Vai ficar tudo por isso mesmo?

closeAtenção, este artigo foi publicado 7 anos 10 meses 8 dias atrás.

O Josias de Souza escreveu que o “Braço Agrário” da CNBB apóia o vandalismo no laranjal. Um herege protestante chamou a Igreja de hipócrita, fazendo esta constatação que nos envergonha: “Em situações de gravidade em território nacional como por exemplo, aumento da violência e a corrupção na política, a Conferência Nacional do Bispos do Brasil (CNBB) costuma emitir nota, repudiando tais fatos. Entretanto, quando trata-se de violência promovida pelo MST, como a recente, onde milhares de pés de laranja foram criminosamente destruídos, após a invasão  de uma propriedade particular pelos pobres integrantes do MST, a CNBB omite-se”.

E vai ficar tudo por isso mesmo? Senhores bispos, os senhores irão simplesmente deixar que a Igreja seja escarnecida em público, associada a atos de vandalismo, acusada de hipocrisia, de conivência, de omissão?

Para variar, escrevi sobre o assunto a S.E.R. Dom Dimas Lara Barbosa, Secretário Geral da CNBB, e a S.E.R. Dom Geraldo Lyrio Rocha, presidente da mesma. Para variar, não obtive nenhuma resposta. A mensagem que enviei segue abaixo. Se os bispos não respondem aos seus fiéis, a quem eles podem recorrer?

* * *

[Email enviado em 07 de outubro de 2009]

Sua Excelência Reverendíssima Dom Geraldo Lyrio Rocha,
Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil,

Sua Excelência Reverendíssima Dom Dimas Lara Barbosa,
Secretário Geral da supracitada Conferência,

Foi noticiado recentemente pela imprensa a ação de alguns integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na ocupação da fazenda Santo Henrique, no interior de São Paulo. Em um vídeo que pode inclusive ser visto na internet – cf. http://www1.folha.uol.com.br/folha/videocasts/ult10038u634176.shtml -, é mostrado um trator guiado por integrantes do MST destruindo uma plantação de laranjeiras.

Ao que me conste – posso estar enganado -, não é lícito, segundo a Moral Católica, ocupar uma fazenda produtiva (mesmo que a área seja “pública”) e destruir por conta própria, sem autorização judicial, as plantações de uma produtora legal de suco de laranja. No entanto, tomei conhecimento de uma nota da Comissão Pastoral da Terra protestando contra a divulgação destas cenas de barbárie e vandalismo, que pode ser encontrada no seguinte link:

http://www.cptnacional.org.br/?system=news&action=read&id=3414&eid=8

Isto posto, gostaria de fazer algumas perguntas (às quais, sinceramente, espero respostas):

1. Foi moralmente lícita a ação dos integrantes do MST na fazenda Santo Henrique?

2. Sendo a CPT parte da CNBB, devo concluir que a Conferência concorda com o teor da nota publicada por esta Comissão Pastoral?

3. A CNBB não vai publicar uma nota condenando os atos de barbárie e vandalismo perpetrados pelos integrantes do MST?

Renovando os meus votos de estima,
e rezando pelos Sucessores dos Apóstolos no Brasil,
subscrevo-me, em Cristo,
Jorge Ferraz
Leigo, Recife – PE

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

65 thoughts on “Vai ficar tudo por isso mesmo?

  1. Magna

    Um sacerdote, que é meu parente, contou-me um caso.

    Ele chegou alguns minutos antes da Santa Missa em uma cidade, e viu um mulher ido em cada pessoa com a seguinte pergunta?
    – Quer distribuir a comunhão hoje?
    Ele disse que ficou tão indignado. Mas esperou ela vir até a ele perguntar. Ela chegou, fez a mesma pergunta, e ele respondeu?
    – Posso tocar no dinheiro da tesouraria?
    Ela disse que não. Então, ele rebateu:
    -Para distribuir o Corpo de Cristo, qualquer um pode, mas para tocar na tesouraria, precisa ser alguém de confiança?

    Ele já enfurecido com aquela situação, esperou ver que padre permitiu uma coisa absurdas daquelas.
    O padre chegou com um bonezinho, cheio de gírias, acenando um “leal” para os fiéis; e começou a Santa Missa de qualquer jeito.

    Ele disse que ficou até o ofertório, e daí não mais aguentou tamanha profanação depois do padre ter feito a consagração com suas palavras inventadas.
    Se lenvantou e disse em alto bom tom:
    – Isto aqui é uma palhaçada! Não acredito que vocês vão tolerar isto! Saiu e também viu outras pessoas saindo, e foi denunciar o caso.

    Certa vez ele disse que viu um sacerdote jogar a Hóstia que seria consagrada no , creio que seja o corporal, de uma forma com se fosse um objeto qualquer. E bem difícil ade creditar que o sacerdote tenha a intenção de fazer o sacrifício de acordo com este comportanto.

    Realmente é uma situação triste revoltante. Procuro fazer, quando há suspeita, de acardo com o que li no “Diálogo” de Santa Catarina de Sena.

  2. Lisardo

    “não mais aguentou tamanha profanação depois do padre ter feito a consagração com suas palavras inventadas.”

    Quer dizer, um ato profano!

    “Se levantou e disse em alto bom tom:
    – Isto aqui é uma palhaçada!”

    Ele disse isso? E ainda saiu? Não é possível! Deve ser louco, demente… um rad-trad, etc etc etc

    Magna diga a ele que isso é normal. Tá na moda hoje em dia. Errado é quem fica indignado com estas coisas!