“Gay Católico”?!

closeAtenção, este artigo foi publicado 7 anos 3 meses 19 dias atrás.

Recentemente, mostraram-me dois sites de “catolicismo gay”. Um é lusitano; o outro, não faço idéia. E, vendo este tipo de coisa, fica patente o quanto Santo Agostinho estava correcto ao falar em como era perniciosa a liberdade do erro.

Vou colher só dois exemplos, ao acaso, dos dois sites, apenas para fins ilustrativos. No primeiro, pode-se ler o seguinte:

Estão nove homens na sala, entre os quais três casais, sendo que não ultrapassam os 15 nos dias de maior participação. Isto apesar dos muitos contactos através da Internet, o que os leva a concluir que serão 300 no País. São católicos praticantes, confessam-se, comungam e são padrinhos, tudo o que a hierarquia da Igreja lhes proíbe. Dizem que o fazem conscientemente.

E, no segundo:

Logo, Ele estava referindo-se APENAS aos que não se recusavam ao sexo, sem com isso passar a idéia de que se referia aos machos adultos estéreis. Quer dizer, Ele estava referindo-se somente aos nascidos sexualmente ativos que recusavam-se ao sexo com mulheres. Os homossexuais.

Conclui-se daí que Ele afirmou, em MATEUS 19, vers 11, que os homossexuais nascem homossexuais.

É preciso deixar claras algumas coisas. Só faz sentido falar em “gay católico” se estivermos nos referindo ao sujeito que, a despeito de ter inclinações – mais ou menos fortes – por pessoas do mesmo sexo, acolhe na íntegra a Doutrina Moral da Igreja sobre a sexualidade e esforça-se sinceramente para, com o auxílio da graça de Deus, levar uma vida casta e agradável aos olhos de Deus, oferecendo os seus sofrimentos em união aos de Nosso Senhor na Cruz para a sua própria santificação e a do mundo inteiro. Não é sobre isto que os sites acima referidos falam. Aliás, não é nada nem parecido com isso.

O primeiro excerto que eu trouxe acima fala sobre pessoas que, deliberada e conscientemente, rasgam a Doutrina Moral da Igreja e se entregam aos seus próprios vícios e desejos, fazendo duas vezes o que a Igreja proíbe: na prática dos atos homossexuais e na recepção dos Sacramentos em estado de pecado. O segundo excerto faz uma exegese com sabor de blasfêmia de um texto do Sagrado Evangelho, a qual tem objetivamente o exacto mesmo valor de uma interpretação meia-boca qualquer de qualquer passagem bíblica feita por qualquer igrejola protestante de esquina ou pelo Inri Cristo. Em vinte séculos de Cristianismo esta interpretação descabida sequer passou pela cabeça dos cristãos, não encontra eco nos escritos dos Santos Padres e nem nos documentos do Magistério da Igreja – ao contrário, contraria-os frontalmente. Trata-se, portando, de verdadeiro e próprio anti-catolicismo, apresentado com roupagem católica e com uma linguagem agradável que pode enganar os desavisados. São lobos em pele de cordeiro.

Este tipo de propaganda daninha às almas que apresenta o mal como se fosse um bem e incensa o pecado como se fosse a mais sublime manifestação da santidade é, além de uma blasfêmia e de uma desonestidade intelectual absurda, um ultraje às pessoas que – agora sim – apresentam tendências homossexuais mas preferem antes servir a Deus do que ao próprio ventre, e esforçam-se por levar uma vida de castidade pautada pela Lei de Deus.

Convém repetir: não existe “gay católico” se estivermos falando do sujeito que faz franca e aberta guerra contra o que a Igreja ensina – como é o caso dos dois sites supracitados. O “gay católico”, neste sentido, é a exata mesma coisa que o “masturbador católico”, o “zóofilo católico” ou qualquer outra aberração do tipo: uma pessoa que não aceita o ensino moral da Igreja e lhe quer opôr um próprio, que satisfaça aos seus desejos e às suas comodidades. Ninguém é obrigado a ser católico. Mas, se o sujeito se apresenta como católico por um lado e, por outro, solapa a autoridade moral da Igreja, precisa ser desmascarado. Porque honesto – agora sim – todo mundo é obrigado a ser.

