Sobre Anjos e Demônios

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 3 meses 6 dias atrás.

1. Opinião de um católico: “Meu maior problema com livros e filmes do tipo Anjos e Demônios é que, ao misturar ficção e realidade, a tendência é que tudo seja absorvido pelo público como realidade. (…) A pessoa vai ao cinema ver Anjos e Demônios e sai realmente achando que Galileu e Bernini eram Illuminati, que Copérnico morreu assassinado, que a Igreja atrapalha a ciência, que Pio IX era um maníaco que atravessava o Vaticano de martelo na mão, que a Igreja “marcou” quatro Illuminati (Langdon reprova o chefe da Guarda Suíça, perguntando se os católicos não leem sua própria história. Bom, nós lemos; é que La purga não é história, é invenção de Dan Brown), que os cientistas querem refazer o momento da criação, que Galileu escreveu o tal Diagramma e por aí vai. Isso é um desserviço considerável à verdade histórica, e também à ciência” – Marcio Antonio Campos.

2. Opinião de um anti-clerical: “Os Illuminati defendiam a ciência no lugar da religião, e no filme roubam um frasco de antimatéria do Large Hadron Collider para explodir o Vaticano. Embora a idéia não deixe de me agradar, o filme faz com que fique claro a perda que tal explosão causaria. As igrejas são lindas, as estátuas magníficas. Se uma coisa de bom posso dizer da Igreja Católica é que não só pensam a longo prazo como possuem um magnífico senso estético, completamente ausente do Bispo Macedo e seus templos tenebrosamente feios. […] Um dos efeitos interessantes e inusitados do filme é que deixa o espectador com todo um respeito pela Igreja. A Tradição, os Rituais, dá pra entender porque sobreviveram por mais de 2000 anos como instituição. É mais ou menos como o Judaísmo, embora no caso todos os membros preservem ativamente a cultura e os rituais, já com os católicos um monte de gente se diz seguidor mas nem lembra que Papa veio antes de João Paulo II” – Carlos Cardoso.

3. Opinião “científica” sobre o livro: “‘Anjos e Demônios’ é escrito em estilo irresistível e acessível. Você prefere não dormir só para ler mais um pouquinho. Ele trata de questões que passam pela cabeça de todos: a existência de Deus, a possibilidade de se ter fé em um Universo que parece ter profunda indiferença por nós, a reconciliação entre o científico e o espiritual. Só que o livro leva o conflito entre razão e fé à uma conflagração apocalíptica. […] A ciência é vista como uma ameaça à religião: quanto mais aprendemos sobre a natureza, mais difícil é aceitar a existência de forças sobrenaturais” – Marcelo Gleiser, 2004.

4. Na Rádio Vaticana: “O editorial intitulado ‘O segredo de seu sucesso’ diz que a Igreja deveria se perguntar por que uma visão ‘simplista e parcial’ dela mesma, conforme a mostrada nas obras de Dan Brown, encontra tanto eco, mesmo entre católicos.  ‘Seria provavelmente um exagero considerar os livros de Dan Brown um sinal de alarme, mas talvez eles devam ser um estímulo para que se repense e renove a maneira como a Igreja emprega a mídia, para explicar suas posições sobre as questões mais candentes do momento’ − diz o editorial” – 08 de maio de 2009.

Minha opinião: não li o livro e [ainda] não assisti o filme. No entanto, diante dessas “obras” que têm valor intrínseco menor que o de um ponto do Bomclube e, não obstante, alcançam um sucesso estrondoso frente ao grande público, chega quase a me bater um verdadeiro desânimo. Porque as refutações das bobagens nunca têm o mesmo poder de penetração do que o da bobagem em si. Para ficar em um só exemplo que, pelo que eu venho lendo, é um dos pontos fortes do filme: de que adianta explicar cuidadosamente como a ciência experimental é filha da Igreja Católica, se “eu vi no cinema com o Tom Hanks que é o contrário”?

Católicos, mãos à obra! Há muito trabalho a ser feito.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

19 thoughts on “Sobre Anjos e Demônios

  1. Alien

    Mas esse acelerador de partículas gigante existe mesmo, não é? E ele realmente pretende (repito, EM TESE) recriar o momento exato Big Bang, certo?

