“Nascida durante aborto por envenenamento salino”

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 3 meses 29 dias atrás.

E nos meus registros médicos também diz, para qualquer cético ver: “nascida durante aborto por envenenamento salino”. Ha! Eles não venceram.
[Gianna Jessen]

Este é o testemunho, em vídeo, da garota chamada Gianna Jessen, cuja mãe – que, quando engravidou dela, tinha 17 anos – não a queria e tentou abortá-la, mas não conseguiu. O vídeo está disponível no youtube em duas partes:

Giana Jessen – Sobrevivente de um aborto – parte 1
Giana Jessen – Sobrevivente de um aborto – parte 2

A história dela é interessante. Primeiro, porque ela sobreviveu a um envenenamento salino, coisa que em si já é bastante rara, porque quando se injeta no útero da mãe uma solução salina, o bebê se queima completamente, tanto na pele [que está em contato com o sal] quanto por dentro [porque engole a solução]; segundo, porque uma enfermeira chamou uma ambulância quando ela nasceu viva, fato que é – nas palavras dela – “absolutamente miraculoso”, porque era prática comum “terminar com a vida de um sobrevivente do aborto por estrangulação, sufocamento, deixando o bebê morrer ou jogando o bebê fora”.

Uma vida que é um verdadeiro milagre, pois sobreviveu a duas tentativas de assassinato quando ainda era criança indefesa: à solução salina e à morte após nascer viva. Mas uma enfermeira chamou uma ambulância! Quem foi esse anjo bom? Uma mulher que possivelmente passou a vida dando assistência ao “médico” que matava as crianças no ventre materno; uma mulher, portanto, cúmplice de sabe-se lá quantos assassinatos. Neste dia, contudo, ela foi tocada pela graça de Deus e fez tudo diferente do que fizera até então. Salvou a vida daquela criança que, hoje, dá esse bonito testemunho. Oxalá ela o possa conhecer e, se ainda não o fez, possa arrepender-se de seus crimes passados e passar a trabalhar para salvar mais vidas – como salvou a da pequena Gianna. Que a Virgem Santíssima possa interceder por ela.

“O quanto vocês estão dispostos a lutar e o quanto estão dispostos a arriscar para falar a verdade no amor, e cordialmente, e ficarem de pé e ao menos estarem dispostos a serem odiados”? É o que pergunta a Gianna. E a provocação dela me é reconfortante, porque peço sempre a Deus a graça de ficar sempre de pé, não importando os ataques, proclamando bem alto a Sua verdade e defendendo os Seus direitos! Alegra-me saber que existem outras pessoas com os mesmos desejos meus; reconforta-me saber que outros fazem, muito melhor do que eu, o bem que eu desejo e não consigo fazer.

“Se o aborto diz respeito – pergunta ainda a Gianna – somente aos direitos da mulher, senhoras e senhores, então quais são os meus direitos?” A pergunta é muito oportuna. Quais são os direitos dos bebês abortados, das crianças assassinadas, dos filhos imolados pelas próprias mães no altar do Deus-Hedonismo? Louvado seja Deus, porque existe uma Gianna, que pode falar com propriedade em nome dos bebês abortados, já que ela mesma sobreviveu a um aborto. Ela fala em nome daqueles que não têm voz. Ouçamo-la. Que a outra Gianna, do Céu – Santa Gianna Beretta Molla – possa ser em favor desta Gianna da terra. Que as duas juntas possam oferecer terrível resistência ao Holocausto Silencioso. Que os abortistas sejam derrotados o quanto antes. E Deus tenha misericórdia de nós todos.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page