    Portanto, estou por assim dizer perto, do lado de fora de igreja, não mais tão distante, olhando para dentro, e titubeante. Alguém (evangélico) me disse há muito tempo que esse é um perfil comum:o reencontro com a fé na meia idade.
    Se esse perfil é verdadeiro, e eu acredito que o seja, é uma pena. Embora por um lado comprove o impulso natural do homem na busca pelo divino, é lamentável que no Brasil, de tantas maneiras uma construção da Igreja, a atenção dada ao rebanho seja ou inexistente ou adulterada.
    Bom, vim com outras intenções e terminei por dar um depoimento pessoal. Mas fica o meu parabéns por um site verdadeiramente inspirador.
    Abs

  14. tatiana

    E a Igreja Católica perde mais um adepto… Bravo!!!! Prêmio para o cara que excomunga inocentes…e apoia estrupadores…..
    Dom José o que o Sr acha sobre [CALÚNIAS CENSURADAS]?
    Sera que a Igreja também não tem telhado de vidro?
    Boa sorte….e quem sabe o Sr vai para os céus…

  15. Assunção Medeiros

    Carlos,

    Malmall é um interlocutor valoroso JUSTAMENTE pela capacidade que ele tem em defender suas posições com humor (mesmo que seja negro). Isto significa que há a inteligência, condição básica do humor, e há a flexibilidade necessária para a conversão. Além disto, tem ótima formação, se toda sua escolaridade básica foi no Colégio São Bento.

    Como eu mesma disse a ele, sim, somos nós que reconhecemos o valor dos nossos. É isto que sempre acontece, em qualquer grupo. Festejamos e sorrimos para os nossos, quando são valorosos. Que grupo nào o faria??

    Continue então, Carlos, a rezar comigo. A (re)conversão deste nosso interlocutor seria uma grande graça!

    Malmall,

    Você então conhece um grande amigo meu, hoje reitor do colégio, Dom Tadeu Lopes.

    Eu cresci naquele Mosteiro, meu confessor e orientador espiritual era Prior de lá, chamava-se Dom João Evangelhista Enout. Não sei se você chegou a conhecê-lo, pois faleceu em 1993.

    Não conheço as passagens como você, porque o movimento das meninas por lá é mais restrito, mas já almocei muito com Dom Tadeu no refeitório do colégio. Comida boa! :)

    Abraço fraterno nos dois!

    Sue

  16. Blog Mallmal

    Assunção, quando eu estudava lá a comida não era boa, não! hehehehehe

    Deixa o Carlos pra lá, ele confunde capacidade de argumentação com capacidade de concordar com o que ele pensa! ;)

    Conheço o D. Tadeu, sim. Me deu aula de religião uns dois anos. Ele deve estar bem velhinho, pois já não era nenhum garoto quando eu era criança!

    Espero que ele esteja à altura do falecido Dom Lourenço, um exemplo de ser humano. Tornei-me ateísta na escola ainda e cheguei a discutir o assunto com ele. Não se ofendeu, não tentou me reconverter. Apenas conversamos amigavelmente, como tento fazer aqui.

    O Dom João Evangelhista conheci só de nome. Eu entrei no CSB em 1986 e saí em 1997.

    Ao “aprovador de mensagens”, parece-me que as minhas mensagens não estão mais sendo aceitas. Caso isso seja verdade, por favor encaminhem esta para a Assunção.

    Obrigado.

  17. Carlos

    Mallmall,
    você diz:
    “Carlos, por que motivo você tem tanta “raivinha” de mim? :) O autor do post, o Jorge, entendeu que era apenas uma gozação o comentário. Uma piada saudável. Seja menos beneditino e mais franciscano…”

    Raivinha, é? Não sabia que você andava assim tão sensível. Desculpa, então, tá bom?

    Quer dizer que era só uma piada? E você acha certo fazer piada com coisa séria? Ademais, essa piada não foi saudável, coisa nenhuma. E o que é pior, foi uma piada muito sem graça. Como dizem minhas filhas quando eu conto uma piada sem graça, “fim de carreira!”.

    Mas esteja certo de uma coisa: não tenho nem raivinha nem raivona de você. Como os demais, desejo apenas a sua conversão.
    Carlos.

