Miscelânea de véspera de feriado

closeAtenção, este artigo foi publicado 8 anos 1 mês 27 dias atrás.

Mais coisas a comentar do que tempo para o fazer…

Manifesto do Silêncio, proposto pela ABRACEH, sobre o julgamento da psicóloga Rozangela Justino que foi remarcado para o dia 31 de julho de 2009. A ABRACEH também destaca a atividade do deputado federal Paes de Lira, que – entre outras coisas – conseguiu aprovar um requerimento para que houvesse uma audiência pública onde a própria dra. Rozangela, junto com “Joide Miranda (que deixou a condição de travesti), Claudemiro Soares (escritor do livro sobre abordagens terapêuticas para deixar a homossexualidade, ele mesmo tendo saído dela), além do Pastor Silas Malafaia e um representante da CNBB”, possam expressar o seu ponto de vista “acerca do Estatuto da Família e Leis da Homofobia”. Não sei a data desta audiência.

– Hoje é dia de São Thomas More e São João Fisher, mártires da Reforma Protestante na Inglaterra que não aceitaram o cisma de Henrique VIII. Vejam este texto e este outro sobre São João Fisher, junto com este e este sobre São Thomas More. E que os santos que não se dobraram diante do protestantismo possam interceder pela conversão dos hereges e cismáticos à única Igreja de Cristo.

Campanha pela santificação do clero brasileiro lançada pelo Veritatis Splendor. Nas atuais conjunturas chega às raias da utopia [possui coisas como “[q]ue os sacerdotes sejam absolutamente fiéis ao Magistério e valorosos defensores do Papa”, “[q]ue os sacerdotes ensinem a verdadeira DSI e a verdadeira moral, e deixem de favorecer a Teologia da Libertação” e “[q]ue os sacerdotes honrem o latim na liturgia e celebrem a Missa, mesmo na forma ordinária, em latim em suas igrejas”…], é forçoso reconhecer, mas precisamos rezar pelos nossos sacerdotes. Que a Virgem Santíssima consiga um portentoso milagre para esta Terra de Santa Cruz.

Presos dois homens acusados de intolerância religiosa. Protestantes da “Igreja Geração Jesus Cristo” (sic). É o primeiro caso de prisão por intolerância religiosa que ocorre no Brasil. A despeito de ser óbvio que ninguém pode invadir a casa dos outros e sair quebrando as coisas, a condenação está equivocada e pode abrir um perigoso precedente, porque caberia no máximo uma pena por invasão de domicílio e danificação de propriedade privada, não por “intolerância religiosa”. Guardadas as devidas e necessárias proporções entre os protestantes sem noção e os católicos de antigamente, destruir ídolos é em si uma coisa boa. Hernan Cortez o fez no México, e São Francisco Xavier, na Indonésia. Quando o Estado começa a se meter em questões religiosas, legislando sobre matéria que não tem competência, onde estão os defensores do Estado Laico?

FSSPX ordena treze novos sacerdotes nos Estados Unidos, “de surpresa”, em meio à polêmica sobre outras ordenações que estavam marcadas para o fim do mês; estas que geraram celeuma estão programadas para o dia 27 de junho, na Alemanha. Bom, o que dizer diante disso? Por um lado, cabe perguntar se não seria possível à FSSPX esperar um pouco e ter um mínimo de deferência ao Santo Padre que, não obstante esteja tratando com tanta benevolência os lefebvristas, ainda não conferiu status canônico algum à Fraternidade; por outro lado, talvez fosse utópico achar que uma simples canetada fosse transformar de repente a São Pio X em ovelha dócil e fiel ao Sucessor de Pedro. Estas ordenações provavelmente vão gerar ainda mais confusão. Rezemos pelo Papa, rezemos pela FSSPX.

