Lamentáveis Equívocos – Côn. Vidigal

closeAtenção, este artigo foi publicado 7 anos 4 meses 19 dias atrás.

[Recebi por email do prof. Felipe Aquino e, como não encontrei disponível na internet, julguei por bem reproduzir aqui. É muito bom que a Igreja, no Brasil, esteja – enfim! – encontrando defensores. Que a Virgem Aparecida cuide da Terra de Santa Cruz.

Sobre o mesmo assunto, ler também:

1. Clima artificial de pânico moral

2. Imprensa x Igreja

3. Quando se confunde a árvore com a floresta… (não católico)]

LAMENTÁVEIS EQUÍVOCOS

Côn. José Geraldo Vidigal de Carvalho*

Quem nestes dias, com senso crítico, percorre a imprensa nacional e internacional fica estarrecido com os equívocos que são disseminados no que tange ao tsunami que, dizem, vem arrasando (sic) a Igreja Católica. De um lado, o desconhecimento das mais elementares normas da Lógica, ciência tão glorificada pelo inigualável filósofo grego Aristóteles que já ensinava que a conclusão não pode ir além das premissas.

De fato, frases de efeito são projetadas como esta: “A Igreja na Irlanda está desmoralizada”. Ainda que se dissesse que o Clero católico da Irlanda está comprometido haveria um erro, pois o certo seria dizer que uma parte do clero da Irlanda está maculada diante dos casos de pedofilia divulgados por Seca e Meca. De duas uma, ou seja, ou se ignoram as regras do bom raciocínio ou a intenção é mesmo satânica de denegrir uma Instituição que pelos séculos afora tem ostentado um número luminoso de sacerdotes e leigos impolutos que fazem a glória do gênero humano, epígonos de Cristo: luz para o mundo e sal para a terra..

Padres “construtores da justiça, da solidariedade e da paz, merecedores de credibilidade”, como bem se expressou D. Walmor Oliveira de Azevedo, Arcebispo de Belo Horizonte. Outra imprecisão é querer ligar a questão da pedofilia com o celibato, dado que, neste caso, se vende gato por lebre. É desconhecer o sentido mesmo das palavras e afirmar que entre todos os que se casam não há casos de pederastia e outros desvios sexuais. O problema do celibato é de foro interno da Igreja que nunca deixou de exigir que seus Seminários preparem do melhor modo possível os candidatos ao sacerdócio, excluído de plano qualquer seminarista que não ostente virtudes compatíveis ao ministério que aspira.

O sacerdote deve estar inteiramente dedicado à seara do Senhor e se torna o pai de uma família muito mais numerosa que são os fiéis a ele confiados. O número de pessoas casadas que, infelizmente, se divorciam e não cumprem com as promessas matrimoniais mostra às claras que a questão do celibato é sempre muito mal posta na mídia em geral. Anormalidades éticas sempre as haverá devido a inclinação do ser humano para o mal, fruto do pecado original, mas o que se esquece é que o equilíbrio moral, a santidade de vida, o ideal de  uma vida impoluta é uma realidade na maioria absoluta dos cristãos, mas os atos fulgurantes dos virtuosos nem sempre são objeto de reportagens, pois os sensacionalistas  estão a serviço dos escândalos.

Errar é humano, perseverar no erro é que se torna diabólico. Cumpre se lembrem as palavras de São Paulo a Timóteo: “Sabemos que a lei é boa, contanto que se faça dela uso legítimo e se tenha em conta que a lei não foi feita para o justo, mas para os transgressores e os rebeldes, para os ímpios e os pecadores, para os irreligiosos e os profanadores, para os que ultrajam pai e mãe, os homicidas, os impudicos, os infames, os traficantes de homens, os mentirosos, os perjuros e tudo o que se opõe à são doutrina e ao Evangelho glorioso de Deus bendito, que me foi confiado” (1 Tm 1, 8-11). Aqueles mesmos que, deturpando a Inquisição, chamam a Igreja de intransigente, desejariam que ela tomasse medidas radicais em qualquer caso de algum erro de algum eclesiástico.