    Quanto ao resto, leio como uma obra de ficção (essa de se produzir antimatéria “a granel” é de matar!), assim como acredito que a Enterprise consegue viajar em “dobra” mais rápido que a luz…

    Uma curiosidade: São Pedro realmente está sepultado abaixo do Vaticano?

  2. Lampedusa

    Alliens,

    Sim, o LDH existe e fica na fronteira da Suíça com a França (perto de uma belíssima estação de ski, a alguns minutos de Genebra) e, até onde entendo, suas experiências não repetirão o momento exato do Big Bang, mas,sim, alguns “N”ésimos de segundo depois.

    E, segundo a tradição, S. Pedro está enterrado abaixo do Altar da Confissão – o altar “do Papa” – que fica bem no meio da basílica de S. Pedro (sob o famoso Baldaquino). O que se sabe com certeza: a colina Vaticana era usada como cemitério durante o império romano (há tumbas que até hoje podem ser vistas lá) e o que se supõe é que, como Pedro foi lá enterrado, muitos cristãos passaram, por devoção, a enterrar seus mortos próximo ao primeiro bispo de Roma. Vê-se (é possível fazer uma visita guiada por essas “catacumbas vaticanas”) tanto as tumbas pagãs como cristãs, até um local no qual se vê – em um recipiente de vidro – o que seriam os ossos de Pedro.

  3. Lucas

    Estou louco para ver esse filme, deve ser muito bom. Aprendi muito com o Código Da Vinci.
    Por que o Evangelho de Maria Madalena não é aceito pela igreja?

  4. Alien

    Lucas, por mais que seja “tentador” para muitos, não se baseie no “Código…” como verdade histórica! Muita coisa ali ou é pura invenção do autor ou trata-se somente de especulações até hoje não provadas…

    O Evangelho de Maria Madalena, pelo que sei, pertence à categoria dos “Evangelhos Apócrifos”… existem muitos outros (o núoero exato não sei), mas não foi o imperador romano Constantino (o primeiro imperador cristão) que organizou um concílio (está certo o termo?) e, entre outras coisas, definiu quais os evangelhos que iriam compor o Novo Testamento?

  5. Jorge Ferraz Post author

    Lucas,

    Tu estás de sacanagem, né? O que foi que aprendeste com O Código da Vinci, se em matéria de história o livro é basicamente um grande compêndio de mentiras?

    Alien,

    Os evangelhos apócrifos são escritos posteriores à Era Apostólica e cujos autores não são os que eles afirmam; p.ex., não foi Maria Madalena a autora do “Evangelho de Maria Madalena”.

    O Concílio de Nicéia [sim, o termo está certo] não definiu o cânon das Escrituras Sagradas; isso só foi feito mais tarde. No entanto, os cristãos sempre souberam – em linhas gerais – quais eram os livros inspirados e quais não eram [o Evangelho de Madalena nunca entrou nestas listas]. Para encontrar várias listas de livros inspirados elaboradas antes de Constantino e ver como elas eram convergentes, vale a pena ler a obra de Eusébio de Cesaréia, “História Eclesiástica”.

    Também vale a pena ler o e-book do Veritatis sobre a Formação do Cânon Bíblico.

    Abraços,
    Jorge

  6. Felipe

    Jorge, só complementando:

    Além do que você disse, pela visão do profeta Ezequiel só poderiam haver quatro evangelhos, cada um com objetivos distintos.

    E, apesar de ter aliviado a Igreja das perseguições, Constantino não foi exatamente um imperador cristão. Ele só foi batizado momentos antes de sua morte…

  7. Lucas

    Jorge

    Mesmo que uma obra seja ficção, é possível tirar grandes proveitos e até aprender algo com ela. Mas claro, tem que saber separar a realidade da ficção.

    No caso do Evangelho de Maria Madalena, obrigado pela explicação. Não sabia que havia essa duvida quanto a veracidade.

  8. Lívia Guimarães

    Li, tanto O Código Da Vinci, quanto Anjos e Demônios, e ainda assisti O Código Da Vinci no cinema.

    Tais livros e filmes são ótimos para prender atenção… as partes investigativas.. policiais… enfim, são de uma produção boa (embora não seja uma especialista em cinema).

