CNBB e Hidrelétricas

closeAtenção, este artigo foi publicado 7 anos 6 meses 25 dias atrás.

Bispos argentinos lutam contra casamento gay, espanhóis contra o aborto, e brasileiros… contra uma hidrelétrica.

@jonatas_dias

Às vezes eu me pergunto se não sou implicante demais. Mas é que fico realmente frustrado quando vejo uma declaração como a que a CNBB emitiu sobre a usina hidrelétrica de Belo Monte. “Reunidos, em Brasília, entre os dias 23 a 25 de fevereiro de 2010, nós, Bispos do Conselho Episcopal de Pastoral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em sintonia com os Bispos do Regional Norte 2 da CNBB e acompanhando os passos que estão sendo dados para a concretização da projetada Usina Hidrelétrica de Belo Monte, na região do Rio Xingu, Estado do Pará, manifestamos nossa grande preocupação ao saber que a licença prévia já foi concedida pelo IBAMA, permitindo o leilão para a construção e exploração da referida Usina”.

Ninguém nega que o ser humano é responsável pela criação de Deus – isso é óbvio. Ninguém nega que se deva cuidar do meio-ambiente. No entanto, os principais problemas aqui são:

1. Ecologia é uma coisa, e a “ecolatria” panteísta (e não raro catastrofista) que vemos nos nossos dias é outra coisa completamente diferente. Eu já escrevi aqui no Deus lo Vult! há mais de um ano sobre isso. Na mensagem para o Dia Mundial da Paz 2010, o Papa Bento XVI criticou “um novo panteísmo com acentos neopagãos que fazem derivar apenas da natureza, entendida em sentido puramente naturalista, a salvação para o homem”. Esta mensagem parece, infelizmente, encontrar bem pouco eco entre as autoridades eclesiásticas brasileiras.

2. A Igreja é mestra em Doutrina e em Moral. Não em estudos sócio-ambientais. Esta não é a competência da Igreja. Logicamente, podem existir alguns aspectos morais relevantes sobre os quais a Igreja talvez sinta necessidade de se pronunciar; no entanto, uma tomada de posição como esta, na qual praticamente é dito que não se pode apoiar a construção da hidrelétrica de Belo Monte, é extremamente inadequada, para dizer o mínimo. A não-construção de hidrelétricas obviamente não é um dogma de Fé, de modo que não faz sentido a Conferência manifestar-se desta maneira pública e contundente sobre o assunto.

3. Por que a Conferência, ao invés de perder tempo com estas coisas que são no mínimo questionáveis, não faz o que é sua função fazer? Por que os temas católicos são tão ausentes dos seus pronunciamentos? Na coletiva de imprensa de ontem, falou-se sobre “Fichas Limpas, crise no Distrito Federal, Usina Belo Monte e apoio aos aposentados”. Que tal falar de Quaresma, de conversão, de jejum, de esmola, de penitência, de Nosso Senhor Jesus Cristo, da necessidade de se pertencer à Igreja Católica, de Nossa Senhora, da vida da Graça, de Sacramentos? Que tal falar contra o aborto, contra a pornografia, contra o laicismo, contra o “casamento gay”, contra o socialismo e contra tantos outros males – incontestavelmente males – que ameaçam esta Terra de Santa Cruz?

Será possível que tudo isso seja implicância minha? Será que é pedir muito que os temas católicos tenham primazia nos discursos de uma Conferência de bispos católicos? O tweet em epígrafe é pequeno, mas é verdadeiro. E, apesar de pequeno, provoca uma grande dor. Rezemos pela Igreja. Rezemos pelos bispos do Brasil.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

19 thoughts on “CNBB e Hidrelétricas

  1. Alien

    Pois é… e para piorar ainda se preocupam com essas “perolas”:

    http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u698222.shtml

    Pelo que vi no trailer (ainda não vi o filme mas quero ver – me amarro em efeitos especiais espetaculares) o Vaticano também é destruido nesse filme, assim como um mosteiro budista, etc. O Vaticano entrou na justiça? O Dalai Lama entrou na justiça?

    Por essas & outras é que a ICAR as vezes vira motivo de chacota entre os evangélicos, ateus, etc.

  2. Sérgio

    De fato, acho que às vezes você é implicante demais.
    Quem conhece aquela região, e eu conheço aquela região, sabe que a posição dos bispos não é mero panteísmo. É defesa da vida tanto quanto o aborto.

    Eu creio que os bispos deveriam ser tão incisivos com a questão do aborto quanto a defesa das comunidades que serão prejudicadas com essa construção.

    Pô, a maioria esmagadora dos leitores daqui acreditam que os bispos se curvam em excesso à esse desgoverno e logo agora que eles criticam um projeto deles, vc critica?

  3. Renato

    Alien, eu acho que a atitude da Arquidiocese do Rio é estranha!

    Mas também nós não podemos nos esquecer que os protestantes a alguns anos atrás mostraram claramente sua intolêrancia contra a famosa “liberdade de expressão”.

