Sobre o Sudário de Turim

closeAtenção, este artigo foi publicado 7 anos 10 meses 14 dias atrás.

Entre vários outros lugares, saiu na VEJA: Cientistas recriam Santo Sudário. Tive uma enorme sensação de Déjà vu quando li a notícia, pois estou certo de já ter lido a mesmíssima coisa há alguns anos. Infelizmente, não consegui encontrar, porque o Google só traz, sobre o assunto, estas notícias recentes.

Nada de novo. Apontou muito perspicazmente o Marcio Antonio no Tubo de Ensaio:

“O pano então foi colocado sobre um estudante que usava uma máscara para reproduzir o rosto, e esfregado com um pigmento vermelho muito usado na Idade Média”, diz o texto. Bom, então suponho que quando analisarem o pano produzido pelo grupo italiano, haverá vestígios de pigmento nele, certo? Tá, mas no Sudário de Turim não havia vestígios de pigmento. Em vez disso, o que acharam foi sangue humano e pólen.

Não seria a primeira vez que a militância anti-religiosa tomaria o lugar da ciência. Em outra ocasião, um cientista confessou fraude contra Santo Sudário. E assim caminha a humanidade…

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

19 thoughts on “Sobre o Sudário de Turim

  1. João C.

    Olá Jorge!

    Infelizmente, de tempos a tempos, aparecem estas “investigações”, que nã têm outro objectivo que não promover o anti-catolicismo. Culpa no cartório tem também a imprensa, que propaga aos 4 ventos este tipo de “notícias”, mas que se cala quando há alguma novidade que favoreça a Santa Igreja.

    No entanto, a Verdade vencerá e esmagará estes inimigos de Deus e da Santa Igreja Católica.

    Um abraço de Portugal:)

  2. Renato

    Jorge e demais visitantes deste blog.

    Peço que entrem neste endereço para desmascarar um protestante chamado Paulo Pires.

    Como muitos sabem (já mencionei isso aqui) passei muitos anos no ateísmo, mais quero defender a minha Santa Igreja das artimanhas protestantes. Acontece que o senhor Paulo Pires usa a velha tática do ”agitprop” protestantes.

    Se alguém entrar, peço que leiam os meus comentários e o do protestante Paulo Pires (reconheço que exagerei em muitos pontos).

    Estou pedindo ajuda porque estou com problemas no meu computador, e como não quero que o protestante pense que estou fugindo do debate peço ajuda para os católicos.

    O endereço é esse aqui:

    http://www.midiasemmascara.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=8840:extraordinaria-intervencao-divina&catid=104:outros&Itemid=122#yvComment8840

  3. Carlos

    Precisava saber também se esse falsário italiano moderno é tão genial quanto o suposto falsário da Idade Média.
    Será que ele também pintou em negativo fotográfico, de forma invertida, como é o Sudário autêntico?
    Será que ele também usou sangue arterial e venoso?
    Será que ele também obteve o efeito tridimencional?
    Todas essas coisas eram desconhecidas na Idade Média.
    A propósito, é a própria Ciência que desmente que o Sudário seja uma pintura medieval: “Nossos aparelhos do Jet Propulsion Center, de Pasadena (EUA), permitiram-nos constatar a autenticidade do Sudário, no sentido de que podemos afirmar com absoluta segurança que não foi pintado por um artista, já que não mostra nenhum sinal daquela direção preferencial que qualquer pintor daria ao seu pincel” (Eric Jumper e John Jackson, cientistas da NASA, da equipe do STURP, tirado do livro “O Sudário do Senhor – Sua Autenticidade e Transcendência”, Manuel Solé, SJ, Ed. Loyola, 7ª edição: São Paulo, p. 119).

  4. Blog Mallmal

    Que mimimi é esse?

    O que é mais provável? Que aquele pano velho tenha sido forjado ou que seja autêntico???

    A Ciência mais uma vez prova o óbvio, acabando com os mitos!

    O tanto de dinheiro que essa maldita cidade de Turim deve ter arrecadado exibindo esse pano sujo chega a ser uma vegonha!

