Domingo, Regina Caeli, Laetare!

closeAtenção, este artigo foi publicado 7 anos 4 meses 21 dias atrás.

O Exsultet é um dos cantos litúrgicos que eu mais gosto de ouvir. Não seria de modo algum exagero dizer que eu passo o ano esperando a missa da Vigília Pascal, para escutá-lo. Exsultet jam angelica turba caelorum; / exsultent divina mysteria: / et pro tantis Regis victoria / tuba insonet salutaris. Na tradução para o português que possuo no meu missal (tridentino) de bolso: “Exulte agora a milícia angélica; celebrem-se, com júbilo, os divinos mistérios. E que a tuba da salvação proclame a vitória do grande Rei!”.

O cântico é triunfal: é a proclamação da Páscoa, já no início da Vigília. Cristo ressuscitou, aleluia: que se alegrem os anjos no Céu e os homens na terra. As imagens evocadas pelo cântico são belíssimas: haec nox est, in qua, destructis vinculis mortis, / Christus ab inferis victor ascendit. / Nihil enim nobis nasci profuit / nisi redimi profuisset. Na tradução do Missal (de Paulo VI) brasileiro: “Ó noite em que Jesus rompeu o Inferno, / ao ressurgir da morte vencedor… / De que nos valeria ter nascido / se não nos resgatasse em Seu amor?” E eu precisaria ficar citando e traduzindo cada um dos versos do cântico, para ser justo. É maravilhoso – de uma grandeza adequada à grandeza da noite da Vigília Pascal.

É a Noite feliz na qual nós celebramos o Sepulcro Vazio, a vitória sobre a morte, a Gloriosa Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo, o mais eloqüente testemunho de Sua divindade! E, digam o que disserem os céticos dos nossos dias, a Ressurreição de Nosso Senhor é um fato histórico, acessível às ciências humanas tanto quanto é possível que fatos históricos o sejam. São Paulo nos disse que, se Cristo não tivesse ressuscitado, vã seria a nossa Fé. Ora, é óbvio que a Fé Cristã não foi “vã”, posto que ela, de uma região obscura do Oriente Médio dominada pelo Império Romano dois mil anos atrás, expandiu-se a ponto de construir o mundo no qual, hoje, nós vivemos. Qual é a causa de fecundidade tão extraordinária, sem absolutamente nenhum paralelo na história da humanidade? Se a razão de ter “vingado” o Cristianismo não é – como os próprios cristãos sempre afirmaram – a Sua origem sobrenatural, então qual é? Aqui, calam-se os céticos. Que se calem! Que deixemos os sinos proclamarem a razão da nossa esperança, e o duplo aleluia triunfal que ecoa em nossas igrejas anunciar que Cristo ressuscitou dos mortos.

Porque, sim, “a erva medicinal contra a morte existe” – como disse o Papa Bento XVI na homilia da Vigília Pascal de ontem. “Cristo é a árvore da vida, que se fez novamente acessível”. Temos motivos suficientes para nos alegrarmos – nós, que não somos nada, que somos miseráveis e pecadores, foi por nós que Cristo morreu e, como se isso já não fosse muito mais do que merecemos, foi por nós que Ele ressuscitou. A parábola do Filho Pródigo vem-me à mente: o pai não apenas perdoa as ofensas do filho, como também põe-lhe roupa nova, anel no dedo e sandália aos pés, e inicia uma grande festa. Cristo não apenas perdoa os nossos pecados, como nos convida a participar da Sua alegria, como nos abre as portas da Vida Eterna.

Porque, se morremos com Cristo, também com Cristo ressuscitaremos. É este o segredo da alegria pascal, este é o motivo do júbilo que hoje invade as nossas igrejas: temos acesso à árvore da Vida, e podemos ter a Vida Eterna que não merecemos, e podemos viver na Bem-Aventurança da Trindade Santa da qual não somos dignos. Ó mistério luminoso, que as palavras não são capazes de descrever como convém! Alegremo-nos. Alegremo-nos no Senhor, porque Ele ressuscitou verdadeiramente. Como se diz na antífona mariana que iremos cantar durante todo este tempo pascal: alegrai-Vos, Rainha do Céu, Aleluia, porque Aquele que merecestes trazer no Vosso seio, Aleluia, ressuscitou, como havia dito, Aleluia! Rogai por nós a Deus, Aleluia. Sim, ó Rainha do Céu, rogai por nós a Deus, para que também alcancemos, um dia, a Vida Eterna de Bem-Aventurança que, no dia de hoje, o Vosso Divino Filho alcançou para nós.

* * *

Ler também: Mensagem Urbi et Orbi do Papa Bento XVI – Páscoa 2010. “A Páscoa não efectua qualquer magia. Assim como, para além do Mar Vermelho, os hebreus encontraram o deserto, assim também a Igreja, depois da Ressurreição, encontra sempre a história com as suas alegrias e as suas esperanças, os seus sofrimentos e as suas angústias”.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

5 thoughts on “Domingo, Regina Caeli, Laetare!

  1. Sócrates Sovita

    O Islão, de uma região obscura do Oriente Médio dominada por inúmeros povos mil e quinhentos anos atrás, expandiu-se a ponto de construir o mundo no qual, hoje, muitos vivem. Qual é a causa de fecundidade tão extraordinária, com um único paralelo na história da humanidade, o Cristianismo? Se a razão de ter “vingado” o Islão não é a sua origem sobrenatural, então qual é? Aqui, calam-se os céticos. E os cristãos?

  2. Paulo

    “O Senhor está morto, mas a Virgem Santíssima permaneceu conosco.”
    Na minha bíblia diz que quem ele deixou conosco como consolador é o Espírito Santo, e não maria…

  3. Sidnei

    “Na minha bíblia diz que quem ele deixou conosco como consolador é o Espírito Santo, e não maria…”

    O ESPÍRITO SANTO nos consola ensinando: “Quando vier o Paráclito, o Espírito da Verdade, ensinar-vos-á toda a verdade, porque não falará por si mesmo, mas dirá o que ouvir, e anunciar-vos-á as coisas que virão.” (João 16,13)

    Maria nos foi dada como mãe, por JESUS, na pessoa de seu discípulo que mais amava: “Quando Jesus viu sua mãe e perto dela o discípulo que amava, disse à sua mãe: Mulher, eis aí teu filho. Depois disse ao discípulo: Eis aí tua mãe. E dessa hora em diante o discípulo a levou para a sua casa.”, e Maria nos consola como mãe orando por nós.
    Portanto, há um grande diferença entre o consolo vindo do ESPÍRITO SANTO que nos ensina na coisas da fé, e no consolo vindo de Maria que intercede por nós a DEUS em nome de seu filho JESUS, como uma boa mãe o qual ela nós é.

  4. Sidnei

    E quanto a expanção do Islamismo em contraste com o Cristianismo se pergunta: os muçulmanos em sua origem foram tão perseguidos quanto os cristãos?.

  5. Domingos Assunção

    A Solene vigília Pascal celebrada na Catedral de Belém foi linda. O senhor Arcebispo Dom Alberto Taveira presidiu todas as solenidades da Semana Santa e, ao final da celebração, agradeceu e parabenizou o Cura da Catderal Padre Gonçalo pela beleza da Litúrgia e o cuidado com as celebrações da Semana Santa. Acho que no Brasil não existe nenhuma Catedral que barre a beleza dos grandes pontificais celebrado em Belém. Ao final a grande Schla Cantorum da Catedral entoou o Regina Coeli e o Aleluia de Handel. Foi espetácular.

    (p.s) A mior parte dos cânticos foi em Latim, incluíndo o Credo e o Pai Nosso.