Três curtas

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 3 meses 14 dias atrás.

Cristãos em defesa do homossexualismo; “faça valer seu direito de liberdade de expressão e os valores de sua fé”, diz o manifesto divulgado por emails. Após preenchido, ele deve ser enviado para um dos seguintes destinatários:

ABGLT – Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais. Caixa Postal 1095, CEP: 80011-970 – Curitiba, PR, para o fax: (41) 3232-1299, ou para o e-mail [email protected]; ou, então, diretamente para o Senado: Senadora Fátima Cleide, Ala Sen. Filinto Müller, gabinete 15, Senado Federal, Praça dos Três Poderes, CEP: 70165-900 – Brasília, DF; fax: (61) 3311-1882.

Quanto ao primeiro destinatário, nem se fala. O segundo é um email que pertence a esta ONG – sempre as ONGs! – cuja missão é “atuar na defesa e promoção da livre orientação sexual e dos direitos humanos de gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais”. O terceiro destinatário é a senadora Fátima Cleide, petista, relatora do PLC 122/2006 e que já deu voto favorável à sua aprovação sem emendas.

Esta corja parece não entender – ou não querer entender – que a liberdade de expressão tem limites (sendo portanto infundado o clamor de divulgação do manifesto) e – ainda mais gritante! – que não existe compatibilidade possível entre o Cristianismo e o gayzismo, entre Nosso Senhor e Belial.

– Ainda sobre liberdade de expressão: este sacrílego comercial de sorvetes divulgado na Europa. Mais uma vez: liberdade de expressão não é direito de ofender, e o sacrilégio não está entre os direitos humanos fundamentais. O comercial pode ser banido caso a agência reguladora de publicidade para quem foi encaminhada uma denúncia contra o anúncio a julgue procedente; mas, como comentou alguém numa lista de emails da qual participo, o autor deles provavelmente vai ficar impune. Para fazer mais peças ofensivas no futuro.

Duvido que fizessem isso com muçulmanos…

– Não sei se é verdade, mas saiu no IOLDiário [português] que uma menina argentina de 16 anos [agora 17] já tem sete filhos. Engravidou três vezes: uma gravidez normal e duas de trigêmeos. A mãe “confirmou ter assinado um documento para que Pamela [a jovem mãe] seja submetida a uma operação de laqueação de trompas”; este outro site, no entanto, diz que a jovem “ainda não adquiriu o direito de fazer uma laqueadura (ligadura de trompas), porque não atingiu a maioridade”. Sobre a garota, ele também fala:

Insatisfeita? A adolescente, que não mantém mais nenhum contato com os três pais, afirmou ao jornal Sunday Mirror que os garotos são seus “pequenos milagres”. “É cansativo, mas o mais importante é que todos eles sejam felizes e saudáveis”.

Não parece, portanto, que a menina queira se esterilizar. Contudo, parece que muitas pessoas estão dispostas a retirar da mulher o direito de ter os seus filhos. Esta pergunta no Yahoo Respostas revela um pouco disso; embora haja vozes discordantes, tem ainda muita gente que acha que a mulher deve, sim, fazer laqueadura após o segundo filho – teve até alguém com a cara-de-pau de dizer que “[s]e for pobre, deve fazer após o primeiro”! Este outro blog apresenta como “solução para a superpopulação planetária” a “laqueadura em dez minutos”. E vai na mesma linha ditatorial:

Uma das soluções para a superpopulação, para mulheres que já tenham dois filhos e de qualquer classe social – e não me venha com essa lengalenga de, e se ela se casar de novo e quiser mais filhos? Ela já teve sua cota de filhos, o planeta não suporta mais tanta gente, o planeta não tem mais recursos naturais para matar a sede e a fome de todos eles, vá arranjar outra diversão que não seja fazer filhos, o custo para o planeta é muito alto – é a laqueadura a jato.

É muito triste. Será que estamos seguindo o mesmo caminho da China? Ou para a crônica do Pondé? Após a propaganda anti-filhos, vem agora a imposição da esterilização para as sobreviventes do massacre ideológico. É este o mundo que nós queremos construir?