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

173 thoughts on ““Gay Católico”?!

  1. Eduardo Araújo

    Caríssimo Sidnei, acabei de ler a ótima resposta do Jorge ao fanático gayzista jean, em que mais uma vez lembra o assunto do post: a notícia de sites de “gays católicos” e a impropriedade disso, porquanto ser católico e ser gay são incompatíveis. Resulta que a iniciativa desses homossexuais tem o efeito de um anti-catolicismo, digo eu, de cunho gramsciano, tentando operar uma deformação da Igreja a partir de dentro.

    Os comentários que se seguiram, de gays inflamados, não consideraram a óbvia incompatibilidade, enveredando por uma série de pretensos questionamentos da Doutrina Católica, da história da Igreja e conseguiram até meter um projeto de lei de Uganda visando atos criminosos praticados por homossexuais.

    Cheguei a participar respondendo diretamente a essas pessoas, mas o Jorge abriu-me os olhos para os detalhes importantes:

    1 – eles não estão nem um pouco interessados em um debate sincero sobre qualquer assunto;

    2 – em geral, as manifestações desses gays revelam uma carga considerável de desonestidade intelectual;

    3 – como vem ocorrendo, sempre que alguém diz ou escreve algo que não agrada aos gays, eles aparecem todos feito “vítimas” de uma “sanha perseguidora” de nós cristãos, que por isso os odiaríamos, não os respeitaríamos, seríamos intolerantes, etc. Em verdade, ódio, falta de respeito e intolerância são o que mais se observam nos comentários deles. O Jorge apontou a intolerância fanática a um desses gays e eu – com a licença dele – reproduzo aqui suas palavras, que também correspondem ao que penso, em geral, sobre tudo isso:

    “… és um gay fanático que, por algum motivo absurdo, não toleras de jeito nenhum que a Fé Católica (com a qual tu não tens nada a ver) afirme que os atos homossexuais são pecados, e queres impôr aqui, em um blog católico, a tua verdade e a tua teologia (a)moral. Acontece que nós não estamos nem um pouco interessados nela, caríssimo: recebemo-la, comparamos com a Moral Católica, percebemos que a tua é um lixo e, acto contínuo, descartamo-la como tal. Custa respeitar isso? Podemos acreditar naquilo que nós desejamos?”

    Enfatizo por demais as perguntas do Jorge:

    Custa respeitar nossas crenças e opiniões?

    Podemos acreditar naquilo que nós desejamos?

    Rapaz, esse pessoal não quer deixar que sejamos diferentes deles. E ainda vêm nos chamar de hipócritas (será que sabem o significado desse termo?). Que hipocrisia mais gritante que viver reclamando o “direito de ser diferente” e insurgir-se agressivamente contra quem é (deles) diferente?

    4 – isto posto, caríssimo, sinceramente já vejo toda essa nossa refutação, mostrando pontos da Doutrina, do Magistério da Igreja, a interpretação correta da Bíblia, tudo isso, Sidnei, está servindo de pérolas jogadas aos porcos, no melhor sentido Evangélico da expressão;

    5 – como argumentar, por exemplo, com um sujeito que extrai de uma ação descrita no relato bíblico uma conclusão estapafúrdia, uma típica falácia de falsa relação. E possível argumentar com individuos que têm essa visão reducionista em prol do gayzismo:

    – se A urdiu uma trama que envolveu relações com B, então A “pode” ter tido um caso lésbico com sua sogra…. (!!!)

