A Escola Litúrgica da CAJU

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 3 meses 4 dias atrás.

Um amigo enviou-me por email uma pequena nota publicada no Sector Católico, sobre uma tal escola de liturgia brasileira “de Caju”, cujo conteúdo era o seguinte:

La Escola Litúrgica de Caju

Hoy SECTOR CATÓLICO publica un vídeo con nuevos abusos litúrgicos que se están produciendo en Brasil, en una mal llamada “escuela litúrgica” de Caju. Lamentable, pues, seguir permitiendo que sean los laicos los que, a su antojo, puedan decidir cambios en la estructura fundamental de la celebración sacramental de la Iglesia.

De seguir así las cosas, los fieles ya no podremos reconocer o diferenciar nuestra liturgia católica de otras que no lo son, y que, por tanto, no son capaces de transmitir el don de Dios, como canales ordinarios de la gracia divina que son.

Ya está bien. Los católicos nos merecemos algo mejor. Y por eso, recomendamos denunciar a las autoridades eclesiásticas este tipo de comportamientos, con el fin de que sean ellas las encargadas de actuar de oficio y poner orden en casa.

Juan Miguel Comas

Sem fazer a mínima idéia do que se tratava, ao chegar em casa vi que outro amigo havia encontrado o tal vídeo no youtube. Ei-lo:

Foi então que parte do mistério foi resolvido. Descobri no youtube que a tal escola litúrgica “da CAJU” era a  “Escola de Liturgia da Casa da Juventude Pe. Burnier, Goiânia/GO”. Procurando um pouco mais na internet, descobri no site da Casa da Juventude o convite para a “Escola de Liturgia para Jovens” de 2009! Em pleno século XXI, encontrar uma assombração dessas, fantasma das trevas libertacionárias, chega a ser frustrante.

O escândalo atravessou o oceano e chegou à Espanha. Os nossos irmãos católicos do outro lado do Atlântico recomendaram denunciar às autoridades eclesiásticas este tipo de comportamento, a fim de que elas ponham ordem na casa. Faço coro ao pedido. Coisas como “uma forma celebrativa de rosto orante, jovem e inculturada”, “vivência do Laboratório Litúrgico”, “[a]ssembléia celebrante”, “dança na liturgia” e afins que se encontram na programação da tal escola são injustificáveis. Não precisamos de outra liturgia que não a da Santa Igreja. Para vencermos o caos litúrgico hoje reinante, é fundamental que sejamos diligentes em apagar os focos de incêndio. O email de Sua Excelência Reverendíssima Dom Washington Cruz disponível no site da CNBB é [email protected] e, o da cúria, [email protected]. Sinceramente, não merecemos isso. Os jovens têm muito mais a oferecer.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

45 thoughts on “A Escola Litúrgica da CAJU

  1. Cleber Lourenço

    Salve Maria!

    Não nos cabe “querer” que a Igreja faça isso ou aquilo, com relação às questões de fé (Ritos), pois, enquanto Instituição divina, cabe a Ela e somente a Ela, conduzida pelo Espírito Santo, modificar aquilo que for melhor para o bem das almas e maior Glória de Deus. A nós, cabe a conformação com seus ensinamentos, enquanto, claro, estes estiverem de acordo com o que o Divino Espírito sempre a Inspirou.

    Voltar às praticas do inicio, seria renunciar todas as riquezas que através da Luz divina se adquiriu e que enriqueceram e embelezaram o Santo Sacrifício e que estão definidas e expressas nos Santos Dógmas. Seria o mesmo que um adulto virtuoso, culto, excelentemente bem formado, religiosa e civilmente, querer retornar à sua criancice, fase imatura e desprovida de toda graça e virtude que pôde adquirir ao longo da vida. Um ato de ingratidão para com Deus e sua divina Sabedoria.

    Cleber

  2. Jorge Ferraz Post author

    Cleber,

    Tenho certeza de que você não quis dizer isso, mas preciso chamar a atenção para um ponto: a Igreja primitiva não tinha “criancice”, nem imaturidade, nem tampouco estava “desprovida de toda graça e virtude”. Portanto, a analogia é inadequada.

    Acho que os termos do JB – falando em “desenvolvimento” de preferência a “evolução” – ajudam a lançar uma luz sobre o problema.

    Abraços,
    Jorge

  3. João de Barros

    Caro Alien:

    Se uma dada modificação na liturgia promover a compreensão de seu significado e aumentar a devoção dos fiéis, não vejo porque seria negativa.

    Infelizmente, quarenta anos de livre experimentação litúrgica mostraram uma grande diluição da doutrina e uma enorme diminuição na devoção.

    Não tenhamos ilusões.

    Aquelas pessoas no filminho estão lá apenas enquanto durar a adrenalina gerada pela novidade. Aposto minhas barbas que, passados alguns meses ou anos, a frequência a essas missas inculturadas acaba caindo por desinteresse. E os modernistas então inventam algo diferente, talvez até mais radical, para manter os adeptos da novidade indo a seus cultos.

  4. Cleber Lourenço

    Caro Jorge, Salve Maria!

    Não quis e penso não ter dito isso, embora tenha deixado espaço para que entendessem. Quis comparar sim a diferença entre o culto primitivo, sem as expressões e orações que aos poucos foram sendo introduzidas no culto que temos hoje, o Gregoriano. Comparando assim, o Culto primitivo, a uma criança que crescerá e adquirirá forma, maturidade e expressões.

