Host in the Post

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 2 meses 10 dias atrás.

Existem umas idéias que, de tão estúpidas, a gente quase se recusa a acreditar. Esta é uma delas: uma igreja episcopal independente na Inglaterra vai enviar hóstias pelos correios (!!). Você solicita as hóstias “pré-consagradas” (seja lá o que isso signifique) pela internet e o novo serviço da igreja, chamado “host in the post”, faz com que elas cheguem na sua casa. Isto serve para atender “não apenas às pessoas que não podem comparecer à missa por idade avançada ou problemas de saúde, como também às que acabaram se distanciando da religião”.

Quanto mais as pessoas se afastam da Igreja, “Coluna e Sustentáculo da Verdade”, mas elas afundam nas práticas mais estapafúrdias. Perdem o senso do divino, do sagrado, do zelo, do respeito; aliás, perdem o bom senso. A prática de levar a Eucaristia aos doentes, presos e demais pessoas que não podiam assistir à Santa Missa remete, sim, aos princípios do Cristianismo, mas era feita com toda a reverência exigida à Presença Real de Nosso Senhor Jesus Cristo nas espécies consagradas. São Tarcísio foi martirizado justamente porque, interpelado no caminho por alguns curiosos sobre o que levava – estava levando a Eucaristia aos cristãos prisioneiros -, não quis entregar Nosso Senhor à turba de incrédulos que O exigiam. Cristão verdadeiro, preferiu morrer a expôr o Santíssimo Sacramento à impiedade dos pagãos. Estes que se auto-intitulam “cristãos” no século XXI, no entanto, devem achar que São Tarcísio fez uma tremenda bobagem, porque as hóstias poderiam ter sido enviadas nas algibeiras dos mensageiros, ou no meio dos trapos que chegavam às prisões, ou via pombo-correio, ou qualquer outra coisa.

É o cúmulo da falta de piedade. Estes episcopais não acreditam na presença real de Nosso Senhor, é óbvio, porque caso acreditassem não conceberiam jamais que Ele pudesse ser despachado pelo correio! E, quando confrontado com as objeções de alguns hereges de um pouco mais de bom senso, que diziam “que a hóstia pode acabar nas mãos de ateus e satanistas, que podem usá-las para rituais impróprios”, o “bispo” Jonathan Blake disse não estar preocupado com isso (!), porque “Jesus não fez essa distinção. Ele se doou a cada um e a todos. Não faz diferença, o corpo de Cristo é redentor”.

É, sr. Blake, não faz diferença nenhuma guardar as hóstias consagradas em vasos de ouro ou em papelotes de correios, distribui-las somente aos cristãos ou lançá-las aos cães e aos porcos. Não faz diferença nenhuma ser São Tarcísio ou entregar o Corpo de Cristo à impiedade dos incrédulos. Na cabeça deste cego sem Fé, nada disso faz diferença.

Acaso uma “religião” dessas pode satisfazer a sede de Deus que têm os homens? Um bispo que trate com tamanha irreverência o que, para ele, é o Corpo de Cristo, acaso pode fazer com que as pessoas acreditem no que ele prega? Só o que me consola é que estes hereges sem Fé não consagram validamente o Corpo de Deus, e as únicas coisas que enviarão pelos correios serão pães normais, e não Hóstias Consagradas. Porque, ao contrário do que acha o sr. Blake, há muita diferença entre ser católico e ter Fé e ser herege e pedir hóstias pela internet: os primeiros nutrem a alma com o Pão dos Anjos, os últimos enchem a barriga com bolachas secas. Há muita diferença entre São Tarcísio e um herege impiedoso: enquanto aquele, do Céu, ensina-nos a reverenciarmos o Santíssimo Corpo de Cristo, este arrasta as almas ao Inferno. Que os fiéis episcopais acordem, e voltem depressa à Igreja de Nosso Senhor, que é onde Ele pode verdadeiramente ser encontrado; não em embalagens enviadas pelo correio por “pastores” sem Fé.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

9 thoughts on “Host in the Post

  1. Renato Lima

    Não vou ficar surpreso se os movimentos ”carismáticos” começarem a fazer o mesmo. Afinal, o ”carismáticos” gostam de copiar tudo dos ”irmãos separados”.