    – se C tinha uma grande amizade com D e (como era costume daquele povo, sem qualquer conotação sexual, vide o beijo de Judas em Jesus) C beijou D, logo C e D eram uma dupla gay …. (!!!!);

    No meu primeiro comentário, já havia mencionado esse estratagema gayzista de formar “casaizinhos gays” na história, como a insinuação envolvendo a Imperatriz Leopoldina. Ora, não contentes reslveram também formar os tais casaizinhos na Bíblia. E que “poderosa” argumentação: (ex.) “o fato de poder tido relações com sua sogra” virou “teve relações com sua sogra”. É mole?

    Por isso, com toda paz de espírito, não estou exaltado, afirmo com convicção: isso é pura vigarice, patifaria intelectual. Ah, fulaninho não gostou? Alega que estou usando de “ad hominem” (duvido até que saibam distinguir uma verdadeira aplicação de sofismas)?

    Tudo isso é facilmente refutado, mas note como habilmente os gayzistas fogem ao tema do post: a TOTAL INCOMPATIBILIDADE entre ser gay e ser católico e a consequente desonestidade de quem alega seguir a nossa religião ao mesmo tempo que mantém um comportamento inaceitável pela Sua Doutrina. Oras, pois … Ninguém é obrigado a ser católico. Qual a pretensão, assim, de quem insiste em se declarar nesses termos, afrontando a Igreja? Fiel infiel?!

  2. Diógenes Leite

    Se vocês estão do lado da verdade, por que apagar os comentários do Jean Montecarlo? O que vocês temem?

  3. Diógenes Leite

    “Tenho amigos que doutoraram-se em Teologia, na Itália. No mundo da exegese bíblica, para alguém publicar um artigo relavnte na área, leva uns 20 anos. Isso porque, além de ter de aprender as línguas modernas em que há publicações relevantes – italiano, espanhol, inglês, alemão e francês – o exegeta precisa dominar línguas antigas – pelo menos latim, grego e hebraico, quiçá aramaico.”
    Cara! Para interpretar escritos de semi-analfabetos não precisa dessa “viagem” toda não! Quem escreveu tais escrituras, eram pessoas simples que mal entendiam a forma de escrita. Sendo assim, acho que esses teus amigos querem mesmo é se destacar na tua instituição (católica).

  4. Diógenes Leite

    Sidnei!
    “Eu já bati de frente com gente idiota, mas este está se superando.”
    Todos nós batemos de frente com pessoas idiotas! E há aqueles que se acham o dono da verdade, tornando-se o verdadeiro hipócrita, enganador, falso e covarde por apagar comentários dos outros, com medo de bater de frente com quem conhece seus podres!

  5. Diógenes Leite

    “O que Rute fez para se deitar com Booz é fato suficiente em dizer que ela teve uma relação homossexual com a sogra?, se você considera isto um fato, porque o autor sagrado não colocou também isto juntamente com o que fez Rute quando se ditou com Booz?”
    Não, seu hipócrita! Você entendeu o que eu quis dizer! Mas entrando no seu joguinho de “desentendido”…
    O que eu quero dizer é que você ignora o fato de rute poder ter amado a sua (sogra) numa relação homossexual, mas nem comenta a “safadeza” entre as duas – numa trama – para se deitar com um homem. Entendeu ou quer que sua igreja interprete as minhas palavras?