    Além disso, chegam a ser risíveis as refutações do link apontado!

    1) “and they would have moved with the water that diffused through parts of the cloth as the fire was being extinguished”

    QUEM DISSE que foi usada água para apagar o sudário durante sua falsificação? É MUITO MAIS FÁCIL apagar um fogo ocluindo as chamas que jogando água. Bastava cobrir o pano sujo…

    2) “No evidence for pigments or media was found.”

    O que não quer dizer que não existam, já que há outros estudos do mesmo sudário, MESMO COM PEDAÇOS ESCOLHIDOS E OFERECIDOS PELO VATICANO (que obviamente poderiam ser não-pertencentes à peça original e/ou adulterados e/ou não-significativos para análise), que apresentam sinais da presença de pigmento plúmbico.

    3) “It has the properties of a dehydrated carbohydrate.”

    Nossa! Como se pigmentos oriundos de plantas não contivessem carboidratos! Próxima! (Essa foi a PIOR!)

    4) “We had considered and studied Tyrian purple (6,6′-dibromoindigo) and Madder root dye on an aluminum and/or chromium mordant as well as cinnabar (mercuric sulfide) and ferric oxide pigments.”

    Ou seja, só deviam existir ESSES pigmentos na época? Por favor! Os tecelões e alfaiates da época gastavam boa parte de seu tempo em procura de novos materiais para tingir tecidos… Certamente apenas três seriam responsáveis pela coloração avermelhada… Wishful thinking para dizer o mínimo…

    Essa é a melhor! Extremamente falaciosa:

    “Organic dyes included saffron, bile yellow, buckthorn, and weld.”
    e
    “The image was not painted with any inorganic pigment of an appropriate color.”

    Ou seja, havia pigmentos amarelos orgânicos e inorgânicos. Porque ele não detectou inorgânicos, a imagem não foi pintada…

    Pffffffffffffffff…

    Sinto muito, meus caros.

    E não entrei nem no assunto da datação por C14…

  5. Matheus

    Prezado Renato

    Não quero desencorajá-lo, mas sinceramente não sei se um católico fiel ao Magistério da Igreja poderia ter chance de debater construtivamente no Mídia sem Máscara. O site sempre foi um reduto de “tradicionalistas”, muito mais ardilosos e irracionais que a média dos protestantes.

  6. Matheus

    Desculpem-me, agora percebi que expressei-me muito mal acima. O que quis dizer foi que, baseado na minha experiência de leitura de blogs católicos, tanto americanos como brasileiros, geralmente mesmo os piores protestantes não chegam aos pés dos rad-trads em se tratando de desonestidade.

  7. Carlos

    Matheus,
    Você diz que os “rad-trads” são mais desonestos que os piores protestantes. E você, certamente, é mais desonesto que os piores “rad-trads”. Você é tão desonesto que diz que o pessoal do Mídia Sem Máscara é tradicionalista, quando qualquer idiota sabe que ali é tudo liberal. Então, ou você é muito desonesto, ou é mais idiota que os piores idiotas. Eu acho que é as duas coisas. E acho que você também é protestante. Se for, é duplamente idiota e desonesto.
    Passar bem.
    Carlos.

  8. Dionisio Lisbôa

    Gente, manera aí… Já não bastam as abobrinhas do Malmall (este sim, um verdadeiro mi-mi-mi – “mi” convença, “mi” ature, “mi”-aguente), agora temos alguém que chama os católicos fiéis à Tradição de desonestos… morda a língua e olhe para o seu próprio umbigo… Quem é você para nos julgar! Se você acha que o pessoal da Tradição é desonesto, o pessoal do “Veritatis Splendor” é o quê? O baluarte da verdade?

  9. Dionisio Lisbôa

    A datação por carbono 14 é falha pois houve contaminação bacteriológica e alteração do carbono presente no tecido devido aos incêndios. Cientistas russos levantaram esta forte hipótese e o próprio criador do método de datação pelo Carbono-14 se sentiu na obrigação de confirmar isto. Se quiser, depois mando o link! Não tenho medo de confrontar sua mentiras com FATOS!

