Gayzismo e Concurso para Miss

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 4 meses 3 dias atrás.

As três partes de uma história que ilustra o poder do lobby gay: o fato, a suspeita, a confissão.

O fato: Após dizer ser contra casamento gay, miss leva ‘medalha de prata’. 20/04/2009. “Nós vivemos em uma terra onde você pode escolher casamento do mesmo sexo ou entre opostos”, afirmou ela [Carrie Prejean, segundo lugar no concurso Miss USA, antes do resultado final do concurso]. “Mas você sabe, eu acho que em nosso país, em minha família, eu acho que eu acredito que casamento deveria ser entre um homem e uma mulher. Sem ofender ninguém, mas é isto que eu mostro”, completou ela, provocando uma mistura de aplausos e vaias na plateia.

A suspeita: Miss diz que tirou 2º lugar por ser contra casamento gay nos EUA. 21/04/2009. “Isso me custou a coroa”, disse Prejean após a competição. A vencedora foi a Miss Carolina do Norte, Kristen Dalton.

A confissão: Jurada admite que comentário contra casamento gay derrubou miss. 22/04/2009. “Eu fiquei atordoada”, disse [Alicia Jacobs, uma das cinco juradas e que já foi Miss Nevada]. Alicia comentou ainda ter ficado boquiaberta ao perceber que a candidata californiana não sabia quem estava vendo e quem eram os jurados. “Não podemos esquecer que quem fez a pergunta é um gay”, disse ela. “Pelo menos duas pessoas que eram juradas são a favor dos gays. Outro jurado tem uma irmã que é casada com uma mulher… Já mencionei que estou atordoada?”, completou a ex-miss.

Cabe perguntar: isso não é preconceito da banca avaliadora? Discriminação da jurada? Qual o problema da senhorita ter dito a sua opinião e aquilo no qual ela acredita quando foi perguntada sobre o casamento gay? Ninguém pode mais ter opiniões e nem acreditar em algo diferente da agenda gay, é isso? As pessoas precisam mentir quando são perguntadas sobre o assunto para que se enquadrem no politicamente correto? E o que raios a opinião pessoal da Miss California sobre o casamento gay tem a ver com um concurso de beleza, para ser critério de desclassificação? Tempos terríveis se aproximam! Quem ousa ser contra o gayzismo não ganha mais nem concurso de beleza! Salve-se quem puder!

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

16 thoughts on “Gayzismo e Concurso para Miss

  1. Alien

    Jorge, sem tirar realmente a discriminação contra a candidata, mas, PENSANDO BEM, considero também esses concursos de belaza de uma futilidade e um “secularismo” sem tamanho… claro que admiramos o belo, mas o mais belo ainda é o belo interior… e nesse quesito essa moça está de parabéns, por externar sua opinião corajosamente, mesmo perdendo o concurso… mas pensando bem: ela perdeu mesmo? Ou ganhou algo para si mesma???

  2. Jorge Ferraz

    Alien,

    Sem dúvidas! A garota ganhou e ganhou muito, porque mais vale a honra do que o reconhecimento dos homens. E todo este fato foi bom, para mostrar ao mundo como já está impregnada a ideologia gayzista nas instituições e como ela é intolerante.

    Abraços,
    Jorge

  3. Pedro

    Também acho os concursos de beleza uma futilidade tremenda; deveriam ser abolidos, para o bem da saúde física e mental das jovens.
    De qualquer forma, a julgar pelas fotos de Carrie Prejean que vi no Google, acho que ela não merecia ganhar. Ela parece um photoshop ambulante. A vencedora, embora também muito artifical, é um pouquinho mais bonita.

  4. carlos rene

    Shalom

    Certa vez ouvi de um padre uma historia interresante. Ele disse que conversando com Dom Eugenio sales ouviu do mesmo que “O PROBLEMA DA IGREJA E UM PROBLEMA DE ALFAIATÁRIA” Ingadando o Cardeal o porque dessa afirmação ele disse – TA FALTAANDO CALÇA COMPRIDA NESSE NEGOCIO. rsrsrsr

    Brincadeira a parte, sinto que e isso mesmo. Fiquei bobo com os comentarios de Dom Agnelo primaz do Brasil, a respeito do caso LUGO( aquele irresponsavel) Dom Agnelo colocou panos quentes, praticamente defendeu Lugo manifestando solidariadade. ABSURDO.

    Lugo desmoraliza todo o epsicopado da america latina, e deixa uma ferida em toda igreja. E ainda sim Dom agnelo se faz de “POLITICAMENTE CORRETO”.

    Como católico por vezes me envergonho desses posicionamentos diplomaticos demais da CNBB, foi assim no caso da menina do recife, e agora no caso Lugo.

    abaixo o link das declarações caldo de bila de Dom agnelo.

    http://www.zenit.org/rssportuguese-21390

    MISERICORDIA!

  5. Julie Maria

    Pois é Jorge, parece isso mesmo: “Ninguém pode mais ter opiniões e nem acreditar em algo diferente da agenda gay”. E não só “devemos” apoiar mas… incentivar que todos sejam diferente de como Deus nos criou. Ai se somos “imago Dei” pela diferença e complementariedade do masculino e feminino… estaríamos quase que “pecando”. Eu hein! Que mundo mais louco! Que Nosso Senhor Jesus Cristo venha logo mesmo.