  6. Diógenes Leite

    Alguns pontos ignorados nos meus comentários – apesar das explicações chulas, em refutação ao que já foi LEVANTADO pelos “sábios” deste blog contra os homossexuais:
    1- Quem, biblicamente falando, está livre do pecado? O Papa? Creio que não, porque enquanto ele confessar ser humano, nunca estará livre do “pecado”. Lembra desses versículos? Salmos 51.5; Provérbios 20.9; João 8.7.
    E eles continuam a atirar suas pedras nos outros!
    _________________________________________________________
    2- Podemos confiar na interpretação da Igreja?
    O Papa Pio IX, anos 1846-74, havia definido essa aversão dizendo: “A leitura da Bíblia é um veneno!” (Sill. 8-12-64)
    Se o próprio “sucessor” de Pedro(?) afirmou isso, o que eles querem? Tapar o sol com a peneira? Em sucessivos Concílios depois do século IV os papas sancionaram muitos dogmas que modificaram o Cristianismo na sua essência: Purgatório, Celibato, Transubstanciação, infalibilidade papal, culto a imagens, uso de velas, água benta, etc…
    _________________________________________________________
    3- O pecado tem origem no coração do homem: Marcos 7.20-23; Mateus 5.27-28.
    E eles continuam achando que estão livre do pecado!
    _________________________________________________________
    4- Quem cumpriu (?) “essa ‘profecia’ de ‘Cristo” de edificar a igreja foi Paulo e não Pedro!
    Confira:
    – Recebeu o evangelho mediante revelação: Ef 3.3; Rm 16.25; Gl 1.11-12
    – Meu evangelho: Rm 2.16; I Tm 1.11; 6.14; Gl 2.7; At 13.46; 22.21; I Ts 2.4.
    _________________________________________________________
    5- Conceito de família? Família pra você é ter filhos, só? Não foi isso que Cristo ensinou: Mt 12.48. Mas você vai lançar Mt 19. 4-6 como refutação! E eu já acrescento os versículos 11 e 12 para uma melhor compreensão da condição humana.
    Fui bastante claro quando citei tais versículos que era “para uma melhor compreensão da condição humana!
    _________________________________________________________
    6- “Quando eu minto, eu não falo: “ah, mas mentir não é pecado”. Eu sei que pequei, me arrependo, e busco não mais pecar. O mesmo para todos os outros muitos pecados que cometo.”
    De que adianta esse teu arrependimento? Você consegue parar de mentir? Consegue parar de pecar? Busca não mais pecar? Já não leu na Bíblia que tudo o que você faz para ser justificado, são como trapos imundos? Is 64.6.
    Tudo o que você faz para ser “justificado” de alguma forma, são “trapos imundos”. Isso inclui até seguir mandamentos da Santa Madre Igreja!

  7. Jorge Ferraz Post author

    Sr. Diógenes,

    O lixo postado pelo Jean (e por outros) está sendo apagado pelo simples motivo de que calúnias históricas dignas d’O Código da Vinci, lixo publicado pela revista pseudo-intelectual “SUPERINTERESSANTE”, e outras coisas do tipo, não têm, absolutamente, nenhuma relevância para o tema em discussão, que é – convém lembrar – o fato de que a Igreja Católica possui uma Doutrina segundo a qual os atos homossexuais são intrinsecamente desordenados e da qual, discordando, ninguém pode ser católico.

    Se houvesse real interesse em aprender sobre assuntos históricos como Inquisição, Cruzadas e coisas do tipo, há uma quantidade gigantesca de material acessível a qualquer um a uma simples pesquisa de Google. Como, no entanto, os baderneiros só querem fazer baderna (e ignoraram sistematicamente os meus pedidos para que os assuntos fossem tratados com um mínimo de foco), e o Deus lo Vult! nunca se propôs ser picadeiro para que palhaços fizessem o seu espetáculo, as insistentes alusões a tramas danbrownescas foram apagadas. E vai continuar assim.

    Abraços,
    Jorge

  8. Sidnei

    Jorge, me tire uma dúvida, este Diógnes Leite e o Jean são a mesma pessoa ou tem dois gays aqui para confundir tudo e bangunçar com teu blog?

  9. R. B. Canônico

    Diógenes,

    estou falando de trabalhos científicos de alto valor reconhecidosd pela comunidade científica mundial.

    E, caso vc não saiba, tais trabalhos muitas vezes são feitos por equipes com pessoas de várias religiões distintas, muitos judeus especialmente.

    Afinal de contas, estamos falando de trabalho científico, com método, figura de mérito, enfim, tudo o que caracteriza uma pesquisa científica.

    Vejo que vc está completamente alheio ao que seja um trabalho científico, e quer desqualificar um trabalho de uma vida inteira acusando de interesse, por carreira eclesiástica?