    REBATENDO AS ABOBRINHAS MALMALLÉFICAS

    “O que é mais provável? Que aquele pano velho tenha sido forjado ou que seja autêntico???”

    R: Eu até gostaria que não fosse autêntico, para minha fé e a de muitos não precisar ainda mais dessa motivação para ser firme no Sacrifício de Cristo (mas vir ainda mais da Graça de Deus), porém todas as circunstâncias levam a crer na autenticidade, ó anta malmallesca!

    “A Ciência mais uma vez prova o óbvio, acabando com os mitos!”

    R: Sua incredulidade e ignorância patentes é que são quase inacreditáveis, chegando perto de se tornar um mito!

    “O tanto de dinheiro que essa maldita cidade de Turim deve ter arrecadado exibindo esse pano sujo chega a ser uma vegonha!”

    R: Mais sujo que o pano é sua boca quando blasfemas contra Deus… Ademais, se o Sudário não é apenas uma relíquia, mas um objeto curioso (como devem achar os ateus menos insensatos), qual o problema de se movimentar a economia de uma cidade com as visitas de turistas? Que mal há nisso? Pior é ficar entrando em blog apenas para tentar ter o estranho prazer de criar mionhoca na cabeça dos outros!

    “Além disso, chegam a ser risíveis as refutações do link apontado!

    1) “and they would have moved with the water that diffused through parts of the cloth as the fire was being extinguished”

    QUEM DISSE que foi usada água para apagar o sudário durante sua falsificação? É MUITO MAIS FÁCIL apagar um fogo ocluindo as chamas que jogando água. Bastava cobrir o pano sujo…”

    R: Ignorância e estupidez em cima de ignorância! É bem documentado que o Sudário estava guardado em uma arca de prata que, com o incêndio no século XVI, começou a se liquefazer e as gotas derretidas da prata e de outros metais que revestiam a arca e que começaram a respingar no Sudário e a queimá-lo, camada por camada (ele estava dobrado), sendo a única saída para conter aquilo a água… Tente cobrir com pano um objeto metálico incandescente, e veja no que dá, ó Sumidade!

    2) “No evidence for pigments or media was found.”

    O que não quer dizer que não existam, já que há outros estudos do mesmo sudário, MESMO COM PEDAÇOS ESCOLHIDOS E OFERECIDOS PELO VATICANO (que obviamente poderiam ser não-pertencentes à peça original e/ou adulterados e/ou não-significativos para análise), que apresentam sinais da presença de pigmento plúmbico.”

    R: A resposta acima responde esta… Ademais, a NASA em 1978 fez uma profunda análise da peça e só encontrou vestígios de sangue AB e pólen! Nem um pontinho sequer de pigmento ou tinta na imagem do Homem do Sudário!

    3) “It has the properties of a dehydrated carbohydrate.”

    Nossa! Como se pigmentos oriundos de plantas não contivessem carboidratos! Próxima! (Essa foi a PIOR!)

    R: Como já disse, o pólen presente no tecido é que contém os aludidos carboidratos. Vale ressaltar que o pólen encontrado pertence basicamente, a quatro lugares: Palestina (inclusive com plantas hoje extintas mas comuns 2.000 anos atrás – isto foi pesquisado por um cientista JUDEU), Constantinopla e, por fim, França e Itália, locais por onde o Sudário esteve EXPOSTO à atmosfera.

    4) “We had considered and studied Tyrian purple (6,6′-dibromoindigo) and Madder root dye on an aluminum and/or chromium mordant as well as cinnabar (mercuric sulfide) and ferric oxide pigments.”

    Ou seja, só deviam existir ESSES pigmentos na época? Por favor! Os tecelões e alfaiates da época gastavam boa parte de seu tempo em procura de novos materiais para tingir tecidos… Certamente apenas três seriam responsáveis pela coloração avermelhada… Wishful thinking para dizer o mínimo…

    R: Aqui você joga com suposições… E o pior, suposiçõe pouco críveis! A púrpura do Líbano já era usada 800 anos antes de Cristo e a própria forma como o Sudário foi tecido (Espinha de Peixe) já era encontrada cerca de 100 ou 200 anos antes… O que indica a manutenção de uma técnica por gerações! Logo, seu argumento aqui
    não se sustenta! É tão falho quanto seu raciocínio!

