Carta à CNBB – Nomeação de Abortista para o STF

closeAtenção, este artigo foi publicado 7 anos 10 meses 24 dias atrás.

[Carta enviada a Sua Excelência Reverendíssima Dom Dimas Lara Barbosa, Secretário-Geral da CNBB, por ocasião do apoio à indicação de Toffoli para o Supremo Tribunal Federal.]

Sua Excelência Reverendíssima,
Dom Dimas Lara Barbosa,
Secretário-Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil,

Conceda-me V.E.R. a sua bênção!

Excelência, foi com profundo pesar que encontrei nos meios de comunicação – v. http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u630895.shtml – a seguinte manchete: CNBB defende indicação de Toffoli para o STF. E a seguinte frase proferida por V.E.R.:

“O ministro sempre tem declarado ser uma pessoa católica. O próprio padre Toffoli dá testemunho do irmão, não só falando da sua competência como também do seu proceder ético. Nesse sentido, esperamos que no Judiciário possa exercer sua função contando com a colaboração do futuro ministro de fazer a justiça acontecer no nosso país”.

Não consigo compreender os motivos que levaram V.E.R. a fazer semelhante declaração, nem sei quem está assessorando V.E.R., mas sei que tal declaração é um profundo e doloroso golpe desferido contra os católicos que, nesta Terra de Santa Cruz, amamos a Igreja de Nosso Senhor e nos esforçamos para defender os Seus direitos.

O ministro que “sempre tem declarado ser uma pessoa católica” é, além de petista (e V.E.R. deve se lembrar do recente caso do direito à objeção de consciência negado a dois petistas pelo Conselho de Ética do partido), publicamente favorável ao aborto e ao “casamento” de homossexuais, como pode ser visto na seguinte reportagem da revista VEJA:

O senhor é católico praticante, e a Igreja defende a manutenção da criminalização do aborto. Não há aí uma contradição? Respondo com tranquilidade: sou contra o aborto. E duvido que exista sobre a Terra algum ser humano favorável ao aborto. Mas o problema tem de ser encarado de outro ponto de vista: qual é a melhor forma de combatê-lo? Qual é a melhor maneira de diminuir o número de casos de aborto? A criminalização não é a resposta. Ela pode até ser importante do ponto de vista moral para dizer que é algo errado, incorreto, mas não resolve o problema. Não adianta alimentar uma polêmica de religião versus estado ou de feminismo versus Igreja. É necessário que as pessoas pensem na melhor forma de combater o aborto. Resumindo: sou contra o aborto e contra sua criminalização.

[…]

O senhor também já deu parecer favorável à união civil entre pessoas do mesmo sexo. Essa é uma posição do governo? Essa é uma posição da interpretação das leis do Brasil. Está clara na Constituição a proibição de discriminação de qualquer espécie. Eu entendo que a Constituição atende também à realidade do homossexualismo. Na medida em que há uma relação homoafetiva, você tem de protegê-la legal e constitucionalmente. A Igreja tem todo o direito de considerar isso um pecado. Aquele que é católico vai se entender com a Igreja. Agora, o estado e AGU têm de se pautar pela Constituição, que proíbe a discriminação de qualquer espécie.

Fonte: http://veja.abril.com.br/060509/entrevista.shtml

Então, resumindo: o sujeito é petista, é publicamente favorável ao aborto, publicamente favorável à união civil entre pessoas do mesmo sexo e, portanto, publicamente favorável a coisas que são frontalmente contrárias à Lei Natural, e V.E.R. vem a público defender a sua nomeação para o Supremo Federal Tribunal, enaltecendo a sua “competência” e o seu “proceder ético”? Que competência, Excelência? Que ética?

Perdoe-me V.E.R. pela dureza das palavras que este email carrega, mas é preciso dizê-lo com clareza: Excelência, estamos cansados! Estamos cansados de nos envergonharmos dos nossos bispos e de nossa Conferência Episcopal. Estamos cansados de encararmos a CNBB como sendo uma inimiga da qual, a qualquer momento, pode vir um golpe traiçoeiro desferido contra a Igreja de Nosso Senhor. Estamos cansados de dar murros em ponta de faca e de defendermos em público tudo aquilo que a Igreja ensina e defende para, depois, no dia seguinte, os meios de comunicação publicarem que a CNBB defende precisamente o contrário. Com que cara ficamos nós, Excelência, que não queremos senão ser católicos, quando os nossos bispos vêm a público defender o contrário do que a Igreja defende? Como não sentir uma profunda dor da alma, ao vermos que as nossas muralhas estão guardadas por sentinelas pusilânimes e relapsas, que parecem não temer Aquele Dia no qual o Justo Juiz vai pedir contas do trabalho que fizeram e deixaram de fazer?