    Fica clara a sua (horrível) motivação…

  10. Lampedusa

    Perdoem-me, mas estou de ferias fora do Brasil e li apenas os ultimos 5 ou 6 posts desse thread e soh queria comentar o seguinte post do Diógenes (desculpem-me pela grafia, mas o teclado eh estranho):

    ” Cara! Para interpretar escritos de semi-analfabetos não precisa dessa “viagem” toda não! Quem escreveu tais escrituras, eram pessoas simples que mal entendiam a forma de escrita. Sendo assim, acho que esses teus amigos querem mesmo é se destacar na tua instituição (católica).”

    Dá para discutir com pessoas que pensam assim? Nao costumo ser tao enfático em meus posts, mas essa pessoa devia escrever sobre temas profundos na Contigo…

    Haja ignorancia!

  11. Jorge Ferraz Post author

    A propósito, sobre “alguns pontos ignorados” nos comentários do Diógenes:

    1- Quem, biblicamente falando, está livre do pecado? O Papa? Creio que não, porque enquanto ele confessar ser humano, nunca estará livre do “pecado”. Lembra desses versículos? Salmos 51.5; Provérbios 20.9; João 8.7.

    As “desinterpretações” bíblico-gays não têm relevância alguma aqui. Peço que as evitem.

    Sobre “quem (…) está livre do pecado”, ninguém. Mas todo mundo pode saber o que é pecado e o que não é, e é este o ponto aqui. O problema não é o homossexual que sabe serem pecados os seus atos e, esforçando-se por viver castamente, cai de vez em quando e peca, porém levanta-se novamente e continua a combater: o problema são os gays dizerem que os atos homossexuais não são pecados e que, ao contrário, são a coisa mais linda do mundo.

    2- Podemos confiar na interpretação da Igreja?
    O Papa Pio IX, anos 1846-74, havia definido essa aversão dizendo: “A leitura da Bíblia é um veneno!” (Sill. 8-12-64)

    Do Syllabus citado [lembrando que este documento enumera erros condenados]:

    8º Corno a razão humana se equiparar à mesma religião, por isso as disciplinas teológicas se devem tratar do mesmo modo que as filosóficas.

    […]

    12º Os decretos da Sé Apostólica e das Congregações Romanas impedem o progresso livre da ciência.

    […]

    64º Tanto a violação de qualquer juramento santíssimo, como qualquer ação infame e perversa contrária à Lei sempiterna, não só não é censurável, mas também até completamente lícita e digna de grandes elogios, quando for feita por amor da Pátria.

    Onde está a citada frase que, segundo o teólogo Diógenes, O Papa Pio IX havia “definido”? Nada surpreendentemente, o sujeito – qual papagaio – repete bobagens sem nem mesmo se dar ao trabalho de as conferir. E exige que o levemos a sério…

    Em sucessivos Concílios depois do século IV os papas sancionaram muitos dogmas que modificaram o Cristianismo na sua essência: Purgatório, Celibato, Transubstanciação, infalibilidade papal, culto a imagens, uso de velas, água benta, etc…

    Primeiro que o teólogo Diógenes nem faz idéia do que está falando, uma vez que o “uso de velas” não é um dogma.

    Segundo, que as coisas enumeradas na lista dele que são realmente dogmas [Purgatório, Transubstanciação, infalibilidade Papal] desde sempre estiveram presentes no Cristianismo, como a História fartamente atesta para qualquer um que tenha um mínimo de boa vontade.

    3- O pecado tem origem no coração do homem: Marcos 7.20-23; Mateus 5.27-28.

    De novo, as deturpações bíblicas serão ignoradas.

    Que o pecado tem origem no coração do homem, é um fato – aliás, pregado pela Igreja.

    No entanto, a conclusão “ah, se todo mundo é tentado mesmo, então não tem problema pecar” fica por conta de Satanás.

    4- Quem cumpriu (?) “essa ‘profecia’ de ‘Cristo” de edificar a igreja foi Paulo e não Pedro!