    Minha intenção é de apenas salientar para tudo o que pela inspiração Divina, foi introduzido e assim, deu desenvolvimento e progressão ao Rito, e não de dar uma visão ridícula do primitivo, o que não creio.

    Concordo que faltou-me esclarecer isto. Obrigado.

    Abraços, salve Maria!

  5. Jorge Ferraz Post author

    Prezado Cleber,

    Não te preocupes, sei que não quiseste dizê-lo. E, sim, é perfeitamente verdadeiro que houve um “enriquecimento” litúrgico ao longo dos séculos, e o próprio Pio XII já disse que não seria desejável uma simples “volta” ao passado que desprezasse os tesouros acumulados por séculos de tradição cristã.

    Abraços,
    Jorge

  6. Pingback: Deus lo Vult! » Pulchrum

  7. Thiago Silveira

    Nossa!!! KKKKKK. Por isso que temos tantos casos de pedofilia, abuso de autoridade, exclusão, hierarquia opressora, repressão e tantas outras mazelas dentro da nossa igreja. Por conta de pessoas como vocês que escrevem comentários desse tipo sobre uma forma de levar os jovens a se econtrar com Deus como a Casa da Juventude está fazendo. Oxalá, nossa igreja estivesse mais aberta para as manifestações da inculturação da Litúrgia como já esteve Dom Helder. Mas desses Dons a nossa igreja está cada vez mais distante.

    Vamos nos preocupar com a promoção da vida da juventude que cada vez mais é exterminada e fazer com que o compromisso assumido por Ela de espaço de acolhida dos pobres não fique só nos inúmeros documentos que enchem as nossas estantes…

  8. Jorge Ferraz Post author

    Caríssimo Thiago,

    Confesso não ter entendido a relação entre “isso” e os “casos de pedofilia, abuso de autoridade, exclusão, hierarquia opressora, repressão e tantas outras mazelas dentro da nossa igreja”. Por “isso” o quê? E qual o nexo causal entre “isso” e todas essas desgraças?

    Outrossim, é preciso se preocupar com todas as coisas, e não somente com algumas enquanto se esculhamba com outras. Sim, sem dúvidas que a promoção da vida da juventude é necessária [alguém aqui fez o contrário?], mas o zelo pela Liturgia também é necessário, e a tal “escola litúrgica” da Casa da Juventude está promovendo a destruição da liturgia católica, e isso é muito sério e merece toda a nossa atenção.

    Abraços,
    Jorge

  9. André Víctor

    Caríssimo Thiago Silveira!

    “…uma forma de levar os jovens a se econtrar com Deus como a Casa da Juventude está fazendo.”

    Não! De maneira alguma isto que a CAJU faz é levar os jovens a se encontrar com Deus. Só se for um deus falso, pois o Deus verdadeiro não é mesmo.

    Não se pode querer levar ninguém a se encontrar com Deus (até mesmo os jovens), sendo TOTALMENTE desobediente em matéria litúrgica. Isso é FATO e bastante ÓBVIO.

    Abraços e até mais ‘ver’.

    André Víctor

  10. Genivaldo

    “e a TL nada mais é que marxismo infiltrado na Teologia Católica”

    Puro preconceito.

  11. HELCIO JOSE

    Por mim estaria todo mundo livre do domínio alienante de um deus (assim, com “d” minúsculo mesmo!) que se permite intermediar por uma organização que discrimina pessoas, prolifera preconceitos e tenta restringir o avanço das Ciências. Fez tudo isso no passado e continua fazendo até hoje. Ou vocês mudam de postura, ou estarão fadados à redução a uma minoria religiosa fanática. Ainda bem que a humanidade está cada vez mais ILUMINADA, portanto cada vez mais livre das amarras ideológicas tradicionais. QUE OS NOSSOS JOVENS (meus filhos e netos) SEJAM AINDA MAIS LIVRES DO QUE EU FUI… QUE SUAS CONSCIÊNCIAS SEJAM AINDA MAIS AMPLAS QUE A MINHA! É o que peço ao verdadeiro Deus, esse sim, com “D” maiúsculo!

  12. Genivaldo

    “Por mim estaria todo mundo livre do domínio alienante de um deus…”

    Palmas para o Hélcio José!

  13. Thiago Silveira

    Vocês deviam estudar mais e pesquisar algo sobre inculturação da/na litúrgia. Minha gente olhem o que esse tipo de igreja está fazendo com vocês. Vocês não enchergam um palpo a frente do nariz…

  14. Jorge Ferraz Post author

    Caríssimo Thiago,

    Pois sim, ajude-nos! Traga-nos os documentos “sobre inculturação da/na liturgia” que justifiquem estas imagens vistas no vídeo acima.

    Obrigado,
    Jorge

  15. Carlos

    helcio josé (assim, com minúsculas mesmo, que já tá de bom tamanho) acha que a humanidade está ficando cada vez mais iluminada.
    É verdade: terrorismo islâmico, casamento gay, aborto, pesquisa com embrião humano, 50 mil assassinatos por ano (só no Brasil), ecstasy, pornografia, menores abandonados pra todo lado, casamentos desfeitos, crack, prostituição infantil, corrupção, mensalão, pt, hélcio josé, lula, dilma, parada gay, obama, pedofilia, chavez, Coréia do Norte… É iluminação demais para os meus olhos!!!
    Apague um pouco!!!