Duas ligeiras indicações

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 2 meses 15 dias atrás.

1. Prof. Valter de Oliveira, sobre Holocaustos e Crimes Católicos. “E é o que vemos na História da Igreja. Os apóstolos tiveram medo. Fugiram. A Virgem permaneceu fiel. Milhares de mártires morreram pela Fé. Muitos preferiram adorar ídolos. […] Em todo o século XX milhares de sacerdotes foram trucidados por todo tipo de criminosos e são motivos de glória para a Igreja. Outros foram infiéis. Por mil razões. Ou mil falsas razões”.

2. Maria Mariana, a autora de Confissões de Mãe, sobre a repercussão que teve o seu livro. É muito diferente da primeira impressão passada mas, a despeito da mudança de tom, mantém algo do seu valor. “Agrediu muito as pessoas também a minha opção de ter parado de trabalhar. Dizem que falo isso só porque sou rica! Peraí! Primeiro, não sou. Segundo, leiam o livro! Digo assim: ‘Devemos ficar (com o filho) o máximo de tempo possível para nós. E podemos aumentar este tempo reconhecendo o valor da maternidade em nossas vidas’. (…) [S]empre concordamos eu e André, que a minha presença com as crianças não tem preço. Se saísse para trabalhar meu orçamento ficaria muito mais caro, economicamente e emocionalmente”.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

6 thoughts on “Duas ligeiras indicações

  1. Sue

    Citando a autora, num post em seu blog:

    “O que Maria fez da vida? Maria escreveu livros? Não, nem sei se sabia ler! Maria tinha um movimento, levantou bandeira? Não, que eu saiba não! Maria tinha profissão? Não! O que Maria fez? Lavou, torceu, estendeu, esquentou, esfriou, cuidou, zelou e deu colo a seu Divino Menino.

    E quem é Maria?

    A mais importante e sábia desta nossa raça, portadora de útero. Maria é uma luz linda! Que continua zelando, limpando e esquentando os nossos corações.”

    Que Deus abençoe e a Virgem Santíssima guie e proteja todas estas portadoras de útero, em especial esta escritora que levantou a mais bonita das bandeiras: a do amor de mãe.

    Paz a todos

  2. Realista

    Crimes católicos menos remotos….

    Ustasha, ditadura naziclerical eslovaca do Padre Tiso, regime de Ngo DInh Diem de Saigon, massacre de Ruanda (envolviemento clerical…)

  3. Jorge Ferraz Post author

    Realista,

    Que parte do “Em todo o século XX milhares de sacerdotes foram trucidados por todo tipo de criminosos e são motivos de glória para a Igreja. Outros foram infiéis. Por mil razões. Ou mil falsas razões” tu não entendeste?

    – Jorge

  4. Realista

    sei sei… esses “infiéis” não foram punidos. claro.. a igreja foi conivente…..

    partindo da sua lógica o papa e a cúria são “infiéis”.

  5. lucas

    Não adianta, cada caso é um caso. Numa familia em que o marido tem um emprego bem remunerado e pode proporcionar tudo que a familia necessita é viável a mulher cuidar da casa e dos filhos.
    Ja se o marido ganha mal, qual mãe vai querer ficar em casa deixando faltar roupa ou alimentos pros seus filhos.
    Mas admiro as mulheres que colocam a familia acima de sua carreira.