A imprensa, o bispo e os gays

closeAtenção, este artigo foi publicado 7 anos 7 meses 11 dias atrás.

Há bons jornalistas no mundo. Eu próprio possuo amigos jornalistas que são excelentes profissionais. No entanto, algumas vezes nos deparamos com cada coisa na imprensa que não sabemos ao certo se estamos diante de uma tremenda má fé ou de uma ignorância que raia o analfabetismo funcional.

O Diário de Pernambuco publicou ontem uma entrevista com S.E.R. Dom Fernando Saburido, Arcebispo de Olinda e Recife. A “entrevista” não traz as perguntas do entrevistador, somente as frases do senhor Arcebispo; isso por si só já faz com que o contexto das declarações fique obscurecido. No entanto, mesmo assim, tem coisa que o jornalista simplesmente inventou, porque não está, de jeito nenhum, nas palavras de Dom Fernando Saburido.

Uma das “perguntas” é sobre o homossexualismo. Na íntegra, o que o jornal publicou:

Homossexualismo

“A igreja está do lado do pecador, mas não aceita o pecado. O pecador tem que fazer esforço para deixar o pecado. Mas o pecador também deve receber a misericórdia. A Igreja Católica está pronta para acolher sempre, dar palavras de estímulo para superar o erro e acompanhar o evangelho”.

E, aqui, o que o jornalista escreveu na apresentação da matéria (grifos meus):

Pernambucano do Cabo de Santo Agostinho, 62 anos, dom Fernando Saburido tem marcado presença no estado com um discurso próprio e avançado, que fala da necessidade de inclusão de homossexuais na igreja, ecumenismo, padres casados e drogas, por exemplo. Assuntos até então descartados da pauta da Igreja Católica no estado.

Concedamos: “inclusão” pode até ter o sentido de “não ter preconceito”, e “preconceito” pode ter o sentido católico (que é completamente diferente da “homofobia” apregoada pela Gaystapo) de “não discriminar injustamente”, e “acolher sempre” pode ter o significado de “não ter preconceito” nos moldes acima explicados. No entanto, (1) nem este sentido é imediato para a média dos leitores do jornal, (2) nem parece ter sido isso o que Sua Excelência disse.

Neste ponto, as palavras de Dom Saburido foram totalmente recortadas para servir à ideologia gayzista. Sua Excelência falou com todas as letras: o pecador tem que fazer esforço para deixar o pecado. Se o assunto é homossexualidade, é óbvio que o pecador em questão aqui é o homossexual e, o pecado, são os atos homossexuais. O homossexual tem que fazer esforço para deixar os atos homossexuais, foi exatamente o que disse Dom Fernando Saburido. Se a exata mesma frase fosse pronunciada por Dom José Cardoso Sobrinho – e poderia perfeitamente ter sido -, aposto um doce como a imprensa iria dizer que o bispo retrógrado, reacionário, homofóbico e intolerante queria obrigar os gays a deixarem de sê-lo.

No entanto, como interessa a certos setores manipuladores da opinião pública apresentar Dom Fernando Saburido como sendo o “anti-Dom José Cardoso” (e, se a realidade não bate com a ideologia, pior para a realidade), a sra. Marcionila Teixeira (autora da reportagem do Diário) simplesmente ignora uma frase clara do Arcebispo de Olinda e Recife para, “torcendo” a parte seguinte de sua declaração, fazer o povo acreditar que a Igreja Católica em Olinda e Recife precisa “incluir” os homossexuais. Cabe perguntar se isso é jornalismo sério. Resta saber como é possível que um repórter desses consiga dormir tranqüilamente à noite.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

2 thoughts on “A imprensa, o bispo e os gays

  1. Valdir A. C.

    Há duas maneiras de se “ler” um notícia: Uma é o que o jornalista ou meio de comunicação quer dizer; a outra é o que realmente trata a notícia!
    Todos os dias somos inundados por manchetes e textos que impingem correntes de pensamento, ação e conduta… eles dizem o que devemos pensar, como devemos pensar e o que temos que entender!!
    O sucesso é garantido na maioria da massa inculturada e pobre e, me parece, tem surgido na internet uma revolta contra isso (Mídia sem Máscara é um exemplo) em uma tentativa de dizer o que eles não disseram!
    Dom Saburino deveria ter solicitado os termos de publicação de sua entrevista e guardado uma cópia. Dessa maneira ele teria condições de questionar o jornalista e a instituição que o emprega e no final das contas ninguém têm o direito de dizer que ele disse o que não disse!

    Em Jesus e Maria!