    Mais uma vez, lixo deturpado das Escrituras Sagradas que não tem valor nenhum. Neste caso, nem mesmo literal: Nosso Senhor disse que iria edificar, Ele, a Sua Igreja sobre Pedro, e não que alguém A iria edificar, para que fosse possível ser São Paulo a “cumprir” a profecia!

    5- Conceito de família? Família pra você é ter filhos, só? Não foi isso que Cristo ensinou: Mt 12.48. Mas você vai lançar Mt 19. 4-6 como refutação! E eu já acrescento os versículos 11 e 12 para uma melhor compreensão da condição humana.

    Não, família não é “ter filhos só”, mas é também ter filhos, e (principalmente) não é a exclusão a priori dos filhos. Ainda mais grave no caso das duplas homossexuais, onde a exclusão do caráter procriativo é de natureza biológica e intrínseca à própria “união”.

    6- “Quando eu minto, eu não falo: “ah, mas mentir não é pecado”. Eu sei que pequei, me arrependo, e busco não mais pecar. O mesmo para todos os outros muitos pecados que cometo.”
    De que adianta esse teu arrependimento? Você consegue parar de mentir? Consegue parar de pecar? Busca não mais pecar? Já não leu na Bíblia que tudo o que você faz para ser justificado, são como trapos imundos? Is 64.6.

    DE NOVO, as “interpretações” bíblicas feitas pelo gay semi-analfabeto e mal-intencionado não têm valor algum para os católicos.

    O arrependimento adianta, obviamente, para se obter o perdão de Deus. Sobre se é preciso “busca[r] não mais pecar”, sim, essa é exatamente a obrigação de todo católico e a essência da vida cristã, com confissão das próprias faltas sempre que necessário e luta constante pelo próprio aperfeiçoamento. E, aliás, com relação a alguns pecados específicos e mais graves, são muitos os que conseguem deixar de cometê-los.

    A idéia diabólica de que “ah, todo mundo peca mesmo e, então, vamos liberar geral” é o anti-cristianismo, como está sendo denunciado aqui desde o início.

    E não me surpreende nada que o Diógenes comece a dar piti, a reclamar de perseguição e de censura e a jogar a toalha, dando no pé. Quando ninguém aqui deu sossego para os seus descalabros e exigiu seriedade no debate, impedindo a velha tática de mudança de assunto cinco vezes a cada comentário, só sobrou para ele dizer que “não adianta nada” debater…

    Abraços,
    Jorge.

  12. Sidnei

    Sidnei!
    “Eu já bati de frente com gente idiota, mas este está se superando.”
    Todos nós batemos de frente com pessoas idiotas! E há aqueles que se acham o dono da verdade, tornando-se o verdadeiro hipócrita, enganador, falso e covarde por apagar comentários dos outros, com medo de bater de frente com quem conhece seus podres!

    Vá reclamar com o Jorge Ferraz que é ele quem julga se pode liberar ou não seus comentários aqui, pois é ele o dono do blog e não eu, e ele tem suas razões para fazer isto, então idiota por idiota o senhor é mais um já que não percebesse isto também.

  13. Sidnei

    1. “O que Rute fez para se deitar com Booz é fato suficiente em dizer que ela teve uma relação homossexual com a sogra?, se você considera isto um fato, porque o autor sagrado não colocou também isto juntamente com o que fez Rute quando se ditou com Booz?”
    Não, seu hipócrita! Você entendeu o que eu quis dizer! Mas entrando no seu joguinho de “desentendido”…
    O que eu quero dizer é que você ignora o fato de rute poder ter amado a sua (sogra) numa relação homossexual, mas nem comenta a “safadeza” entre as duas – numa trama – para se deitar com um homem. Entendeu ou quer que sua igreja interprete as minhas palavras?