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

22 thoughts on “Três curtas

  1. Lampedusa

    Absurdos à parte, comento que, já que você tocou no assunto “China”, saiu, ontem, no caderno de economia do Estado de SP um artigo que fala de uma província chinesa em que os funcionários públicos (imagino que boa parte da população) é obrigada a fumar uma cota diária de cigarros para que se garanta a arrecadação de tributos!

    Sei que isso apenas tangencia os assuntos desse post, mas é um indicador de aonde a interferência estatal pode chegar. E não vi nenhuma ONG reclamando…

  2. Alien

    O que vai acontecer quando o mundO estiver REALMENTE superpovoado e sem recursos??? Será então tarde demais???

  3. argo

    “Esta corja parece não entender…”

    Ah, tá. Quando eu trato os católicos por corja, voce estrila, não é?

  4. Pedro

    Foi a gife Benneton que teve essa idéia infeliz de lançar comerciais na base da baixaria pura, nos anos 90, simplesmente para chocar, e sem nada dizer acerca do produto vendido, como é o caso dessa propaganda aí. Aliás, já se tornou ridículo usar erotismo para vender tudo, inclusive coisas tão banais como sorvete. Pode ser que o proibam. Recentemente, proibiram na Inglaterra um cartaz de propaganda de uma cerveja (Courage Beer) que tinha também insinuações eróticas (mas nenhum personagem vestido como religioso).

  5. argo

    Alien

    Quando o mundo estiver superpovoado, essa turma de infantis que preferem a solução vinda de um “pai”, mesmo inexistente, a resolver seus próprios problemas, como devem fazer homens e mulheres maduros, irá apelar para: “Deus dará um jeito”. Mesmo que isso cause guerras e mais guerras, morticinios e mais morticinios. Não é o deus que eles adoram alcunhado de “Senhor dos Exércitos”? Não foi – segundo palavras do livro em que se baseiam sua fé, não que eu acredite – o autor do mais terrível infanticídio já praticado na história humana? o assassinato de milhares de crianças indefesas e inocentes quando do dilúvio?

    Vade retro, Ahriman!

  6. Alien

    Eu já ouvi falar que em certas religiões evangélicas espera-se que, antes de isso acontecer, Jesus Cristo retornará e o mundo como conhecemos acabará. Não sei se a Igreja Católica também pensa assim, e por isso não se preocupa com o futuro, com a superpopulação… não é escarnecer – simplesmente não sei se esse é o pensamento da I. C. … :-/

  7. Assunção Medeiros

    Bom,

    Eu não vejo os Católicos superpovoando o mundo, então não sei do que Argo e Alien estão reclamando aqui.

    O que PARECE que nenhum dos dois quer entender é que a Igreja quer que sejamos TODOS homens e mulheres responsáveis por nossos atos e que ajamos sempre tendo em mente o que Deus deseja de nós. Sermos reprodutores responsáveis é parte disto.

    Laqueadura para evitar superpopulação é a mesma coisa que uma mãe decidir que, para evitar que seu filho quebre seus bibelôs, vai colocá-los todos em prateleiras altas. Quando o correto é ensinar à criança que aquele objeto não lhe pertence e que deve ser respeitado. Educar, enfim…

    Então é isso, Alien, a sociedade quer construir prateleiras – PORQUE NÃO ACREDITA NA CAPACIDADE HUMANA DE ADQUIRIR E DESENVOLVER CONSCIÊNCIA — e a Igreja quer educar. Uma quer continuar chafurdando na “lama primordial” e a outra quer subir até o alto da mais alta montanha e louvar Àquele que criou tudo isto.

