Exaltação da Santa Cruz

closeAtenção, este artigo foi publicado 7 anos 10 meses 10 dias atrás.

Festa de Exaltação da Santa Cruz, antecipada. Missa cantada. Dois anos de entrada em vigor do Summorum Pontificum. Incenso e gregoriano. Sacrifício latrêutico, eucarístico, propiciatório e impetratório. Sacrifício vere et proprie. A Deus, em nosso favor. Obrigado, Senhor.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

15 thoughts on “Exaltação da Santa Cruz

  1. Jailson Oliveira

    Jorge,

    Que felicidade ver estas fotos. São um pequeno registro daquela Santa Missa. Lá, todos o nossos sentidos foram direcionados para a Divina Liturgia. O som do Gregoriano, o incenso, a luz das velas, os passos do sacerdote, a reverência dos que ali estavam, as orações em Latim, enfim, o Céu na Terra.

    Muito obrigado!

  2. Antonio

    Caro Jorge,

    A propósito, se foi mesmo cantada, os presentes puderam ouvir uma das mais belas melodias gregorianas de todo o Gradual Romano, composta para o gradual “Christus factus est”, de inegável acento sacrificial/redencional, e que se pode ouvir nesta excelente gravação do link abaixo:

    http://www.youtube.com/watch?v=GuqVWX-9KKg

    Este é o mesmo gradual da Missa de Lava-Pés no rito tradicional, que, para a Missa Nova, Bugnini fez questão de retirar, colocando no lugar o gradual “Oculi ómnium”, que acentua… o banquete! Fosse uma alteração isolada, ainda que bastante discutível à luz da milenar tradição daquele outro texto na referida liturgia, poderia até passar sem maiores problemas. Mas sabe-se bem a que utilidade, juntamente com outras centenas, essa modificação se prestou.

    Ao longo dos últimos seis séculos, esse texto também inspirou muitas composições polifônicas, dentre as quais destacaria o moteto homônimo de Anton Bruckner, que soube, neste precioso caso, livrar-se da escola romântica que tanto contaminou a música de seu tempo e que dela se instrumentalizou:

    http://www.youtube.com/watch?v=i6fAT3iGRWc

    Por fim, sem relevante desmérito à beleza das fotos que compartilhou com todos, chamou-me a atenção os microfones no coro: bem dispensável, e igualmente inadequado para o gregoriano e, em geral, para o canto da liturgia da Missa. Sempre quando possível, exortemos padres e cantores a desenvencilharem dessa inovação tecnológica, rarissimamente necessária e mui frequentemente dessacralizante. Arrisco-me a dizer que qualquer grupo de fiéis ou sacerdotes “viciados” em microfones seria capaz de, em pouquíssimo tempo de persistência, reconhecer a enorme vantagem da voz bem colocada e sem amplificação.

    Em Cristo e Maria,

    Antonio

  3. Roberto

    Antonio,
    As Vesperas de hoje comecam com a Vexilla Regis.
    Voce sabe onde eu posso baixar esse canto?

  4. Blog Mallmal

    Jorge, esse é um ponto que nunca vou entender. Não conheço nenhum momento na Bíblia onde Cristo ordena que se venere ou cultue dois pedaços de pau amarrados ou colados. Muito menos o mesmo objeto com uma representação de um cadáver torturado.

    Existe alguma fundamentação bíblica para isso?

  5. Jorge Ferraz Post author

    Mallmal,

    Você vai começar a entender melhor quando largar o fundamentalismo protestante. O Catolicismo não é uma “religião do livro”.

    Não existem ordenanças expressas na Bíblia para que se venere a Cruz de Cristo, nem as rubricas da festa da Exaltação da Santa Cruz constam nas Escrituras Sagradas. Mas São Paulo dizia que “nós pregamos Cristo crucificado, escândalo para os judeus e loucura para os pagãos” (I Coríntios 1,23). E é o mesmo São Paulo a dizer aos Gálatas: “Quem vos fascinou a vós, ante cujos olhos foi apresentada a imagem de Jesus Cristo crucificado?” (Gálatas 3,1b).

    Abraços,
    Jorge

  6. Antonio

    Prezado Roberto,

    Salve Maria!