    Parece que você é que não entende nada mesmo por aqui, senhor Diógenes Leite, ou devo chamar de Jean Montecarlo, o que Rute e Noeme fizeram pode ter sido pecado, porém então como a história delas pode ter ido para na Bíblia, se elas eram tão pecadoras e “safadas” assim, simples, Rute é ancestral de JESUS, pelo ramo da casa e Davi, já que Davi era seu bis-neto, isto demonstra que JESUS venho de pessoas que também pecaram, como foi Rute, Davi, e muitos reis e Israel que caíram em idolatria e imitaram os povos pagãos que os rodeavam, porém como JESUS que foi tudo igual a nós pode descender de pessoas tão pecadora, simples, vale lembrar aquela passagem que ELE mesmo disse: “Ouvindo-os, Jesus replicou: “Os sãos não precisam de médico, mas os enfermos; não vim chamar os justos, mas os pecadores.” (Marcos 2,17), portanto não estranho tais fatos nos ancestrais de CRISTO, pois ELE venho salvar a todos de seus pecados, porém, é interessante notar que o Sr. Diógenes Leite chama Rute e Noeme de safadas, e no entanto, quer porque quer associar elas em uma relação homossexual, não é que ele mesmo sendo homossexual alega que as duas sejam safadas, será isto uma contestação de sua própria natureza?.

  14. Sidnei

    Alguns pontos ignorados nos meus comentários – apesar das explicações chulas, em refutação ao que já foi LEVANTADO pelos “sábios” deste blog contra os homossexuais:

    Se foi feitas refutações chulas, o senhor não tem capacidade para rebatê-las e por isto volta com as mesmas questões, isto que não foram as refutações chulas, isto demonstra que o senhor é que não tem competência nem de rebater tais refutações que são chulas, e o senhor ainda se acha tão espeeeerrrto!!!.

  15. Sidnei

    E a pergunta que não quer calar o Sr. Diógenes Leite e o Sr. Jean Motecarlo são ou não são uma única pessoa, já que as questões dos dois são idênticas.

  16. Sidnei

    Correção:

    aonde citei que JESUS era tudo igual a nós, esquei de infromar, menos no pecado.

  17. Jorge Ferraz Post author

    Sidnei,

    Jorge, me tire uma dúvida, este Diógnes Leite e o Jean são a mesma pessoa ou tem dois gays aqui para confundir tudo e bangunçar com teu blog?

    Boa pergunta. Sei que estão escrevendo do mesmo computador:

    Ou são a mesma pessoa, ou são os dois “companheiros de vida” unidos no fanatismo anti-católico. Nunca se sabe…

    Abraços,
    Jorge

  18. Enchridiana Violácea Maria Augusta Carvalho Madeira de Ley

    A verdade é que estes dois apóstatas são membros da Igreja Evangélica Contemporãnea. Aquela que é exclusiva do casal de pastores veados. Criticam o culto aos santos e praticam pederastia. Que belo modo de ser cristão! Não têm moral para nada, muito menos em relação ao culto dos santos que, sim, nada tem de praxe condenável.

    Agora, o que me preocupa é o seguinte:

    Até quando os senhores Bispos e Monsenhores ficarão vendo esta palhaçada promovida por clérigos que estão na Igreja promoverem estas orgiaspseudo-cristãs, seja na Puc, seja em Cedamusa!

  19. Jean Montecarlo

    Oi, amados! Só voltei porque me deu saudades e para dizer a Enchridiana Violácea que não sou “apóstata” e nem membro de igreja contemporânea alguma! rs. Sou um simples gay que procura defender sua causa. Caso quiserem conversar num campo neutro, vcs já têm meu e-mail, ok?
    Beijinhos a todos os católicos e fiquem no aprendizado do amor de seu deus.

  20. Milene Wermuth

    Parabenizo Benjamim Bee por suas colocações sempre em alto nivel de entendimento e classe e repudio qualquer manifestão contraria ao amor de Cristo,que em sua maxima revela
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
    E antes que tenha algum acéfalo questionando minha orientação afirmo ser heterossexual e tenho plena convicção que Cristo é exemplo de amor universal.
    E espero sinceramente que vocês se arrependam do que fazem com essa minoria e comecem a cuidar de testemunhar e engrandecer o exemplo maior de Cristo,não veem que com esse tipo de atitude exclusivista e fundamentalista só afasta os verdadeiros cristãos?
    Já houve o tempo do martirio,da igreja irmanada com sangue,hora de voltar aos ensinamentos de Amor.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.

