Fé e Política: EUA, Brasil, Roma

closeAtenção, este artigo foi publicado 7 anos 8 meses 17 dias atrás.

– Declaração de Manhattan: uma chamada para que os cristãos defendam, como cidadãos, as suas idéias. 152 líderes religiosos de três confissões cristãs (católicos, ortodoxos e protestantes) assinaram o documento. Os cristãos são encorajados a não abdicarem do debate público sobre temas como a vida, o matrimônio, a liberdade religiosa e a objeção de consciência.

A íntegra do documento (em inglês) pode ser encontrada aqui. O pe. Eugenio Maria, FMDJ, escreveu um artigo com os principais pontos da declaração. Seria imaginável uma coisa parecida no Brasil?

* * *

– Sim, é imaginável uma coisa parecida no Brasil, embora com todas as limitações desgraçadamente impostas pela nossa realidade eclesial. E saiu da pena do Arcebispo Emérito de Olinda e Recife, Dom José Cardoso Sobrinho, em carta sobre a publicação do Catecismo Contra o Aborto. Será Goiana a Manhattan tupiniquim? Sua Excelência escreve: “Os cidadãos honestos não podem colaborar – através de seu voto democrático – nesta tragédia[,] colaborando para conferir cargos públicos a candidatos que defendam o aborto, o divórcio e outras violações da Lei de Deus. Tais candidatos não podem representar os católicos ou cristãos ou qualquer cidadão honesto”.

Clareza de palavras que faz muita falta nos nossos dias. Desgraçadamente, parte considerável do nosso clero é completamente alheia às questões políticas que realmente importam, e prefere matar a Fé na alma dos cristãos por meio do insidioso veneno esquerdista da Teologia da Libertação que, ferida mortalmente pela sua esterilidade e pela condenação do Magistério da Igreja, recusa-se a morrer e insiste em levar consigo para o Inferno tantas almas quantas conseguir enlaçar, sob o olhar indiferente ou cúmplice das sentinelas que deveriam velar pelo Povo de Deus a elas confiado. É lamentável.

* * *

– Teologia da Libertação que, aliás, foi mais uma vez criticada pelo Papa Bento XVI, em discurso aos bispos do sul do país na visita ad limina. Ecoa de Roma o grito dos católicos que não querem senão ser católicos de verdade. Vem da Cidade Eterna o socorro aos fiéis católicos brasileiros que estão como ovelhas sem pastor – ou como ovelhas “pastoreadas” por lobos.

Vem de Pedro! “[V]ale a pena lembrar que em agosto passado, completou 25 anos a Instrução Libertatis nuntius da Congregação da Doutrina da Fé, sobre alguns aspectos da teologia da libertação, nela sublinhando o perigo que comportava a assunção acrítica, feita por alguns teólogos de teses e metodologias provenientes do marxismo. As suas seqüelas mais ou menos visíveis feitas de rebelião, divisão, dissenso, ofensa, anarquia fazem-se sentir ainda, criando nas vossas comunidades diocesanas grande sofrimento e grave perda de forças vivas. Suplico a quantos de algum modo se sentiram atraídos, envolvidos e atingidos no seu íntimo por certos princípios enganadores da teologia da libertação, que se confrontem novamente com a referida Instrução, acolhendo a luz benigna que a mesma oferece de mão estendida”.

Que ouçam a voz do Papa. Que escutem o Pastor Angélico. Que sigam o Vigário de Cristo. Para que esta Terra de Santa Cruz possa honrar o seu “nome de batismo” – nome, aliás, evocado pelo Papa no discurso acima citado: que “o perdão oferecido e acolhido em nome e por amor da Santíssima Trindade, que adoramos em nossos corações, ponha fim à tribulação da querida Igreja que peregrina nas Terras de Santa Cruz”.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page