Para ficar somente no exemplo do caso concreto (poderíamos trazer incontáveis outros), no caso da presente indicação do petista abortista para a vaga do Min. Direito no Supremo Tribunal Federal, vários católicos Brasil afora protestaram contra a presença do defensor do aborto no STF. Para não me alongar desnecessariamente, tenha V.E.R. a bondade de conferir os seguintes links:

http://contra-o-aborto.blogspot.com/2009/09/toffoli-o-papista.html

http://diasimdiatambem.wordpress.com/2009/09/29/toffoli/

E então, Excelência? Quando nós, católicos, levantamo-nos em público contrariamente à nomeação de um sujeito que é pró-aborto para o Supremo Tribunal Federal do Brasil e, no dia seguinte, as manchetes dos jornais dizem que a CNBB apóia a indicação do mesmíssimo indivíduo para o mesmíssimo cargo, como Vossa Excelência acha que nós ficamos? De que maneira podemos defender a Igreja, se os senhores bispos desta Terra de Santa Cruz estão empenhados em atraiçoá-La covardemente?

Excelência, não queremos senão ser católicos. E não queremos senão ter bispos católicos, que parem de atrapalhar o já árduo trabalho de defender a Igreja nesta sociedade paganizada onde vivemos. É acaso isso pedir demais? Será possível que a Conferência vai continuar a vida inteira militando contra tudo aquilo que a Igreja sempre ensinou e defendeu? Será possível, Excelência, que nos será negada até mesmo a esperança de vislumbrar uma luz no fim do túnel?

Com uma profunda dor na alma,
e rezando pelos Sucessores dos Apóstolos,
subscrevo-me,
filialmente,

Jorge Ferraz
Leigo Católico,
Recife/PE

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

65 thoughts on “Carta à CNBB – Nomeação de Abortista para o STF

  1. Guilherme

    Me intrometendo:

    Não-religioso, pode ser?

    Impossível.

    E se você quer que seja religioso, por que motivo racional deveria ser pelo da sua religião?

    “Porque ela criou a civilização ocidental” já seria um bom motivo racional.
    Mas esse é o grande defeito do estado laico. Por não definir a religião oficial as discussões morais tendem a andar em círculos.

  2. Jorge Ferraz Post author

    Ah, Mallmal (este ia passando batido):

    “E você quer que os juízos morais sejam emitidos em que contexto?”

    Não-religioso, pode ser?

    Para fins argumentativos, pode, e é exatamente assim que vem sendo feito.

    E se você quer que seja religioso, por que motivo racional deveria ser pelo da sua religião?

    Por que você insiste no espantalho?

    Não conheço um único católico que defenda prisão para quem faltar à missa do Domingo. Todos os aspectos morais para a vida pública defendidos pela Igreja são precisamente aqueles válidos para todos os homens independentes de religião.

    “Do que está falando?”

    Da lei natural. Assassinato é uma constante no mundo do seu Deus, logo deve ser bom. VIVA a LEI NATURAL!

    Repito: por que insiste no espantalho? Você não é doente, nós já discutimos isso aqui, então você sabe perfeitamente bem que a Lei Natural obviamente não é “o que acontece no mundo”.

    Se você se refere a Lei Natural como Lei Divina (uma clara ressignificação – propaganda enganosa – do conceito de “natural”), vale a pergunta acima.

    O Aquinate explica melhor do que eu:

    http://hjg.com.ar/sumat/b/c90.html

    http://hjg.com.ar/sumat/b/c91.html#a2

    http://hjg.com.ar/sumat/b/c94.html

    http://hjg.com.ar/sumat/b/c95.html#a2

    Abraços,
    Jorge

  3. Gus

    “Por isso.
    Se a lei proteje os indivíduos sem distinção, para quê direitos especiais para os homossexuais? Seria favoritismo”

    Estou falando do direito que a pessoa tem de escolher com quem ela quer viver e de ser amparada pela lei.
    Mas entendi, tu é a favor que os homossexuais tenham seus direitos negados e contra qualquer lei que visse diminuir o preconceito que sofrem.

  4. Josebias

    [Estou falando do direito que a pessoa tem de escolher com quem ela quer viver e de ser amparada pela lei]

    Não adianta. Pelo que andei lendo, esse blog é composto, em sua maioria, de gente tapada, primitiva ao extremo, fanáticos papa-hóstias.

    Fui!