Bento XVI: colaborar com a graça de Deus

closeAtenção, este artigo foi publicado 7 anos 7 meses 20 dias atrás.

Caros amigos, esta é a verdadeira razão da esperança da humanidade: a história tem um sentido, porque é “habitada” pela Sabedoria de Deus. E, no entanto, o desígnio divino não se cumpre automaticamente, porque é um projeto de amor, e o amor produz liberdade e pede liberdade. O Reino de Deus vem certamente e, na verdade, já está presente na história; graças à vinda de Cristo, já venceu a força negativa do maligno. Mas todo homem e mulher é responsável por acolhê-lo na [sua] própria vida, dia a dia. Assim, também o [ano de] 2010 será melhor ou pior [più o meno “buono”] na medida  em que cada um, segundo as próprias responsabilidades, souber colaborar com a graça de Deus.

Voltemo-nos então à Virgem Maria, para aprendermos d’Ela esta atitude espiritual. O Filho de Deus encarnou-Se n’Ela [ha preso carne da Lei] não sem o Seu consenso. Toda vez que o Senhor quer dar um passo adiante conosco [insieme con noi] em direção à “terra prometida”, bate primeiro ao nosso coração; espera, por assim dizer, o nosso “sim”, tanto nas pequenas quanto nas grandes escolhas. Ajude-nos Maria a acolher sempre a vontade de Deus, com humildade e coragem, para que também as provações e os sofrimentos da vida ajudem [cooperino] para apressar a vinda de seu Reino de justiça e de paz.

Bento XVI, Angelus, Domenica, 3 gennaio 2010

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

4 thoughts on “Bento XVI: colaborar com a graça de Deus

  1. Pingback: Tweets that mention Deus lo Vult! » Bento XVI: colaborar com a graça de Deus -- Topsy.com

  2. Julie Maria

    Que grande mistério… Deus espera o sim da criatura!

    Ele espera o meu e o seu sim…

    Que sejamos fiéis para que seja “bem melhor” o ano de 2010!

    pax

    JM

  3. profeta do profano

    Pena que essa graça não seja gratuita… };P
    O sentido da história é que ela é um processo em contínua mudança. No momento, a história tende pelo secularismo e a decadência da Igreja. Em alguns anos [ou séculos] o mito de Cristo somar-se-à aos demais mitos, no museu da história. Somente então a humanidade poderá realmente amar e ser livre.