    Sue

  8. Alien

    Assunção Medeiros: então não acreditas que um dia o mundo ficará superpovoado? A população humana cresce a cada dia (humana, não somente católicos), todas as estatísticas apontam isso. Então um dia não haverá mais espaço, não é? Isso é simples matemática. O que acontecerá então?
    E realmente: gostaria de saber se a I. C. compartilha dessa visão dos evengélicos, nesse ponto específico…
    Desculpe, estou simplesmente tentando entender… :-/

  9. Assunção Medeiros

    Alien,

    A superpopulação humana é fruto de muitas coisas, mas não da influência da Igreja Católica, então meu comentário apenas questionou o porquê disto estar sendo discutido AQUI. Talvez fosse melhor fazer uma passeata em Brasília pedindo o fim do salário-família, esta aberração populista deste governo horroroso que temos. Já soube por uma amiga que mora no Ceará que no vilarejo onde ela tem sua casa de praia tem gente fazendo filho para trocar de moto. ISTO ninguém questiona, não é?

    Quanto à posição da Igreja sobre o fim dos tempos, sabemos que ele virá, mas também sabemos que SÓ DEUS PAI sabe o momento certo. Qualquer outra coisa dita é especulação da curiosidade humana, e no caso dos protestantes pela falta de orientação correta na interpretação das escrituras.

    Os primeiros cristãos achavam que a volta de Cristo era iminente, que ele não demoraria a voltar, e cá estamos nós dois mil anos depois. Acho que podemos dizer com segurança que estamos mais perto da volta, mas acredito que ninguém aqui teria a ousadia de fazer previsões de quando isto será.

    Além do que, há sinais mais fortes de que o fim se aproxima do que a superpopulação. Doenças, catástrofes, a própria situação de crise na Igreja, tantas coisas mostram que um clímax se aproxima… mas vamos ver, vamos ver.

    Sue

  10. Assunção Medeiros

    Falando… ahem… cientificamente sobre o assunto da superpopulação, a natureza geralmente tem seus mecanismos de controle para isso. Ou seja, muita gente vai morrer de fome ou de doenças até que um equilíbrio seja restaurado. Como no caso de qualquer outra espécie.

    Agora, comportamento consciente é coisa que a humanidade repele sempre que a Igreja apresenta. Que podemos fazer diante disto??? Rezar.

    Sue

  11. carlos

    CAros,
    Admira-me o fato de católicos inteligentes como vocês (exceção ao Argo, que nem é católico nem inteligente) caírem nessa balela de superpopulação mundial. O crescimento populacional de todos os países da Europa e de quase todos os países do mundo (excepcionando-se talvez o mundo islâmico) já é negativo há muitos anos.
    Na China, que supostamente tem 1,3 bilhão de pessoas (o que duvido), existe a política do filho único há muitos anos.
    Na África, de onde se poderia esperar um superávit populacional, a AIDS, a miséria e as guerras vão dizimando o povo.
    De modo que devemos nos preocupar é com o despovoamento do planeta e não com esse neo malthusianismo, que não passa de falso pretexto para afrontar a doutrina católica e cercear cada vez mais o restinho de liberdade que ainda temos.
    Um abraço.
    Carlos.

  12. Alien

    Por curiosidade: alguém possui dados estatísticos da ONU acerca da população mundial? Ela está decrescendo? Não falo da redução da taxa de crescimento… falo se, por exemplo, passamos de 4,5 bilhões para 4,3 bilhões de habitantes, por exemplo (dados fictícios – o que importa é se houve crescimento, estagnação ou decréscimo da população).

  13. Alien

    Ah! E Assunção, carlos e Jorge: muito obrigado pela chance de aprender e trocar idéias nesse blog! :D

  14. Assunção Medeiros

    Carlos,

    Superpopulação em nível mundial é realmente balela, pelo que eu sei. Mas como o Alien e outros comentaram a respeito de sua possibilidade, e qual seria a posição da Igreja a respeito, resolvi, PARA FINS DE ARGUMENTAÇÃO, partir da premissa de uma possível futura superpopulação mundial/regional.

    Uma superpopulação em qualquer espécie geralmente significa a morte de muitos até a restauração do equilíbrio. Possivelmente seria isso que aconteceria com a humanidade numa situação semelhante.

    A posição da igreja sabemos qual é: o homem é imagem e reflexo de Deus, sua vida é sagrada; temos de amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos. Portanto, em qualquer situação de crise, um cristão deve fazer caridade, confiar sua vida a Deus e rezar muito.

