Dois curtas aviltantes

closeAtenção, este artigo foi publicado 7 anos 10 meses 24 dias atrás.

1. Excomunhão imposta por Dom José é desaprovada (para assinantes). “[U]ma pesquisa do Ibope encomendada pela ONG Católicas pelo Direito de Decidir mostra que 86% dos católicos discordam da decisão tomada pelo então arcebispo de Olinda e Recife, dom José Cardoso Sobrinho”.

Nem sei por onde começar. Não sei se dá para confiar, antes de tudo, nas pesquisas encomendadas (a expressão é excelente!) por estas senhoras. Depois, Dom José não “impôs” excomunhão nenhuma, mas apenas citou a punição automática prevista pelo Código de Direito Canônico, como já foi ad nauseam explicado. Depois, a (má) opinião dos (maus) católicos não faz a menor diferença neste assunto. Depois, o péssimo artigo de dom Rino Fisichella não é (como diz a reportagem) “o Vaticano se pronunciou”. Enfim, é uma péssima matéria, que só serve para lançar sombras à figura do grande Dom José Cardoso Sobrinho e, por extensão, à Igreja Católica.

Enquanto isso, nas notícias relacionadas, jovem conta como fez o próprio aborto. “Essa decisão era minha, de mais ninguém. Sabe a vontade que muita gente tem de ter um filho? Pois bem, eu tinha essa mesma vontade, só que para não ter filho naquele instante”. E, no final da notícia: “Católica, Marina defende o aborto para as mulheres que não queiram ter um filho”. Sim, católica. Como o presidente Lula, as Católicas pelo Direito de Decidir et caterva.

* * *

2. Essa Deus não perdoa, entrevista de Dom Cappio à Veja (via Acarajé Conservador). “O Lamarca é um mártir” – quem o diz é Sua Excelência. E pretende fazer “um santuário para todos os mártires da diocese”.

Para a Igreja Católica, “mártir” é quem é morto por ódio à Fé. Para Dom Cappio, “mártir” é “quem morre em defesa de uma causa justa e derrama seu sangue por valores evangélicos”. Mesmo que a causa “justa” em questão seja a instauração de um regime assassino e condenado pela Igreja, e mesmo que os valores “evangélicos” aqui sejam os da Heresia da Libertação.

Dom Cappio, portanto, não define “martírio” da mesma forma que a Igreja. E é bispo católico. Faço coro ao que perguntou o professor Felipe Aquino: até quando isso ficará sem providências?

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

11 thoughts on “Dois curtas aviltantes

  1. karina

    Pena que não consegui ler nenhuma das reportagens, eram todas para assinantes.
    Mas, lendo ou não lendo, fica aqui minha opinião:

    1) Não sei por que as Católicas pelo Direito de Decidir ainda não se tocaram que deveriam mudar seu nome para Excomungadas pelo direito de matar.

    2) Pobre jovem, Deus tenha misericórdia. Pior que as Excomungadas pelo Direito de Matar usam a ilustração bíblica do Anúncio do Anjo Gabriel e o “Sim” de Maria para dizer que Deus é favorável que a mulher decida sobre sua gravidez. Ai, dá uma revolta. Primeiro, porque Deus não pergunta à Maria depois que ela engravida. Segundo porque o grande “quê” do mistério da Anunciação é justamente ver uma MENINA, POBRE e NOIVA aceitando o dom da maternidade, mesmo sabendo que poria sua vida em risco.

    Jesus, tem misericórdia!!

  2. Francisco Campos

    Um padre considerar Lamarca um “mártir” pode significar o seguinte:
    a) Dom Cappio é ignorante em relação às intenções desse Lamarca;
    b) Dom Cappio deve conhecer Lamarca na versão de Sérgio Rezende, com Paulo “mãos sujas” Betti;
    c) Dom Cappio sabe quem foi Lamarca e apóia a sua causa;
    d) Dom Cappio deve estar com problemas mentais devido à transposição do Rio São Francisco.
    Seja como for, o bispo precisa ser contido…

  3. Mike

    ah claro… imagina dom Cappio chamando de martires… o pe. Jozef Tiso, o primaz Stepinac, os bispos Ivan Saric e Dragutin Kamber (amigos de Pavelic), o pe. franciscano Miroslav FIlipovic(chefe de Jasenovac) ou o spadres franquistas mortos na guerra espanghola?? aí tudo bem.. né??

  4. Lampedusa

    Palavras de Bento XVI no avião a caminho da capital européia do indiferentismo religioso – Praga:

    “il dialogo intellettuale tra agnostici e credenti”. “Ambedue – così si è espresso Benedetto XVI – hanno bisogno dell’altro: l’agnostico non può esser mai contento di non sapere se Dio esiste o no, ma deve essere in ricerca della grande verità della fede. Il cattolico non può essere contento di avere la fede ma deve essere in ricerca di Dio ancora di più e nel dialogo con gli altri reimparare Dio in modo ancora più profondo”.

  5. Marcelo

    Mike,
    continuo rezando por vc. Tá difícil, mas para Deus nada é impossível.
    Sds.,
    de Marcelo.

  6. José Augusto de Castro Neto

    É fácil adorar uma pessoa sem conhecer o outro lado de sua verdade. Tudo o que for ccntra nossa opinião, deve ser alegada a mentira ou “a falsa interpretação implantada entre os humildes”.

    Quanto à adoração de Dom Cappio a Carlos Lamarca, sugiro, então, a leitura de um documento neutro: a autópsia o Tenente PMSP Alberto Mendes Jr, sua vítima, onde se encontra detalhada a tortura impingida pelo “herói”: além de crânio esmagado por coronhadas e as tres facadas de misericórdia, em seu estômago foram enconrados seu pênis e, travados no esôfago, os dois testículos engolidos algum tempo antes dos esmagamentos cranianos, esses feitos pessoa e lentamente.

    Isso não foi publicado ostensivamente na época por causa da censurs estatal, que procurava manter o moral das tropas envolvidas. Mas pode ser lido hojen internet.

    Homenagear um criminoso dessa espécie é ofender a Deus.