Deus quer que todos se salvem

closeAtenção, este artigo foi publicado 7 anos 3 meses 20 dias atrás.

Certa feita, em confissão, após me acusar de falta de empenho em batalhar pela minha própria santificação, o sacerdote que me confessava disse-me uma frase profundamente verdadeira e que acho que nunca vou esquecer. Ele me disse “meu filho, Deus oferece sempre os meios necessários para que nos santifiquemos; agora, precisamos fazer a nossa parte. Não se esforçar para a própria santificação até deixar a alma morrer é a mesma coisa que um sujeito morrer de fome tendo um prato de comida à sua frente, pelo simples fato de que tem preguiça de pegar os talheres, levar o alimento à boca e o mastigar”.

Verdadeira comparação – Deus nos oferece sempre os meios dos quais necessitamos para que sejamos salvos. Eis que Ele está à porta e bate – é necessário somente que abramos à porta. As graças que o Onipotente nos concede são tantas e tão abundantes… só precisamos aceitá-las, colaborar com este Deus amoroso, oferecer o obséquio de nossa inteligência e vontade ao Deus que nos ama e quer a nossa salvação.

Eu precisaria pesquisar melhor para ter as referências completas (coisa que não posso fazer agora), mas é de fide que Deus oferece a todas as pessoas graças suficientes para que elas sejam salvas. Ao contrário da predestinação inexorável calvinista, a Doutrina Católica contempla o livre-arbítrio humano – esta característica integrante (e parte constituinte) do homem. Deus quer que todos se salvem e cheguem ao conhecimento da Verdade, como está nas Escrituras Sagradas.

Isto, obviamente, inclui os ateus. Trouxe à baila o assunto porque me lembrei de que, certa feita, vi um ateu dizendo “não ter culpa” de não acreditar, uma vez que ele simplesmente não conseguia fazê-lo – da mesma forma como (e aí entram as comparações descabidas) ninguém poderia ser culpado de não acreditar no Papai Noel ou no Coelhinho da Páscoa. Ele, ateu, simplesmente não conseguia – disse até querer! – acreditar em Deus. E até se queixava: se a Fé é um dom, por que Deus não a concedeu a ele?

O argumento não procede. São Paulo já o dizia: “Desde a criação do mundo, as perfeições invisíveis de Deus, o seu sempiterno poder e divindade, se tornam visíveis à inteligência, por suas obras; de modo que não se podem escusar” (Rm 1, 20). A auto-mutilação intelectual que o ateu se impõe é a verdadeira responsável por ele “não conseguir” acreditar. Na analogia do sacerdote que contei acima, seria como amarrar as próprias mãos às costas e depois se queixar de que não consegue manusear os talheres para comer. Não é justificativa – e o sujeito que morre de fome e o ateu que morre sem fé são eles próprios os culpados do seu infortúnio.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

4 thoughts on “Deus quer que todos se salvem

  1. Pingback: Tweets that mention Deus lo Vult! » Deus quer que todos se salvem -- Topsy.com

  2. Rafael Vitola Brodbeck

    CLAP, CLAP, CLAP, CLAP! CLAP, CLAP, CLAP, CLAP! CLAP, CLAP, CLAP, CLAP! CLAP, CLAP, CLAP, CLAP!CLAP, CLAP, CLAP, CLAP! CLAP, CLAP, CLAP, CLAP!CLAP, CLAP, CLAP, CLAP!CLAP, CLAP, CLAP, CLAP!CLAP, CLAP, CLAP, CLAP!

    CLAP, CLAP, CLAP, CLAP! CLAP, CLAP, CLAP, CLAP! CLAP, CLAP, CLAP, CLAP! CLAP, CLAP, CLAP, CLAP!CLAP, CLAP, CLAP, CLAP! CLAP, CLAP, CLAP, CLAP!CLAP, CLAP, CLAP, CLAP!CLAP, CLAP, CLAP, CLAP!CLAP, CLAP, CLAP, CLAP!

    CLAP, CLAP, CLAP, CLAP! CLAP, CLAP, CLAP, CLAP! CLAP, CLAP, CLAP, CLAP! CLAP, CLAP, CLAP, CLAP!CLAP, CLAP, CLAP, CLAP! CLAP, CLAP, CLAP, CLAP!CLAP, CLAP, CLAP, CLAP!CLAP, CLAP, CLAP, CLAP!CLAP, CLAP, CLAP, CLAP!

    CLAP, CLAP, CLAP, CLAP! CLAP, CLAP, CLAP, CLAP! CLAP, CLAP, CLAP, CLAP! CLAP, CLAP, CLAP, CLAP!CLAP, CLAP, CLAP, CLAP! CLAP, CLAP, CLAP, CLAP!CLAP, CLAP, CLAP, CLAP!CLAP, CLAP, CLAP, CLAP!CLAP, CLAP, CLAP, CLAP!

  3. Malu

    Jorge,
    Mais que o ateu confesso, por quem Nosso Senhor e a Mãe Santíssima certamente empreenderão, preocupam-me aqueles que andam comprando deus no shopping; sob medida. Um deusinho que lhes atenda as necessidades, mas que não imponha desafios, sobretudo os desafios morais.
    Que bom que o seu confessor lhe cobrou empenho em sua salvação. Infelizmente alguns padres são tão mal formados ou permissivos que acabam nos conduzindo à versão conveniente do deus prêt-à-porter.
    Assim a salvação não chega porque há a ilusão de que já chegou.