    Ficou mais claro? :)

    Sue

    P.S.: Alien, fique à vontade se seu desejo é realmente aprender e crescer. Sempre às ordens!

  15. carlos

    Cara Sue,
    Agora ficou claríssimo. Concordo com os seus esclarecimentos.
    Um abraço.
    Carlos.
    PS. Acho então que deveríamos inverter o jogo e passar a debater não uma inexistente superpopulação mundial, mas sim o decrescimento populacional, sobretudo na Europa, que é um problema real e que me parece ser um dos principais desafios da Igreja atualmente. Qualquer um que já tenha visitada a Europa fica impressionado com a quantidade de muçulmanos que residem lá. Muitos já de segunda e terceira geração. No ritmo atual, se nada for feito, logo serão maioria, e aí os sonolentos, relativistas e pacíficos católicos liberais verão o que sobrará de suas tão decantadas democracia e liberdade religiosa.
    Há pouco tempo conversava com um padre polonês aqui de Brasília, que sempre viaja para sua querida Polônia. Sempre que está lá ele consulta os registros da sua antiga paróquia e fica pasmo com a redução, ano a ano, de batismos e casamentos. Se é assim na católica Polônia, dá para imaginar o que está acontecendo no resto do que um dia foi a Cristandade.
    Esse padre disse não ter dúvida de que esse será o grande castigo que Deus reserva para a humanidade pecadora, isto é, o domínio da Europa (e talvez do resto do mundo) pelos muçulmanos. Ora, os muçulmanos, como se sabe, não aceitam a idéia de liberdade religiosa. Cimitarra no pescoço e duas opções. Conversão à religião do (falso) profeta ou morte. Foi sempre assim que eles expandiram o maometismo.
    Que Deus tenha misericórdia de todos nós.
    Carlos.

  16. Alien

    Ah! Então, para entender melhor: quer dizer que a população até pode estar crescendo, mas na verdade em países muçulmanos, é isso? Enquanto que em países/regiões predominantemente católicas a população local/nativa tende a decrescer, seria isso?

  17. Jorge Ferraz Post author

    Alien,

    Não só em “países muçulmanos”. Em países católicos – como a França, p.ex. – a população de muçulmanos cresce. Os muçulmanos, onde quer que eles estejam, estão crescendo.

    Talvez esse vídeo possa ajudar você a entender melhor o assunto:

    http://www.youtube.com/watch?v=oRVAqb1Ga64

    Abraços,
    Jorge

  18. Alien

    Jorge, vídeo interessantíssimo!
    Por curiosidade: como será que são os índices de agnósticos e ateus na população islâmica?

  19. Jorge Ferraz Post author

    Alien,

    Você quer dizer, entre os países que são islâmicos? Sinceramente não faço a menor idéia…

    Abraços,
    Jorge

  20. Assunção Medeiros

    Carlos e Jorge,

    A triste constatação é que a minha própria família é sinal disto… minha avó teve 14 filhos, minha mãe três… eu nenhum, minha irmã nenhum, meu irmão uma.

    Carlos está coberto de razão, devemos mesmo discutir e defender o papel de famílias cristãs vitais e numerosas, com filhos criados dentro das Leis de Deus.

    Lembrar sempre que os muçulmanos CONTINUAM sua “guerra santa” contra o Cristianismo, e que o fervor religioso DELES não arrefeceu em nada. Nós é que estamos nos entregando lentamente…

    E a sociedade ainda fala em aborto como “direito”!

    Cristo, tende piedade de nós.

  21. carlos

    Cara Assunção,
    Infelizmente, este problema é geral, porque hoje, normalmente, as pessoas se casam em idade bem mais avançada do que antigamente, de modo que mesmo que queiram não conseguem ter muitos filhos.
    Quanto ao vídeo indicado pelo Jorge, é simplesmente apocalíptico. Assistam, por favor, se querem ter uma noção do tamanho da catástrofe que se aproxima.
    Só Deus pode nos salvar.
    Carlos.