Pela CPI do Aborto

closeAtenção, este artigo foi publicado 7 anos 9 meses 25 dias atrás.

O aborto é o maior inimigo da paz. A célebre frase de Madre Teresa de Calcutá – que cito de memória – é incontestável: se nós dissermos para as mães que elas podem matar os próprios filhos, não poderemos dizer às pessoas que elas não podem matar umas às outras.

Há um evidente e incontestável continuum entre as – digamos, arbitrando ao acaso (como fazem os abortistas) um ponto para o início da vida humana – vinte semanas de vida do feto e as suas dezenove semanas e seis dias. E entre as dezesseis semanas e as quinze semanas e seis dias. E entre as doze semanas e as onze semanas e seis dias. Neste processo, a única mudança substancial sofrida pelo nascituro ocorreu precisamente quando ele passou a ser um nascituro: na concepção. Deste ponto em diante, é indubitavelmente um indivíduo pertencente à espécie humana.

Tudo isso é bastante óbvio, mas convém ser recordado, porque há nos nossos dias alguns que advogam que certos indivíduos pertencentes à espécie humana são sujeitos de direito e, outros, não o são; que certos indivíduos pertencentes à espécie humana precisam ser bem tratados e, outros indivíduos, pertencentes à mesmíssima espécie humana, podem ser trucidados e jogados no lixo. Há nos nossos dias quem pratique abortos e quem defenda o aborto.

Recebi recentemente um email do sr. Humberto Vieira, presidente da Associação Nacional Pró-Vida e Pró-Família, que compartilho abaixo. É sobre a CPI do Aborto que, para ser instalada, precisa da indicação, pelas lideranças partidárias, dos nomes do titular e suplente de cada partido que irão compôr a comissão.

Prezados amigos

O trabalho mais importante que podemos fazer nesse momento em defesa da vida é pressionar os deputados para instalar a CPI do aborto.

A CPI já foi criada mas para sua instalação é preciso que as lideranças indiquem o titular e o suplente para compor a  essa comissão.

Pressionados pelas feministas essas lideranças não indicaram até o momento os nomes dos deputados de seu partido. Mas entre o “lobby” e o eleitor, sem nenhuma dúvida o deputado fica com o eleitor.Precisamos enviar milhares de e-mails, faxes e telefonemas e falar pessoalmente quando o deputado visitar sua base eleitoral.

Essa CPI funcionando vai paralizar todos os projetos de aborto e até influir o STF no julgamento do aborto por anencefalia.

A CPI vai desmascarar os defensores do aborto e mostrar que as ONGs feministas são pagas em dólares para  lutar pela legalização do aborto no país. Esse talvez seja o maior escândalo do País. Não é por outro motivo que querem paralizar ou até arquivar essa CPI.

Anexo segue a relação dos líderes e sugestões para os e-mails

Humberto L. Vieira
Presidente da PROVIDAFAMÍLA

A lista pode ser baixada aqui. Ela possui os nomes, os gabinetes, os emails e os telefones das lideranças que ainda não indicaram membros para a Comissão. Entremos em contato. Não fiquemos de braços cruzados diante do Holocausto Silencioso – e impune! – que se abate sobre o nosso Brasil.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

40 thoughts on “Pela CPI do Aborto

  1. karina

    Carlos says:

    November 7th, 2009 at 12:25 am

    Gente,
    Esquece o Mallmal. Quando ele diz “Negar a um ser humano o seu direito de contrair núpcias com quem melhor lhe aprouver é humilhante e degradante”, está apenas advogando em causa própria.
    Mallmal, contraia logo suas núpcias com o seu amado e nos deixe em paz!
    Carlos.
    Renato Lima says:

    November 7th, 2009 at 11:52 am

    O que! Mallmal é gay?!

    Não tô falando? Depois que ele nasceu, a diferença entre feto e filho era tão grande que o médico acabou dando a placenta para a mãe dele criar e ela, que nunca fez ligação entre feto e filho, achou normal. E aí, ela não conseguiu saber se era menino ou menina. Até hoje ele não sabe para que veio, pobrezinho.

  2. Gilberto

    Dona Karina:

    Que imbecilidade, a sua! Se não tem o que dizer, por que não se cala?

  3. Blog Mallmal

    “Portanto, na lógica dele, do fato de que podemos matar quem nos agride, segue ser perfeitamente possível manter a defesa de que se pode matar crianças indefesas e não se pode matar estranhos.”

    Não foi o que eu disse. O que quis dizer é que como são feitas excessões para a condenação do homícidio (sem entrar na questão da validação moral dessas excessões), a Lógica da Madre Teresa de Calcutá (como queiram) é inválida. Não passa de non sequitur combinado com declive escorregadio.