Alguns mitos sobre as cruzadas, texto excelente disponível na Quadrante. “A atual visão a respeito das Cruzadas nasceu do Iluminismo do século XVIII. Muitos dos então chamados “filósofos”, como Voltaire, pensavam que a Cristandade medieval fora apenas uma vil superstição. Para eles as Cruzadas foram uma migração de bárbaros devida ao fanatismo, à ganância e à luxúria. A partir desse momento, a versão iluminista sobre as Cruzadas entrou e saiu de moda algumas vezes. As Cruzadas receberam boa imprensa e foram consideradas como guerras de nobreza (mas não de religião) durante o Romantismo e até o início do século XX. Depois da Segunda Guerra, contudo, a opinião geral voltou-se decisivamente contra as Cruzadas. Na esteira de Hitler, Mussolini e Stalin, os historiadores concluíram que a guerra por motivos ideológicos – seja qual for a ideologia em questão – é abominável”.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

9 thoughts on “Miscelânea de véspera de feriado

  1. Pedro

    O Sérgio von Helde, da Igreja Universal, provavelmente teria sido condenado pelo mesmo crime, previsto no Código Penal (art. 208), quando chutou a imagem de Nossa Senhora Aparecida diante das câmeras de TV, se não tivesse ido logo embora para os Estados Unidos.

  2. Marcelo

    Jorge,
    pelo texto do Globo, ficou bem caracterizado o crime de intolerância religiosa, até mesmo pelos antecedentes. Ao contrário, acho que nós, católicos, também precisamos usar esses dispositivos legais a nosso favor, quando nos atacam e tentam ridicularizar a nossa fé.
    Sds.,
    de Marcelo.
    E bom feriado.

  3. Fora os Santos

    “…destruir ídolos é em si uma coisa boa.”

    Começando por destruir as imagens dos “santos” da igreja católica.

  4. Renato Lima

    ”Guardadas as devidas e necessárias proporções entre os protestantes sem noção e os católicos de antigamente, destruir ídolos é em si uma coisa boa. Hernan Cortez fez no México, e São Francisco Xavier, na Indonésia. ”

    Ué Jorge! São Francisco Xavier e Hernan Cortez foram católicos de antigamente!

    O que você quis dizer com isso: ”Guardadas as devidas e necessárias proporções entre os protestantes sem noção e os católicos de antigamente”?

    Podemos ir muito mais além, pegando o exemplo de São Nicolau:

    “Em 325, São Nicolau participou do Primeiro Concílio Ecumênico. Neste Concílio, foi proclamado o Símbolo de Fé de Nicéia, e nele São Nicolau levantou-se contra o herege Ário, ao lado de São Silvestre, Bispo de Roma (2 de janeiro), Santo Alexandre de Alexandria (29 de maio), São Spyridon de Trimitonto (12 de dezembro) entre outros Padres. São Nicolau, cheio de zelo pelo Senhor, atacou o herege Ário com palavras, inclusive batendo-lhe no rosto. Por causa disso, foi desprovido das honras episcopais e colocado sob vigilância. Mas muitos Santos Padres tiveram a visão de que o próprio Senhor e a Mãe de Deus estavam lhe restaurando o Evangelho e o omofórion. Os Padres do Concílio entenderam, então, que a audácia do santo era agradável a Deus, e o reabilitaram ao seu ofício de bispo. Retornando à sua diocese, o santo levou paz e bênçãos, semeando a palavra da Verdade, eliminando heresias, nutrindo seu rebanho com sãs doutrinas e fornecendo-lhes comida.”
    http://theintellectuallife.blogspot.com/2007/12/so-nicolau-o-taumaturgo.html

    http://ocafs.oca.org/FeastSaintsViewer.asp?SID=4&ID=1&FSID=103484

    “Durante os debates, São Nicolau, ouvindo a blasfêmia ariana ficou tão indignado que agrediu seu opositor diante de todos. Pela indisciplina, o Concílio retirou a dignidade episcopal a São Nicolau. Logo após este incidente, porém, alguns bispos tiveram uma visão em que Senhor Jesus Cristo entregava à São Nicolau Evangelho e a Virgem Mãe de Deus impunha-lhe Seu manto. Os bispos entenderam como contrária a vontade de Deus a heresia ariana, reintegrando São Nicolau em seu múnus e sede episcopal.”
    http://www.ortodoxia.org.br/sinaxe/s_nicolau.html