    Enquanto isso urge, u-r-g-e, transmitir a doutrina da moral sexual tal qual como Deus a revelou e a Igreja ensina. Nada melhor do que a teologia do corpo para isso!

    Ela é a resposta para a falsa “revolução” e “libertação” sexual. Estou ansiosa para ver esta catequese “incendiando” os corações!

    PAX

    JM

  6. Lucas

    Se ela tivesse dito que era a favor do casamento gay, ninguém aqui estaria defendendo o direito dela a uma opinião pessoal. Provavelmente estariam comemorando que ela perdeu o titulo.

  7. Tayroni

    @Lucas

    Muito bem Lucas, a sua tolerância intolerante funciona assim mesmo: Você acusa os outros de coisas que você mesmo faz.

    É exatamente este o problema: você acusa os outros quando defendem as suas respectivas opiniões de intolerância ou parcialidade, sem enxergar a sua própria parcialidade e intolerância com a opinião alheia, em nome do politicamente correto.

  8. Renato Lima

    Jorge,

    eu não consigo ver um ato heróico dessa menininha.

    Todos nós sabemos que o mundo da moda é dominado pelos gays. Se essa menina participa destes eventos – e é claro que ela sabe disso -, ela indiretamente colabora com isso.

    Eu aposto que se perguntar para está menininha se ela ira continuar participando esses eventos: Eu tenho certeza que ela irá dizer sim!

    Existem muitas formas de desmascarar essas pessoas que querem trazer o erro para o meio da sociedade (me refiro no caso dos gays). E um deles é não colaborando com o erro.

    Repararam que ela mesma disse que já esperava por uma pergunta como aquela (!!!???)!

  9. Dionisio Lisbôa

    O comentário que “coloca panos quentes” na questão Lugo dá uma boa idéia na situação da Arquidiocese de Salvador… Não preciso dizer mais nada, não é Jorge?

  10. Marcio

    Renato, mundo da moda, alta costura, desfile é uma coisa, concurso de miss é outra.

    Já o Lucas precisa ler o que o blogueiro Perez Hilton afirmou: que a miss Califórnia era, sim, a favorita, mas perdeu por causa da resposta.

    E por último ressalto a hipocrisia da Alicia Jacobs, ex-miss Nevada. Quer dizer então que a resposta tem que ser dada de acordo com quem pergunta? Supondo que fosse o Papa ali no júri, uma menina favorável ao casamento gay teria de defender o casamento entre homem e mulher? Acho que não… o pessoal ia querer que ela confrontasse o Papa, não ia? Quer dizer, a candidata a miss não só tem que levar em consideração quem pergunta, mas também que tipo de pergunta faz. Só lá no final da lista que vem a autenticidade…

  11. Renato Lima

    Desculpe Marcio, mais uma coisa está ligada a outra.

    Os exemplos que você tentou separar, hoje em dia estão nitidamente ligados.

    E todos estão dominados por gays: Moda, alta costura, desfile… Concurso de Miss.

  12. Pingback: Após dizer ser contra ‘casamento’ gay, miss California passa para segundo lugar « perspectivas

  13. Marcelo

    Pelos critérios desses jurados, a Marilena Chauí ganharia da Gisele Bundchen num concurso de beleza. Essas misses são reificadas, meras estátuas ambulantes, dignas de admiração pela beleza exteior (física) que Deus (e o cirurgião plástico) lhes deu. Agora querem que elas tenham posições políticas e filosóficas. Bons tempos em que elas só precisavam ter lido o Pequeno Príncipe.
    Sds.,
    de Marcelo.

  14. Pedro

    Acerca do suposto favoritismo de Carrie Prejean, acho oportuno lembrar que nos concursos de miss, é quase regra que aquelas apontadas como favoritas pela mídia nunca saiam vencedoras. Marta Rocha era favorita em 1954, e perdeu na final. Em 1955, se não me engano as favoritas eram Miss Inglaterra e Miss Suécia, que não ganharam. O fato de as preferidas do público quase nunca serem vitoriosas, sendo preteridas por candidatas amparadas por pistolões de Holywood ou beneficiadas por critérios estéticos questionáveis (que o tornozelo tivesse obrigatoriamente “x” centímetros, ou que busto e quadril tivessem a mesma medida – o que derrotou Marta, ) foi um dos fatores que determinou a perda de credibilidade e decadência dos concursos de Miss.
    Também não acho seja o caso para tanta indignação.
    Até porque Prejean parece mesmo um mostruário ambulante de clínica de cirurgia plástica, como bem comentou Márcio.

  15. Cleber

    Acho fantástica a decisão de ela estar no segundo lugar, afinal de contas para concurso de miss não conta apenas beleza física, mas também a postura diante da vida e da sociedade.
    E para aqueles que ficam escandalizados com a lição levada pela candidata a miss, gostaria de lembrar que a liberdade de expressão tem limites e que se ela ou qualquer outra pessoa que fizesse apologia ao Nazi-facismo ou que demonstrasse preconceitos contra negros, judeus, islâmicos e até mesmo [pasmem!] evangélicos, seriam sem dúvida desclassificados.
    Viva a diferença e a liberdade de expressão e não de opressão!