    Essa mesma lógica pode ser aplicada partindo dos meus exemplos. Apenas para ilustrar, é possível, utilizando o mesmo princípio falacioso, alegar que o fato de aceitarmos assassinatos durante as guerras nos obriga a aceitar que policiais matem bandidos.

  4. Carlos

    Falacioso é seu pensamento, Mallmal.
    É claro que assim como é aceitável que soldados de um exército matem os de outro exército numa guerra, é perfeitamente normal que policiais matem bandidos. Abra os jornais e veja o que ocorre no Rio de Janeiro todo santo dia. Tanto o soldado quanto o policial agem no estrito cumprimento do DEVER legal. Não é que eles PODEM matar. Eles DEVEM matar, entendeu, sofista caluniador?
    E não reclame de baixaria de minha parte. Foi você quem começou com a baixaria xingando Madre Teresa de Calcutá, que nunca fez mal a ninguém e que só viveu para fazer caridade.
    Fico feliz de saber que você não é gay, mas pare de defender tanto a boiolagem. E também não diga que a coisa mais humilhante e degradante é um homem não poder casar com outro homem vestido de noivinha assanhada, porque isso “pega Mallmal”.
    Carlos.

  5. karina

    Uai, Gilberto, e o Malmall quando afirma que feto e filho são coisas diferentes, ESSA não foi a primeira imbecilidade? Um pouco de senso de humor faria bem a seus dias.

    “Apenas para ilustrar, é possível, utilizando o mesmo princípio falacioso, alegar que o fato de aceitarmos assassinatos durante as guerras nos obriga a aceitar que policiais matem bandidos.” E quem disse que os assassinatos em guerras são aceitáveis? São tão aceitáveis que alguns governos os varrem para debaixo do tapete enquanto e como podem, para não manchar a honra de seus mandatos.

  6. Rodrigo

    Malmall acha que o feto não é um ser humano vivo só porque não desenvolveu todos os órgãos, eita visão estreira e materialista da vida, pior que é uma visão materialista errada ainda por cima, nem sua doutrina materialista esse obtuso segue, quem é ele para criticar a Santa Igreja Católica? PN!

  7. Blog Mallmal

    Carlos,

    “É claro que assim como é aceitável que soldados de um exército matem os de outro exército numa guerra, é perfeitamente normal que policiais matem bandidos.”

    Então devo imaginar que do seu ponto de vista (sua lógica madreteresiana, digamos assim) é completamente justificável que um bandido mate um policial?

    Rodrigo,

    “Malmall acha que o feto não é um ser humano vivo só porque não desenvolveu todos os órgãos”

    Mentira. Meu ponto sempre foi o da incapacidade de sobreviver fora do útero. Até porque fetos de 19 semanas já possuem todos os seus órgãos formados.

  8. karina

    Quando o Malmall vai entender que todos nós dependendemos de alguma coisa para sobreviver?

    A capacidade ou não do bebê sobreviver fora do útero não é condição para matá-lo deliberadamente dentro dele.

    Assim fosse, se alguém assassinasse uma pessoa dependente de aparelhos respiratórios (esqueçam eutanásia, estou dizendo uma pessoa que foi lá e deu um tiro numa pessoa que respira por aparelhos), esse alguém não poderia responder por assassinato porque o paciente não tinha mesmo condições de sobreviver sem o aparelho.

    Malmall, não adianta dizer que a lógica não é a mesma, porque um aborto não significa dizer que você retirou a criança do ventre e ela faleceu, mas sim que você envenenou, triturou ou queimou o bebê dentro de seu meio natural que lhe permitia a vida.

  9. Pedro M

    “Mentira. Meu ponto sempre foi o da incapacidade de sobreviver fora do útero.”

    E sempre foi refutado, mas ignora e repete a besteira.

    Um bebê fora do útero também é incapaz de sobreviver se não lhe são dadas as condições propícias. Qualquer um é incapaz de sobreviver fora das condições propícias. Não é isso que define um ser vivo individual.

  10. Carlos

    Mallmal,

    “Então devo imaginar que do seu ponto de vista (sua lógica madreteresiana, digamos assim) é completamente justificável que um bandido mate um policial?”

    Aprenda a ler, Animallmal! O que eu disse foi exatamente o contrário: que é justificável que o policial mate o bandido, porque, numa troca de tiros, por exemplo, o policial estará no estrito cumprimento do dever legal. O bandido nunca.

    Mas é claro que com essa sua lógica torta, com essa mente doentia e psicopaticamente aborteira, você só raciocina a favor de bandido e de assassino. Isso é corporativismo!

    Carlos.