    Muitos que gostam de ver novela me falaram isso (eu não perco meu tempo vendo novelas): Uma personagem de uma novela global (não lembro o nome da atriz e nem da novela agora), era de uma protestante que se fazia de santinha dentro de sua seita, mas durante a noite se eu não me engano saia para “caçar” homens.

    O que aconteceu depois: Os protestantes – influênciados pelos líderesde suas seitas – entraram em massa na justiça dizendo que a GLobo estava perseguindo-os!

    Ué!, onde fica a famosa “liberdade de expressão”!

    Para mim parece que essas pessoas querem liberdade para que ataquem a Igreja Católica nos seus programs; novelas; jornais;… mais quando é com eles… Há!, ai é outra história!

  4. Emerson

    Esses bispos me fazem lembrar de D. Cappio, que fez greve de fome pelo Rio São Francisco.

    A água suja do mundo querendo arrebentar as comportas da igreja e eles reunidos para falar sobre a hidrelétrica de Belo Monte.

    Para o demônio é bem oportuno, menos soldados na batalha.

  5. Jônatas Dias

    Olá Jorge

    Quero apenas dizer que fiquei lisonjeado por citar meu (quase) despretencioso tweet no topo de seu texto, por sinal muito bem desenvolvido. É bom contribuir com quem luta por uma igreja fiel, com bispos fiéis.

  6. Sérgio

    O que você coloca são duas coisas diametralmente opostas!

    Não há relação entre a defesa da não construção de uma hidrelétria e a defesa da vida no que diz respeito ao aborto!

    Até onde eu sei, as pessoas daquela região não são incapazes de lutarem pelos seus direitos (usando de recursos legais) para impedir a construção da hidriletrica.

    Agora me diz como um bebê que ainda esta no utero pode se defender????

    É tempo de quaresma, os bispos deveriam estar reunidos para falar de penitencia, conversão, preparação do nosso coração e principalmente da nossa alma para a principal festa da Igreja que é justamente a Pascoa de Nosso Senhor Jesus Cristo de onde emana toda a fonte de vida!

    Pior do que perder bens materiais e perder a salvação!

  7. Olegário

    Jorge, Salve Maria.

    Não creio que voce seja implicante.
    Acredito que o termo correto para definir sua denûncia contra a CNBB seria PACIENTE.
    E paciência é uma grande virtude.

    Eu não tenho essa grandeza.

    Hoje, após tantos debates, falar de CNBB, Fábio de Melo, Joãozinho, Zezinho, Chalitinha, Canção Nova… me é extremamente extressante.

    Já joguei a tolha da esperança.
    Essa trupe não se emenda.

    Deus o abençoe.
    Olegário.

  8. Renato Felipe

    Prezado Jorge,

    A CNBB não fala de temas católicos porque ela já não é católica. A verdade é essa.

    Abraço!

  9. Renato

    Olegário

    Sabe, já estou apoiando isso ai!

    Quero mesmo que a CNB do B apoie essas campanhas do CONIC (que praticamente são as mesmas da CNB do B), quem sabe assim venha logo esse cisma e que a Santa Sé (sérá que a Santa Sé realmente não sabe?)veja no que deu não querer saber o que essa colegialidade faz.

    Tomara mesmo que venha logo esse cisma. Talvez assim a Santa Sé abra de uma vez por todas os olhos em relação a essas ”conferências episcopais”.

  10. vanderley

    É que faz parte da agenda eco-social-comunista.

    Idem ao desvio do Rio S. Francisco.

    Quando o assunto é meio-ambiente, ecologia, desenvolvimento

    socio-econômico eles se pronunciam.

    Quando o assunto envolve fé e moral, calam-se ou “amansam”,

    como estamos vendo no PNHD-3.

  11. Fabiano Vasconcelo

    Criticar um assunto pelo qual a CNBB toma como fundamental é benéfico, certeza que a mesma erra e vive errando é constatação da realidade, o meio ambiente é muitíssimo importante, concordo com o Alien,e jogar fora a esperança não, porque sem ela piora muito, mas falar que a CNBB não é católica é o mesmo que passar a ser surdo e mudo.

