Padres pedófilos: um pânico moral – por Massimo Introvigne

closeAtenção, este artigo foi publicado 7 anos 4 meses 22 dias atrás.

“Portanto, ao longo de cinqüenta e dois anos, os sacerdotes acusados de pedofilia nos EUA são 958, dezoito por ano. As condenações foram 54, pouco mais de uma por ano”.

“O assim chamado Relatório Ryan de 2009 (…) reporta, no período que investiga, a partir de um universo de 25.000 alunos de escolas, reformatórios e orfanatos [na Irlanda], 253 acusações de abusos sexuais de meninos e 128 de meninas, nem todos atribuídos a sacerdotes, religiosos ou religiosas, de diversa natureza e gravidade, raramente referidos a menores impúberes e que, ainda mais raramente, levaram a condenações”.

“Segundo os estudos de Jenkins, se se compara a Igreja Católica dos EUA às principais denominações protestantes se descobre que a presença de pedófilos é – dependendo das denominações – de duas a dez vezes mais alta entre os pastores protestantes do que entre padres católicos”.

Leia o texto completo aqui.

Segundo os estudos de Jenkins, se se compara a Igreja Católica dos EUA às principais denominações protestantes se descobre que a presença de pedófilos é – dependendo das protestantes se descobre que a presença de pedófilos é – dependendo das
Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

11 thoughts on “Padres pedófilos: um pânico moral – por Massimo Introvigne

  1. Renato Felipe

    Vale a pena ler o texto todo!

    Duas coisas estão bem claras na campanha midiática: o ataque ao Santo Padre e ao celibato.

    A mentalidade moderna odeia o celibato. Os laicistas, sobretudo, recuam horrorizados diante do fato de um homem renunciar ao prazer sexual (eles não pensam na constituição de uma família, seja dito, mas no sexo) para servir de corpo e alma a Deus, numa total integra de si mesmo. Eles pensam: “Meu Deus (!), isso só pode ser real, é muito forte, e ainda é uma propaganda e tanto para essa Igreja.”

    Para a mentalidade moderna, o celibato é quase como um martírio de sangue, que arrasta fiéis pelo exemplo de abnegação.

  2. Wagner Moura

    Como você já mencionou, Jorge… É a Paixão de Bento XVI!No meio protestante os casos de pedofilia são duas vezes mais? É uma lástima. Não há o que se comemorar, de modo algum. Mas daí se vê que há, sim, uma agenda política na escolha do catolicismo para o linchamento moral. Mas a divulgação dessas informações é importante.

  3. Sidnei

    Temo pela vida do Papa, pois se ele não tiver uma saúde muito boa isto tudo que ele está passando poderá trazer um tal desgaste para sua saúde que poderá encurtar sua vida ou até um maluco poder avexá-lo com uma arma, porém o que me deixa mais triste, é que o falso testemunho foi levantado, assim como o falso testemunho contra Pio XII foi levantado dizendo ter ele sido omisso a perseguição aos judeus pelos nazistas na 2º guerra mundial chegando alguns a dizerem que ele o Papa Pio XII apoiou Hitler, quando a história real e bem diferente do que estes que apóiam tal calúnia, assim será com o Papa Bento XVI o qual passará para a história como o Papa que acobertou os padres pedófilos, isto tudo é muito triste, lembra aquela estória de que um dia uma mulher foi confessar a um padre que ela tinha levantado um falso testemunho contra alguém, o padre lhe deu uma absolvição e como penitência mandou que fosse a um lugar bem alto e jogasse um saco cheio de penas ao vento e depois disto teria que voltar ao padre para receber o complemento daquela penitência, pois bem, a mulher achou a penitência muito leve e lá foi ela jogar as penas ao ar livre e depois voltou ao padre para receber o complemento daquela penitência, o qual o padre lhe disse: “agora vai e recolhe todas as penas que voaram ao ar livre”, porém a mulher disse que seria impossível fazer aquilo, então o padre lhe deu uma lição dizendo: “assim como é impossível recolher todas as penas que jogastes ao ar livre, assim será impossível reparar o dano que fizesse levantando o falso testemunho de tal pessoa”, moral da estória, nunca devemos levantar falso testemunho de quem quer que seja, pois mesmo que viermos a desmentir que tal fato aconteceu, o que ficará no consciente das pessoas é que o fato realmente aconteceu, assim será a história como nosso Papa Bento XVI, poderemos explicar os fatos como de fato aconteceu, porém depois de todos estes ataques mediáticos dos últimos dias o povo sempre se lembrará que o Papa Bento XVI foi o Papa dos pedófilos, sobre tudo os inimigos da Igreja é que farão sempre e cada vez mais aumentar esta lenda negra em torno do Papa Bento XVI como fizeram com Pio XII, somente DEUS no juízo final é que fará reparar todas estas injustiças.