    “Essa é a melhor! Extremamente falaciosa:

    “Organic dyes included saffron, bile yellow, buckthorn, and weld.”
    e
    “The image was not painted with any inorganic pigment of an appropriate color.”

    Ou seja, havia pigmentos amarelos orgânicos e inorgânicos. Porque ele não detectou inorgânicos, a imagem não foi pintada…”

    R: Estranho todos estes pigmentos orgânicos coinciderem com a descrição de material e secreções oriundas de um cadáver torturado, coroado com espinhos oriundos de uma planta da Palestina, crucificado, transpassado por um lança e a seguir rapidamente tratado com ervas aromáticas pois a Páscoa se aproximava (tal procedimento era comum no sepultamento judaico no século I d.C.)em um experimento feito pelo Dr. Pierre Barbet, uma das maiores autoridades em medicina legal, não? Ele mesmo crucificou inúmeros cadáveres, mas, mesmo assim, não alcançou a riqueza de detalhes e perfeição do Sudário, pois a impressão no pano foi feita por uma queimadura superficial fotoluminescente que durou um milionésimo de segundo, algo impossível na Idade Média (como ainda hoje)… Como já foi dito, nada ali foi pintado, a não ser as mentiras e incredulidade do Malmall…

  10. Matheus

    Prezados Carlos e Dionísio

    Abalaram Paris, santas!…Obrigado por exemplificar o que descrevi.
    Em primeiro lugar, como disse, freqüento sites e blogs católicos há mais 5 anos, e para mim está mais do que claro que rad-trads não são “fiéis à Tradição” coisissíma nenhuma. Por isso tive o cuidado de difrenciá-los dos católicos fiéis ao Magistério, que é o que eu e, presumo, a maioria do pessoal aqui tenta, aos trancos e barrancos, ser.
    Em segundo lugar, se alguém for burro ou idiota aqui são vocês. Fui leitor do Mídia sem Máscara desde o seu início até uns 3 anos atrás. Se ambos conhecessem melhor o site, saberiam que nele costumava freqüentemente haver artigos de D. Lourenço Fleischman e outros, do ponto de vista “tradicionalista”.
    Por fim, gritem, esperneiem à vontade: “tradicionalistas”, especialmente os militantes da Internet,são capazes de expedientes no mínimo tão desonestos quanto os fundies e simpatizantes da “teologia da libertação”.
    A própria atitude desvairada de vocês dois o comprova.

  11. Alien

    Desculpem minha ignorância, mas o que seria rad-trads? Tem alguma tradução correta em inglês?

  12. Matheus

    Prezado Alien

    Em inglês, rad-trad é abreviação de “Radical Traditionalist”. Os católicos americanos mais instruídos fazem distinção entre os “radicais” (do tipo Permanência, etc.) e os siplesmente “tradicionalistas”, aqueles fiéis ao Magistério que propagam sua devoção à liturgia tradicional. A isso que tentei aludir em meu primeiro comentário acima, mas vejo que talvez tenha sido sutileza demais para os dois a quem me dirigi em outro comentário.

  13. Rodrigo

    Matheus,

    Só por curiosidade, por que diz que os rad-trads são desonestos? Eu sei que alguns são, mas pelo que entendi você se refere a maioria.

  14. Carlos

    Matheus,

    “Em primeiro lugar, como disse, freqüento sites e blogs católicos há mais 5 anos, e para mim está mais do que claro que rad-trads não são “fiéis à Tradição” coisissíma nenhuma.”

    De sua primeira mensagen, deduzi que você era protestante. Mas como você diz frequentar sites e blogs católicos há cinco anos, fiquei na dúvida. Acho que você não é protestante, embora tenha muita simpatia pelos hereges, pois diz que eles são mais sinceros que os “rad-trads”. Então, concluo que você é só modernista mesmo, um verdadeiro e autêntico rad-mod.