Muitos olvidam que os dados austeros da estatística comprovam que 98% dos elementos do Clero cumprem fielmente os seus deveres numa operosidade admirável para o bem das almas e o progresso social. São sustentados pelas preces dos fiéis e por movimentos que trabalham pela santificação dos sacerdotes como, por exemplo, o Instituto Mater Christi que tem núcleos espalhados por inúmeras Paróquias regidas por párocos dedicados, edificadores de uma sociedade humana e justa. Mais do que nunca ressoam as palavras de Cristo o qual prometeu que jamais as portas do inferno prevalecerão contra sua Igreja (Mt 16,18)

* Professor no Seminário de Mariana durante 40 anos.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

8 thoughts on “Lamentáveis Equívocos – Côn. Vidigal

  1. Pingback: Les Sources [As Fontes] « “Erguei-vos, Senhor”

  2. Pedro

    Achei excelente o artigo do Pravda. Uma visão justa, muito diferente de outros jornais e revistas, dominados pela “doença infantil do esquerdismo”, como dizia Lenin.

  3. Valdir A. C.

    Sem dúvida vivemos, como dizer…, o tempo em que os inimigos de Cristo e Sua Igreja estejam chegando ao ápice de sua guerra há muito urdida! Pois que já estão em luta em todas as linhas de combate (religiosa, cultural, política, social e etc.). Como apreciador de cinema e música fico enojado como, nas menores coisas e nas mais simples estórias, roteiros e letras se encontra uma maneira de degradar, ofender, menosprezar, diminuir (ou anular) qualquer coisa referente a Igreja. Peças de teatro, filmes, animações, textos e letras de música são armas usadas, por vezes sem disfarces!
    A mídia ocupa um lugar de destaque e é o meio mais nojento e asqueroso de ataque à Sã Doutrina (excetuando-se o “baixo” clero) mentindo, omitindo e alterando a notícia e as informações sobre a Igreja e o clero.
    Só para citar um exemplo: No jornal da band, semana passada creio eu…, a noticia era a seguinte: “As mulheres foram destaque na Biblia, mas a hierarquia da Igreja Católico as relevou a um segundo plano.” Precisa dizer mais alguma coisa!? Como o cidadão mediano (sem cultura, sem catequese e etc) vai assimilar essa notícia, como vai identificar nisso uma mentira deslavada! Sendo, ainda, que a maioria do povo costuma se direcionar não pelo que diz seu pároco (se católico) ou o bom censo, mas pelo que a televisão falou (“Não! É verdade o jornal nacional falou ontem… vc não viu!!??). A referência ao que é lícito e verídico são os meios de comunicação e não mais a Doutrina da Igreja! Um trabalho árduo dos inimigos da Igreja que agora já tem dado “bons” frutos!

    Auxílio dos Cristão, rogái por nós!

    P.S.: Me parece, salvo melhor informação, que Pravda de onde tem origem o excelente artigo não é o mesmo Pravda da propaganda soviética!

  4. Geraldo Dalla Nora

    Padres deveriam serem castrados se querem ser celibatários´para não ficarem tentando as mulheres, filhas, filhos e crianças dos outros, corja de hipocritas!!!!

  5. Genivaldo Estigarribia

    Concordo com Geraldo D.N. padres, bispos ou casem ou sejam castrados para não ficarem tentando nossa mulheres, maridos desconfiem de mulheres que vão muito a igreja, conheci uma que enquanto o marido trabalhava ela [CENSURADO], pois padre sempre tem tempo de sobra.

  6. Antonio Picolli Sobrinho

    Inimigos da igreja, perseguidores da igreja, opressores da igreja etc… parece que a igreja não tem liberdade neste pais, se queixa de ser combatida e caluniada, no entanto atravez dos séculos não foi outra coisa que fez e ainda faz onde tem poder, acusando, descriminando, quem não professa a mesma crença ou tenha a mesma orientação politica, com muitos de seus membros dando maus exemplos, cabe aqui a citação : “Tire antes a trave que está em teus olhos e depois tire o cisco do olho dp proximo.