  4. André Serrano

    Jorge, a leitura do texto do sociólogo Massimo Introvigne é altamente recomendada.
    De minha parte agradeço-lhe por postar algo de tão grande relevância.
    Nestas hora em que um bando de desocupados e maus-caracteres difamam a Santa Igreja e o Papa, é muito saudável ler um texto embasado e sério.
    Este texto deve ser propagado a todos que conhecemos.
    É preciso ter a sensatez, a análise fundamentada que nos conduz à verdade. Massimo Introvigne nos ajuda neste sentido.

  5. Renato Felipe

    Alguém conhece estudos sobre a infiltração, ou melhor, sobre o favorecimento à infiltração de homossexuais nos seminários católicos? O Olavo de Carvalho cita o livro Goodbye, Good Men, do Michael Rose. Alguém já o leu?

    No meu comentário anterior, corrija-se: “total entrega de si mesmo”

  6. karina

    Muito bom o texto, Jorge, obrigada por trazê-lo até nós!

    Não me alegro pelo fato de haver mais protestantes pedófilos que padres, pelo simples fato que ninguém deveria usar a posição de pastor para cometer crime tão repugnante. Assim como é estarrecedor ver um pai e uma mãe que abusam física, emocional e sexualmente de seus filhos.

    Mas, como foi bem esclarecido pelo Sr. Massimo, o grande e verdadeiro problema é o homossexualismo. Acrescento ainda a banalização da pornografia, que é muito grave!

  7. Candido Rubim Rios

    Ninguém tem nada com o que pensam os outros, não podemos incutir na cabeça de ninguém, já as atitudes delas predujudicam as pessoas, muitas vidas se perdem nos trilhos da dignidade e penso que é dever de todos tentar por nos trilhos uma pessoa perdida da moral, do caráter e bons costumes, mas nem sempre isso é possível.
    Se uma pessoa bebe em demasia, se embriaga nos bares da vida, o lugar dela é nos bares, se um é homosexual e não conseguiu voltar ao trilho, desde que não ataque crianças temos por obrigação respeitá-lo se também ele nos respeitar, não querendo que o resto da população de uma cidade ou até país rendam-se a passeatea gay em véspora de dia santo e até mesmo cotas nas universidades(já ouvi falar)e isso deveria ser ilegal, a minoria fora dos trilhos da moral jamais deveria requisitar direitos iguais e é isso que vejo por aí. Sem nenhum preconceito que também seria abominável e os contrários aos cristianismo em particular o catolicismo querem e nos acusam sem perder nenhuma oportunidade de nos rotular de preconceituosos.
    Se a pessoa bebe seu lugar é nos bares, se é homosexual, não importune ninguém, se tem impulsão sexual não case e não agarre ninguém, se fuma, não faça dentro dos limites da lei, se é umbandista ou candonblencista não mande rezar missa, nem de sétimo dia,idem se pertencer a outra religião. Isso é respeitar os outros, portanto se uma pessoa quer ser padre mesmo tendo esses vícios contrários ao clero não pode, porque fere uma instituição séria.
    Sabemos que o americano Rockfeller foi o grande incentivador da invasão protestante no Brasil e com a intenção de elamear a igreja católica, sustentava homosexuais jovens a entrarem nos seminários católicos, está aí o resultado, e agora? Agora encontraram um Papa, homem de coragem que bradou ao mundo, PARE. E o que vem depois desse brado de coragem? acusações,ameaças etc e como alguém aí disse, ele pode ser assassinado, mas já tomou as devidas providências, Arquidioceses de vários países estão se menifestando, falta algumas inclusise a do Brasil, CNBB, e nós o que podemos fazer? O Papa já disse, uma delas é invadir a grande rede,para podermos minimizar os ataques dos satânicos anti-católicos.
    Vamos a luta, blogar, twitar, msn, vamos incomodar e provar que Deus está do nosso lado e depois bradamos
    DEUS LO VULT. Abraços a todos e os não católicos que procurem a sua turma ou melhor o seu trilho e pare de encher o saco da gente.

  8. Pingback: Igreja Católica deve contabilizar uma batalha perdida… é momento de reflexão « Neo-Ateísmo, Um Delírio

  9. Pingback: Igreja Católica deve contabilizar uma batalha perdida… é momento de reflexão « Luciano Ayan