    Mas para que ficar lendo sites católicos, se você é modernista? Isso vai confundir sua cabecinha oca. Fique só na Samba-Canção Nova mesmo, que já tá de bom tamanho prá você.

    “Em segundo lugar, se alguém for burro ou idiota aqui são vocês. Fui leitor do Mídia sem Máscara desde o seu início até uns 3 anos atrás.”

    Quer dizer que já tem 3 anos que não lê o MSM e ainda quer palpitar sobre o que se escreve lá?

    É. Já vi que o rapazinho é carismático também… Haja dons espirituais para conhecer a sinceridade das pessoas e até para saber o que se passa num site depois de 3 anos de ausência.

    “A própria atitude desvairada de vocês dois o comprova”!

    Nossa! Desvairada! Cuidado, Matheus. Esse excesso de dons pode deixar você meio… desvairada!

  15. Dionisio LisBôa

    Matheus, o herege MODERNISTA! Você é herege sim! Prefere fechar os olhos aos erros praticados nesta “Igreja Pós-Conciliar”, achando que está tudo bem e que não existe crise na Igreja ao mesmo tempo em que não tem como tapar os ouvidos! Vá procurar sua turma! Procure ler o Syllabus de Pio IX, a Pascendi de São Pio X, a Moratalium Animus d Pio XI e a Humanae Generis de Pio XII e confronte com os documentos do Vaticano II, concílio pastoral tão defendido por um bispo que RIFOU Campos… Deixe de ser comodista e vá estudar, ó “arauto do Magitério”!

  16. profeta do profano

    detalhes, ora os detalhes…

    “O Sudário de Turim contradiz o relato do sepultamento de Jesus no Evangelho de São João. No Novo Testamento Grego, contam que Jesus foi envolto em faixas de linho (othonia em Grego), e não em um lençol inteiriço de linho (João 19:40 e 20:6-7). João também diz que o corpo de Jesus foi sepultado numa grande quantidade de aloés e mirra: nenhum traço de quaisquer dessas duas especiarias foi achado no sudário”.

  17. D, R,

    Malmall,

    Quanto ao Santo Sudário, acompanho os estudos científicos sobre ele há vários anos e as evidências sobre a sua autenticidade já são tantas que seria impossível ser uma falsificação medieval; mesmo porque, nem com toda a tecnologia de hoje, ele poderia ser perfeitamente copiado.

    Na verdade, o Sudário não poderia ter sido feito através de um decalque em uma estátua, cadáver ou modelo humano, pois a imagem ficaria desproporcionalmente mais larga do que o normal; e isso não ocorre no verdadeiro Sudário. Restando somente ser uma pintura ou fotografia; porém, já provou-se que o Sudário não é uma pintura e nem sequer uma fotografia comum (que na Idade Média ainda não havia sido inventada), já que a imagem contém informação 3D e é uma RADIOGRAFIA formada por alguma forma de radiação emanada do corpo do Sudário, onde dá para se ver claramente até os ossos e as raízes dos dentes da vítima!

    Quanto à última falsificação da equipe do professor de química Luigi Garlashelli, entre as diversas tentativas fracassadas anteriores, essa parece ter sido a mais convincente. Porém, é como uma nota de dinheiro falsa; à primeira vista e aos olhos dos leigos parece ser verdadeira; mas não escapa da análise de um especialista ou de um microscópio. Aliás, parece que os falsificadores de dinheiro estão anos luz à frente da equipe que falsificou o Sudário; já que, na verdade, essa réplica do Sudário não precisou nem de passar pelos testes mais simples de microscopia para se perceber a fraude! Agora, pesquisa para ver se ela passou nos testes 3D!?

