A CNBB e a nota da Pastoral de Católicos na Política sobre o PNDH-3

closeAtenção, este artigo foi publicado 7 anos 3 meses 20 dias atrás.

Vou comentar ligeiramente os comentários que recebi no meu post sobre “Quem poupa o lobo sacrifica as ovelhas”.

1. É perfeitamente possível que a referida notícia publicada n’O Dia seja falsa. No entanto, dado o histórico da Conferência, infelizmente ela é perfeitamente verossímil e negar isso é fechar os olhos para a realidade. Eu não duvido nada de que seja esta a posição da CNBB (haja vista o fato da Conferência não ter subscrito a nota da Pastoral carioca) ou de Dom Dimas Lara Barbosa. Aliás, qualquer pessoa que não viva no fantástico mundo de Bobby está obrigada a reconhecer, para ser honesta, que a notícia não tem nada de inverossímil e nem ao menos de improvável.

2. Para obter informações, é perfeitamente inócuo escrever para a CNBB. Já perdi as contas das mensagens que escrevi (umas que inclusive pus aqui no Deus lo Vult!, e outras que provavelmente nem os próprios destinatários leram) e acho que, até hoje, só recebi uma única resposta lacônica e atrasada (a propósito, sobre o PNDH-3). O que é necessário, no meu humilde entender, é fazer pressão para encorajar os bons pastores (ou – ao menos – os pastores que não são lobos declarados) a romperem o silêncio e tomarem uma posição católica. Acho que é somente por isso que ainda gasto o meu tempo escrevendo à CNBB.

3. Se o jornal está falsificando a posição do Secretário-Geral da CNBB, nada mais fácil: basta Sua Excelência vir a público dizer que não condena, de maneira alguma, a nota de Dom Filippo Santoro, e que ele em particular e a Conferência como um todo a subscrevem integralmente. Com muita alegria eu publicaria uma tal declaração aqui no blog. Se alguém tiver contacto com Dom Dimas Lara Barbosa, pergunte-lhe isso. Retrato-me publicamente, e retrato-me com muito gosto, se Sua Excelência disser que não é esta a posição dele.

4. Se, no entanto, Sua Excelência prefere deixar o dito pelo não dito, e não desdizer nem corroborar – muito pelo contrário… – a sua alegada declaração (que, aliás, é pública – não fui eu que inventei), cabem os mesmos comentários que foram feitos anteriormente. Os lobos precisam ser apontados claramente, e deixar dúvidas sobre a posição da Conferência em um assunto de tão grande gravidade é o perfeito equivalente a proteger os lobos, negando-se a apontá-los com clareza. Se não há apoio expresso à nota da Pastoral de Católicos na Política e, ao mesmo tempo,  deixa-se correr livremente uma notícia segundo a qual o Secretário-Geral teria afirmado que “o texto não pode ser visto como uma posição da Igreja”… acaso cometemos alguma injustiça quando tomamos como verdadeira a posição noticiada?

5. Para questionar o jornal que publicou originalmente a notícia, basta clicar aqui.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

2 thoughts on “A CNBB e a nota da Pastoral de Católicos na Política sobre o PNDH-3

  1. Pingback: Tweets that mention Deus lo Vult! » A CNBB e a nota da Pastoral de Católicos na Política sobre o PNDH-3 -- Topsy.com

  2. João de Barros

    Por falar nisso, já leu no Veritatis o trecho abaixo?

    “E há muitos que odeiam este santo e bendito Papa [Bento XVI]! Foi ele que, logo ao assumir, suspendeu o Padre Marcial Maciel, sacerdote famoso e muito apreciado por João Paulo II (o Papa João Paulo desconfiava muitíssimo de acusações na área de pedofilia, porque os comunistas poloneses utilizavam muitas acusações falsas como modo de desmoralizar o clero polaco. Isto criou em João Paulo II uma tendência a não dar muito crédito às acusações. Sempre que via um padre zeloso ser acusado, a tendência era logo recordar as mentiras dos comunistas poloneses… daí, a lentidão do processo do Pe. Macial. Foi um erro compreensível, mas um erro). Bento XVI não! Suspendeu o Pe. Maciel e determinou que vivesse seu fim de vida de modo recluso e sem contato algum com os fieis, numa vida de oração e penitência. O mesmo com o conhecidíssimo italiano Pe. Luigi (Gino) Burresi. Sua punição foi severíssima. Aos Bispos sempre recomendou tolerância zero com a pedofilia. Em seus pronunciamentos sobre o tema, nunca, Papa algum foi tão direto, claro e radical: na Igreja não há lugar para pedófilos. Os pedófilos devem ser demitidos do estado clerical e os Bispos devem comunicar à justiça comum! Tanto que em seu pontificado os casos de pedofilia desabaram…”

    http://www.veritatis.com.br/inicio/blog/548-meu-bento-xvi

    Quem me dera ser sergipano para ter um bispo que pensa assim!