    Comentário do Sidney do blog Contra impugnantes

    Em tempo: Durante o Concílio de Nicéia (325), São Nicolau — aquele que o mundo sem fé transformou no “bom” velhinho Papai Noel — esmurrou o herege Ário, autor da tese que negava a divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo. Na ocasião, ninguém acusou a São Nicolau de falta de caridade. É claro que não estamos nós aqui a dizer que vamos esmurrar “A”, “B” ou “C”, mas aduzimos este exemplo apenas para mostrar que o zelo pela verdade da fé deve estar muitíssimo acima de respeitos humanos e de conveniências políticas, ou até mesmo de sanções eclesiásticas (nos casos em que a autoridade hierárquica depõe voluntariamente a sua autoridade magisterial e contraria a Tradição, e usa de alguns meios disciplinares para calar os que se recusam a seguir os erros. Aqui, vale o princípio da obediência ao princípio superior).

    http://contraimpugnantes.blogspot.com/search?updated-max=2009-06-02T06%3A01%3A00-07%3A00&max-results=7

  5. Jorge Ferraz Post author

    Renato Lima,

    Eu quis simplesmente deixar bem claro que uma coisa é São Francisco Xavier e, outra, o “pastor” da “Igreja Geração Jesus Cristo”, a despeito de ambos terem quebrados ídolos.

    Abraços,
    Jorge

  6. Lampedusa

    Por curiosidade, e para sanar a ignorância paulistana, que feriado é hoje?

  7. lucas

    Na minha opinião foi intolerancia religiosa. Alem de quebrarem tudo dentro do templo espirita, postaram na internet que os espiritas invocam o diabo.

  8. Renato Lima

    Nenhuma surpresa…

    causaram as ordenações sacerdotais da Fraternidade Sacerdotal São Pio X em Winona, Estados Unidos, aos que conhecem o mínimo de sua vida. As mesmas já estavam oficialmente previstas no calendário acadêmico 2008-2009 do seminário Saint Thomas Aquinas e seu convite estava disponível a qualquer um que se interessasse a diligentemente esclarecer notícias comumente imprecisas da blogosfera pouco inteirada. Também outros meios católicos noticiavam com razoável antecedência a realização das ordenações, de modo que não poderiam nunca ser consideradas “às escondidas” ou “por debaixo dos panos” [1, 2, 3].

    As ordenações de Winona seguem a mesma política adotada pela Fraternidade em relação às ordenações de Zaitzkofen e Ecône: “Quando, em 21 de janeiro de 2009, Roma retirou o decreto de excomunhão de 1988 contra os quatro bispos da Fraternidade, o Santo Padre certamente tinha em vista uma medida de vida e não de morte”, explicou o reitor do seminário alemão, padre Stefan Frey. “Não podemos simplesmente dizer agora, ‘parem de respirar’. Nós precisamos respirar. E, definitivamente, se o Papa foi tão bom ao retirar as excomunhões, significa que ele não quer que agora morramos”, recentemente declarou Dom Bernard Fellay. Sua Excelência ainda afirmou que “o problema é apenas na Alemanha. Em Roma há simpatia por estas ordenações, mesmo se dizem que é ilegal e não está de acordo com o Direito Canônico. Disseram-nos que estamos em um estado intermediário no qual podemos falar de paz, no qual Roma pode também observar-nos”.

    O que surgiu como surpresa a alguns se deve ao fato dos bispos americanos e suíços não terem se juntado ao episcopado alemão em seu “escândalo farisaico”, consequentemente, não atraindo os olhos da mídia anti-católica ávida em atacar a Igreja. Entretanto, o que surpreende na verdade são aqueles que inconscientemente acabam apoiando, por um suposto zelo, a postura de boicote sistemático dos bispos germânicos ao Papa Bento XVI.

    http://fratresinunum.com/2009/06/23/nenhuma-surpresa/