    Porém, não é nada mais do que isso. Não dá para ficar imaginando coisas. São filmes apenas! Pura ficção! Não são nada mais que um bando de informações distorcidas para causar curiosidade. São informações sem embasamento real.

  9. argo

    “…que a Igreja atrapalha a ciência…”

    E não é verdade?

    “de que adianta explicar cuidadosamente como a ciência experimental é filha da Igreja Católica”

    ‘Pera’, ‘pera’, pera’! De onde voce tirou um tal absurdo?

    Galileu deve estar dando voltas no túmulo, a essa hora…!

  10. Alien

    Alias: talvez o melhor mesmo seja conseguir ler os livros nas versões ilustradas… eu ainda não consegui, mas consta que possuem fotos belíssimas de todos os lugares e obras de arte mencionadas nas tramas!

  11. Marcelo

    Eu só fui ver o Código da Vinci quando passou na televisão. É um filminho de aventura tipicamente americano: muita ação, boas imagens e só. A estória não se sustenta, é totalmente inverossímil. Nem as agressões à Igreja são assim uma Brastemp. O filme todo é só uma bobagem, ainda bem que não paguei o ingresso. Anjos e demônios deve ser ainda pior (o livro só fez sucesso depois da celeuma do código). Toda a discussão que se trava sobre as agressões à fé desses filmetes é estimulada pelos patrocinadores para engordar a bilheteria. E só.
    Havia na rede um artigo belíssimo do Pe. Jesus Hortal s.j. que apontava um a um os erros do “código”, com explicações muito interessantes. Alguém sabe onde encontrá-lo?
    Sds.,
    de Marcelo.

  12. R. B. Canônico

    Lampedusa,

    É certo que o tumulo sob o altar de S. Pedro é do próprio S. Pedro. Não se sabe – e não dá para saber mesmo – se os restos mortais lá presentes são ou não dele. Mas que o tumulo é, é: as evidências são esmagadoras.

    Abraços!

  13. Jorge Ferraz Post author

    Argo,

    “…que a Igreja atrapalha a ciência…”

    E não é verdade?

    Não, não é verdade. É lenda negra, é preconceito, é ficção.

    “de que adianta explicar cuidadosamente como a ciência experimental é filha da Igreja Católica”

    ‘Pera’, ‘pera’, pera’! De onde voce tirou um tal absurdo?

    Da história. O método experimental – base da ciência moderna – é filho direto da Filosofia Escolástica, abraçada pela Igreja e por Ela vivamente promovida.

    Aliás, o avanço do conhecimento científico só foi possível graças à existência dos centros de pesquisa e disseminação do saber, conhecidos pelo nome de Universidades. E quem “inventou” as Universidades? A Igreja Católica. Na Idade Média.

    Galileu deve estar dando voltas no túmulo, a essa hora…!

    Como filho da Igreja que ele nunca desejou deixar de ser, espero sinceramente que ele esteja em paz.

    Abraços,
    Jorge

  14. carlos

    Ótima resposta,Jorge.
    O semi-analfabeto Argo não esperava essa. Ele que é cientificista fanático tem que reconhecer que a Igreja por ele tão odiada, historicamente, é a mãe e a protetora das ciências.
    Como todo ateu, Argo é burro e não estuda história. Ele sabe que se estudasse deixaria de ser burro. Deixando de ser burro, deixaria de ser ateu. Mas aí ele também deixaria de se destacar como ateuzinho revoltado metido a genial. E acabaria o seu prestígio junto aos outros burrinhos ateus que o admiram.
    Pobre Argorrogante!
    Carlos.

  15. PRESENTEPRAVOCÊ

    Olá pessoal

    Estive um pouco sumido, mas estou de volta.

    Vejo que o tema Anjos e Demônios realmente vai longe, uma vez que a empresa de cinema americana resolve atacar dois assuntos de que não entendem nadinha mesmo.

    Se vocês pensam que as mentiras sobre religião são graves, muito mais grave são as mentiras relacionadas à ciência, por aí se vê que realmente as pessoas que assistem filmes não entendem nada de ciência e nem porque dizemos que dois mais dois nem sempre são igual a quatro, já que matemática deveria ser sempre exata e lógica.