    De todos os inúmeros testes CIENTÍFICOS realizados no Sudário, o único que realmente contestou a autenticidade da relíquia foi a datação por Carbono 14. Porém, ela foi contestada por inúmeros cientistas; sendo a hipótese mais provável a do cientista Ray Rogers que em janeiro de 2005 publicou um ensaio a respeito na Thermochimica Acta que foi o único documento científico revisado por especialistas que desafiava a datação por carbono de uma forma aceitável; ele chegou a conclusão de que, por incrível que pareça, os laboratórios fizeram a datação correta, porém escolheram o pior lugar do Sudário para retirar as amostras (um remendo com algodão feito por retecelagem francesa na Idade Média)… Graças a essa pesquisa, colegas de Ray entraram com um pedido no Vaticano pedindo mais amostras do Sudário para fazer uma NOVA DATAÇÃO(!!!).”

    O documentário: ‘O MISTÉRIO DO SANTO SUDÁRIO’ e também a continuação ‘O SUDÁRIO DE TURIM’, ambos do Discovery Channel (disponível em DVD ou no YouTube), está bem completo, sem sensacionalismo e imparcial; pois entrevista os principais cientistas (cientistas de verdade e não pseudo-cientistas ou ufólogos) envolvidos no estudo oficial do Sudário de Turim.

    Não é preciso ser cientista para verificar que o Sudário é uma RADIOGRAFIA (como bem mostrado no documentário) e não uma pintura ou fotografia; basta não ser cego, pois dá para ver claramente até as raízes dos dentes da vítima.

    Quanto ao fato do Sudário conter informação 3D (como também mostra o documentário, onde analisou-se uma imagem do Sudário num analisador de imagens VP-8 da NASA), é só pegar uma imagem do Sudário na internet, fazer algum tratamento na imagem e colocar num software de geração de paisagens 3D (como o Terragen) para ver se gera ou não um relevo do corpo de Cristo; lembrando que isso não é possível de se obter através de uma pintura ou fotografia comum. Agora, absurdo é acreditar que isso poderia ser feito por algum falsificador da Idade Média!

    Não estou aqui querendo fazer apologia gratuita ao catolicismo, o Sudário não é somente uma relíquia religiosa mas também científica; pois, o Sudário de Turim é o objeto mais estudado pela Ciência em toda a história; sendo que a Ciência se interessou pelo estudo dessa relíquia católica desde que, em 1898, o fotógrafo Secondo Pia tirou a primeira foto do Sudário e constatou que a imagem original era um negativo.

    Quem ainda não assistiu o documentário, vale a pena perder um hora na vida para vê-lo, garanto que não vão se arrepender! Depois, se quiserem duvidar, meter o pau, não tem problema, mas pelo menos assistam antes de julgar!

    E quem achar que é mais uma matéria sensacionalista do Discovery Channel, é só anotar o nome dos cientistas envolvidos, da equipe do STRP e ver seus currículos na internet! Ou então, ler o artigo ‘Sudário de Turim’ da Wikipedia em português (que tem um bom resumo e está bem imparcial), analisar as controvérsias, buscar as referências e tirar suas próprias conclusões!

    Portanto, se Deus existe e existe uma vida após a morte, a prova está no Santo Sudário; pois, ele nada mais é do que a foto (tridimensional e radiológica) de um homem crucificado ressuscitando!

    Por fim, quem ainda duvida de Deus e da sua Igreja, estude a fundo tudo o que puder sobre o Santo Sudário e sobre os outros famosos milagres permanentes da Igreja Católica, como: corpos e órgãos incorruptos de santos, imagem de Guadalupe, sangue de São Genaro, milagre eucarístico de Lanciano, etc.

    Acreditemos ou não, gostemos ou não, tais milagres autênticos só ocorrem na religião católica (não por coincidência, a única religião fundada por um homem que disse ser filho de Deus e que provou isso ressuscitando) e em nenhuma outra religião do mundo. Pois, o milagre é o elo entre a razão e a fé, entre a religião e a ciência; é a ‘assinatura’ de Deus para confirmar a sua existência, a sua igreja e a sua doutrina!

    Então, vocês verão que ‘há mais mistério entre o Céu e a Terra do que supõe a nossa vã filosofia’!