  12. Sidnei

    Alien, estive lendo a reportagem no link em que você colocou sobre o processo que a Arquidiocese do Rio de Janeiro está movendo por uso indevido da imagem do Cristo Redentor sendo destruído no filam 2012, e assim como você concordo que é uma bobagem imensa se preocupar com isto pois como você disse o Vaticano no filme também é destruído e o que me consta até agora o Vaticano não abriu nenhum processo contra a produtora por uso indevido da imagem do Vaticano sendo destruído durante a exibição do filme, porém o que me deixa mais chateado ainda são os comentários idiotas que se fazem lá naquele link que você indicou, chamam a Igreja de tudo que é coisa, ridicularizam a todos nós católicos, invocam a inquisição, escândalos com padres pedófilos, cruzadas, etc., etc., etc., ou sejam destilam toda a sua catolofobia diante de um assunto que parecem saber dominar mais no fundo no fundo não sabem de nada, porque não levam em conta algumas considerações, primeira delas, não é a Igreja que está movendo uma ação pelo uso indevido da imagem do Cristo Redentor, mas a Arquidiocese do Rio de Janeiro, que embora pertença a Igreja Católica porém não é toda a Igreja Católica, isto é que aqueles mentecaptos não sabem distinguir e aí partem com toda aquela agressão verbal contra a Igreja Católica, quando que eles mesmos não enxergam que no filme até o Vaticano é destruído e o Vaticano, até agora, não pronunciou nada contra e nem a favor da exibição em que ela mesma (o Vaticano) é destruída por um evento catastrófico, porém o que mais me aborrece é que qualquer coisa que um padre, bispo ou somente um arquidiocese faz de errado, vem um monte de gente com quatro pedras nas mãos dizendo que é a Igreja toda que está fazendo, eita gente ignorante, que não sabem distinguir nada , colocam tudo no mesmo saco e demonstram que são um bando de preconceituosos.

  13. Sidnei

    Gostaria de saber a opinião do Jorge Ferraz a respeito do processo que a Arquidiocese do Rio de Janeiro moveu contra a produtora do filem 2012 quando mostra o Cristo Redentor e o Vaticano sendo destruídos por um evento catastrófico de dimensões globais.

  14. Jorge Ferraz Post author

    Sidnei,

    Pelo que eu ouvi, conversando com um amigo meu, o problema seria que os produtores do filme teriam entrado em contato com a Arquidiocese para solicitar a utilização das imagens do Cristo Redentor, o que foi expressamente negado.

    Mesmo com a negativa, no entanto, eles utilizaram as imagens, e com isso a Arquidiocese estaria pleiteando uma indenização.

    A minha opinião é que é uma atitude que pode até ser justa (dado que os produtores do filme agiram deliberada e conscientemente contra o desejo expresso da Arquidiocese), mas é uma coisa pequena e extremamente desgastante para a imagem da Igreja, de modo que não vale a pena comprar esta briga.

    Abraços,
    Jorge

  15. Sidnei

    É Jorge, a sua opinião é a minha também e de muitos católicos, espero que a Arquidiocese do Rio de Janeiro deixe de lado esta ação e faça aquilo que realmente ela tenha que fazer que é a evangelização do povo tal como CRISTO ordenou.

  16. Domingos

    Eu queria que me explicassem uma coisa: quando eu rezo “Creio em Deus pai todo poderoso criador do céu e da terra…”, qual o real siguinificado disso? São somente umas palavras sem sentido, uma coisa bonitas, ou de fato devo levar à sério?

  17. Domingos

    Oração: rezar e agir, é muito fácil criticar, mas eu quero ver o senhor Jorge fazer algo de fato pela Igreja do Brasil.

  18. Eleutério Gasspodin

    Que corja são esta religiões!!! Todas elas sem exeção, quando não estão brigando entre si procuram algo para brigar contra o governo, o que esta corja quer é estar em evidencia, aparecer, chamar atenção e de quebra faturar algum, desde que o homem teve o uso da razão também apareceu as religiões, no principio rudimentares emais ligads a natureza, por exemplo: Deus Raio, Deus do fogo, da chuva etc… com o avanço da ciencia muitas a contragosto também evoluiram, mas sempre com algum atraso, analisando a história dos ultimos mil anos vemos que no nosso caso (Civilisação ocidental) a Igreja Católica foi um freio constante ao avanço da humanidade em todos os sentidos, tanto cientifico como cultural, e sempre preocupada em tolher a liberdade das pessoas, até de pensamentos, e nos dias de hoje aqui no Brasil assistimos estupefactos ao ressugimento de práticas do tempo da inquisição por parte de alguns bispos, padres, pastores etc… Onde estavam estes dinossauros escondidos, como é que aparecem em pleno século XXI usando radio e TV, felizmente para nós estes crapulas não estão com esta bola toda, senão aí de nós pois ja iriam começar a queimar judeus e bruxas junto com quem não comungasse de suas idéias! UFA! ESCAPAMOS POR POUCO!!!

  19. Alex

    Para refletir

    Falta de Educação

    Olavo de Carvalho

    Os polemistas que mais têm se destacado no emprego dessa técnica são os Quatro Jumentos do Apocalipse – Richard Dawkins, Christopher Hitchens, Sam Harris e Daniel Dennett –, cujo objetivo, exemplarmente modesto, é varrer a religião da face da Terra, impondo em lugar dela o culto da “razão” e da “ciência”.

    Eles não odeiam todas as religiões por igual. Sua bête noire é o cristianismo, em especial o católico, no qual vêem, declaradamente, o maior dos inimigos da humanidade. Por motivos que já veremos, preferem no entanto tentar destruí-lo por meio de um ataque generalizado à “religião”, na esperança, bastante razoável, de que a supressão do gênero traga consigo a aniquilação da espécie.

    http://www.olavodecarvalho.org/semana/101224dc.html