    Mas quando se tem em suas mãos uma multidão de pessoas que recebem seu dinheiro para criar efeitos cinematográficos, é possivel até mesmo segurar ácido sulfúrico com as próprias mãos. Quem diria então armazenar anti matéria com o objetivo de fazer uma bombinha para arrebentar com o Vaticano? Não seria muito mais fácil inventar inverdades sobre a Igreja deixando os fiéis cheios de dúvidas e os infiéis convictos de que a Igreja é uma farsa.

    Eu por exemplo preferiria mil vezes ter deixado os Illuminati ter destruido o Vaticano com sua bomba “inexistente”, teria provocado bem menos mal, já que a ciência “declara para os devidos fins, e para tranquilizar a população, de que: Anti Matéria Não existe na prática”.

    Dan Brawn é um total irresponsável, quando joga ciência contra Igreja, e Igreja contra ciência, fazendo das verdades científicas e religiosas uma completa mentira para o povo comum.

    A Igreja está guardando silêncio, para não fazer propaganda do filme, já que contavam com esta polêmica para vender mais bilhetes de entrada.

    Mas os cientistas tiveram que se adintar e fazer um site, explicando aos leigos “Em poucas palavras” coisas que levariam anos para compreenderem, porque ficaram com medo de que o filme provocasse um “alvoroso” mundial.

    Veja só que engraçado, os japoneses só conheceram a bomba atômica, depois que Hirochima derreteu diante de seus olhos, será que os ciêntistas nos contarariam a verdade que escondem lá dentro de seus cofres ?

    É claro que não ! Mas uma coisa é certeza, eles teem muito mais teorias “jamais comprovadas” do que verdades a nos mostrarem.

    A Igreja por outro lado tem uma vida histórica de fatos testemunhados e comprovados, tudo documentado e arquivado sendo permitido o estudo e até mesmo a comprovação científica de verdades da nossa fé, como no caso de “Lânciano”, “Santo Sudário” e a “Virgem de Guadalupe”, não estão escondidos e sim expostos à visitação pública e até mesmo aos telescópios da Nasa.

    Só não acredita quem não quer !

    Preferem dar ouvidos a estórias e contos da carochinha !

    ah! foi São Paulo que disse isto, na carta a Timóteo

    (I Timóteo 4,1)
    O Espírito diz expressamente que, nos tempos vindouros, alguns hão de apostatar da fé, dando ouvidos a espíritos embusteiros e a doutrinas diabólicas,
    [Leia mais…]
    http://www.bibliacatolica.com.br/01/61/4.php

    Paz de Jesus

  16. Alex

    PRA NÃO FALAR QUE NÃO FALEI DOS ANJOS

    Devoção ao Anjo da Guarda e aos Santos

    “Havemos de venerar e invocar devotamente o santo anjo da guarda porque:

    1. Ele é um eminente príncipe da corte celeste;
    2. Ele nos foi designado por Deus como nosso companheiro, protetor e guia.
    Lembra-te sempre de sua presença, e nunca faças à vista dele o que não ousarias fazer à vista de tua mãe.
    Em todos os perigos corporais e espirituais, invoca-o e segue suas inspirações. Não te esqueças de que também o teu semelhante tem o seu anjo custódio. Saúda também a este anjo muitas vezes, e regula o teu procedimento com o próximo de conformidade com essa verdade.

    Devoção aos santos

    Havemos de venerar também os santos, porque:
    1. São amigos prediletos de Deus;
    2. São modelos proeminentes da perfeição;
    3. São poderosos e pressurosos intercessores.
    A mais excelente devoção aos santos consiste, também neste caso, em lhes imitar as virtudes. Há entretanto, na vida dos santos, certos exercícios que mais são para admirar do que para imitar. As vidas dos santos constituem ótima leitura espiritual. Lendo-as, devemos ter em vista sobretudo nossa edificação e o afervoramento na prática das virtudes.
    Uma devoção muito especial devemos ter a São José, ao santo de nosso nome, ao de nossa paróquia, enfim, àqueles santos que se distinguiram nas virtudes que mais nos faltam”.
    _____________
    Fonte: Fr. Antônio Wallenstein, O.F.M., Catecismo da Perfeição Cristã, Editora Vozes, Petrópolis, 1956, III edição.

    Extraído de http://cultura-catolica.blogspot.com

    http://sentircomaigreja.blogspot.com/2011/01/devocao-ao-anjo-da-guarda-e-aos-santos.html