    >>>ESSA É A LEI !

  21. Jorge Ferraz Post author

    “Alto nível de entendimento”?! É piada, né? Pode ser até que haja “entendimento”, mas sem dúvidas não é entendimento da Doutrina Católica ou da mensagem de Cristo.

    Sim, “amai-vos uns aos outros”. E também “vai e não tornes a pecar”. Incrível como a gente encontra teólogos recortando as Escrituras para justificar o injustificável!

    – Jorge

  22. André Luiz Araujo Magalhaes

    Diz Milene:

    Já houve o tempo do martirio,da igreja irmanada com sangue,hora de voltar aos ensinamentos de Amor.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.
    “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.

    >>>ESSA É A LEI !

    Isto tudo, cara Milene, não passa de arroubos sentimentalistas sem base Teológica alguma, pois distorce uma Virtude Teologal por excelência, aliás a maior virtude Teologal consequentemente.

    Distorce e invalida qualquer possibilidade de debate, sendo que não há organismo algum na Igreja que interfira de modo palmar nesta questão. O que existe é um movimento gayzista na PUC que tenta “cristianizar” de modo equívoco, ambíguo e malévolo coisas impuras por si só & não santas e claramente condenadas por Deus nas Escrituras e misticamente por Maria Santíssima em suas aparições.

    Este movimento gayzista entitulado “diversidade católica” liderado por um sacerdote cujo nome vale poupar por uma medida ética, fere toda possibilidade de debate, haja vista, sacrilegamente, casais gays participam ativamente das missas lá celebradas. Estão todos condenados ao fogo eternal por suas pr´prias nefandas atitudes indecentíssimas segundo o Ensinamento Evangélico.

    Ninguém quando acusa tais crimes falta com a misericórdia, pelo contrário. A indefectibilidade da Igreja, esposa de Cristo, nos dá a nota característica da verdadeira misericórdia.

    Vale ressaltar que pesa sobre todos os participantes deste movimento indiscutivelmente não Eclesial, ou pseudo-eclesial a indignação de Deus Todo Poderoso.

    A misericórdia, nas Sagradas Escrituras foi aplicada no Novo Testamento por Jesus Cristo Nosso Senhor aos doentes que pediam cura, e diante do populacho ingrato e da turbamulta desapiedada e consequentemente dos legalistas de peitas e ódios repletos.

    Querendo optar pela manutenção sórdida do pecado na vida, distorcendo o inquebrantável manancial doutrinal da Igreja Sacrossanta de Roma, não nos resta senão piedosamente orar a Maria Santíssima, virgem das Dores a intercessão necessária para que vos livreis do erro e da injustiça praticada contra Jesus Hóstia, que repete quotidianamente como na história do Rei Lotário.

    Ora, se existe um grupo gayzista de cunho protestante como um órgão oficial dos ditos “evangélicos”, que, ensina que para o amor não há peias ou barreiras, baseado numa errônea interpretação da Bíblia, como é de praxe por parte dos herdeiros de Lutero, há que advertir e admoestar os que querem viver o Catolicismo como norma de Fé, é necessário banir tudo quanto non clericat e clama pela fúria divina. Tendes cuidado com a nefasta e insana idéia liberal e naturalista que corre nas veias do mundo pagão, que esconde-se por vezes sob falso véu de cristãos.

  23. André Luiz Araujo Magalhaes

    http://www.diversidadecatolica.com.br/contato.php

    Este site, refere-se a um movimento de “baitolas” que vão à Puc, inclusive, no Rio de Janeiro, liderado por um padre surfista que dá Comunhão a gays. Lá não há confessionário, nem necessidade de confissão para casos de homoafetividade.

    O padre atende confissão somente em casos de pecado. É para rir!

    Existe um padre, existe um organismo oficial como a PUC, existe uma congregação, porque este padre é religioso.