  2. Jorge Ferraz Post author

    Mallmal,

    Blasfemo e sacrílego. Não tem a menor graça. Doravante, abstenha-se de colocar o link do blog nos comentários [e, se colocar, eu vou apagar], porque não quero links para a blasfêmia irreverente aqui.

    – Jorge

  3. Pedro

    “E, quando confrontado com as objeções de alguns hereges de um pouco mais de bom senso, que diziam “que a hóstia pode acabar nas mãos de ateus e satanistas, que podem usá-las para rituais impróprios”, o “bispo” Jonathan Blake disse não estar preocupado com isso (!), porque “Jesus não fez essa distinção. Ele se doou a cada um e a todos. Não faz diferença, o corpo de Cristo é redentor”.”

    Sim, Cristo se doou a todos. Mas se a hóstia fosse verdadeiramente consagrada, Blake se igualaria àqueles que entregaram Nosso Senhor aos ímpios para ser humilhado e morto, achando que faziam grande coisa.

  4. Sue

    Jorge,

    É bom mencionar que São Tarcísio era um menino e que foi apedrejado até amorte por manter preso ao peito as Hóstias Consagrada que ele ia entregar secretametne aos cristãos que estavam presos e iam ser massacrados no cisro romano.

    Apesar de menino, ele só abriu as mãos e entregou as Hóstias quando se viu circundados por cristãos, para então entregar a alma a Deus. Não houve dor ou pena que o fizesse abrir as mãos e mostrar o Corpo de Cristo aos pagãos.

    Como os tempos mudaram, Pai Eterno! Que notícia pavorosa de triste!

  5. Alex A.B.

    Há muitos anos atrás um padre me expressou uma opinião semelhante ao do “bispo” Jonathan Blake!
    Eu me econtrava então, depois da Santa Missa, na sacristia com o padre e com uma senhora, a quem eu havia advertido caridosamente logo depois da benção final de que não é permitido aos fiéis levarem a hóstia consigo para comungarem no banco da igreja, como ela havia feito.
    Alias a Instrução Redemptionis Sacramentum ordena que o fiel comungue na frente do ministro e enumera os casos de excomunhão para quem profana a Sagrada Eucaristia. Ora aquela senhora teimava que ela podia ter feito o que fez. O padre explicou a ela, então, que, de fato, de acordo com as normas litúrgicas, ela deveria comungar na frente do ministro. Explicou também que o motivo dessa norma era evitar profanações e ele exemplificou com um caso. O padre contou-nos que certa vez, quando ele era pároco em uma certa pároquia em outra cidade distante, ao entregar a hóstia a uma senhora, ela a tomou nas mãos e saiu imediatamente correndo. Ele explicou que há pessoas que fazem isso para levarem a hóstia a terreiros (de macumba, etc.) O padre disse também, ESPANTEM, que, na opinião dele, quando isso acontece a hóstia deixa de ter valor. Que absurdo! Quantos milagres eucarísticos aconteceram justamente em situações de profanação, para mostra que a hóstia consagrada é o próprio Cristo!

  6. João Teles

    Porque vocês católicos romanos não se preocupam com os casos de pedofilia na Inglaterra e Irlanda onde seus sacerdotes profanam meninos e meninas inocentes ao invés de se preocuparem com a Igreja Independente da Inglaterra?
    Se ela é independente não lhes diz respeito oras.
    E se censurarem este comentário só provará que são coniventes com a pedofilia, e a ocultação da “verdade”.
    Isso realmente não me supreenderia.
    José Roberto