“Mãe, obrigado por tuas lágrimas!”

closeAtenção, este artigo foi publicado 7 anos 3 meses 15 dias atrás.

Fonte: “Virtudes e Valores”, Sem. Jauri Strieder, LC (recebido por email)

Mãe, Obrigado Pelas Tuas Lágrimas

Mãe: uma palavra breve, porém tão longa de sentir. Muitos escritores e poetas dedicaram inúmeras páginas de ternura, de reconhecimento e de gratidão filial. Mãe move palavras.

As palavras movem, mas os exemplos arrastam, diz um provérbio. Tendo isso em conta, prefiro economizar palavras e falar de um exemplo: santa Mônica, a mãe de santo Agostinho.

Santa Mônica viveu de modo exemplar a sua missão materna, ajudando o filho Agostinho a descobrir a beleza da fé cristã. Foi uma vida de oração e de lágrimas, mas no final coroada pela conversão do filho e pela santidade.

Não sei quantas mães encontram nela um estímulo ou um reflexo da própria vida, mas serão muitos os que se identificam com o filho Agostinho. Atraído pela beleza terrena e percorrendo caminhos equivocados na adolescência, ele causou não pouca dor à sua mãe.

Agostinho percorreu um caminho semelhante ao nosso: esperanças, amores, sofrimentos… Ele não caiu do cavalo como Saulo para dar de cara com o amor de Deus. Pelo contrário, foi um longo trajeto de conversão, que foi possível graças ao vestígio que nunca se apagou do seu coração: o amor a Cristo infundido na infância, traduzido com décadas de oração e de lágrimas da sua mãe.

Hoje, é difícil consolar mães que lamentam a falta de prática religiosa dos filhos. Inclusive há filhos que sentem nostalgia da fé recebida. Um pai de família me comentou com grande pesar que, cada vez que visita a sua mãe, volta para casa com crise; ele constata a piedade profunda da sua mãe, valoriza a fé que dela herdou, mas lamenta o não tê-la transmitido aos seus filhos.

No dia das mães do ano 2010, o eco de santa Mônica transmite esperança e otimismo. Com seu exemplo de mãe, mãe de oração e de lágrimas. O segredo das lágrimas de santa Mônica consistia em que eram lágrimas diante de Deus. E quão fecundas!

Mãe, com amor e gratidão, quero te dizer com Agostinho: “Obrigado pela tua maneira feminina de ser, tua fé de varão, tua paz, teu amor materno e tua fé” (Confissões 9,4,8). E finalmente, obrigado pelas tuas lágrimas.

Vença o mal com o bem!


* Para entrar em contato com o autor do artigo clique aqui

Gostou? Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this page

2 thoughts on ““Mãe, obrigado por tuas lágrimas!”

  1. Pingback: Tweets that mention Deus lo Vult! » “Mãe, obrigado por tuas lágrimas!” -- Topsy.com

  2. Alien

    Bonito texto, Jorge!
    Te mandei um e-mail com uma dica excelente! Bom proveito! :D