  18. Pingback: Grito Silencioso « Deus lo vult!

  19. Renato Lima

    Sr. Mallmal, você acha mesmo que D. José ao lembrar que os católicos que ”defendem” atitudes que não correspondem com a Moral Católica estão querendo aparecer; estão querendo se comportar como ”estrelas”?

    Já que você gosta de contar piadas, espero que esse seu comentário também tenha sido uma piada – de mal gosto, é claro!

    Então D. José sabendo dos ataques que receberia – e recebeu – , estava apenas querendo aparecer?

    Nossa sr. Mallmal! como o sr. conseguiu chegar a está conclusão?

    Para provar que o seu raciocínio não está batendo muito bem, é só ver que D. José – e outros sacerdotes -, mesmo sabendo dos ataques que sofrerão da mídia anti-católica no mundo todo, não voltaram atrás nos momentos mais difícies.

    Eu acho que o sr. deve estar trocando os tipos de sacerdotes. Se o sr. falasse do Marcelo Rossi, Juares, Antonio Maria, Fábio de Melo, e outros padres ”carismáticos” carreiristas, eu poderia até concordar com sr.

    Repare que os ”sacerdotes” carreiristas mencionados por mim acima, se encaixa perfeitamente nas suas perguntas do primeiro parágrafo!

    Eu ainda rezo pela sua conversão.

  20. Assunção Medeiros

    Mallmal,

    Dom Tadeu é tão especial quanto D. Lourenço, do seu jeitinho particular.

    Nesta terça houve o sepultamento da mãe de uma amiga de infância de meu sócio. A única filha veio de São Paulo para cuidar da mãe nos seus últimos dias, e não tinha a quem apelar aqui no Rio para cuidar do bem-estar espiritual da sua mãe. Ela faleceu, infelizmente, sem os últimos ritos, porque eu só soube o que estava acontecendo tarde demais.

    Bom, havia o corpo para encomendar. Corri daqui, corri dali, telefonei para todas as paróquisa da Zona Sul do Rio, a resposta era a mesma: ah, o pessoal da Pastoral dá uma passada por lá meia hora antes do sepultamento. NENHUM sacerdote disponível para isto.

    Lá fui eu incomodar o bom monge. Ele, apesar de estar beirando os oitenta, de ter feito uma artroscopia no joelho que ainda o incomoda, não se fez de rogado. Peguei-o no Mosteiro, fomos ao cemitério, ele prestou o conforto à família e rezamos juntos pela alma da falecida. Depois o levei de volta e fiquei devendo mais uma a meu amigo…

    Fico pensando em como é que eu vou fazer quando Dom Tadeu receber a recompensa final do descanso eterno…

    Continuo, como continuamos todos, rezando pela sua reconversão. Eu, talvez, com um pouquinho mais de simpatia, porque acho você um bom menino, apesar de suas idéias erradas.

    Enfim, como dizem os americanos, “we have agreed to disagree (concordamos em discordar)”, até que você finalmente sinta o toque insistente de Deus no seu coração.

    Abraço fraternal,

    Sue

    P.S.: Socorro, me senti velha… você entrou no colégio no ano em que me formei na faculdade… :P

  21. Pingback: Grito Silencioso « Julie Maria

  22. Paulo Macabeu

    Em 2005, mesmo ano da beatificação de Clemens August, a ‘’Human Life International’’ (http://www.hli.org/), em nome das associações católicas pró-vida de mais de 80 países do mundo, criou o “Prêmio Beato von Galen” para homenagear bispos católicos que tenham se distinguido como vozes da consciência em suas sociedades, “em reconhecimento por sua atitude heroica no cumprimento do ministério episcopal e na defesa da vida humana, mesmo enfrentando o desagrado de tantos que promovem a cultura da morte”.

    Comemorar que uma associação católica leiga, representando associações católicas pró-vida de mais de 80 países do mundo, tenha homenageado um bispo com um prêmio criado justamente para destacar prelados por sua coragem coerência, é perfeitamente razoável. Senão, de onde a honraria deveria vir? Das “Católicas” pelo Direito de Decidir?