    Não entendi precisamente o que você me pediu: se a notação gregoriana para o “Vexilla Regis”, ou se uma gravação (áudio) para o mesmo hino. Na dúvida, adianto-me com ambas. A partitura pode ser encontrada em vários livros disponíveis gratuitamente no site http://www.musicasacra.com, dentre os quais o “Officium Majoris Hebdomadae et Octavae Paschae (1923)” (p. 339), “Liber Brevior (1954)” (p. 228) e “Liber Usualis (1961)” (p. 575).

    Curiosamente, neste último só se acha o hino ao longo da liturgia das Vésperas do Primeiro Domingo da Paixão (da Missa “Judica me Deus”), porque àquela altura o então todo-poderoso Bugnini já havia promovido tanto a supressão da festa da Descoberta da Santa Cruz (comemorada no calendário pré-bugniniano em 3 de maio, em cujas Vésperas também se canta o hino) quanto a alteração dos ofícios de sexta-feira da Paixão. Abrindo-se parênteses quanto a isso, mons. Bartolucci, ex- mestre-de-capela da Capela Sistina, conta-nos um episódio para lá de esclarecedor numa recente entrevista:

    http://fratresinunum.com/2009/08/17/resista-maestro-resista/

    Nas entrelinhas, ele também nos dá mais uma evidência de que nem tudo que passa pela canetada de um papa tem seu real e/ou material assentimento, para arrepio dos legalistas.

    Uma gravação com razoável qualidade técnica e musical pode ser ouvida a partir do link abaixo. Com muitíssima adequação litúrgica, o coro da gravação escolheu este hino para canto vário durante o ofertório de uma Missa de tempo da Paixão; infelizmente, no entanto, com acompanhamento de órgão, o que, salvo quando tecnicamente necessário (o que não me parece ter sido o caso deles) teria ignorado uma antiga e longamente reeditada restrição a este instrumento, prescrita para os tempos de advento e quaresma:

    http://www.youtube.com/watch?v=wivAfXH5TGo

    Gravações para dezenas de outras Missas podem ser acessadas pelo link do usuário abaixo:

    http://www.youtube.com/profile?user=konigskinder&view=playlists

    Enfim, a rápida abolição do milenar “Vexilla Regis” é mais uma evidência de que, para mons. Bugnini, a solução do escândalo da cruz entre os protestantes e pagãos pela mitigação de sua doutrina teria mais valor do que sua salvífica pregação. Não tenho, no momento, condições de confirmar minhas suspeitas, mas provavelmente, se o hino tiver sido mantido no novo breviário (Liturgia das Horas), deve estar muito encostado num canto do livro, em vernáculo, sem música, e com a indicação de “opcional” — tudo à semelhança do que fizeram com o “Dies Irae”.

    Em Cristo e Maria,

    Antonio

  7. Roberto

    Antonio,
    Muito obrigado pelos esclarecimentos.
    Era isso mesmo,eu queria ouvir esse belo canto,de fato sem o orgao, ficava melhor mas tem varias outras gravacoes, ali mesmo no link que voce indica.
    Pois e, no meio tradicionalista existe uma ignorancia e um desprezo pelos efeitos das mudancas(decadas de 40 e 50), nas rubricas e no calendario, sobre os ritos liturgicos.
    Lamentavel.
    Mais uma vez obrigado.

  8. Antonio

    Caro Roberto,

    Observe apenas que, entre as demais gravações, há uma (ou algumas) que tem texto e canto um pouco diferentes. Trata-se provavelmente de uma versão da Igreja milanesa, cunhada ao longo de sua antiquíssima tradição, apesar de que a música não se pareça com o que modernamente se identifica como “canto ambrosiano”. Deve ser uma adaptação gregoriana (mais ou menos antiga) à versão do texto do hino tal como lhes foi transmitida desde o séc. VII.

    Salve Maria!

    Antonio

  9. Tamyres

    Jorge,

    Que bom ver essas fotos! Lembrei-me da celebração do ano passado: belíssima!

  10. Blog Mallmal

    Jorge,

    (não vou citar porque há poucos comentários)

    Ok,

    Então QUEM decide os símbolos e os ritos?
    Seres humanos passíveis de falhas e interessados em Política e Finanças?